Coincidências (milagres??) paleontológicos: as preservações excepcionais

Qual a probabilidade de você conversar com alguém sobre algo que você não sabe muito bem e, no dia seguinte, abrir um livro e encontrar exatamente aquele assunto? Ou então, de você ir a um sebo e encontrar à venda um livro que um parente distante seu havia adquirido há anos atrás? Talvez estes pequenos exemplos não sejam reconhecidos como milagres. Na verdade, eu prefiro pensar em coincidência mesmo. Mas de uma probabilidade infinitesimalmente pequena.

Eu já falei em posts anteriores que o processo de preservação e também o da descoberta de um fóssil é um evento raro. Mas tem alguns casos que são surpreendentes, e é sobre um deles que vou escrever hoje; envolve a descoberta de um nodossauro de 110 M.a. na região de Alberta, Canadá.

Localização da cidade onde uma descoberta incrível ocorreu.

A história, que foi divulgada em vários sites, conta que um operador de máquinas de uma mina em Fort McMurray, trabalhava na retirada das rochas arenosas impregnadas com óleo (trabalho este que exercia há 12 anos pelo menos), quando se deparou com algo distinto, muito mais duro que as rochas do entorno. Em seu cotidiano de trabalho era comum encontrar troncos petrificados, mas nunca havia se deparado com um… resto de dinossauro. Resto de dinossauro! E a história não termina por aí. Não era apenas um conjunto de ossos de dinossauro, como a maioria dos registros de vertebrados que ouvimos falar…

O animal completo (isto é, todas as suas partes) deveria estar contido naquela rocha, e isso, por si só já é raro no registro. Mas o mais incrível desta história é que não são somente os ossos que ficaram preservados. As impressões da pele, escamas, osteodermas, ossos, e, possivelmente, até sua última refeição, estão ali! E ainda: sua forma original está mantida, ele não está intensamente deformado e achatado.

Apesar de ter sido encontrado em 2011, até hoje os estudos com o espécime continuam. Durante a retirada do fóssil do local em que foi encontrado, somente se conseguiu resgatar a sua porção mais frontal, do focinho até o quadril, e um outro bloco, com a cauda. Foram necessárias cerca de 7.000 horas de trabalho em laboratório para preparar o crânio e a cauda para estudo. Esta preparação consiste basicamente na retirada de rocha do entorno do fóssil. O torso do animal ainda está em preparação. O bloco que o contém pesa cerca de 15 toneladas. Hoje ele está depositado na coleção do Museu Real de Ontário (ROM). Seu nome científico é Zuul crurivastator.

Este é o fóssil mais bem preservado de nodossauro  já descoberto. Este é Zuul crurivastator. Foto da National Geographic

Todo o contexto geológico em que ele foi encontrado é também muito interessante. O animal que, em vida, era terrestre e herbívoro, foi encontrado em sedimentos que registram o fundo de um antigo mar. Acredita-se que seu corpo tenha sido carregado, inflado, boiando e em decomposição parcial, por um rio, e quando a carcaça liberou seus gases internos (produtos da decomposição), ela já estava em mar aberto, onde mergulhou para as profundezas, foi soterrada, e ali permaneceu para ser encontrada em 2011.

Zuul, um monstro do filme Caça-fantasmas

De acordo com o Museu Real de Ontário os nodosauros são dinos pertencentes à infraordem Ankylosauria e eram vertebrados terrestres com 4 patas, corpos achatados, longos e recobertos por uma armadura óssea. Sua cauda apresentava espinhos, e, por vezes, uma clava em sua extremidade. Quando em vida devia chegar aos 6 metros de comprimento e pesar cerca de 2,5 toneladas. Foi o fato de apresentar narinas largas e 4 chifres no crânio (atrás e embaixo dos olhos), que levou à classificação em um novo gênero, o Zuul. Este nome, aliás, remete a um monstro do filme dos Caça-fantasmas! Há! Não posso deixar de fazer referência a um post anterior do blog (este aqui). Já falamos que é possível que restos de fósseis de grandes tamanhos tenham dado origem às lendas dos dragões, não é mesmo? Vejam, no caso de Zuul, o monstro do filme, isto é, a criação humana para uma história de ficção científica, é anterior à própria descoberta do fóssil. Como pessoas influenciadas pelo seu contexto histórico e social, os cientistas envolvidos na taxonomia do fóssil de Alberta homenagearam a ficção! Não é legal?

Vocês acham eles parecidos? à esquerda a reconstrução artística do fóssil Zuul, à direita, Zuul, do filme Caça-fantasmas. Fonte: The guardian.

 

Veja a publicação científica desta descoberta aqui.

Você pode ver as imagens e a matéria que inspirou este post abaixo:

http://www.nationalgeographic.com/magazine/2017/06/dinosaur-nodosaur-fossil-discovery/

https://www.scientificamerican.com/article/new-dinosaur-resembles-ghostbusters-monster-zuul/

 

Fonte das imagens:

https://www.theguardian.com/science/2017/may/10/meet-zuul-destroyer-of-shins-the-75m-year-old-ghostbuster-dinosaur

http://www.nationalgeographic.com/magazine/2017/06/dinosaur-nodosaur-fossil-discovery/

Sobre Carolina Zabini

Bióloga formada pela UEPG. Professora Doutora em Ciências, área de concentração em Paleontologia pela UFRGS. Atua com paleontologia de invertebrados (BRACHIOPODA: LINGULIDA) Devonianos da Bacia do Paraná, com ênfase em tafonomia.

2 pensou em “Coincidências (milagres??) paleontológicos: as preservações excepcionais

  1. Oi!
    Achei muito interessante este post. Estava procurando as imagens do Nodossauro no Google e vi as imagens das outras partes. Parece que elas viraram pedra pelo aspecto. Este é realmente considerado o fóssil mais bem preservado do mundo? Obrigada!

    1. Olá Flávia! Obrigada por seu comentário!
      Realmente o aspecto deste fóssil é de “pedra” mesmo! No entanto, nomear ele como o mais bem preservado do mundo é complicado, pois os fósseis de mamutes, por exemplo, que se preservam no gelo, tem mais porções orgânicas preservadas que o Zuul. Os cientistas que trabalham com este fóssil se referem a ele como “o exemplar mais bem preservado de nodossauro da América do Norte”. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *