Feliz 2010!


Há uns dias não atualizo o blog. Peço desculpas, mas foi por um bom motivo. Tenho me dedicado bastante ao trabalho – e para arrumar os empecilhinhos que aparecem como problemas com a internet, computador, celular, carro (!). Bom, deixando as questões malas para o ano velho – o que me ensinou a ser mais ainda calma, paciente e incisiva -, tal dedicação à profissão refletirá em posts mais interessantes em 2010!
E o balanço do ano de 2009? Completamente positivo à ciência, ao meio ambiente e para a divulgação científica! Alguns exemplos: foram criadas vacinas contra o vírus H1N1; foi descoberto o Ardi, o esqueleto de hominídeo mais antigo já encontrado até hoje, com 4,4 milhões de anos; é certeza que a Lua possui água; desenvolveram uma vacina contra o vírus H1N1 que provoca a gripe suína; realizou-se a 15ª Conferência das Partes da Convenção do Clima (COP 15); a mídia publicou inúmeras matérias sobre Darwin – seu nascimento e teoria da evolução – e astronomia – Ano Internacional da Astronomia; inauguramos o ScienceBlogs Brasil, il, il.
Isso é muito? Não. Nem suficiente. Principalmente no quesito meio ambiente – rimou! Apesar de quase todo o mundo saber do problema do aquecimento global, falta muita ação para tentar diminuir seu efeito. Bem, deixemos para discutir isso no ano que está aí! Vamos às minhas promessas de Ano Novo. Em dezembro de 2008, prometi – leia aqui. Consegui cumprir tudo! Aha-ham. Menos esses pontos, assumo:
Tomar banhos mais rápidos e mais frios – puts, esses serão difíceis;
Todo dia que entrar na internet plantar uma árvore pelo site Clickarvore;
Exigir que plantem mais árvores nas áreas “verdes” do meu prédio;
Ler um livro por m̻s Рintercalando sobre ci̻ncia;
Correr ou caminhar uma vez por semana;
Andar de patins com minha amiga Carla – eba – ao menos duas vezes por semana;
Dormir mais cedo e mais tempo – ao menos sete horas por dia;
Ter mais paciência no trânsito da capital paulista.
Para 2010, que começa amanhã, farei 10 promessas! Vamos lá… E são elas… Valendo:
1. Deixar os elevadores de lado e optar pelas escadas Рmesmo morando no ̼ltimo andar do pr̩dio;
2. Comer menos produtos industrializados e optar mais pelos naturais;
3. Andar com uma caneca e garrafinha na bolsa para evitar os copos plásticos;
4. Convencer mais amigos e familiares a reciclar o lixo, apagar as luzes e desilgar aparelhos eletrônicos;
5. Conhecer mais museus, parques e locais preservados do planeta – o mundo é nosso! – e contar as histórias aqui;
6. Estudar mais a ciência e o meio ambiente para poder compartilhar as descobertas, ideias, curiosidades no blog;
7. Continuar me dedicando ao trabalho para ser a cada dia uma profissional mais competente, o que refletirá nas notícias;
8. Passar mais tempo com amigos e familiares, propagando alegria aos próximos – foi comprovado, cientificamente, que ela é contagiosa;
9. Conhecer mais pessoas bacanas que estão entre as seis bilhões de pessoas do mundo e trocar ideias ambientais e científicas;
10. Ganhar na Mega-Sena! Puxa, é independente da minha vontade!
São pequenas atitudes, porém sei que farão diferença para as pessoas próximas a mim ou que possuem acesso ao blog ou às matérias. TENHA UM MA-RA-VI-LHO-SO 2010! QUE TODAS AS SEMENTINHAS PLANTADAS FLORESÇAM VERDES, ROSAS, LILÁSES, VERMELHAS, AMARELAS, BRANCAS! SEJA FELIZ!

Um buraco sem araras em Bonito

Há uns seis anos – nossa, como estou ficando velha! – conheci Bonito, a cidade mágica do Mato Grosso do Sul. Lá, entre tantos lugares de sonho, existia um fantástico. O “Buraco das Araras”.
Era uma vez uma depressão na terra, chamada de dolina, que forma um buraco gigantesco de 65 metros de altura. Nas paredes da dolina e nas árvores quase inalcançáveis dentro dela, as barulhentas araras faziam ninhos.
Todo dia, dizem que principalmente no final da tarde, era possível ficar pertinho das araras, dos periquitos, dos papagaios… Eles davam rasantes sobre nossas cabeças. Até que…
Dois conhecidos meus foram visitar Bonito, em novembro. Segundo moradores, turistas com ideias de jerico soltavam fogos da beira do Buraco. Com o barulho, as araras se assustavam e voavam. Naquele único momento, o vôo coletivo poderia ser lindo. Mas as araras se debandaram do local. E diminuíram o número de ninhos, ao menos ali.
Meus conhecidos voltaram chateados. Disseram que, agora, responsáveis estão tentando impedir que se solte fogos de artifício no lugar. E pesquisando maneiras de repopular, como antes era, a dolina com araras. Como, por exemplo, soltaram um casal da espécie no lugar.
Obs.: Encontrei um site – creio ser da fazenda onde está localizada a dolina – com histórias do jeito que gosto – realismo fantástico? – e fotos do Buraco. Recomendo. Clique aqui para ver.