1000000000√Ķes e 1000000000√Ķes

Novembro é o mês para comemorar o Carl Sagan Day.

Se você não sabe quem foi Carl Sagan, saia agora desse site, e só retorne depois de descobrir.

Essa semana terminei de ler Bilh√Ķes e Bilh√Ķes. Publicado depois de sua morte, cont√©m as vis√Ķes de Sagan sobre a Ci√™ncia, a Humanidade e o meio ambiente.

Embora alguns dos cap√≠tulos contenham as impress√Ķes de Sagan sobre o mundo de 15 ou 20 anos atr√°s, corrigidas as novidades cient√≠ficas, o livro √© muito atual. Os problemas que ele discute, s√£o os problemas que discutimos hoje em dia, mostrando que pouco se avan√ßou durante esse tempo.

Comovente o final do livro, onde o pr√≥prio Carl Sagan comenta sobre sua doen√ßa, e onde Ann Druyan, sua esposa, tamb√©m relata como foram os √ļltimos momentos da vida dele.

Certamente, um livro para ler e reler, bilh√Ķes e bilh√Ķes de vezes.

Brincando? Eu?

Terminei de ler “O senhor est√° brincando, Sr. Feynman!”.¬†

Já conhecia trechos isolados (aquele em que ele comenta sobre o ensino de Física no Brasil, ou sobre a Ciência do culto a carga, por exemplo), mas já passava da hora de ler o livro todo.

Em uma palavra, genial, como seu autor.

Richard Philips Feynman¬†nasceu em 1918. Estudou F√≠sica no MIT e fez sua p√≥s gradua√ß√£o em Princeton. Deu aulas na Universidade de Cornell e no Caltech. Trabalhou no Projeto Manhattan (projeto americano de pesquisa para armamento nuclear), laureado com o Nobel de F√≠sica em 1965, e dois anos antes de sua morte(1988), participou da comiss√£o de investiga√ß√£o do acidente com o √Ēnibus Espacial Challenger.

Feynman conta passagens curiosas de sua vida, desde as aventuras de inf√Ęncia, as confus√Ķes da gradua√ß√£o, ¬†passando pelos momentos em Los Alamos trabalhando na pesquisa para a constru√ß√£o da bomba at√īmica enquanto tem que lidar com a doen√ßa de sua esposa.

Sembre bem humorado, aprendemos com um físico como se deve lidar com as garotas, ou como arrombar cofres secretos.

Se o Nobel é um fardo para carregar, nada melhor que se divertir tocando um pouco de tambor, sair para dançar, ou vir para o Brasil como personalidade do Carnaval.

O Brasil, como j√° dito antes, √© refer√™ncia em v√°rios trechos do livro, mas h√° um capitulo em especial onde Richard Feynman conta como foi tocar em uma escola de samba, e principalmente, sobre o ensino de F√≠sica no Brasil em sua passagem por aqui na d√©cada de 50. Feynman critica o fato dos alunos sa√≠rem do curso sem de fato entenderem o conte√ļdo, apenas decorando o que necessitam para passar nas provas. Mais de 50 anos se passaram, e embora algumas coisas tenha mudado, √© curioso perceber que certos v√≠cios percebidos por Feynman ainda permanecem.

O senhor está brincando, Sr. Feynman! é um livro que eu recomendo, e não apenas para físicos ou para quem goste de Física. Na verdade, eu recomendo até mesmo para quem não gosta de Física. Mais do que conhecer detalhes da vida de um dos grande físicos do Século XX, é uma leitura divertida, interessante e motivante.