Arquivo di√°rios:31 de julho de 2017

Você já viu um fóssil de verdade? (será que não?)

Voc√™ provavelmente j√° ouviu falar em amadorismo, especialmente quando se trata de esportes, certo? Segundo o dicion√°rio, amadorismo √© regime ou pr√°tica oposta ao profissionalismo; ou ainda: falta de t√©cnica adequada √† realiza√ß√£o de um trabalho. Pois vou lhes contar que existem por a√≠ paleont√≥logos amadores*… e tentar fazer de voc√™, um deles!

Voc√™ j√° viu algum f√≥ssil real**? Caso j√° tenha ido em algum museu de ci√™ncias ou hist√≥ria natural, √© poss√≠vel que tenha. Mas, e na sua casa? no caminho para o seu trabalho? (n√£o vale contar que o seu chefe √© um dinossauro, ok?) naquela loja que voc√™ sempre vai para tomar um caf√©?… existem f√≥sseis ali? j√° reparou nas rochas que adornam esses lugares? sim…elas podem conter f√≥sseis!!

Mapa do Brasil com sítios fossilíferos. As bolinhas representam locais em que ocorrem fósseis. Fonte.

Bem, dependendo de onde voc√™ morar, f√≥sseis podem aparecer no quintal da sua casa, na constru√ß√£o de um pr√©dio, na abertura de uma rodovia… Apesar de o processo de fossiliza√ß√£o ser uma exce√ß√£o (j√° falamos sobre isso antes, lembra?), ainda sim, o tempo geol√≥gico √© t√£o longo e a diversidade de vida pret√©rita, t√£o grande, que existe por a√≠ um bom n√ļmero de rochas que apresentam f√≥sseis. Veja aqui uma pequena lista de locais com f√≥sseis, pelo mundo.

E tem mais! Mesmo que voc√™ n√£o more literalmente em cima dessas rochas, muitas constru√ß√Ķes s√£o feitas (em geral, ornamentadas) com rochas fossil√≠feras! isso significa que a parede externa de uma loja, uma pia, ou mesmo a cal√ßada de alguns locais podem ter f√≥sseis. Vamos aos exemplos:

  • Se voc√™ for ao Shopping Eldorado ou ao Shopping Ibirapuera, ambos em S√£o Paulo, por exemplo, poder√° observar estromat√≥litos nos m√°rmores do piso; estromat√≥litos s√£o estruturas formadas pelas atividades de cianobact√©rias; as estruturas t√™m a forma de colunas laminadas facilmente observadas nas rochas desses shoppings; cada l√Ęmina, em geral, representa um ciclo de vida de uma col√īnia. Essas rochas t√™m cerca de 2 bilh√Ķes de anos de idade, e foram retiradas de lavras localizadas em Minas Gerais. Veja aqui uma not√≠cia sobre esse assunto.
Rastros fósseis do varvito de Itu. Fonte.
  • Em muitas cal√ßadas de Itu (SP), ou de cidades pr√≥ximas, como Campinas por exemplo, tem alguns de seus pavimentos constru√≠dos com rochas que apresentam marcas de ondas e tra√ßos f√≥sseis! as marcas de onda s√£o iguais √†s que podemos observar na parte mais rasa das praias de hoje… e esses tra√ßos s√£o pegadas de antigos animais (invertebrados) que rastejavam pelo fundo de um lago gelado. Essas rochas t√™m cerca de 250 milh√Ķes de anos de idade, e prov√™m de afloramentos de Itu e regi√£o. Saiba mais aqui.

 

  • Nas cal√ßadas de S√£o Carlos, Araraquara (cidades de SP) e mesmo dentro do Zool√≥gico de S√£o Paulo, √© poss√≠vel observar rochas formadas por areia (arenitos) que apresentam pegadas de dinossauros, mam√≠feros e invertebrados (entre outros). Todas s√£o retiradas de Araraquara e regi√£o e representam os vest√≠gios de um grande deserto que cobriu parte do Brasil h√° 140 milh√Ķes de anos atr√°s. Ser√° que voc√™ j√° n√£o pisou em uma pegada f√≥ssil?? Veja mais aqui.

Abra seus olhos e comece a observar. E se algum dia você encontrar um fóssil? Será que isso irá despertar em você uma vontade de conhecer que só vai crescendo com o tempo? Pois foi provavelmente dessa forma que muitos paleontólogos amadores iniciaram, na busca insaciável pelo conhecimento. Muitos desses paleontólogos amadores foram responsáveis por grandes descobertas! Mas isso já é uma história para um próximo post

*Existem algumas defini√ß√Ķes diferentes para “paleont√≥logo amador” mas me refiro aqui √†quelas pessoas que coletam f√≥sseis, por qualquer raz√£o, mas que n√£o subsistem da paleontologia.

**Aqui s√≥ gostaria de desabafar… Sempre que levo alguma r√©plica de f√≥ssil para aulas pr√°ticas de paleontologia meus alunos mostram certam desprezo com a tal amostra. E eu sempre argumento que aquilo, em geral, √© um molde do original, ou seja, n√£o tem diferen√ßa alguma em rela√ß√£o ao f√≥ssil encontrado; simplesmente n√£o faz sentido n√£o gostar de uma r√©plica.