Como é a vida profissional de um paleontólogo brasileiro?

Ou… os motivos pelos quais, às vezes, atrasamos os posts?

Não se trata apenas de esclarecer os motivos pelos quais, às vezes, não conseguimos postar nas terças, ou mesmo que uma semana ou outra o nosso blog não tenha nenhum post novo. A realidade do profissional paleontólogo brasileiro não é simples. E vou lhes explicar o porquê.

Em geral, ao se optar por ser paleontólogo no Brasil, se tem três opções:

  • Formação em nível superior em Geologia, Geografia ou Biologia (na realidade não existe uma limitação quanto a qual graduação foi cursada; eu mesma conheço médicos e engenheiros que são paleontólogos); aqui temos 4 ou cinco anos de estudo.
  • Cursar pós-graduação em Geologia, Geociências ou afins, em que a área de concentração seja Paleontologia. As universidades brasileiras de maior tradição nesta área, na pós, são a UFRGS e a UFRJ.

Depois de defendido o mestrado e/ou o doutorado (que, podem representar cerca de 6 anos de estudos após a graduação, dois anos para o Mestrado e até 4 para o Doutorado), o mercado de trabalho, sob o meu ponto de vista, se resume a:

  • Trabalhar em universidades particulares ou públicas (o profissional aqui normalmente assume o papel de professor e pesquisador);
  • Trabalhar em museus (nesta categoria eu incluí paleoartistas, pesquisadores, curadores);
  • Trabalhar em empresas públicas ou privadas (pesquisadores, consultores). Aqui temos empresas de consultoria, ou mesmo o DNPM, Petrobrás, CPRM, por exemplo.

A opção 1, provavelmente, é a que mais emprega os paleontólogos brasileiros. Infelizmente eu não tenho dados numéricos para mostrar a vocês, mas digo isso em função de que o número de museus, no país, não é tão grande quanto o de universidades e faculdades. Possuindo ao menos o curso de Biologia dentre as graduações, já existe a possibilidade de contratação de um paleontólogo, pois, de acordo com o CFBio, Geologia e Paleontologia são disciplinas obrigatórias do curso. Já órgãos públicos não abrem muitos concursos na área específica de paleontologia, e o número de vagas é, normalmente, bastante restrito. Consultorias em paleontologia são bastante recentes no país, e se sustentar trabalhando unicamente nesta área, me parece inviável atualmente.

Tendo experiência profissional em universidades particulares e públicas eu posso falar com um pouco mais de detalhe e propriedade sobre as atividades que se assume, quando nestes cargos. O tripé das universidades é formado pelo ensino, pesquisa e extensão, e são essas (algumas) das áreas que atuamos.

Ensino – Além de ser responsável por uma ou mais disciplinas ao longo dos semestres (na graduação e na pós-graduação), nós podemos orientar alunos em diversos níveis de ensino; pode ser iniciação científica em graduação, orientação de mestrado ou doutorado, supervisão de pós-doutorado, ou orientação de monitores que nos acompanham e auxiliam durante as disciplinas, na graduação.

Pesquisa – Sobre a pesquisa, em especial nas universidades públicas, é bem comum termos que assumir e desenvolver projetos de pesquisa com a colaboração de alunos e colegas (professores e pesquisadores), e também captar fundos para desenvolver o projeto e aprimorar as condições de trabalho nos laboratórios que usamos. Além disso temos que publicar os resultados das pesquisas na forma de capítulos de livros, resumos ou artigos científicos.

Extensão – Envolve a divulgação do que fazemos para a comunidade de fora da universidade; isso pode se dar na forma de cursos, exposições, livros ou mesmo como este blog.

Outras – Além disso, eventualmente (com a progressão da carreira docente) temos que assumir cargos administrativos como coordenação da graduação, chefe de laboratório, chefe de departamento, ou mesmo cargos que exigem vasta experiência e atuação no ensino superior, como a diretoria do instituto, ou mesmo a reitoria da universidade.

Em meio a tantas tarefas que se sobrepõem, é preciso continuar se atualizando, aprendendo e tentando melhorar. Fazemos isso lendo, discutindo com os colegas da área, publicando, participando de congressos e trabalhos de campo, entre outros meios.

Resumidamente, o nosso dia-a-dia é assim. Portanto, perdoem-nos se às vezes acabamos mudando o dia de publicação ou não publicamos o texto. As tarefas se multiplicam, em especial nos finais de semestres letivos!

 

 

 

Sobre Carolina Zabini

Bióloga formada pela UEPG. Professora Doutora em Ciências, área de concentração em Paleontologia pela UFRGS. Atua com paleontologia de invertebrados (BRACHIOPODA: LINGULIDA) Devonianos da Bacia do Paraná, com ênfase em tafonomia.

5 pensou em “Como é a vida profissional de um paleontólogo brasileiro?

  1. Carolina: este seu utilíssimo e necessário post trata de uma coisa muito triste, que é o desprestígio da carreira docente em nosso país. Quem nunca ouviu aquela famosa frase – professor, o senhor também trabalha ou só dá aula? Ninguém imagina que por trás daquela aula existe um mundo de atividades complexas e necessárias, com as que você tão bem descreve.
    Como vivemos numa sociedade que se baseia no avanço tecnológico, é natural que pessoas possam trabalhar não na produção de bens, mas na produção de conhecimento. Mas existe ainda entre as pessoas aquele preconceito arraigado que trata quem vive de pensar como um inútil que gasta inutilmente o dinheiro dos seus impostos.
    Quando na verdade a carreira de pesquisador é muito complexa – como você muito bem demonstrou em seu texto. De nossa atividade dependem principalmente os pensadores do futuro. Nossa tarefa é primordialmente gerar recursos humanos, não deixar a peteca do conhecimento cair. Discutir isso e trazer essa discussão para o grande publico, que precisa ver e entender essa realidade de trabalho é mais que necessária. Parabéns! abraços!

    1. Obrigada Jefferson!
      Sim, não são somente os paleontólogos, mas todos os docentes de ensino superior, que exercem todas estas atividades…
      Acredito que a extensão ainda seja uma área de pouco enfoque na universidade, e talvez esse seja um dos fatores que não consigamos mostrar (esclarecer, discutir,…) ao grande público, a importância e complexidade de nossa atividade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *