Masturba√ß√£o causa c√Ęncer de pr√≥stata

Hoje iria fazer um post espacial, mas depois de ler esse trabalho n√£o resisti. Homens que s√£o muito ativos sexualmente em seus 20 e 30 anos s√£o mais propensos a desenvolver c√Ęncer de pr√≥stata, principalmente se se masturbam com frequ√™ncia. Esse √© o resultado de um estudo com mais 800 machos liderado pela inglesa Universidade de Nottingham e publicado no jornal brit√Ęnico BJU International. Vale ressaltar que o maior problema foi visto na masturba√ß√£o – e n√£o nas rela√ß√Ķes sexuais.
Veja voc√™ mesmo ‚Äď retirei do abstract:

Whereas frequent overall sexual activity in younger life (20s) increased the disease risk, it appeared to be protective against the disease when older (50s). Alone, frequent masturbation activity was a marker for increased risk in the 20s and 30s but appeared to be associated with a decreased risk in the 50s, while intercourse activity alone was not associated with the disease.

Homens com c√Ęncer de pr√≥stata se masturbavam mais do que os homens sem a doen√ßa. A maior diferen√ßa apareceu nos 20 anos – 34% x 24%, respectivamente – e 30 – 41% x 31%. Elas foram menos acentuadas aos 40 anos, 34% e 28%, e 50 anos, 25% e 26% – u√©, inverteu!
“Os horm√īnios parecem desempenhar um papel fundamental no c√Ęncer de pr√≥stata. √Č muito comum usar como tratamento a redu√ß√£o deles‚ÄĚ, diz – aqui, em ingl√™s –¬†o autor principal, Polyxeni Dimitropoulou. ‚ÄúO sexo do homem tamb√©m √© regulado pelos seus n√≠veis hormonais, assim esse estudo analisou a teoria de que ter uma intensa atividade sexual afeta o risco do c√Ęncer de pr√≥stata‚ÄĚ, completa.
Mais dados curiosos que surgiram no estudo:

  • 59% dos homens disseram que tinham rela√ß√£o sexual ou masturba√ß√£o 12 vezes por m√™s ou mais nos seus vinte e poucos anos. Aos 30, a frequencia foi para 48%; aos 40, 28%; e aos 50, 13%;
  • 39% dos homens com c√Ęncer tiveram seis ou mais parceiras, em compara√ß√£o com 31% do grupo controle;
  • homens com c√Ęncer de pr√≥stata eram mais propensos a ter doen√ßas sexualmente transmiss√≠veis;
  • n√£o houve associa√ß√£o significativa entre a atividade sexual e c√Ęncer de pr√≥stata em um homem de 40 anos. Uma teoria para isso √© que o corpo j√° consegue se defender devido √†s toxinas acumuladas com o tempo.

N√£o vou concluir nada. S√≥ que esse √© um blog de meninas ‚Äď n√≥s, mulheres, somos melhores -, mas nos interessamos por meninos, n√£o? – no meu caso, claro – Bom, vou deixar cada uma matutar consigo mesma sobre o resultado dessa pesquisa.

Em pleno ver√£o, pinguins continuam chegando no Brasil

As simp√°ticas aves, da esp√©cie pinguim-de-magalh√£es, s√£o provenientes da Patag√īnia, nossa querida Argentina. O alerta √© dado pela ONG Instituto Argonauta para a Conserva√ß√£o Costeira e Marinha. O primeiro pinguinzinho de 2009 chegou √† praia de Puruba, no¬† extremo norte de Ubatuba, com¬† falha nas penas, magro e extremamente debilitado. Por isso foi parar na areia. Desde setembro at√© janeiro, 47 desses animais foram encontrados no litoral e levados para o Aqu√°rio de Ubatuba.
Por que param aqui?
O trajeto de deslocamento dos pinguins, da Patag√īnia ao Brasil, √© realizado por meio da corrente mar√≠tima chamada Malvinas. Ela ocorre em nossa costa durante o inverno e √© repleta de alimentos. Normalmente, os animais tendem a retornar para o Sul no inicio da primavera, auxiliados pela corrente do Brasil – corrente quente. Entenda mais sobre correntes em uma mat√©ria que fiz aqui.
Por√©m, na primavera e ver√£o, os pinguins n√£o necessitam descansar em terras brasileiras. Assim, qualquer animal dessa esp√©cie que apare√ßa nas praias – fora da regi√£o das suas col√īnias reprodutivas argentinas – representa uma anormalidade no ciclo daquele indiv√≠duo ao menos.
Nos √ļltimos 12 meses, as equipes do Instituto Argonauta e do Aqu√°rio de Ubatuba registraram um recorde de ocorr√™ncias na regi√£o compreendida entre Angra dos Reis (RJ) e S√£o Sebasti√£o (SP). Ambas resgataram cerca de 660 animais – a maioria da esp√©cie magalh√£es. Em setembro de 2008 foi realizada, a primeira soltura de alguns animais ao mar na regi√£o Sudeste, que anteriormente ocorria exclusivamente na regi√£o Sul do pa√≠s.
Voc√™ viu o filme hollywoodiano, nacionalista e catastr√≥fico ‚Äď quanto pleonasmo -‚ÄúO Dia Depois de Amanh√£‚ÄĚ? Claro, √© uma viagem e um exagero. Mas a id√©ia dos pinguis e do filme √© a mesma. No come√ßo da pel√≠cula, o cientista explica que o aquecimento global altera as correntes mar√≠timas afetando a vida em toda a Terra. Precisavam de mais pesquisas cient√≠ficas para justificar, realmente, essa sendo a causa das nossas visitas dos bichinhos de smoking.
Pinguim viajante
Esse fen√īmeno sempre ocorreu. Existem registros de pinguins em sambaquis – leia mais sobre essa “arquitetura” aqui, outra mat√©ria que fiz – no Brasil h√° mais de 5000 anos. A principal causa da mortalidade durante o percurso √© uma menor habilidade de sobreviv√™ncia gen√©tica de alguns indiv√≠duos. Como disse Darwin, os mais fortes sobrevivem. Segundo o Instituto Argonauta para a Conserva√ß√£o Costeira e Marinha:

Entretanto, com o aumento do impacto da atividade humana nos mares, outros fatores surgiram e tem que ser considerados para a conserva√ß√£o do grupo tais como a falta de alimento em fun√ß√£o da pesca predat√≥ria, derrames de √≥leo, ingest√£o de lixo, captura em redes de pesca, altera√ß√Ķes clim√°ticas que interferem nas correntes marinhas, etc.

Conheça os protagonistas
Os pinguins-de-magalh√£es, nome cient√≠fico Spheniscus magellanicus, s√£o aves marinhas que frequentam a costa brasileira durante os meses de inverno desde o Rio Grande do Sul at√© Alagoas. A esp√©cie faz ninhos em grandes col√īnias na costa da Patag√īnia, Argentina, Chile e Ilhas Malvinas entre outubro e janeiro.
Saiba mais: Leia aqui um post sobre o pinguim que vi no Paran√° e ajude os projetos do instituto ali. Foto, link G1.
Obs.: O Conselho Regional de Biologia da 4ª Divisão Рque engloba os estados de Minas Gerais, Goiás, Tocantins e Distrito Federal Рagora tem blog! Chama-se Biologia na Rede. Confira!

Saiba como é feito o teste rápido de Aids

spfw
Estava pilhada. Sexta fui √† S√£o Paulo Fashion Week (SPFW) e aproveitei, ou melhor, tentei fazer o teste de HIV. Eles j√° haviam encerrado, hunf. Mesmo assim, entrei no lounge para conversar com um amigo que fez o exame. √Č fant√°stico.
Ele disse que voc√™ senta no banquinho, mostra o dedo, limpa com √°lcool e com uma picada tira uma gota de sangue. Basta! Depois de meia hora sai o resultado, entregue por uma psic√≥loga. Se voc√™ – como eu – n√£o conseguiu fazer pela SPFW, saiba que existem locais gratuitos espalhados por todo o Brasil. Veja aqui a lista ‚Äď no canto direto acima.
Ahá! O teste, chamado Bio-Manguinhos, usado durante o SPFW foi desenvolvido por pesquisadores brasileiros da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).
Como funcionateste hiv
Cada ‚Äútirinha‚ÄĚ s√≥ pode ser usada uma vez – sequencia ao lado. Coloca-se um coquetel de ant√≠genos ‚Äď respons√°veis por gerar resposta imune ‚Äď que detectam se h√° anticorpos contra HIV no soro, plasma ou sangue de humano. Se aparecer uma linha duas linhas nas cores roxa ou rosa no kit significa que h√° anticorpo contra o v√≠rus ou que a pessoa tem Aids HIV. Quanto mais forte a cor, maior a quantidade de anticorpos.
Caso positivo, o psicólogo encaminha para fazer um teste mais criterioso.Mas um resultado negativo não exclui totalmente a possibilidade de estar infectado. Então, que vantagem Maria leva? Bom, se der positivo, é quase certeza que se tem a doença. Assim, ele é ideal para ser usado em lugares longínquos do Brasil ou em caso de emergência.
Existe um outro teste que funciona da mesma maneira e tamb√©m foi desenvolvido por brasileiros: o Rapid Check. Inven√ß√£o da Universidade Federal do Esp√≠rito Santo (UFES). √Č comum o Bio-Manguinhos e o Rapid Check serem usados por uma mesma pessoa para ter mais garantia do resultado.
O antigo
spfwlixo
Elisa é o nome do teste mais conhecido. A idéia é a mesma. Ele procura anticorpos, que se desenvolvem para proteger o corpo do HIV, no sangue. A diferença é que seu resultado demora 30 dias para ficar pronto e precisa de uma amostra maior de sangue para ser feito. Além disso, pode dar um falso positivo. Dizer que a pessoa tem Aids o vírus HIV, mas na realidade ela não foi contaminada.
Se isso acontecer, repete-se o teste. Ou… usa um mais sens√≠vel intitulado Western Blot. Como √© mais caro e complicado, geralmente √© usado apenas para acabar com a d√ļvida. Vale lembrar que existe um per√≠odo ‚Äď a “janela imunol√≥gica” ‚Äď em que a pessoa pode estar infectada, mas a taxa de anticorpos √© t√£o baixa que os testes n√£o pegam. Mesmo assim, essa pessoa pode transmitir o v√≠rus. Quer saber mais sobre o teste da Fiocruz? Clique aqui.
Obs.: A foto acima mostra as lixeiras descartáveis do SPFW. Nessa edição, colocaram uma para cada material ao lado da outra. Antes

√ćndios participar√£o da reuni√£o da SBPC

N√£o √© apenas na Campus Party que os √≠ndios est√£o presente ‚Äď o que, ali√°s, mostra exatamente a miscigena√ß√£o que √© esse pa√≠s, leia mais aqui.¬† A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ci√™ncia (SBPC) realizar√°, de 17 a 20 de mar√ßo pr√≥ximo em Tabatinga, no Amazonas, uma reuni√£o regional. O evento ter√° um p√ļblico pouco comum em encontros cient√≠ficos: povos ind√≠genas, comunidades ribeirinhas e popula√ß√Ķes de fronteira.
O tema central √© “Conhecimento na fronteira” – em refer√™ncia ao fato da cidade estar localizada no extremo oeste amazonense, onde o Brasil faz divisa com o Peru e a Col√īmbia. A programa√ß√£o conta com cursos, confer√™ncias e mesas-redondas. S√£o esperados participantes colombianos e peruanos.
Para Marilene Corrêa, reitora da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), a reunião possibilitará um olhar da ciência para as necessidades e dificuldades da região. Incluindo problemas de diferentes como: meio ambiente, desenvolvimento tecnológico, articulação entre três países e institucionalização do estado como nação.
Curiosidade. O Instituto de Natureza e Cultura, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), oferece cursos na cidade de Benjamin Constant onde é preciso pegar uma lancha de Tabatinga e navegar por 30 minutos.
√ďbvio que o encontro √© preparat√≥rio para a Reuni√£o Anual da SBPC, que ser√° realizada em Manaus, de 12 a 17 de julho pr√≥ximo, com o tema “Amaz√īnia: Ci√™ncia e Cultura”. Ser√° a 61¬™ Reuni√£o Anual da SBPC, a primeira na capital do Amazonas.
Tenho um amigo que possui parentes no Par√°. Ele conta que a realidade do Norte √© completamente diferente da nossa. Como citei acima, a comunica√ß√£o com v√°rias cidades √© feita pelo rio. Eles vivem no meio ‚Äď literalmente ‚Äď da floresta amaz√īnica.
Sexta, participei de uma mesa-redonda na Campus Party Verde – veja fotos aqui no Flick da Maria Carol – com outros blogueiros de meio ambiente e ci√™ncia. Rafael, do RNA mensageiro, perguntou: ‚ÄúVoc√™ gosta de viver na Su√≠√ßa ou no Brasil?‚ÄĚ Seria o sudeste o Brasil?
Fonte: Foto do site √ćndios On-line.

Campus Party est√° na maior reserva de Mata Atl√Ęntica

dsc05736
Essa √© a entrada do Centro de Exposi√ß√Ķes Imigrantes. Notou algo diferente? A placa gigantesca avisa aos visitantes: Parque Estadual das Fontes do Ipiranga. Basta abaixar a tela do laptop, respirar fundo e observar em volta. O local que abriga a Campus Party est√° inserido – faz parte – da maior reserva de Mata Atl√Ęntica da capital de concreto de S√£o Paulo.
Por isso que os campuseiros est√£o reclamando do frio. A cidade de S√£o Paulo possui diversos microclimas ‚Äď como diz a palavra, climas que variam de acordo com a regi√£o. Obviamente, o lugar mais quente na capital √© o centro antigo devido, entre outras coisas, √†: verticaliza√ß√£o dos edif√≠cios, veda√ß√£o do solo e falta de arboriza√ß√£o. O lugar mais frio da cidade √©¬†√°rea da¬†Represa de Guarapiranga.¬†A diferen√ßa de temperatura entre as duas regi√Ķes, ao mesmo tempo, pode chegar a 10¬ļC.
O segundo lugar mais frio de S√£o Paulo √©… Adivinhe… O Parque Estadual das Fontes do Ipiranga – clique no mapa que fiz ao lado. A temperatura pode ser at√© 8¬ļC mais congelante do que a da S√©. O ar √© mais √ļmido. O cheiro de terra molhada √© constante. O barulho dos p√°ssaros, comum.
Ali√°s, tem mais. Exatamente ao lado do Centro de Exposi√ß√£o¬†est√° inserida a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de S√£o Paulo. A institui√ß√£o √© respons√°vel por cuidar ‚Äď realizar pesquisas, trabalhos cient√≠ficos, sugest√Ķes ambientais – do meio ambiente do estado mais rico do Brasil. Principalmente os cientistas respons√°veis pelo solo e √°gua possuem suas mesas de trabalho instaladas no local.ecopefi
N√£o custa nada escolher uma hora durante o dia. Colocar um t√™nis. Fechar o computador. Deixar a Campus Party, o estacionamento car√©simo ‚Äď 20 reais para carros!, ali√°s isso √© monop√≥lio ‚Äď o Centro de Exposi√ß√Ķes Imigrantes e caminhar sentido √† sa√≠da. O conhecimento e o meio ambiente se concentram no bairro. A USP, o Bot√Ęnico, o Zool√≥gico literalmente est√£o¬†a poucos passos ‚Äď veja este post que fiz com todas as atra√ß√Ķes do lugar.
Observa√ß√Ķes: Agora √© oficial. Sou participante da Rede Ecoblogs. Trata-se de um blog que re√ļne posts sobre meio ambiente de blogueiros diferentes. Vale a pena conferir. Hoje, participei de dois debates na nova televis√£o de internet chamada IPTV Cultura, pelo SESC SP. Uma discuss√£o ao vivo sobre blogs de ci√™ncia e outra sobre como fazer com que os aparelhos tecnol√≥gicos ‚Äď celulares, computadores, pilhas… ‚Äď n√£o poluam o meio ambiente. Uma sacada. Quero agradecer o √Ātila Lamarino do Lablogat√≥rios que estava l√° ao¬†lado do Rafael Soares, Claudia Chow e Maira Begalli – organizadora da Campus Party Verde. Os v√≠deos estar√£o no ar aqui e veja fotos ali.

Crianças já possuem mentalidade responsável sobre meio ambiente

Esse final de semana, me presenteei com um domingo mais saudável e campestre. Fui ao Parque do Ibirapuera com primos crianças. Nossa meta era andar de bicicleta e ser feliz. Só. Como ameaçava chover, sorte foi encontrar o parque relativamente vazio. Alugamos quatro bicicletas, uma para cada um, e optamos por andar na grama. Era o lugar mais sossegado para uma criança reaprender a pedalar.
Passamos entre as folhas secas, morrinhos de terra e pelas poças d’água. Rimos com a lama respingando nas roupas, com os encontros de pneus e com poucas quedas. O calor somado às pedaladas aumentou a nossa sede. Momento para beber água. Logo em seguida, o tempo chegava. Era a hora de devolver as bicicletas.
No caminho, meu primo jogou sua garrafinha de √°gua no lixo de coleta seletiva. O Ibirapuera possui uma lixeira para org√Ęnicos e outra para recicl√°veis. Mas notei que ele ficou segurando a tampinha na m√£o. Percebi: ‚ÄúA tampa tamb√©m √© recicl√°vel…‚ÄĚ. ‚ÄúAh, √©. Esqueci!‚ÄĚ, e deixou o pl√°stico na lixeira correspondente.

Entenda o que é a Campus Party

dsc057241Imagine quatro mil pessoas em um galpão conectadas ao mesmo tempo na internet fazendo sabe-se lá o que. Pronto! Resumindo, isso é a Campus Party. Confesso que tinha preconceito com relação a esse tipo de evento. Mas agora que assumi minha parte nerd de ser, deixei a frescura de lado. E os nerds vão dominar o mundo!*

O¬†Centro de Exposi√ß√£o Imigrantes, na capital Sampa, est√° divido em tr√™s partes: √°rea de alimenta√ß√£o mais estandes de empresas ‚Äď para onde fui primeiro e de tabela respondi uma enquete do Ibope -; parte onde existem mesas compridas com cadeiras de pl√°stico e acesso √† internet; e um “puxadinho escondido” repleto de barracas de quem acampa.

O burburinho rola na √°rea dos computadores. Tudo acontece ao mesmo tempo: as pessoas falam, gritam, cantam, veem palestras, conferem shows, fazem massagens, s√£o entrevistadas por¬†jornalistas, passam por rob√īs¬†e trope√ßam nas cadeiras.¬†Foi a√≠ que, entre uma conversa e outra ‚Äď encontrei v√°rios blogueiros, incluo aqui o pessoal da Rede Ecoblogs ‚Äď, uma¬†mulher passou.campusparty

Ela estava vestida de maneira comum. Usava blusa estampada de tons rosados, cal√ßa jeans e sand√°lia alta. Mas… No pesco√ßo ‚Äď juro! ‚Äď ela pendurou uma folha de¬†sulfite com tais palavras escritas de canetinha preta: ‚ÄúN√£o sou nerd‚ÄĚ. O mesmo que passar no meio da arquibancada da torcida do Corinthians com um cartaz “sou palmeirense”. Vai plantar coquinho no asfalto!

Ap√≥s trocar infinitas id√©ias com gente como a gente, eu¬†vi: computadores coloridos ‚Äď essas luzes n√£o s√£o nada ecol√≥gicas, foto acima -, rob√īs que funcionam, coelhinhas da Playboy e concurso de fantasias. Enfim, toda a diversidade cultural brasileira pode ser encontrada na Campus Party. Claro que, se sumissem do mapa todas aquelas pessoas, o pa√≠s perderia 95% do seu QI e 98% dos provedores e afins¬†iriam √† fal√™ncia.

dsc057161Campus Party Verde

A Rede Ecoblogs Рda qual o Xis-xis participa! Рpossui um QG com cadeira feita de garrafa pet. Aprenda o passo a passo aqui. Os organizadores do evento disponibilizam várias palestras sobre temas relacionados à preservação do meio ambiente. Fotografei a palestra ao fundo dos bancos feitos de pneu, retalhos de tecido e escultura de papel. Super campestre Рfoto ao lado direito.cpv

Ap√≥s ter mergulhado de cabe√ßa no fant√°stico mundo da blogosfera, quinta-feira tem mais. No final da tarde, v√£o rolar duas mesas redondas sobre divulga√ß√£o cient√≠fica em blogs. O pessoal do Lablogat√≥rios –¬†tente falar r√°pido sem travar a l√≠ngua –¬†ir√° participar. Hasta la vista!

*Frase proferida por mim durante o primeiro encontro de blogs científicos Рleia aqui.

Macaca é famosa na Inglaterra

Essa √© para come√ßar a semana com a macaca! Explorando o fant√°stico mundo da internet, acabei caindo no site do zool√≥gico de Londres. Al√©m da p√°gina ser gracinha e √ļtil ‚Äď veja aqui -, o zoo possui um canal de v√≠deos no Youtube – ali. Dentro dele, o di√°rio da macaquinha chamada Conchita ainda¬†√© um sucesso. Sua vida documentada em v√≠deo alcan√ßou 350.000 acessos. Da esp√©cie mangabei-da-nuca-branca ou Cercocebus atys lunulatus ‚Äď nome cient√≠fico -, nasceu no ano passado. Parece um beb√™ humano. √Č impressionante e imposs√≠vel n√£o se apaixonar. Veja o di√°rio e leia a hist√≥ria dela aqui. S√≥ para constar, outro v√≠deo cutcho-cutcho √© esse aqui, de corujas nen√™s.
[youtube=http://br.youtube.com/watch?v=YZ7XsXPelrg]
Tudo isso come√ßou porque… Como todos os anos, um funcion√°rio abre sua caderneta de anota√ß√Ķes e sai zool√≥gico adentro. Contando, pesando e medindo os bichinhos. At√© as formigas s√£o somadas no censo animal. Neste caso, para facilitar, os inspetores podem contar por col√īnia e n√£o uma a uma. Segundo o jornal brit√Ęnico ‚ÄúTimes Online‚ÄĚ, os suricatas ‚Äď essa palavra remete √† incans√°vel s√©rie que passou milhares de vezes na TV por assinatura sobre uma fam√≠lia desses em p√© animais ‚Äď deram um trabalh√£o. Os malditos cavaram uma cova profunda. Em seguida, esconderam seus filhotes dentro dela. Leia mat√©ria aqui.
Aliás, em terras tupiniquins também houve contagem de bichinhos. E qual não foi a surpresa quando se notou que faltavam três aves? Pois é. No zoológico do Rio de Janeiro, três papagaios-do-mangue, um araçari-banana e uma arara-canindé sumiram. Matéria aqui. Um absurdo!
Obs.: Acabou a votação dos melhores blogs de ciência. O Xis-xis ficou em segundo lugar. Obrigada pelos votos!

Começa o Ano Internacional da Astronomia

Voc√™ deve ter visto por a√≠, em sites e blogs, a imagem ao lado. Explico. Esta semana a Organiza√ß√£o das Na√ß√Ķes Unidas para Educa√ß√£o, Ci√™ncia e Cultura (Unesco) lan√ßou o Ano Internacional da Astronomia, em Paris. Agora, 140 pa√≠ses ‚Äď incluindo o Brasil ‚Äď far√£o atividades para divulgar a astronomia.
A partir de amanh√£ a¬†semana j√° est√° repleta de atra√ß√Ķes, a maioria em comemora√ß√£o √† abertura. Sugiro que entre neste link – que lista todos os eventos – e anote na agenda o que achar mais interessante. Acredito que ao longo do ano a lista ser√° atualizada. Vale conferir uma vez por m√™s.
Eu não sei ainda para onde irei. Moro ao lado de um observatório, mas nunca consegui conferir de perto. Sempre algum imprevisto aparece. Agora, as lentes do gigante não me escapam! O organizador Roberto Costa, professor do Departamento de Astronomia da Universidade de São Paulo (USP), disse que uma das metas no Brasil é que ao menos 1 milhão de pessoas tenham, pela primeira vez, a experiência de olhar por um telescópio. Pretendo ser uma entre um milhão!
O site internacional oficial do evento √© este aqui.¬†D√™ uma fu√ßada! Tem sugest√Ķes de livros, explica√ß√Ķes sobre o que √© astronomia, not√≠cias e por a√≠ vai. Apesar de estar em ingl√™s, possui informa√ß√Ķes did√°ticas em espanhol e em outras l√≠nguas.
J√° o site brasileiro do evento ‚Äď veja aqui ‚Äď tamb√©m √© bacana. Tem um calend√°rio lunar do ano inteiro, mapa do c√©u no m√™s em que estamos e textos em linguagem simples sobre v√°rios temas astron√īmicos. A maioria em portugu√™s – os links que coloquei levam direto √†s respectivas p√°ginas. Divirta sua estrela guia!
Por que foi escolhido o ano de 2009?
Porque a data coincide com o anivers√°rio de 400 anos das primeiras observa√ß√Ķes com o uso do telesc√≥pio pelo cientista italiano Galileu Galilei!

Buscar no Google aumenta o aquecimento global

Sempre pensei nisso. Enquanto eu fico com o computador ligado ‚Äď seja l√° para o que for ‚Äď estou emanando CO2 – g√°s carb√īnico que colabora com o efeito estufa. Afinal, h√° consumo de energia. O que √© um paradoxo. Uso a ferramenta para incentivar a preserva√ß√£o ambiental e o conhecimento cient√≠fico. Droga! Bom, o jornal brit√Ęnico ‚ÄúThe Times‚ÄĚ publicou uma mat√©ria mais ou menos sobre o mesmo tema.
Ele afirmou que uma pesquisa no or√°culo Google gera sete gramas de¬† CO2. Comparando: com duas pesquisas √© poss√≠vel esquentar a √°gua do caf√©. O estudo √© proveniente da Universidade de Harward. O Google respondeu √† publica√ß√£o dizendo que eles est√£o completamente enganados. Segundo a empresa, uma pesquisa de 0,2 segundos emanaria 0,2 gramas de CO2. Ah, a saber, de acordo com o jornal, a ind√ļstria da Tecnologia da Informa√ß√£o (TI) – inform√°tica –¬† consome 2% de energia em todo o mundo. Leia mais um pouco sobre a discuss√£o no site do jornal aqui – em ingl√™s.
Poxa, at√© nossa santa internet de todos os dias pode ser do mal. Que peninha… Vamos exigir mais investimento em energia limpa! E j√° que dei a deixa…
Sempre defendo que pesquisadores brasileiros desenvolvem produtos e servi√ßos interessantes. Os cientistas da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecu√°ria (Embrapa) criaram um motor que funciona com lixo! ‚Äú√Č um motor de combust√£o externa, ou seja, a fonte de energia que faz ele trabalhar fica do lado de fora. Com isso, pode-se usar qualquer tipo de combust√≠vel, como o biodiesel, etanol, res√≠duos da agricultura, madeira, carv√£o, combust√≠veis f√≥sseis como carv√£o mineral e derivados de petr√≥leo‚ÄĚ, explica o pesquisador Luiz Guilherme Wadt. Restos provenientes da cria√ß√£o de frangos e de porcos tamb√©m poderiam ser utilizados.
‚ÄúImagine uma casa no campo em que um agricultor de baixa renda more l√° e n√£o tenha energia el√©trica. Ele poderia ter um pequeno motor desse colocado no fog√£o de lenha. Enquanto a dona de casa faz a comida, esse motor geraria energia suficiente para carregar a bateria que, mais tarde, propiciaria que ele tivesse ilumina√ß√£o na casa‚ÄĚ, diz Wadt. Ou… o simples agricultor teria energia para fazer pesquisas no Google!
Como funciona o motor movido a lixo?
Ele equilibra ondas de calor e frio que fazem os pist√Ķes funcionarem de forma constante. Mas n√£o serve para ser usado em autom√≥veis e caminh√Ķes. ‚ÄúEle tem o torque constante, ou seja, faz for√ßa sempre do mesmo jeito e na mesma velocidade‚ÄĚ, disse. Leia mat√©ria completa aqui, na Ag√™ncia Brasil. Onde compro? Algu√©m pode me dizer?