O argumento antrópico ataca novamente

Graças à revista Time, descobri o website BioLogos, do biólogo Francis Collins. Collins, uma das forças motrizes por trás do Projeto Genoma Humano, é um importante cientista… e um cristão evangélico. Confrontado com os conflitos inerentes à conciliação dessas duas condições, ele optou por uma saída arriscada: tentar demonstrar que, na verdade, não há conflito algum. Nesse aspecto, o BioLogos é uma tentativa de oferecer um antídoto a opiniões como as de Richard Dawkins.
Pessoalmente, acredito que Collins está fadado ao fracasso (uma exposição de meus argumentos a respeito pode ser encontrada numa das encarnações anteriores deste blog, mais precisamente aqui), mas o ponto que eu queria discutir agora é um dos argumentos apresentados pelo BioLogos, o do “fine tunning” do Universo: por exemplo, se as constantes que regem a física quântica fossem só um pouco diferentes, as estrelas não formariam carbono em quantidade suficiente para haver moléculas orgânicas e, portanto, vida!!
(Carmina Burana na caxa, por favor, maestro)
Esse tipo de argumento tem dois problemas a meu ver, um prático e um filosófico. O prático é que essas propostas geralmente só variam uma constante de cada vez, mantendo todas as outras iguais. Se duas ou três delas mudassem juntas, o resultado final poderia ser exatamente o mesmo — ou, o universo tem muito mais graus de liberdade para produzir-nos do que parece.
O filosófico é que o argumento põe o carro na frente dos bois: não é o universo que é ajustado para que nós existamos, nós é que somos ajustados para existir neste universo. Essa é uma refutação tão óbvia quanto frequentemente ignorada pelos proponentes do “fine tunning”.

Discussão - 5 comentários

  1. Luiz Bento disse:

    Eu acho que de todas as áreas da ciência, a biologia deve ser a que trás mais dor de cabeça para os religiosos. Não sei como eles conseguem dormir a noite pensando nisso. Baita dualidade.
    O livro do Gould “Pilares do tempo” é mais uma tentativa nesta linha. Que na minha opnião é muito falha.

  2. João Carlos disse:

    Não necessariamente… O chamado “Paradoxo de Fermi” está aí para mostrar que nossa existência não é um fenômeno trivial no universo.

  3. Acho que a melhor definição de princípio antrópico que eu já vi é a seguinte: as coisas são como são porque se não fossem não seriam. O que me lembra uma tautologia, mas eu não entendo nada disso…
    Um abraço!

  4. Kim disse:

    Acrescentando…
    Acredita-se que a famosa constante de estrutura fina possa variar em até 4% do seu valor presente (~1/137) até o universo não poder mais manter a vida. Além disso, estudos sugerem que de fato ela variou, talvez até de uma parte em dez mil. O que impede que outras constantes, ditas melhor “sintonizadas” com nossa existência, também não variem com esta liberdade?

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM