Elaborando um pouco o post de ontem…

A impressão é a de que pessoas são capazes de fazer sacrifícios, mas as instituições que as pessoas criam, não. Um exemplo óbvio que me ocorre é o do comportamento de diversos católicos durante a 2ª Guerra Mundial, que correram riscos para salvar vítimas do nazismo, em oposição à atitude, abjetamente invertebrada, da Igreja.

Mas essa dicotomia não é só católicos/catolicismo. Ela aparece em diversos contextos e em diversos lugares: indivíduos morrem para não trair seus princípios. Instituições – igrejas, Estados, empresas, fundações, partidos, etc. – criadas para defender princípios preferem vê-los morrer a deixar de existir.

Suponho que haja uma razão darwiniana para isso. Digo, ums instituição disposta a dar a “vida” por uma causa cedo ou tarde acaba dando mesmo, enquanto outra, disposta a fazer tudo para continuar existindo, continua existindo.

Da onde se conclui que a instituição mais eficiente de todas é a que tem por objetivo a própria perpetuação. Isso é memética, por acaso?

Discussão - 2 comentários

  1. Rose Marques disse:

    Olá!Adorei o blog!Adorei a esculhambação das idéias!Abraço!

  2. Moc disse:

    Obrigado, Rose!Apareça e traga os amigos…

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM