Máquina inútil em versão avançada

auto desligamento com estilo
Claude Shannon, matemático americano, mantinha em seu escritório uma estranha máquina, cuja única função era auto-desligar. O invento partiu de uma ideia do pesquisador Marvin Minsky, especialista em inteligência artificial.

Agora a máquina evoluiu para uma versão mais complexa. Várias chaves complicam a vida da máquina que quer ficar em paz!

Esta versão foi feita a partir de uma impressora Canon 850i fora de uso.

Veja os detalhes em
http://leyanda.de/stuff/useless_adv.php

Fique com a pele Frigidine

pele bonita no passado
Um pouco de luz ‘Frigidine’ e sua pele seria renovada! Prometia uma matéria na revista Modern Mechanix, em janeiro de 1929.

De olho na (sempre) crescente demanda por novos tratamentos de beleza, a associação nacional americana de fornecedores de produtos para salões de beleza [National Beauty and Barbers Supply Dealers Association], oferecia um equipamento que emitia uma luz especial, batizada de ‘Frigidine’.

A promessa era que a luz de cor azulada seria um substituto para a massagem adstringente. Com o tratamento a pele secaria e seria facilmente removida; resultando em estimulação do crescimento de uma pele renovada.

Desconfio que a tal luz azul poderia conter comprimentos de onda na faixa do ultravioleta. Que não são nada adequados para quem quer ter uma pele saudável.

Via ModernMechanix.

Crime não compensa, dizem economistas

roubo a bancos
Crime não compensa… pelo menos o crime de assalto a bancos na Inglaterra. É o que comenta o texto “Robbing banks. Crime does pay – but not very much” [Roubando bancos. Crime paga – mas não muito.], publicado na revista Significance de junho de 2012, publicação da Royal Statistical Society e American Statistical Association.

Os pesquisadores alegam que “Crime é uma atividade econômica como qualquer outra: tem seus lucros, suas perdas, seus riscos e seus retornos. Tem também seus insumos, de trabalho e de capital, e seus custos.” e também “Podemos dizer exatamente porque roubar bancos é uma má ideia.

De posse dos dados (antes) confidenciais dos roubos a bancos, os Professores Barry Reilly, do Departamento de economia da Universidade de Sussex; Professores Neil Rickman e Robert Witt da Universidade de Surrey, fizeram uma análise da quantidade de dinheiro que foi roubada em cada ação, da média de criminosos por roubo, taxa de sucesso dos criminosos, número de clientes presentes durante o assalto, vezes em que o alarme foi ativado, etc

No final das contas, os bancos (ingleses) tem mais prejuízo com o investimento em segurança, custos psicológicos para os funcionários, problemas na reputação da empresa assaltada,… do que com o valor roubado propriamente dito.

A média britânica dos valores roubados em assaltos ficou em £20.331 (libras esterlinas, em torno de 60.000 reais). Como a equipe de assaltantes tem em média 1,6 pessoas. O valor para cada membro da quadrilha resultaria em torno de £12.706. O que equivale a menos de 6 meses da média salarial do país. Para piorar a vida dos assaltantes de primeiro mundo, a tentativa de aumentar os lucros também aumenta a chance de ser preso; colocando tudo a perder.

O uso de armas de fogo, e uma equipe maior, aumenta o retorno médio da ação e a taxa de sucesso; mas também gera complicações adicionais em caso de prisão e julgamento, e aumenta os custos da operação.

Não só na Inglaterra a conta não é favorável. Também nos EUA a coisa não tá fácil. O faturamento cai para apenas $4.330 em média por pessoa. Um pouco mais que a média de $1589 obtido em assaltos de outra natureza, ou o baixo lucro de $769 em assaltos à lojas de conveniências. Assim, fica a dica dos criminosos americanos tentarem carreira lá pela Inglaterra.

Então, não roube bancos! Agora está provado cientificamente que é uma má ideia. E melhor não repetir o estudo com dados no Brasil, pode ser que o resultado não seja adequado para publicação.

Veja o texto original em:
Robbing banks: Crime does pay – but not very much. Significance (2012); Barry Reilly, Neil Rickman e Robert Witt; DOI: 10.1111/j.1740-9713.2012.00570.x

Ilustrações criativas – Parte 5

Ilustrações estranhas e criativas encontradas em resumos de artigos científicos.

Não use bola de cristal
bola de cristal
Do artigo: Microwave Effects in Organic Synthesis—Myth or Reality?

Sal no európio… (que trocadilho)
sal europa
Do artigo: Valence and Magnetic Investigations of Alkali Metal-Doped Europium Sulfide

Não, não é LSD.
lisérgico
Do artigo: Recent developments of ketene dithioacetal chemistry

Tentou ser um Piet Mondrian.
arte fail
Do artigo: Acid-Labile Cys-Protecting Groups for the Fmoc/tBu Strategy: Filling the Gap

Via TOC Rofl

Luz da energia potencial

lampada abastecida por gravidade
Um peso suspenso é uma antiga e estratégica reserva de energia, que pode ser aos poucos recuperada com a conversão da energia potencial. É uma das muitas formas de manter um relógio funcionando. Eu adorava dar corda em um antigo relógio da minha avó, fazia com tanto empenho que em várias ocasiões travei o mecanismo.
relogio pendulo
Com a evolução da tecnologia LED, que utiliza uma mínima quantidade de energia na iluminação, é possível retornar à simplicidade destas pitorescas fontes de energia. Ideia defendida pelo grupo de pesquisas deciwatt.org, que pretende usar um peso suspenso para manter um LED brilhando durante alguns minutos.

O objetivo da deciwatt.org, com o invento chamado GravityLight, é construir iluminação de baixo custo para uso em países pobres, áreas remotas ou situações emergenciais.

Em torno de 1,5 bilhão de pessoas não tem acesso adequado à eletricidade, e muitos destes dependem do querosene para iluminação; significando um custo que nem sempre pode ser sustentado.

O projeto GravityLight ainda está em fase de testes, com parte do financiamento garantido via doações (Indiegogo), que no momento ultrapassam o objetivo inicial de 55.000 dólares, estando em 179.535 dólares!

Três segundos de esforço garantem 30 minutos de iluminação. Nada mau para um equipamento que custa apenas 10 dólares; com planos de redução para apenas 5 dólares.

Via Gajitz

Mais música no Pi

teclas piano numeradas
Infinitas são as casas decimais no número Pi (3,14159265…) e intermináveis são as possibilidades de transformar isso em música.
Nesta música cada número do Pi foi adicionado à escala harmônica menor A, unindo harmonia feita com a mão esquerda.

Veja mais em ‘Pi musical’.

Sons de laboratório transformados em música

reações e música eletrônica
Um dubstep (música eletrônica surgido no sul de Londres) criado somente com sons de um laboratório e reações químicas. Só poderia ser mais uma das criativas invenções da equipe do Periodic Videos!

Dave Brown, do canal Boy in a Band, ficou como responsável pela música e Adam pela montagem do vídeo.

Behind the scenes.

30 professores e muitas bolinhas

bolinhas de pingue pongue
A fundação Northrop Grumman, preocupada com a falta de interesse dos alunos por temas científicos, resolveu oferecer a professores americanos uma série de voos que simulam a ausência de gravidade. Neste tipo de voo um avião modelo 727 faz uma série de subidas e descidas, garantindo sensação de estar em ausência de gravidade durante poucos segundos durante a trajetória de descida.

Em uma das missões os 30 professores convidados resolveram levar 2000 bolinhas para deixar tudo mais divertido.

Alertando que não é adequado falar em “gravidade zero” nesta situação, pois a gravidade terrestre continua atuando. Talvez o termo mais adequado seja “imponderabilidade” – estado em que não se pode discernir se está-se num campo de gravidade zero ou em queda livre.

Via fogonazos

Música colorida

E você pensando que aquela TV tipo Ambilight, que ilumina a parede conforme a imagem, era algo moderno e chique?!
Em 1931 a revista Science And Mechanics noticiava a produção do aparelho chamado Telecolor, uma espécie de rádio que traduzia os sons da transmissão em diferentes luzes coloridas, projetadas em uma tela ou parede.
radio colorido
O equipamento funcionava com tiratrons, uma espécie de válvula eletrônica, que filtrava os sons e ligava as lâmpadas conforme a faixa de ruído. Princípio muito semelhante ao utilizado atualmente.

Via Modern Mechanix

NASA Gangnam Johnson Style

dancinha-da-nasa
E as paródias Gangnam Style não param de aparecer.

Desta vez é a equipe da NASA que resolve entrar no ritmo.

A letra para acompanhar.

NASA Johnson Style
Johnson Style

Welcome to NASA’s Johnson Space Center
We are coming in hot so don’t burn up as we enter
We do science everyday that affects your daily life
Throw them up for manned space flight

Science everywhere
As we engineer the marvels
That fly though the air
And take us way beyond earth’s levels

Science everywhere
Because we engineer the marvels
That fly though the air
Flys us through the air

Control the mission out of Johnson
This is ground, hey!
And this is space, hey!
Tell me Houston what’s the problem
It’s okay!
It’s okay!
Because there’s flight controllers on the job today

NASA Johnson STYLE!
Johnson STYLE!
NA, NA, NA, NA NASA Johnson STYLE!
Johnson STYLE!
NA, NA, NA, NA NASA Johnson STYLE!
EYYYYYY science daily!
NA, NA, NA, NA, NASA STYLE!
EYYYYYY it’s amazing!
NA, NA, NA, NA ey ey ey ey ey ey!!
Orbiting earth, international space station
Where we work and live in space with a crew from several nations
Got Japanese, and Russians, that European charm
Throw them up, like the Canada Arm

Kicking out research
29k cubic feet, revolves around the earth
Science microgravity, revolves around the earth
Columbus, JEM, and Destiny
Kicking out research
Kicking out research

Train the astronauts at Johnson
To go to space, hey!
To go to space, hey!
Cause the missions of tomorrow
Start today, hey!
Start today, hey!
As we engineer the future day by day

NASA Johnson STYLE!
Johnson STYLE!
NA, NA, NA, NA NASA Johnson STYLE!
Johnson STYLE!
NA, NA, NA, NA NASA Johnson STYLE!
EYYYYYY science daily!
NA, NA, NA, NA, NASA STYLE!
EYYYYYY it’s amazing!
NA, NA, NA, NA ey ey ey ey ey ey!!

Orion or SLS, MPCV
We cannot feel the floor, cause the lack gravity
The destinations are an asteroid, mars, or moon
We are blasting off start the countdown soon
[Sound clip: launch countdown]

EYYYYYY science daily!
NA, NA, NA, NA, NASA STYLE!
EYYYYYY it’s amazing!
NA, NA, NA, NA ey ey ey ey ey ey!!
NASA Johnson Style

Categorias

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM