Arquivo da categoria: Sauropoda

Um dinossauro pescoçudo nanico é o mais novo dinossauro brasileiro

Os maiores animais a caminharem em terra firme foram os dinossauros saur√≥podes, apelidados de pesco√ßudos. Algumas esp√©cies de pesco√ßudos,¬† como o Argentinosaurus ou o Patagotitan, encontrados na Argentina, podiam ultrapassar 30 metros de comprimento. Verdadeiros colossos capazes de fazer a terra tremer! Mas nem todos os saur√≥podes eram assim… Existiram centenas de esp√©cies desses dinossauros em quase todos os continentes e, apesar da maioria ser conhecida pelo seu grande tamanho, algumas formas adotaram uma tend√™ncia contr√°ria. Existem alguns casos de pesco√ßudos an√Ķes, formas com a altura de um cavalo ou de um camelo, como Magyarosaurus ou Europasaurus, encontrados em ambientes de ilhas antigas. Via de regra, essas formas an√£s s√£o encontradas em ambientes de ilhas, pois devido a restri√ß√£o de √°rea e recursos, a miniaturiza√ß√£o do corpo pode ser uma vantagem. Por√©m, para nossa surpresa, f√≥sseis de uma nova esp√©cie de dinossauro pesco√ßudo an√£o foram encontradas aqui no interior do Brasil, em um lugar que esteve bem longe do mar durante toda a Era dos Dinossauros. Essa esp√©cie de dinossauro foi descoberta na cidade de Ibir√°, no interior de S√£o Paulo, e se tornou uma das menores esp√©cies de dinossauros pesco√ßudos conhecidas do mundo!

Reconstituição da nova espécie de dinossauro anão de Ibirá. Arte por Matheus Gadelha.

Por mais de 15 anos o Prof. Marcelo Fernandes (UFSCar) e seu grupo de pesquisa, eu inclusa, t√™m coletado f√≥sseis no Noroeste Paulista, em uma localidade onde s√£o encontrados abundantes f√≥sseis de dinossauros. As rochas e f√≥sseis dessa localidade datam do Per√≠odo Cret√°ceo e t√™m aproximadamente 80 milh√Ķes de anos. Dentre os f√≥sseis recuperados est√£o restos de dinossauros carn√≠voros, crocodilos, tartarugas e v√°rios outros animais da “Era dos Dinossauros”. Muitos restos de dinossauros herb√≠voros foram encontrados na localidade, mas at√© o momento nenhuma esp√©cie de pesco√ßudo havia sido nomeada para a regi√£o.

Eu procurando por fósseis no sítio onde foram encontrados fósseis do pequeno pescoçudo em Ibirá, SP. Foto por Tito Aureliano.

Fui eu quem trabalhou pela primeira vez, durante a minha gradua√ß√£o, com os f√≥sseis do pequeno dinossauro pesco√ßudo de Ibir√°. √Äquela √©poca, o dinossauro n√£o ganhou nome, mas foi reconhecido como diferente das outras esp√©cies descritas para o Brasil at√© ent√£o. Muito tempo se passou, mais f√≥sseis desse pequeno dinossauro foram encontrados e, finalmente, alguns anos atr√°s, a miss√£o de liderar a descri√ß√£o da esp√©cie desse misterioso dinossauro nanico foi dada ao paleont√≥logo Bruno Navarro, atualmente estudante de doutorado no Museu de Zoologia da USP, e especialista em dinossauros saur√≥podes. Bruno, Marcelo e eu contamos com a ajuda de uma excelente equipe de colaboradores nesse processo e, no √ļltimo dia 15 de setembro, apresentamos formalmente essa nova esp√©cie de dinossauro ao mundo cient√≠fico.

O colega Bruno Navarro em Ibirá, SP, procurando por fósseis. Foto do arquivo pessoal de Bruno.

Comparando os f√≥sseis do pequeno dinossauro de Ibir√° com materiais de outros animais do mesmo grupo encontrados no Brasil e no mundo, foi poss√≠vel concluir que ele pertencia √† fam√≠lia dos saltassauros, um grupo de titanossauros que inclui algumas esp√©cies de j√° de tamanho bastante reduzido. Al√©m disso, o pequeno dinossauro de Ibir√° apresentava v√°rias caracter√≠sticas √ļnicas, n√£o compartilhadas com seus parentes mais pr√≥ximos, logo, uma nova esp√©cie poderia ser batizada. O nome escolhido foi Ibirania parva. Ibirania √© a jun√ß√£o das palavras Ibir√° – cidade onde a esp√©cie foi encontrada – e ania que em grego significa ‚Äúcaminhante, peregrino‚ÄĚ. J√° parva √© o latim para ‚Äėpequeno‚Äô. Como a palavra Ibir√° vem do Tupi para ‚Äú√Ārvore‚ÄĚ – √© poss√≠vel traduzir o nome desse dinossauro como ‚Äúo pequeno peregrino das √°rvores‚ÄĚ.

Reconstituição artística de Ibirania parva por Hugo Cafasso.

Desde o princípio era possível notar que os fósseis desse pescoçudo de Ibirá eram muito pequenos quando comparado a outros titanossauros, mas ao estimar o tamanho aproximado de um dos espécimes analisados, nos surpreendemos. Ele teria entre 5 e 6 metros de comprimento e seria da altura de uma vaca, o que o colocaria entre as menores espécies de saurópodes já descritas do mundo! Para checar se o tamanho reduzido seria porque o  espécime era apenas um jovem quando morreu, resolvemos analisar o tecido ósseo fossilizado do dinossauro ao microscópio. Essas amostras foram analisadas pelo paleontólogo Tito Aureliano, atualmente estudante de doutorado da Unicamp. A partir da análise do tecido ósseo foi possível concluir que Ibirania realmente era uma espécie de titanossauro anão, já que os fósseis pertenciam a um animal adulto no momento de sua morte, ou seja, ele não cresceria mais ao longo de sua vida.

Tamanho estimado de Ibirania parva comparado a um humano de 1,80m. Em destaque as partes descobertas do esqueleto.
Vértebra dorsal de Ibirania parva. Imagem de Navarro et al. (2022). Escala = 10cm.

No interior de S√£o Paulo, durante o final do Per√≠odo Cret√°ceo, h√° 80 milh√Ķes de anos, caminharam muitos dinossauros pesco√ßudos de grande tamanho, e at√© gigantes, como o Austroposeidon. Mas havia algo de especial na regi√£o de Ibir√°, que favoreceu a exist√™ncia de pesco√ßudos nanicos. Diferente de outros an√Ķes que viviam em ilhas tropicais onde hoje √© a Europa, como Magyarosaurus ou Europasaurus, Ibirania vivia no interior do Brasil, em um ambiente semi-√°rido com per√≠odos chuvosos intercalados por secas intensas. Foi esse ambiente hostil, com recursos limitados periodicamente, que selecionou esses pequenos dinossaurinhos herb√≠voros, que ao inv√©s de migrar, provavelmente permaneciam residentes na regi√£o.

Ibirania √© a primeira esp√©cie comprovadamente an√£ das Am√©ricas e viveu em um contexto muito diferente dos outros dinossauros pesco√ßudos an√Ķes j√° encontrados. Ela acrescenta novas informa√ß√Ķes sobre a evolu√ß√£o dos titanossauros e tamb√©m sobre a ocorr√™ncia de nanismo em dinossauros saur√≥podes. Ibirania recebeu o apelido carinhoso de ‚ÄúBilbo‚ÄĚ, em refer√™ncia ao hobbit de “O Senhor dos An√©is”, por ser um nanico entre gigantes. Se voc√™ quiser saber todas as descobertas que este ‚Äėdinossauro-Hobbit‚Äô j√° forneceu, assista √† playlist: https://www.youtube.com/watch?v=_kH96sPGjfg&list=PLHPifkNwYyYYNFP-wvUXNti7NGkfNQ8hz.

O estudo foi publicado na revista Ameghiniana e pode ser acessado AQUI.

Assista também ao vídeo de divulgação:

Referência:

A. Navarro, B., M. Ghilardi, A. ., Aureliano, T., Díez Díaz, V., N. Bandeira, K. L., S. Cattaruzzi, A. G., V. Iori, F., M. Martine, A., B. Carvalho, A., Anelli, L. E., A. Fernandes, M., & Zaher, H. (2022). A NEW NANOID TITANOSAUR (DINOSAURIA: SAUROPODA) FROM THE UPPER CRETACEOUS OF BRAZIL. Ameghiniana, 59(5), 317-354. https://doi.org/10.5710/AMGH.25.08.2022.3477

Cabeça de predador: dinossauro brasileiro ajuda a compreender a evolução do grupo

Novo estudo, liderado por pesquisador brasileiro e publicado hoje na revista cient√≠fica ‘Scientific Reports‘ (UK), investigou o c√©rebro de um dos mais antigos dinossauros do mundo e revelou detalhes importantes sobre o comportamento desses animais. O dinossauro estudado foi Saturnalia tupiniquim, uma esp√©cie brasileira, descoberta no Rio Grande do Sul, e proveniente de unidade geol√≥gica de relev√Ęncia internacional, que tem fornecido pe√ßas chaves na compreens√£o da evolu√ß√£o dos primeiros dinossauros.

Captura de Tela 2017-09-19 aŐÄs 21.00.50

Captura de Tela 2017-09-19 aŐÄs 23.21.24
Reconstituição de Saturnalia tupiniquim, arte de Rodolfo Nogueira.

O estudo foi liderado pelo aluno de doutorado Mario Bronzati Filho, do Programa Ci√™ncia sem Fronteiras (CNPq), e contou ainda com a participa√ß√£o do pesquisador alem√£o Dr. Oliver W. M. Rauhut (Ludwig-Maximilians-Universit√§t), supervisor do estudante na Alemanha, e tamb√©m com professores de duas universidades brasileiras, Dr. Jonathas S. Bittencourt (UFMG) e Dr. Max C. Langer (FFCLRP-USP).

Os pesquisadores usaram microtomografia computadorizada para reconstruir o c√©rebro de Saturnalia e, assim, puderam entender em maior detalhe a sua estrutura. Com base nisso, foi poss√≠vel realizar infer√™ncias sobre o comportamento desses animais. Esta foi a primeira vez que partes do c√©rebro de um dinossauro t√£o antigo foram reconstru√≠das. Os f√≥sseis de Saturnalia foram encontrados em rochas de 230 milh√Ķes de anos da chamada Forma√ß√£o Caturrita, unidade geol√≥gica da Bacia Sedimentar do Paran√°, que afloram no estado do Rio Grande do Sul.

SONY DSC
Afloramento rochoso da Formação Caturrita onde foram encontrados os fósseis de Saturnalia Tupiniquim.

Saturnalia tupiniquim foi um dinossauro de pequeno porte, com cerca de 1,5 m de comprimento e que pesava aproximadamente 10 kg. Seus f√≥sseis foram encontrados h√° cerca de 20 anos, na √°rea urbana de Santa Maria, RS. Muitos detalhes da anatomia do seu esqueleto p√≥s-craniano (isto √©, dos membros, coluna vertebral e cinturas escapular e p√©lvica) j√° eram conhecidos, mas essa foi a primeira vez que partes internas de seu cr√Ęnio foram estudadas.

16877941
Reconstituição artística de Saturnalia tupiniquim, arte de Rodolfo Nogueira (http://rodolfonogueira.daportfolio.com).
SATURNALIA TUPINIQUIM escala
Reconstrução esqueletal e escala de tamanho de Saturnalia tupiniquim. Arte de Felipe A. Elias.

Saturnalia pertence ao grupo de dinossauros conhecido como ‘Sauropodomorpha’, uma linhagem de esp√©cies essencialmente herb√≠voras, que inclui os famosos saur√≥podes, dinos de pesco√ßo comprido, que est√£o entre alguns dos maiores animais que j√° caminharam sobre o planeta Terra, como os titanossauros, o apatossauro e o braquiossauro. A linhagem Sauropodomorpha viveu na Terra por cerca de 170 milh√Ķes de anos e os √ļltimos representantes desse grupo foram extintos h√° cerca de 66 milh√Ķes, durante o evento de extin√ß√£o em massa do final do Cret√°ceo, que extinguiu todos os dinossauros n√£o-avianos (as Aves, que s√£o dinossauros, continuam muito bem, obrigada).

flat,800x800,070,f.u1 (1)
Sauropodomorpha, arte de Franz Anthony.

Saturnalia √© um dos mais antigos Sauropodomorpha conhecidos (no que diz respeito √† tamanho, essa foi uma origem bastante humilde para um grupo de gigantes, n√£o?). O resultado curioso do estudo de Bronzati e colegas √© que, com base em an√°lises comparativas, o c√©rebro de Saturnalia revela que ele – literalmente – tinha “a cabe√ßa de um predador”. Isso √© extremamente relevante do ponto de vista ecol√≥gico e evolutivo. A linhagem dos Sauropodomopha √© conhecida pela evolu√ß√£o de formas muito bem adaptadas √† herbivoria, por√©m o estudo com Saturnalia revela que a origem desse grupo de dinossauros estava longe de ser “vegana”…

A dieta de um dinossauro √© geralmente inferida com base na morfologia dos dentes e de outras partes de seu esqueleto. Entretanto, a morfologia do c√©rebro tamb√©m pode fornecer informa√ß√Ķes valiosas para o estudo do comportamento de animais extintos. Diferentemente dos gigantes saur√≥podes, que tinham uma dieta baseada somente em plantas, a denti√ß√£o dos primeiros sauropodomorfos (incluindo Saturnalia tupiniquim) indica que esses animais tinham uma dieta on√≠vora (baseada em plantas e outros animais) ou faun√≠vora (baseada somente em outros animais). Agora, a nova pesquisa traz evid√™ncias adicionais de que os sauropodomorfos mais antigos eram animais predadores.

Captura de Tela 2017-09-19 aŐÄs 23.21.53
A observa√ß√£o exclusiva dos dentes de Saturnalia n√£o era muito conclusiva sobre a sua dieta. O novo estudo traz informa√ß√Ķes melhor embasadas. Frame do v√≠deo de divulga√ß√£o do artigo, arte de Rodolfo Nogueira.

De acordo com a avalia√ß√£o dos paleont√≥logos respons√°veis pelo estudo, Saturnalia apresentava um grande volume do “fl√≥culo e o parafl√≥culo do cerebelo”. Esque√ßa os nomes complicados… Estes tecidos fazem parte de sistemas neurol√≥gicos que operam no controle do movimento de cabe√ßa e do pesco√ßo do animal, e tamb√©m no controle da vis√£o. O grande volume destas estruturas indica um comportamento em que movimentos r√°pidos de pesco√ßo e cabe√ßa deveriam ser parte do repert√≥rio desse animal. Isso √© observado, normalmente, em predadores, que usam essas habilidades para capturar presas pequenas e esquivas. Apesar do alongamento do pesco√ßo e a redu√ß√£o do cr√Ęnio representarem marcas registradas do plano corp√≥reo Sauropodomorpha mais derivados (i.e. os saur√≥podes), os primeiros passos na aquisi√ß√£o dessa morfologia √ļnica parecem ter surgido como adapta√ß√Ķes para preda√ß√£o, um cen√°rio evolutivo conhecido como exapta√ß√£o, explicam os autores.

Exaptação é um processo em que uma característica surge com uma certa função, mas passa a ter outra função em um momento distinto da história evolutiva de uma linhagem.

Os saurópodes, herbívoros, não possuíam grandes volumes dos tecidos do cérebro ligados ao controle refinado do movimento da cabeça, pescoço e visão. Isto indica que a evolução da herbivoria nessa linhagem também se deu com mudanças na estrutura dos cérebros desses animais.

O estudo do comportamento de animais extintos √© muito dif√≠cil e muitas vezes depende da observa√ß√£o de evid√™ncias indiretas, como os icnof√≥sseis. Estudos de reconstru√ß√Ķes digitais do c√©rebro s√£o uma forma de se obter tal tipo de informa√ß√£o, mas eles sempre devem ser interpretados com cautela. N√£o obstante, o novo estudo √© um importante primeiro passo na busca por uma melhor compreens√£o do comportamento dos primeiros dinossauros. Por fim, estudos futuros certamente trar√£o mais informa√ß√Ķes para entender em mais detalhes a evolu√ß√£o da linhagem dos sauropodomorfos, que come√ßou com pequenos animais predadores e posteriormente deu origem aos gigantes herb√≠voros do passado.

Captura de Tela 2017-09-19 aŐÄs 23.21.11
Reconstituição em vida de Saturnalia tupiniquim. Arte de Rodolfo Nogueira.

Veja o vídeo de divulgação do artigo:

Veja algumas informa√ß√Ķes exclusivas no bate-papo que tivemos com o Mario Bronzati, autor principal do estudo, em nosso canal (clique na imagem para ser redirecionado para o YouTube):

Captura de Tela 2017-09-20 aŐÄs 12.34.05Agradecemos ao colega M√°rio Bronzati por ter compartilhado as informa√ß√Ķes desse maravilhoso estudo conosco antecipadamente. Ademais, n√£o deixem de se inscrever em nosso canal (http://www.youtube.com.br/colecionadoresdeossos)!

Bronzati-Filho et al. 2017. Endocast of the Late Triassic (Carnian) dinosaur Saturnalia tupiniquim: implications for the evolution of brain tissue in Sauropodomorpha. Scientific Reports.

Município de Coração de Jesus, uma experiência além do tempo

Ol√° a todos! Seguindo a vertente de postagens relacionadas √†¬†divulga√ß√£o cient√≠fica e sua import√Ęncia, temos aqui outra narrativa¬†acerca da divulga√ß√£o da descoberta do¬†Tapuiasaurus macedoi em sua cidade natal, o munic√≠pio de Cora√ß√£o de Jesus! Este texto, redigido pelo Me. Natan Santos Brilhante, traz uma perspectiva complementar √† postagem pr√©via sobre o assunto (veja aqui). Espero que gostem!


Sob a mira de olhares curiosos e intrigados, forasteiros em um ve√≠culo branco com logotipo (representado pela silhueta de um Tamandu√°-bandeira) de uma institui√ß√£o p√ļblica conduziram diversas expedi√ß√Ķes de coleta de f√≥sseis no norte do estado de Minas Gerais. Os trabalhos na regi√£o duraram v√°rios anos, mais precisamente de 2005 at√© 2012. Entretanto, na perspectiva dos habitantes, quais seriam os motivos que trariam por tanto tempo pesquisadores do Museu de Zoologia da Universidade de S√£o Paulo (MZUSP)1 para uma cidade modesta e long√≠nqua?

01 - Natan
Veículo oficial do MZUSP no afloramento. Fonte: Natan Santos Brilhante

Logo MZUSP Atualizado
Logo em evidência, o mesmo visto na porta dianteira do veículo oficial do MZUSP. Fonte: Arquivo Laboratório de Paleontologia-MZUSP

Talvez o município de Coração de Jesus seja considerado simples em comparação com as grandes metrópoles brasileiras. Contudo, é uma cidade extremamente rica em cultura, hospitalidade e vivacidade. Em meio a toda a sua diversidade, nunca faltaram pessoas com disposição e prontidão em ajudar, seja para desatolar o veículo quando este enfrentou chuvas torrenciais nas estradas de barro do município, ou para servir com capricho uma boa refeição para toda a equipe depois de um dia exaustivo de trabalho.
 
Outras situa√ß√Ķes inusitadas fazem parte das boas lembran√ßas, e ocupam as p√°ginas do di√°rio de campo, como o deslocamento de um bloco de grandes dimens√Ķes e peso, localizado em √°rea de dif√≠cil acesso. Esse material s√≥ p√īde ser transportado para o alto do barranco gra√ßas ao aux√≠lio de um ‚Äúcarro de boi‚ÄĚ , gentilmente disponibilizado por Jos√© Ad√£o Pereira de Souza, o ‚ÄúZezinho‚ÄĚ, respons√°vel pela descoberta dos primeiros ossos fossilizados expostos na regi√£o por a√ß√£o do intemperismo*.
03 - Natan
‚ÄúCarro de boi‚ÄĚ, comumente usado para auxiliar em atividades de zonas rurais. Fonte: Natan Santos Brilhante

04 - Natan
Moradores do município de Coração de Jesus ajudando a equipe de pesquisa do MZUSP a transportar os materiais. Fonte: Natan Santos Brilhante

05 - Natan
Fragmentos de ossos fossilizados (esbranquiçados) aflorando em meio aos sedimentos por ação do intemperismo. Fonte: Natan Santos Brilhante

E o que falar da amizade do Sr. Israel Cruz e da Sra. Marylene Ferreira que abriram as porteiras da Fazenda Santa Tereza para os pesquisadores trabalharem e que, no entardecer, os acolhia com tanto carinho em sua casa para oferecer um bolo caseiro acompanhado de suco de coquinho azedo***. Vale lembrar ainda do Sr. Amilcar, que nos recebeu em sua resid√™ncia semelhante a uma ‚Äúcasa de taipa‚ÄĚ, a alguns quil√īmetros dos afloramentos. Sua atitude cordial possibilitou o abastecimento de √°gua para as etapas de coleta, resguardando o uso de recurso pot√°vel destinado ao nosso consumo e, consequentemente, evitando a nossa desidrata√ß√£o diante do sol forte e de temperaturas com m√©dias di√°rias acima dos 40 graus (na sombra). Curiosamente, ele sempre lembrava com precis√£o o nome de integrantes da equipe que por l√° passaram h√° anos (mem√≥ria invej√°vel para qualquer taxonomista, n√£o?!).
06 - MZUSP
Um dos pontos de coleta de fósseis nos domínios da Fazenda Santa Tereza. Fonte: Arquivo Laboratório de Paleontologia-MZUSP

Estes foram apenas alguns dos eventos e personagens que fizeram parte das muitas histórias de bastidores que ocorreram durante os trabalhos de campo.
Tal empenho e esfor√ßo renderam frutos, ou melhor… f√≥sseis, de dinossauros saur√≥podes e ter√≥podes, que foram (e continuam sendo) dedicadamente estudados por pesquisadores nacionais e internacionais. Entre as descobertas mais emblem√°ticas est√° a esp√©cie Tapuiasaurus macedoi, a partir de um exemplar que det√©m o mais bem preservado cr√Ęnio de titanossauro da Am√©rica do Sul. Essa descoberta recebeu destaque na comunidade cient√≠fica e na m√≠dia por meio da publica√ß√£o de um artigo na PLoS ONE4 em 2011 e, mais recentemente, na Zoological Journal of the Linnean Society5 em 2016.
07 - MZUSP
Coleta de fósseis de dinossauros nos arredores do município de Coração de Jesus. Fonte: Arquivo Laboratório de Paleontologia-MZUSP

08 - MZUSP
Equipe de pesquisa do MZUSP protegendo e preparando a retirada dos fósseis no afloramento para serem transportados. Fonte: Arquivo Laboratório de Paleontologia-MZUSP

09 - MZUSP
Cr√Ęnio do esp√©cime MZSP-PV 807 (Tapuiasaurus macedoi). A barra de escala representa 10 cm. Fonte: Arquivo Laborat√≥rio de Paleontologia-MZUSP

Infelizmente, nem sempre cabem agradecimentos em uma revista cient√≠fica a cada pessoa que, direta ou indiretamente, colaborou com o desenvolvimento da pesquisa. Eventualmente, estas ser√£o retratadas em outros meios de comunica√ß√£o, como internet, jornais e r√°dio. Outra quest√£o recorrente √© a falta de acesso e de linguagem adequada a este tipo de conte√ļdo por p√ļblico o qual a vida acad√™mica n√£o faz parte da sua realidade.
Ent√£o, como retribuir o apoio t√£o caloroso? Como mostrar √† popula√ß√£o a import√Ęncia e a seriedade do que est√° sendo realizado nos arredores da sua cidade? Ou o porqu√™ de estar sendo realizado. Como resposta, cito a seguir alguns dos trabalhos promovidos por alunos, funcion√°rios e professores do Museu de Zoologia da Universidade de S√£o Paulo, em parceria com o Museu de Ci√™ncias da USP – Pr√≥-Reitoria de Cultura e Extens√£o Universit√°ria2 e o Instituto Butantan3.
As atividades contaram também com o apoio da Prefeitura local e ocorreram a partir de duas frentes principais:
(1) Montagem da exposi√ß√£o itinerante ‚ÄúCabe√ßa Dinossauro: o novo tit√£ brasileiro‚ÄĚ
Abordou tem√°ticas como Paleontologia, Evolu√ß√£o e Din√Ęmica da Terra, e foi uma remontagem (e recontextualiza√ß√£o) de uma exposi√ß√£o com o mesmo t√≠tulo, montada para o Museu de Zoologia da USP, em 2011.
A exposi√ß√£o permaneceu aberta de ter√ßa-feira a domingo, durante todo o dia, entre os meses de maio e agosto de 2012. Adentro, o p√ļblico p√īde contemplar f√≥sseis originais e r√©plicas de diferentes regi√Ķes e contextos geol√≥gicos, assim como dioramas, v√≠deos informativos e ‚Äúpaleoarte‚ÄĚ. Entre os v√≠deos, destaca-se um feito com os depoimentos de algumas pessoas da cidade, sobre suas impress√Ķes ou sua participa√ß√£o na descoberta dos f√≥sseis.
10 - MZUSP
Vista geral da exposi√ß√£o ‚ÄúCabe√ßa Dinossauro: o novo tit√£ brasileiro‚ÄĚ, em sua primeira montagem itinerante. Fonte: Arquivo Laborat√≥rio de Paleontologia-MZUSP

11 - MZUSP
Painel com informes e material a respeito do vasto universo da Paleontologia. Fonte: Arquivo Laboratório de Paleontologia-MZUSP

Ap√≥s poucos dias de abertura, a exposi√ß√£o j√° havia recebido milhares de visitantes, alcan√ßando n√£o apenas os Corjesuenses, mas tamb√©m cidad√£os de munic√≠pios pr√≥ximos e de outros estados . Para se ter ideia em n√ļmeros, a exposi√ß√£o foi visitada por mais de 9 mil pessoas, em uma cidade de pouco mais de 20 mil habitantes!
12 - MZUSP
Dia de visita. Intera√ß√£o entre o p√ļblico e a exposi√ß√£o. Fonte: Arquivo Laborat√≥rio de Paleontologia-MZUSP

Acreditamos que este tipo de realiza√ß√£o estimule uma pr√°tica de grande import√Ęncia para a regi√£o: o turismo. Afinal, a rotatividade intensa de pessoas pode ser uma importante fonte para a economia regional, uma vez que a cidade est√° distante de grandes centros urbanos e o com√©rcio se restringe basicamente aos seus pr√≥prios habitantes.
(2) Projeto de extens√£o ‚ÄúPaleontologia sob a perspectiva da Educa√ß√£o Patrimonial: aproximando os f√≥sseis da popula√ß√£o de Cora√ß√£o de Jesus‚ÄĚ
Foi de car√°ter educativo e teve o intuito de permitir o reconhecimento do patrim√īnio fossil√≠fero da regi√£o, assim como apresentar quest√Ķes cient√≠ficas relacionadas √† Paleontologia, relev√Ęncia desta ci√™ncia para o mundo e valor do Patrim√īnio Geopaleontol√≥gico. Foram efetivadas as seguintes atividades:
I. Curso de Forma√ß√£o Continuada de Professores – visou um melhor entendimento do patrim√īnio fossil√≠fero regional e do conte√ļdo da exposi√ß√£o itinerante por parte de professores, de modo que eles pudessem promover visitas direcionadas com seus alunos, utilizando ferramentas da Educa√ß√£o Patrimonial e o conhecimento obtido a partir de estudos regionais. Esse evento ocorreu em mar√ßo de 2012, teve dura√ß√£o de uma semana (40 horas) e contou com a participa√ß√£o de 118 professores e funcion√°rios de escolas p√ļblicas estaduais e municipais, tanto de √°reas urbanas quanto rurais, divididos em duas turmas.
13 - MZUSP
Curso sendo ministrado para a formação continuada de professores. Fonte: Arquivo Laboratório de Paleontologia-MZUSP

II. Oficinas nas escolas – promoveu monitorias e oficinas para desenvolver dobraduras e desenhos relacionados √† Paleontologia, assim como o contato com f√≥sseis e r√©plicas. Essa etapa incluiu tamb√©m a iniciativa ‚ÄúConverse com um Paleont√≥logo‚ÄĚ, promovendo o di√°logo direto entre alunos das escolas e profissionais e estudantes de p√≥s-gradua√ß√£o em Paleontologia para discutir e esclarecer d√ļvidas a respeito da atua√ß√£o do paleont√≥logo e a relev√Ęncia da sua √°rea de estudo. Participaram mais de 600 alunos de 10 escolas p√ļblicas (urbanas e rurais), em maio de 2012.
14 - MZUSP
Colaboradores do Laborat√≥rio de Paleontologia do MZUSP em di√°logo aberto com alunos de escolas p√ļblicas. Fonte: Arquivo Laborat√≥rio de Paleontologia-MZUSP

III. Forma√ß√£o de Monitores – prestou treinamento t√©cnico para o atendimento ao p√ļblico na exposi√ß√£o citada acima, de maio a julho de 2012. Os mediadores eram alunos do Ensino M√©dio, selecionados a partir de uma parceira junto √†s escolas. O curso abordou conceitos relacionados √† Museologia, Paleontologia e Patrim√īnio Geopaleontol√≥gico, totalizando 24 horas.
15 - MZUSP
Monitores atendendo o p√ļblico na exposi√ß√£o ‚ÄúCabe√ßa Dinossauro: o novo tit√£ brasileiro‚ÄĚ. Fonte: Arquivo Laborat√≥rio de Paleontologia-MZUSP

IV. Curso de Extens√£o Universit√°ria – foi ministrado para 16 graduandos em agosto de 2012. Para transmitir ideias gerais sobre o que √© a Paleontologia, a sua import√Ęncia, e o qu√£o promissoras s√£o as descobertas regionais.
Foram desenvolvidos tamb√©m diversos materiais did√°ticos para complementar, ilustrar e relembrar muitas das informa√ß√Ķes transmitidas em sala de aula pelos colaboradores do projeto educativo, como o livreto ‚ÄúCabe√ßa DINOSSAURO – o novo tit√£ brasileiro‚ÄĚ.
16 - MZUSP
Material educativo. Fonte: Arquivo Laboratório de Paleontologia-MZUSP

Al√©m dessas pr√°ticas, foram tamb√©m doadas r√©plicas do ‚Äútapuiassauro‚ÄĚ para o Centro Cultural Jos√© Alves Macedo, um n√ļcleo hist√≥rico-cultural sediado na pra√ßa central da cidade. Essa institui√ß√£o foi fundada e √© administrada por Ubirajara Alves Macedo, personagem folcl√≥rico e um tanto exc√™ntrico da regi√£o, que foi homenageado pela sua colabora√ß√£o na descoberta e na divulga√ß√£o inicial dos f√≥sseis com o sobrenome da sua fam√≠lia posto no ep√≠teto espec√≠fico da esp√©cie supracitada (Tapuiasaurus macedoi).
17 - Natan
A pra√ßa central da cidade pode ser facilmente reconhecida pela presen√ßa de uma ic√īnica est√°tua, Sagrado Cora√ß√£o de Jesus, que remete ao nome herdado pelo munic√≠pio. Fonte: Natan Santos Brilhante

Por meio dessas a√ß√Ķes de ensino e divulga√ß√£o, foi poss√≠vel mostrar √† popula√ß√£o da cidade de Cora√ß√£o de Jesus a import√Ęncia dos trabalhos paleontol√≥gicos, conscientizando e educando os moradores em como proceder diante de novas descobertas, valorizando assim os ideais de preserva√ß√£o e valoriza√ß√£o do patrim√īnio geopaleontol√≥gico. Esperamos com isso resgatar n√£o somente o patrim√īnio fossil√≠fero, mas tamb√©m, com empenho, incentivar as futuras gera√ß√Ķes de paleont√≥logos(as) e demais entusiastas da ci√™ncia.
18 - MZUSP
Monitores transmitindo conhecimento aos visitantes da exposi√ß√£o ‚ÄúCabe√ßa Dinossauro: o novo tit√£ brasileiro‚ÄĚ. Fonte: Arquivo Laborat√≥rio de Paleontologia-MZUSP

19 - MZUSP
Alunos de escolas p√ļblicas do munic√≠pio de Cora√ß√£o de Jesus durante uma visita √† exposi√ß√£o ‚ÄúCabe√ßa Dinossauro: o novo tit√£ brasileiro‚ÄĚ. Nota-se a curiosidade e o entusiasmo em suas express√Ķes faciais ao bordarem a tem√°tica Paleontologia. Fonte: Arquivo Laborat√≥rio de Paleontologia-MZUSP

* A história mais completa sobre a descoberta dos fósseis no município de Coração de Jesus foi relatada em uma matéria do Estadão, um jornal do estado de São Paulo, o qual, na época (2010), dedicou um caderno especial a essa temática. A reportagem contou também com uma série de entrevistas de alguns dos moradores e dos pesquisadores que estiveram à frente das descobertas na região.
*** Coquinho azedo (Butia capitata): planta típica do cerrado rica em vitamina A, C e potássio.
 
Endere√ßo eletr√īnico de algumas das reportagens sobre o assunto:
I. http://ciencia.estadao.com.br/noticias/geral,um-dinossauro-no-coracao-de-jesus,609332
II. http://topicos.estadao.com.br/tapuiassauro
III. http://tv.estadao.com.br/geral,dinossauros-do-brasil-o-trabalho-dos-paleontologos,242506
IV. http://tv.estadao.com.br/geral,dinossauros-do-brasil-entrevista-com-alberto-carvalho,244709
Endere√ßo eletr√īnico das institui√ß√Ķes mencionadas:
1 – http://www.mz.usp.br
2 – http://biton.uspnet.usp.br/mc/
3 – http://www.butantan.gov.br
Endere√ßo eletr√īnico dos¬†artigos cient√≠ficos a respeito do Tapuiasaurus:
4 – http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0016663
5 – http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/zoj.12420/abstract


Natan Santos Brilhante

IMG_0858
Formação acadêmica: Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade do Grande ABC, Licenciatura Plena e Bacharelado; Mestre e doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Zoologia do Museu Nacional, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Experi√™ncia profissional: elabora√ß√£o e execu√ß√£o de exposi√ß√Ķes, treinamento e medeio de monitores, atendimento ao p√ļblico, expedi√ß√Ķes de campo (paleontologia e herpetologia) e outros trabalhos t√©cnicos devido a sua colabora√ß√£o junto ao Laborat√≥rio de Paleontologia e √† Museologia do Museu de Zoologia da USP, de 2008 a 2013. Ap√≥s esse per√≠odo, ingressou no Museu Nacional/UFRJ e, desde ent√£o, segue como colaborador no Setor de Paleovertebrados do Departamento de Geologia e Paleontologia.
√Ārea de estudo: Zoologia, com √™nfase em Paleontologia de Vertebrados. Atua principalmente nos seguintes temas: Taxonomia de arcossauros f√≥sseis e recentes, curadoria de cole√ß√Ķes, coleta e prepara√ß√£o de f√≥sseis de vertebrados.

Com um frango no quintal

Talvez uma das facetas mais importantes que um pesquisador pode desempenhar √© a de divulgar a ci√™ncia, tanto o conhecimento por ele produzido quanto por seus pares. A divulga√ß√£o cientifica possibilita a aproxima√ß√£o de duas esferas tidas como tradicionalmente distantes que √© o conhecimento popular e o conhecimento cientifico, Por meio da divulga√ß√£o os pesquisadores nutrem a esperan√ßa de que pelo menos partes do conhecimento cientifico comece a integrar o conhecimento popular (e.g., teoria da gravidade, relatividade, alguns fatos sobre dinosauros, etc). A divulga√ß√£o cientifica feita pelos pr√≥prios cientistas √© relativamente rara e no m√≠nimo controversa, visto que pesquisadores divulgadores s√£o vistos como “estranhos no ninho” por seus pares (ver postagem). No entanto, cada vez mais os org√£os de fomento brasileiros est√£o reconhecendo a import√Ęncia de divulgar os resultados das pesquisas por eles financiadas. Portanto, vem ¬†se tornando cada vez mais comum a necessidade de direcionar parte do recurso solicitado, via projeto a um destes org√£os, a divulga√ß√£o direta de seus resultados.
Com o intuito de ilustrar a import√Ęncia da divulga√ß√£o da ci√™ncia para a comunidade n√£o-cientifica trago os relatos de dois pesquisadores que estiveram envolvidos no projeto de divulga√ß√£o do Tapuiasaurus realizado em sua “cidade natal”, Cora√ß√£o de Jesus.
Esta primeira postagem foi feita pela doutoranda Mariana Galera Soler e a segunda postagem será uma contribuição do doutorando Natan Santos Brilhante.
————————————————————————
A divulga√ß√£o da ci√™ncia n√£o √© uma novidade da nossa sociedade. Desde o s√©culo XVIII h√° extensos registros de a√ß√Ķes de profissionais e amadores da ci√™ncia buscando apresentar os seus resultados para plateias, muitas vezes selecionadas. Longe de ser uma a√ß√£o altru√≠sta, o processo de comunica√ß√£o dos resultados de uma pesquisa √© fundamental para a valida√ß√£o desta pesquisa pelo p√ļblico que, em √ļltima inst√Ęncia, atende fun√ß√Ķes econ√īmicas (financiamento p√ļblico e privado) e profissionais (forma√ß√£o de novos profissionais e apoio social √† pesquisa).
J√° na contemporaneidade, a partir da d√©cada de 1970 houve um forte movimento intitulado public undestanding of science, que tem resultado nas a√ß√Ķes de divulga√ß√£o que conhecemos atualmente, como centros de ci√™ncia mega-interativos, clubes de ci√™ncias, jogos, livros, filmes etc. Neste per√≠odo a divulga√ß√£o cient√≠fica passou a ter um car√°ter de essencialmente educativo. Fala-se no meio acad√™mico em letramento cient√≠fico ou alfabetiza√ß√£o cient√≠fica, ou seja, informar as pessoas de modo que elas possam tomar suas decis√Ķes de acordo com os conceitos cient√≠ficos vigentes. Em uma sociedade imersa em ci√™ncia e tecnologia, como vivemos atualmente, parece um discurso coerente.
No entanto, ao mesmo tempo que falamos em sociedade do conhecimento, hiperconectividade, redes sociais, ao abrirmos os jornais nos deparamos com uma chamada ‚Äúcrise dos direitos humanos‚ÄĚ, novos muros estabelecendo fronteiras f√≠sicas, al√©m dos ‚Äúfatos alternativos‚ÄĚ e da pseudoci√™ncia. Conhecemos o corpo humano e o universo em um n√≠vel de detalhamento que era impens√°vel no s√©culo XIX, mas questionamos a ci√™ncia que nos deu acesso a estas informa√ß√Ķes de uma forma que jamais pens√°vamos no p√≥s-guerra.

18136144_1315527271833833_886183950_n
‚ÄúVivemos em uma sociedade extremamente dependente de ci√™ncia e tecnologia, em que quase ningu√©m sabe nada de ci√™ncia e tecnologia‚ÄĚ ‚Äď Carl Sagan. Fonte da imagem: http://bigthink.com/words-of-wisdom/carl-sagan-on-science-and-technology

 
Ent√£o, p√Ķe-se em quest√£o: como falar de ci√™ncia para p√ļblicos que interessados em likes no Instagram?
Atualmente falar de ci√™ncia parece cool, ent√£o vou focar em exemplos da Paleontologia. Desenhos de dinossauros estampam camisetas e geralmente grandes bilheterias no cinema. Mas, o que √© mesmo um f√≥ssil? Um dinossauro √© t√£o antigo quando meu tatarav√ī? Eu posso ter um f√≥ssil em casa? Quando Pedro Alvares Cabral chegou no Brasil ainda existiam pregui√ßas gigantes?
18109476_1315527278500499_1666205460_n
‚ÄúEm minhas veias corre o sangue dos Dinossauros. Dos dinossauros eu te digo!‚ÄĚ. Um dos meus memes favoritos sobre dinossauros! Por que divulga√ß√£o cient√≠fica tamb√©m pode ser feita com likes e curtidas. Fonte: http://www.ifunny.com/pictures/veins-flows-blood-dinosaurs/

Estas quest√Ķes podem parecer bobas para quem √© da √°rea, mas n√£o s√£o triviais para a maioria das pessoas. No contexto mais √≥bvio, o escolar, embora sejam assuntos apontados nos par√Ęmetros curriculares de todos os n√≠veis da Educa√ß√£o B√°sica brasileira, s√£o temas pouco explorados pelos livros did√°ticos e na forma√ß√£o dos profissionais da Educa√ß√£o, de forma que a informa√ß√£o sobre paleontologia n√£o est√° evidente e os conte√ļdos paleontol√≥gicos aparecem dispersos nos curr√≠culos escolares, quando aparecem.
Espa√ßos para aprender sobre Paleontologia no Brasil tamb√©m s√£o escassos. Por exemplo, em todo o estado de S√£o Paulo h√° menos de uma dezena de museus que possuem f√≥sseis em exposi√ß√£o. H√° tamb√©m alguns centros de ci√™ncia, como o Catavento Cultural (em S√£o Paulo/SP), Sabina ‚Äď Parque Escola do Conhecimento (Santo Andr√©/SP) ou o Museu de Ci√™ncia e Tecnologia da PUCRS (Rio Grande do Sul / RS), mas dada as dimens√Ķes brasileiras ainda s√£o a√ß√Ķes esparsas. O Museu Nacional, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro/RJ) √© uma institui√ß√£o diferenciada neste aspecto, dado ao espa√ßo oferecido a uma exposi√ß√£o permanente sobre as diferentes faunas paleontol√≥gicas brasileiras, como tamb√©m por a√ß√Ķes educativas desenvolvidas pela equipe e alunos do museu.
Estas s√£o a√ß√Ķes pontuais e, geralmente, circunscritas a capitais e regi√Ķes de grande circula√ß√£o de pessoas. No entanto, quem usa t-shirt com a estampa do ‚ÄúT-rex‚ÄĚ, em geral, tem acesso a um museu ou a internet e pode descobrir mais facilmente que aquele personagem t√£o bravo do ‚ÄúJurassic Park‚ÄĚ n√£o passa de um frang√£o desengon√ßado e carniceiro. Voltando a sociedade hiperconectada, a informa√ß√£o paleontol√≥gica nas redes sociais est√° dispon√≠vel, e √© poss√≠vel dar likes no Instagram de diversos museus, seguir canais no Youtube de divulgadores cient√≠ficos. O desafio √© descobrir onde est√° a informa√ß√£o qualificada sobre a Paleontologia. E, neste sentido, as institui√ß√Ķes e os termos ‚Äúestudos comprovam‚ÄĚ apresentam um peso de qualificadores.
No entanto, esta √© uma quest√£o j√° bem explorada por outros textos. Gostaria aqui de discutir uma outra situa√ß√£o: como nos comunicar com quem encontra f√≥sseis nos seus quintais? Com quem est√° a margem destas grandes institui√ß√Ķes, cuja ci√™ncia se aprende tanto na pr√°tica cotidiana quanto na escola. Como falar em tempo geol√≥gico, para aqueles que contam os per√≠odos do ano entre as √©pocas de chuva e seca?
Para esta quest√£o, trago um outro referencial que ainda √© pouco explorado na Paleontologia brasileira, que √© o conceito do f√≥ssil como um patrim√īnio. Embora legalmente reconhecido como tal desde a d√©cada de 1940, e esta ser uma legisla√ß√£o bastante conhecida pelos paleont√≥logos, a dimens√£o cultural dos f√≥sseis ainda √© pouco explorada nas a√ß√Ķes educativas.
Entender o f√≥ssil como um patrim√īnio natural, implica em contextualizar estes materiais por meio de uma linguagem clara e objetiva, buscando estabelecer rela√ß√Ķes entre as popula√ß√Ķes locais onde os f√≥sseis foram encontrados e as equipes que pesquisam. Para al√©m quest√Ķes biol√≥gicas e geol√≥gicas diretamente relacionas aos f√≥sseis, a utiliza√ß√£o do referencial da educa√ß√£o patrimonial em Paleontologia fornece subs√≠dios para que esses materiais fa√ßam parte da identidade local e sejam entendidos como um patrim√īnio natural a ser preservado. Para que sejam efetivas estas pr√°ticas, ou seja, para que a popula√ß√£o local seja agente na conserva√ß√£o de s√≠tios paleontol√≥gicos e tamb√©m possam compartilhar seu conhecimento, at√© mesmo indicando novos afloramentos, abrindo suas casas e propriedades ou hist√≥ricos da regi√£o, √© fundamental que as a√ß√Ķes atendam as demandas espec√≠ficas dos grupos locais.
N√£o h√° apostilas ou f√≥rmulas. H√° estudos de caso que demonstram que a parceria entre popula√ß√Ķes locais e paleont√≥logos podem ser frut√≠feras para ambos. Um exemplo ocorreu no ano de 2012, no munic√≠pio de Cora√ß√£o de Jesus (MG). Nesta localidade foram encontrados f√≥sseis de dinossauros ter√≥podes e saur√≥podes da Bacia S√£o-franciscana que datam do Per√≠odo Cret√°ceo Inferior, com idades em torno de 120 milh√Ķes de anos. Esta regi√£o tem sido objeto de estudo da equipe de paleontologia do Museu de Zoologia da USP (SP), desde 2005.
18143112_1315527738500453_1834782978_n
Em destaque, município de Coração de Jesus, no norte do estado de Minas Gerais. Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Cora%C3%A7%C3%A3o_de_Jesus_(Minas_Gerais)

De forma que, passados sete anos em que a popula√ß√£o local convivia com a chegada de uma pick-up branca com emblema de uma universidade de outro estado, pessoas estranhas saiam cedo, iam para a √°rea rural do munic√≠pio e voltavam sujos de terra e com o carro cheios de rochas cobertas por gesso, muitas hist√≥rias foram criadas e situa√ß√Ķes com a equipe. Dizia-se de tudo um pouco: havia um tal dinossauro na cidade, que foi vendido para os EUA h√° centenas de milhares de reais, os donos das terras onde os f√≥sseis foram encontrados ganharam dinheiro e as equipes de paleont√≥logos eram apelidados de ‚Äúosseiros‚ÄĚ.¬† Depois de tanto tempo sem entender bem o que estava acontecendo, as rela√ß√Ķes entre a popula√ß√£o e a equipe come√ßaram a se tornar mais dif√≠ceis, ao ponto do prefeito da √©poca ligar para o Museu de Zoologia e pedir explica√ß√Ķes.
Bem, tais explica√ß√Ķes vieram na forma de um projeto educativo e uma exposi√ß√£o itinerante. Como n√£o era poss√≠vel levar e fazer uma montagem do f√≥ssil original, foi montada a exposi√ß√£o ‚ÄúCabe√ßa Dinossauro: o novo tit√£ brasileiro‚ÄĚ, ao redor da r√©plica completa do dinossauro Tapuiassaurus macedoi. As a√ß√Ķes educativas seguiram quatro linhas: (i) Curso de Forma√ß√£o Continuada de Professores, em que os conhecimentos gerados a partir dos estudos na regi√£o foram compartilhados com professores; tamb√©m foram abordadas ferramentas da Educa√ß√£o Patrimonial, para que os professores e alunos pudessem explorar a exposi√ß√£o e o patrim√īnio fossil√≠fero regional. Participaram 118 professores e funcion√°rios das escolas p√ļblicas estaduais e municipais, urbanas e rurais. (ii) Oficinas nas escolas, que discutiram o trabalho do paleont√≥logo, por meio de desenhos, dobraduras, intera√ß√£o com r√©plicas e f√≥sseis e roda de conversa entre alunos e profissionais, intitulada ‚ÄúConverse com um Paleont√≥logo‚ÄĚ. Em maio de 2012, foram realizadas oficinas para 10 escolas p√ļblicas (urbanas e rurais), envolvendo mais de 600 alunos. (iii) Forma√ß√£o de Monitores, como parte da parceria com as escolas, em que foram escolhidos 20 alunos do Ensino M√©dio os quais atuaram como mediadores na exposi√ß√£o entre os meses de maio e julho de 2012. Estes alunos realizaram um curso de forma√ß√£o (dura√ß√£o de 24 horas), em que se discutiram conceitos relacionados √† Paleontologia, museus e patrim√īnio geopaleontol√≥gico. E, (iv) Curso de Extens√£o Universit√°ria, abordando aspectos gerais da Paleontologia e ratificando a import√Ęncia cient√≠fica das descobertas regionais. Participaram do curso 16 estudantes, em agosto de 2012.
18110384_1314742908578936_299249172_o
Exposi√ß√£o ‚ÄúCabe√ßa Dinossauro: o novo¬†tit√£ brasileiro‚ÄĚ, em sua primeira montagem itinerante, em Cora√ß√£o de Jesus (MG), maio de 2012. Na foto, um grupo de estudantes da cidade √© atendido na exposi√ß√£o por dois monitores (tamb√©m estudantes da cidade que participaram do projeto educativo). Foto: Mariana Galera Soler

 
Durante todo este projeto, que durou cerca de 6 meses, os ‚Äúosseiros‚ÄĚ acabaram sendo pessoas conhecidas na cidade. Quando sa√≠amos nas ruas (e aqui me incluo, pois fui coordenadora deste projeto e tamb√©m uma das ‚Äúosseiras‚ÄĚ que estava na coleta dos f√≥sseis) √©ramos convidados para entrar nas casas, conversar com as pessoas sobre o tal dinossauro. De elementos estranhos, passamos a fazer parte da hist√≥ria daquele local, materializado na forma do ‚Äútal dinossauro‚ÄĚ entrar nas propostas de letra para um novo hino da cidade ou da ‚Äúexplica√ß√£o‚ÄĚ de uma lenda local***.
De porteiras fechadas nas regi√Ķes dos afloramentos, fomos recebidos com caf√© e biscoito de toalha e conhecemos uma Cora√ß√£o de Jesus absolutamente nova para n√≥s. Os resultados n√£o foram ‚Äúapenas‚ÄĚ a divulga√ß√£o dos resultados da pesquisa paleontol√≥gica, as pessoas de Cora√ß√£o de Jesus sabiam nossos nomes e se interessavam pelo nosso trabalho, j√° n√£o √©ramos mais os ‚Äúosseiros‚ÄĚ. E de muitas hist√≥rias que podem ser contadas, uma frase de um professor no √ļltimo dia do curso registrou fundamentalmente esta parceria: ‚ÄúObrigado por ter nos ajudado a descobrir que a nossa cidade √© mais importante do que parece‚ÄĚ.
18090537_1314729801913580_623807731_o
Nas visitas as escolas realizávamos diferentes oficinas, entre elas a construção de dinossauros de origamis. Na imagem, um dos alunos das escolas rurais de Coração de Jesus (MG) com seus dinossauros. Foto: Mariana Galera Soler

18110899_1314742585245635_1420950820_o
Exposi√ß√£o de trabalhos dos alunos em escola rural do munic√≠pio de Cora√ß√£o de Jesus. A atividade de ‚Äúcriar f√≥sseis‚ÄĚ com a impress√£o de folhas em argila foi uma das oficinas propostas para os professores durante o curso. Ao fundo, algumas reconstitui√ß√Ķes dos animais extintos encontrados na regi√£o, tamb√©m feitas em argila por alunos. Foto: Mariana Galera Soler

Este √© apenas um caso, mas existem outros. Embora escassos, projetos focados em popula√ß√Ķes locais e tratando os f√≥sseis como um patrim√īnio e em parceria com as pessoas s√£o um caminho poss√≠vel para al√©m da divulga√ß√£o da ci√™ncia mais √≥bvia, cheia de f√≥rmulas prontas e high tech de comunicar uma ci√™ncia neutra e fechada em si, tratando os f√≥sseis como todos sendo um dinossauro sem penas que corre como um guepardo. Projetos locais e contextualizados s√£o um caminho para a preserva√ß√£o do patrim√≥nio fossil√≠fero in situ e para que a ci√™ncia n√£o seja apenas um conjunto de resultados empilhados, ass√©pticos e descontextualizados, e produzida por homens brancos, de meia idade e jaleco branco (eventualmente, com a l√≠ngua de fora).
18120198_1314743015245592_56950743_o
Não basta ser monitor tem que participar! Alunos do Ensino Médio foram indicados por seus professores para atuar como monitores na exposição. Para tanto participaram de um curso sobre Paleontologia e também de diversas atividades práticas, entre elas ajudar na montagem da própria exposição. Foto: Marcia Fernades Lourenço

 
*** Cora√ß√£o de Jesus teve nos anos 1960 ‚Äď 70 certa notoriedade na regi√£o e grandes investimentos p√ļblicos que geraram, por exemplo, a constru√ß√£o de um espa√ßo esportivo e complexo de piscinas bem estruturados. Contudo, esse projeto foi abandonado e o munic√≠pio voltou a ser apenas mais um dos pequenos lugares na borda do Vale do Jequitinhonha. Para explicar esta ‚Äúperda de status‚ÄĚ, os mais velhos costumavam dizer que no passado algu√©m havia enterrado a cabe√ßa de um burro na cidade e por isso ela n√£o ‚Äúia para frente‚ÄĚ. Com a descoberta do cr√Ęnio (‚Äúcabe√ßa‚ÄĚ) de um dinossauro (bicho antigo que viveu h√° muito tempo), diversas pessoas relacionaram o f√≥ssil a ‚Äúcabe√ßa do burro‚ÄĚ e viram nesta descoberta a chance da cidade voltar a progredir.


Mariana Galera Soler

Forma√ß√£o: Bi√≥18109741_1315265438526683_809310084_nloga pela Faculdade de Filosofia Ci√™ncias e Letras de Ribeir√£o Preto (USP/RP) e Mestre em Museologia pela USP/SP. Estudante de doutorado em Hist√≥ria e Filosofia da Ci√™ncia, com especializa√ß√£o em Museologia pela Universidade de √Čvora / Portugal.
√Ārea de estudo: comunica√ß√£o e divulga√ß√£o cient√≠fica; museus de hist√≥ria natural; exposi√ß√Ķes e cole√ß√Ķes cient√≠ficas.
 Mas onde entra Paleontologia em tudo isso? Desde a graduação trabalhei o Laboratório de Paleontologia da USP Ribeirão Preto. Depois fui ao Museu de Zoologia da USP / São Paulo, onde trabalhei na curadoria da coleção paleontológica, além de participar de outras atividades do Laboratório de Paleontologia.
Bem tudo isso j√° faz algum tempo! Tamb√©m j√° fui professora de biologia e ci√™ncias e, nos √ļltimos seis anos, atuei na coordena√ß√£o do setor educativo do Museu Biol√≥gico do Instituto Butantan. O que n√£o quer dizer que eu deixei a Paleontologia de lado. Continuo trabalhando no gerenciamento da base de dados paleontol√≥gicos brasileira LUND (www.lund.fc.unesp.br/lund) e atuei em alguns trabalhos de divulga√ß√£o e exposi√ß√Ķes paleontol√≥gicas, em que uma das hist√≥rias conto aqui nesse texto.
 

Mais sobre o novo gigante brasileiro e as pesquisas de dinossauros no Brasil

Elaine Batista Machado, doutoranda no programa de pós-graduação em Zoologia da UFRJ, fala um pouco mais sobre Brasilotitan, o mais novo dino brasileiro, e nos conta sobre as perspectivas futuras quanto ao estudo de dinossauros no Brasil.

Col.: Quais as rela√ß√Ķes desse novo animal com os dinos j√° conhecidos no nosso pa√≠s?

Elaine: A nova espécie, Brasilotitan nemophagus, é a nona espécie de titanossauro brasileiro (contando somente as que são consideradas válidas), e dentre todas estas, este é apenas a terceira a apresentar material craniano. Brasilotitan nemophagus é também a segunda espécie de titanossauro da região de Presidente Prudente, SP, e a quinta proveniente da Formação Adamantina (Bacia Bauru).

Titanossauros
Reconstituição artística de titanossauros

Col.: O que Brasilotitan traz de novo? O que o torna uma importante descoberta?

Elaine:¬†Um dos pontos principais desta nova esp√©cie √© a presen√ßa da mand√≠bula preservada, que √© bastante peculiar. Diferente da maioria das esp√©cies a mand√≠bula do¬†Brasilotitan¬†possui uma forma “quadrada”, sendo semelhante √† dos titanossaurideos¬†Bonitasaura salgadoi¬†e¬†Antarctosaurus wichmannianus. Al√©m da mand√≠bula, este dinossauro apresenta tamb√©m novas caracter√≠sticas nas v√©rtebras cervicais, que o diferencia dos demais.

Col.: Algum outro aspecto interessante desse animal que você queira destacar?

Elaine: Um aspecto interessante que pode ser observado é que em parte dos ossos desse animal foram encontradas marcas de mordidas, o que indica que ele foi vítima de predadores ou necrófagos.

CT Scan do dentário de Brasilotitan, mostrando um dos alvéolos dentários com três dentes inseridos.
CT Scan do dentário de Brasilotitan, mostrando um dos alvéolos dentários com três dentes inseridos.

Neste estudo, al√©m da descri√ß√£o formal da nova esp√©cie, pudemos tamb√©m realizar algumas observa√ß√Ķes sobre as estruturas internas dos ossos atrav√©s de tomografias. Nas v√©rtebras foi poss√≠vel ver o padr√£o de estrutura pneum√°tica camelada comum a titanossaur√≠deos, enquanto que no dent√°rio pode-se observar a presen√ßa de at√© 3 dentes dentro de um mesmo alv√©olo, o que nos d√° a ideia de qu√£o r√°pida era a troca dent√°ria desse animal.

Col.: O que, na sua opinião, ainda temos por descobrir quanto aos dinos do Brasil? Quais os próximos passos?

Elaine: As perspectivas futuras sobre o conhecimento dos dinossauros brasileiros são boas pelos seguintes motivos: O Brasil tem um enorme potencial para a preservação dos fósseis, suas bacias fossilíferas são não somente ricas, mas extensas Рalgumas abrangendo vários estados; e outro é que cada vez mais vemos o crescimento de interesse e também incentivos a pesquisas na área.

Devemos lembrar que a paleontologia no Brasil ainda é uma área de pesquisa recente se comparada com outros países, e esperamos que com o tempo e investimento muitas outras descobertas fantásticas sejam realizadas.

_____________________________________________________________

5890_1182906129532_4086489_a

Elaine B. Machado √© doutoranda do programa de p√≥s-gradua√ß√£o em Zoologia da UFRJ, pelo Setor de Paleovertebrados do Museu Nacional. Seus estudos s√£o focados em paleontologia de dinossauros e ela j√° participou de diversas escava√ß√Ķes e da descri√ß√£o de outros dinossauros brasileiros, como Oxalaia quilombensis.

Os Colecionadores de Ossos agradecem a atenção e disposição de Elaine em conversar conosco!

Referência:

MACHADO, E.B.; AVILLA, L.S.; NAVA, W.R.; CAMPOS, D.A.; KELLNER, A.W.A.. (2013). ‚ÄúA new titanosaur sauropod from the Late Cretaceous of Brazil‚ÄĚ.¬†Zootaxa¬†3701¬†(3): 301‚Äď321.¬†DOI:10.11646/zootaxa.3701.3.1.

N√£o deixe de ler tamb√©m “A descoberta de um tit√£”, postagem anterior √† essa, que tamb√©m fala sobre o novo dino brasileiro e apresenta uma entrevista com o seu descobridor, William R. Nava.

Ilustração (Titanossauros): autoria de Aline Ghilardi.