Machismo faz mal para a matemática das mulheres

Eu sabia! Mulheres, uni-vos! Esses homens fazem de tudo para nos diminuir. Usam do machismo para nos dominar até nas contas de 2 + 2 = 4. Agora, comprovado cientificamente. O italiano Luigi Guiso do European University Institute in Florence e seus colegas acabam de publicar os resultados de um estudo que sugere que na matemática a cultura explica a maior parte da diferença entre sexos.
Por exemplo, na Turquia as mulheres eram péssimas com relação aos homens nessa matéria de exatas. Na Noruega e na Suécia, o resultado foi praticamente igual para ambos os sexos. Assim, em países de igualdade sexual a diferença entre homens e mulheres na matemática praticamente desaparece.
Um detalhe curioso é que em geometria os homens continuam melhor. Mas, com relação à leitura, nós mulheres somos as vencedoras. Veja ao lado um gráfico sobre o resultado da pesquisa retirado da revista The Economist.
Alguns dos 276.000 entrevistados de 15 anos – de 40 países – fizeram testes escritos. Os pesquisadores compararam os resultados por país entre si e com um número de diferentes medidas sociais de igualdade sexual – como o World Economic Forum’s, um outro índice de atitudes culturais em relação às mulheres, a taxa de atividade econômica feminina e a participação política da mulher.
Isso significa que, se tivermos igualdade sexual, saímos na frente! Queridos leitores machos, nós queremos ser tão respeitadas e ter o mesmo acesso à educação e cultura que vocês têm. Nem por isso, esqueçam de abrir a porta do carro, nos presentear com flores, fazer mimos e tudo o mais!

Vulcões em ação na América Latina

Tierra del Fuego en Chile? Dia dois de junho vai fazer um m̻s que o vulc̣o Chait̩n Рfotos aqui -, no sul do Chile, entrou em erup̤̣o. E ele pode continuar jogando cinzas por meses! No ano novo, tamb̩m no Chile, o Llaima fez sinal de fuma̤a. Ṇo contente, em fevereiro, voltou a expelir cinzas e lavas. Cerca, pero no mucho, na Col̫mbia o Galeras ficou ativo em janeiro.
Por que tanta fúria? De acordo com fonte seguríssima, esses vulcões estão perto do encontro de placas tectônicas. Quando a Nazca x Sudamericana (placas) se empurram contra a outra, jogam para cima o magma derretido. Veja aqui um site completo sobre os gigantes – adormecidos e acordados.
Pelo jeito, o nosso continente está agitado! Para o Brasil, só faltam vulcões. Nem uma cinzinha a mais… e nem a menos.

Entenda TUDO sobre células-tronco

Finalmente, tá liberado! Por seis votos contra cinco, o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou as pesquisas científicas com células-tronco embrionárias sem nenhuma restrição como previsto na Lei de Biossegurança. Uma vergonha o julgamento ter sido adiado, em março, porque o ministro Carlos Alberto Menezes Direito pediu “vistas” da ação. Bom, mas agora essas são águas passadas – elas não movem moinhos.
Veja quem votou a favor das pesquisas: Joaquim Barbosa, Carmen Lúcia, Ellen Gracie, Celso de Mello, Marco Aurélio Mello e Carlos Ayres Britto. E quem colocou exigências e afins: Menezes Direito (aquele que pediu “vistas”), Ricardo Lewandowski, Eros Grau, Cezar Peluso e GIlmar Mendes (presidente do STF).
Às anotações:
O que são as células-tronco?
Elas “criam” as demais células e tecidos do organismo. São retiradas de embriões humanos – feto até ao terceiro mês de vida no útero – com dias de vida. As células-tronco adultas ficam armazenadas no sangue e nos tecidos das pessoas. Elas são mais especializadas dando origem a tipos específicos de órgãos.
Qual a importância delas?
Os cientistas acreditam que elas ajudem no tratamento de uma série de doenças como Parkinson, diabete, Alzheimer. Também, que possam curar lesões em nervos como na coluna cervical.
Por que ocorreu um julgamento?
A Lei de Biossegurança, aprovada em 2005, libera o uso dessas células em pesquisas ou no tratamento de doenças. Mas elas devem ser retiradas de embriões de fertilização in vitro, congelados há mais de três anos ou que não poderão dar origem a um bebê. Os “pais” do embrião precisam consentir e é proibida sua comercialização. Mas… em maio do mesmo ano, Cláudio Fonteles – na época procurador-geral da República – entrou no STF com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) contra o artigo que permite as pesquisas com células-tronco embrionárias. Fonteles disse que ele fere o princípio de direito e dignidade à vida. O argumento dele é que a vida tem início no momento da fecundação, porém não existe consenso na comunidade científica sobre o início exato.
O que a igreja pensa?
A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) – representa a Igreja Católica – é contra por também considerar que se trata de violação do direito à vida.
Como vão as pesquisas?
O Brasil não realiza com células-tronco embrionárias desde a contestação do ex-procurador-geral. Os comitês de ética em pesquisa, que também precisam aprovar a realização deste tipo de estudos, decidiram não investir no setor. O país desenvolve apenas pesquisas com células-tronco adultas, principalmente, para tratamento de doenças cardíacas. Uma possível proibição poderia deixar o país defasado. No futuro, teríamos que importar tratamentos, o que sairia caro.
O governo não fez nada?
José Gomes Temporão, ministro da Saúde, é favorável às pesquisas. Quer criar a Rede Nacional de Terapia Celular para incentivar o setor. Para o presidente Lula, “o mundo não pode prescindir de um conhecimento científico que pode salvar a humanidade de muitas coisas”.
Fonte: O Globo Online.
Dica: Clique nos links da matéria para tirar dúvidas referentes ao sublinhado e veja aqui uma animação sobre o que são as células-tronco e suas pesquisas.

Descubra como seria se fosse mais velho, asiático ou um mangá


Sempre vi, nos programas de televisão sobre ciência e tecnologia, softwares que mostram como serão os famosos no futuro, como eram os reis do Egito, como seria se alguém fosse uma pintura e por aí vai. Eu tinha a maior curiosidade para saber como eu ficaria e fazer o mesmo com conhecidos. Agora, minha vontade foi realizada! A University of St. Andrews, primeira universidade escocesa, disponibiliza na internet um software com esse propósito. Você escolhe seu sexo, idade e “raça” verdadeiros. Depois, o site fazer upload de uma foto sua e… Basta escolher como quer se ver. No futuro? Quando era bebê? Se fosse negro, asiático, caucasiano, bêbado, um mangá, um chimpanzé, uma pintura de um quadro do Botticelli ou muito mais! Ai que divertido! Eu adorei. Clique aqui para fazer você mesmo.

Eventos da Semana do Meio Ambiente

O Dia do Meio Ambiente é mundialmente solenizado em 5 de junho. Os próximos dias dessa data fazem parte da… Semana do Meio Ambiente. Haverá uma enxurrada de informações e atividades para “comemorar” o tema – entre aspas mesmo, com nosso futuro calorento e afins não temos muito o quê celebrar.
De qualquer maneira, a “festa” reforça a importância do meio ambiente na nossa vida. Praticamente todos os municípios do Brasil farão atividades – até mesmo a distante Telêmaco Borba, uma cidade natal do Paraná. Sugiro que entre em contato com a Secretaria do Meio Ambiente, universidades ou centros culturais de sua região. Para simplificar a busca, confira um resumo e a programação completa nos links:
Sesc SP: Teatros e apresentações de música.
USP: Mostra de filmes com debates em seguida. Entrada gratuita.
SMAM Porto Alegre: Plantio de árvores e passeios.
UFF: Oficinas, palestras e trilhas ecológicas.
Curiosidade: O Dia Mundial do Meio Ambiente foi criado pela Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em 1972. Ele marca a abertura da 1ª Conferência Mundial de Meio Ambiente, em Estocolmo (capital da Suécia). Na mesma ocasião, outra resolução criou a The United Nations Environment Programme (UNEP) – um programa da ONU visando o cuidado com o meio ambiente. Fonte aqui.

Londres e Nova York no mesmo espaço-tempo

O que não é a tecnologia unida a uma boa idéia? Coisa de artista-inventor… Um túnel virtual que conecta Nova York e Londres virou a sensação nas cidades! Ele possibilita a comunicação visual entre pedestres dos dois lados divididos pelo oceano Atlântico. A instalação do “Teletroscope”, criado pelo artista britânico Paul St. George, foi inaugurada na quinta-feira e ficará exposta até dia 15 de junho.
No “faz-de-conta” um túnel passa por dentro da terra – uma distância de 5.585 km – e, com o uso de espelhos, traz imagens de uma cidade para a outra. Porém, na realidade, o efeito é obtido por câmeras conectadas às fibras óticas. Quando alguém olha pelo “túnel”, vê gente na outra cidade. Ao acenar, as pessoas do outro lado fazem sinais de volta. Muitos escrevem mensagens em lousas para quem estiver na outra ponta responder. A obra-de-arte parece um gigante telescópio que saiu de dentro da terra. Ao lado das construções de madeira e lata estão relógios de sol, alavancas e termômetros.
A idéia do artista foi inspirada em anotações do avó – um excêntrico engenheiro chamado Alexander Stanhope St. George – que ele achou no sótão. Elas estavam abandonadas, esquecidas no tempo e empoeiradas. Paul leu e percebeu o valor histórico e cultural dos rascunhos que descreviam uma estranha máquina – veja ilustração abaixo. Essa máquina seria feita de espelhos como uma espécie de telescópio. Um túnel seria cavado entre cidades distantes. Os espelhos refletiriam as imagens de um lado ao outro.
Obs.: Apesar de ter passado ontem em um telejornal, esta matéria já estava programada para o blog. Se quiser saber mais sobre a obra clique aqui.

“Crime é 50% ligado à genética”, diz cientista inglês

De acordo com o psicólogo inglês Adrian Raine, professor do Departamento de Psicologia e Psiquiatria da Universidade de Pensilvânia, nos Estados Unidos, 50% dos criminosos apresentam alterações genéticas em sua função cerebral, que podem levar ao crime. Motivos externos – como violência na infância – correspondem a 35% dos fatores que explicam o que leva uma pessoa a matar. Apenas 15% é atribuído ao histórico familiar.
O psicólogo estuda o tema há 30 anos. Ele passou quatro anos em prisões de segurança máxima na Inglaterra, avaliando imagens do cérebro de pessoas violentas e de serial killers. Essa polêmica pesquisa foi apresentada durante o 4° Congresso Brasileiro de Cérebro, Comportamento e Emoções, que reuniu 2.300 especialistas em Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul.
“Encontramos alterações importantes na estrutura do cérebro dessas pessoas quando comparamos com as imagens obtidas de cérebros de pessoas normais”, afirma Raine. “Isso mostra que existe, sim, uma alteração biológica importante que pode levar o indivíduo a se tornar um criminoso e não podemos mais ignorar isso”. Ele diz que alterações cerebrais atribuídas a comportamentos violentos podem ser detectada ainda na infância.
É possível propor que crianças muito agressivas recebam tratamento ainda entre os 8 e 12 anos”, acredita o psicólogo. Raine conduziu pesquisas nos Estados Unidos com crianças violentas. Elas passaram a receber desde uma dieta diferenciada – rica em peixes que possuem ômega 3 que ativam a função cerebral – até assistência psicológica. “Não adianta intervir apenas quando a criança já se tornou um adolescente criminoso. Temos condições de fazer algo antes e a ciência está, cada vez mais, comprovando isso”, acredita.
Alerta: Devemos refletir sobre o que esse tipo de pesquisa pode desencadear. Entre tantos casos na história da humanidade, não devemos esquecer do recente Hitler. Inseriu suas idéias em um país desenvolvido já no início do século XX – a Alemanha. Um berço de pensadores e pesquisadores de destaque mundial. Ele gerou violência devido seus pensamentos sobre eugenia – ciência para favorecer as melhores condições de reprodução humana e o aperfeiçoamento da raça – e sua idéia de que existiam seres humanos superiores e inferiores.
Mesmo assim, não sou completamente contra esse tipo de pesquisa. Se usada com bom-senso pode ser útil. Além disso, TODA regra possui sua exceção. Por exemplo, não é porque a pessoa possui genética para engordar que será obesa. Ah, lembra-se da discussão sobre o trabalho do neurocientista Jaderson da Costa, da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio Grande do Sul? Junto com outros pesquisadores, ele quer analisar adolescentes brasileiros infratores com mapeamento cerebral. Pretendia saber se eles seriam violentos devido à genética ou por traumas sofridos ao longo da vida. Alguns advogados, antropólogos e pesquisadores foram contra. Leia mais sobre esse caso aqui e ali.

A briga com a Dengue

Espirrei o repelente nas pernas e nos braços. Eu que não quero voltar “dengosa” para São Paulo. Pena que, mesmo assim, não teve jeito. No meu primeiro dia no Rio de Janeiro, fiquei cheia de picadas de mosquitos. E não pense que fui fazer trilhas ou algo semelhante. Apenas caminhei pelos bairros.
No dia seguinte, fui admirar o pôr-do-sol do Arpoador – um dos meus lugares preferidos na Cidade Maravilhosa. Apesar de todo meu cuidado, juro que um mosquitinho amarelo e preto tentava sugar o sangue do meu braço. Claro que não era uma abelha. Espantei o inconveniente. Será o tal Aedes aegypti?
Em seguida, dentro do ônibus circular, saquei o produto da minha bolsa e mandei ver. Tomei um banho de repelente. Sem economizar ou medo de ser feliz, exagerada, ridicula, turista, etc. Os passageiros em volta nem perceberam…
Conversando com cariocas sobre os trabalhos de Oswaldo Cruz, senti como se estivéssemos regredindo no tempo. No início do século passado, o Rio de Janeiro – e outras cidades interioranas e quentes do país – sofria com epidemias semelhantes. Passados 100 anos de pesquisas e tecnologias, o que melhorou?

História das publicações brasileiras sobre ciência

Do Rio de Janeiro que continua lindo… A Biblioteca Nacional possui o projeto “Rede da Memória Virtual Brasileira“. Seu objetivo é facilitar o acesso da população à história brasileira. O melhor é que, finalmente, alguém lembrou-se da ciência. Há uma parte no site apenas sobre o assunto. Ele aborda o que foi publicado sobre o tema desde o descobrimento do país, oferece um guia de fontes para pesquisa e conta a história do Observatório Nacional.
A Biblioteca Nacional é imponente. Possui o maior acervo latino com mais de nove milhões de peças. Ela recebe uma cópia de todos os livros, letras de músicas, etc do que é registrado no Brasil. Quem não pode visitar pessoalmente seu acervo – e de quebra as belezas cariocas – tem como opção fazer pesquisas pelo site Biblioteca Nacional Digital. Encontrei obras digitalizadas dos anos de 1700 e tralalá. É perfeito para quem realiza trabalhos acadêmicos. Sem contar os achados! São mapas antigos de cidades, manuscritos de escritores consagrados, letras de músicas famosíssimas e por aí vai. Dica: digite um assunto de seu interesse e veja quanta coisa bacana aparece… Muitas obras do tempo do onça – como diriam meus avós.
Obs.: A imagem acima retirei do acervo de ciências da Biblioteca Nacional. São desenhos de tonéis e de veículos para o transporte de dejetos sanitários – écati -, da cidade do Rio de Janeiro em 1854.