Dicas para um turismo mais sustent√°vel

A express√£o “ecoturismo” n√£o me agrada. Primeiro, porque turismo “de natureza” n√£o deixa de ser turismo. Segundo, porque conhe√ßo raros casos de turismo que n√£o agridem o meio ambiente. Um exemplo foi a viagem de um amigo. Ele percorreu o interior de S√£o Paulo de bicicleta com uma mochila nas costas. E uma garrafinha para encher de √°gua durante o percurso.
S√≥ o fato de pegar um avi√£o j√° gera impacto ambiental. O site da Air France possui uma calculadora que mostra quanto um passageiro emite de CO2. Quem viaja de S√£o Paulo (Guarulhos) para Paris (Charles de Gaulle) – 9888 km de dist√Ęncia – emite 826 kg de CO2. Compare essa quantia com meu post sobre o Dia Mundial Sem Carro. Isso prova que turismo feito com avi√£o, carro, √īnibus, moto, gera impacto.
Antagonicamente, o turismo bem organizado √© uma maneira de preservar o meio ambiente. Fernando de Noronha, como exemplo, √© um sonho devido √†s suas belezas naturais. A ilha √© ambientalmente equilibrada. Segundo palestra no Projeto Tamar de Fernando de Noronha, nunca foi registrado um caso de ataque de tubar√£o no arquip√©lago. Em seis dias, eu vi tr√™s tubar√Ķes por l√°.
Se n√£o houver preserva√ß√£o da natureza e do ecossistema, Noronha perder√° sua gra√ßa – podendo se tornar, inclusive, perigosa. A ilha √© linda porque a √°gua √© transparente, n√£o existe lixo jogado nas trilhas ou nas praias – s√≥ vi uma latinha de cerveja em uma estrada de terra -, porque a vida marinha √© um desbunde. A cada 100 metros, existe uma lixeira para materiais org√Ęnicos e recicl√°veis. Tudo isso gera – muito – dinheiro para o Estado de Pernambuco.
Bom, vamos ao que interessa. Esse assunto render√° muitos posts de dicas de conserva√ß√£o, de hist√≥rias que quase prejudicaram o meio ambiente, de a√ß√Ķes que podem trazer problemas e de cr√≠ticas – inclusive √† administra√ß√£o de Fernando de Noronha. Ao desembarcar em Noronha e ao chegar ao posto de venda do bilhete do passeio de jangada pelas piscinas naturais de Porto de Galinhas (no munic√≠pio de Ipojuca, em Pernambuco), recebi um folheto com dicas de conserva√ß√£o. Adote essas a√ß√Ķes para todas e quaisquer viagem que fizer – algumas, cabem no dia-a-dia. Um resumo delas somadas √†s minhas experi√™ncias:
N√£o alimente os animais;
Não colete animais, plantas, pedras, conchas, artefatos arqueológicos, nada do seu ambiente natural;
N√£o persiga ou capture os animais;
Caminhe e mergulhe silenciosamente para n√£o amedrontar os bichinhos;
No caso de recifes, evite nadar próximos a eles para não quebrá-los;
Não se apóie, nem encoste nos recifes;
Produza o mínimo de lixo;
Respeite os limites impostos pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renov√°veis (Ibama);
Respeite os seus limites físicos;
Não desperdice água e energia elétrica;
Caminhe pelas trilhas sem alarg√°-las;
Coloque o lixo nas lixeiras, se não houver, leve com você;
N√£o enterre resto de alimentos;
Não encoste ou suba em ruínas históricas;
Não faça fogo em acampamentos sem saber se ambos são permitidos;
Não escreva em árvores, rochas ou placas Рessa é básica.
“Todos t√™m direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial √† sadia qualidade de vida, impondo se ao Poder P√ļblico e √† coletividade o dever de defend√™ lo e preserv√° lo para as presentes e futuras gera√ß√Ķes”, artigo 225 da Constitui√ß√£o da Rep√ļblica.
Obs.: A foto tirei no p√īr-do-sol na Praia dos Carneiros (Pernambuco) que, provavelmente, ganhar√° um post sobre a ocupa√ß√£o dela. Em cinco anos, creio que n√£o estar√° t√£o calma como √© hoje. A outra tiramos de duas tartarugas que se alimentavam calmamente na praia do Porto, em Fernando de Noronha, nesta segunda-feira.

Xis-xis premiado como blog de ciência

Voltando de viagem, recebo uma √≥tima not√≠cia! O Xis-xis foi um dos vencedores na vota√ß√£o sobre os melhores blogs de ci√™ncia. Categoria: “Ci√™ncia Geral, Pol√≠tica Cient√≠fica”!
A iniciativa foi ideia dos organizadores do Anel de Blogs Cient√≠ficos (ABC). O site re√ļne todos os blogs de ci√™ncia escritos em l√≠ngua portuguesa. Um detalhe: apenas os blogueiros de ci√™ncia, cadastrados no ABC, puderam votar.
O Xis-xis dividiu o honrado terceiro lugar com o Semciência, escrito pelo pesquisador e professor Osame Kinouchi. Em primeiro lugar, ficou meu colega 100nexos e, em segundo, outro colega, o 42.
Nas demais categorias – Ambiente e Ci√™ncias da Terra; Ci√™ncias da Vida; Qu√≠mica, F√≠sica e Astronomia, Matem√°tica e Computa√ß√£o; Ci√™ncias Sociais e Humanidades , Educa√ß√£o e Blogs Did√°ticos; Mente e C√©rebro, Sa√ļde e Medicina – mais premiados que fazem parte do ScienceBlogs Brasil. Veja o resultado completo aqui.
Meus parabéns para todos os vencedores!!!! E obrigada pelos votos!!!!

Uma viagem inesquecível

Ol√°! Fiquei fora por cerca de 20 dias. Por isso… Os √ļltimos coment√°rios entraram no ar apenas hoje. Aos poucos, o Xis-xis voltar√° completamente ao lugar. E com novidades nordestinas.
Estava de férias Рse é que jornalista e blogueiro consegue essa proeza. Viajei pelo litoral de Alagoas e Pernambuco. Passei por praias, cidades, povoados e paisagens como: Maceió, Penedo, Piaçabuçu, foz do Rio São Francisco, São Miguel dos Milagres, Praia do Morro, Praia do Toque, Rio Tatuamunha, Porto de Pedras, Japaratinga, Maragogi, São Bento, Praia dos Carneiros, Porto de Galinhas, Pontal do Cupe, Praia de Muro Alto, Recife, Olinda e Рa cereja do bolo РFernando de Noronha.
Claro que, em todo o percurso, a curiosa xeretou os modos de viver, as especificidades das marés e dos ventos, os comportamentos e as curiosidades da fauna e da flora dos locais. Aos poucos, colocarei tudo aqui no blog.
√Č encantador ver tanta riqueza natural de perto. Principalmente, aquela derivada do mar e dos rios. Ao mesmo tempo, √© triste perceber que tudo isso pode acabar em poucos anos devido √† explora√ß√£o de terras, de pessoas e do turismo depredat√≥rio. Falta muita educa√ß√£o ambiental, inclusive em Fernando de Noronha, geralmente, por parte daqueles que migram para esses lugares.
Bom, mas nesses dias que virão reviverei a viagem neste blog com um olhar ambiental e científico. Por vezes, crítico. O Brasil é muito belo. Convido para participar dessa caminhada.

Dica para prevenção de gravidez na adolescência

Esta semana est√° cheia de datas alertas… Hoje, dia 26 de setembro, mais de 70 pa√≠ses da Europa, Am√©rica Latina e √Āsia participam do dia Mundial da Preven√ß√£o da Gravidez na Adolesc√™ncia. A data √© promovida por organiza√ß√Ķes n√£o governamentais e sociedades m√©dicas internacionais com apoio de marcas farmac√™uticas. Este ano o tema √© “Sua Vida Sua Voz”.
A organiza√ß√£o internacional Population Council, a empresa Bayer, o canal Futura, entre outros, lan√ßaram o site Viva a Sua Vida, clique aqui, com informa√ß√Ķes sobre o risco de engravidar. E como lidar com algumas situa√ß√Ķes simples, mas que a falta de experi√™ncia impede uma melhor posi√ß√£o.

Pl√°stico oxibiodegrad√°vel talvez n√£o seja uma boa ideia

Essa √© para refletir. Os fabricantes de pl√°stico oxibiodegrad√°vel dizem que a principal vantagem do produto √© que ele se decomp√Ķe em 18 meses, sendo que a sacolinha pl√°stica “cl√°ssica” demora no m√≠nimo 100 anos. At√© a√≠, lindo. Por√©m o que tenho discutido h√° tempos com muita gente do meio…
O diferencial do pl√°stico oxibiodegrad√°vel √© que ele se “esfarela” na decomposi√ß√£o. Por isso essa a√ß√£o parece ser mais r√°pida. Bem, a√≠ est√° o problema. Antes das bact√©rias e fungos mandarem a ver na decomposi√ß√£o, esses milh√Ķes de farelinhos j√° contaminaram a √°gua, o solo e tudo mais.
E, se esse pl√°stico for usado para a reciclagem… Estudos apontam que os produtos feitos com esse material duram menos. J√° que a ideia √© acelerar na decomposi√ß√£o. Eles podem quebrar mais facilmente, por exemplo. A solu√ß√£o parece ser, ao menos por enquanto, consumir menos pl√°stico poss√≠vel.

Gaste sua sola do tênis

Hoje, deixarei o carro estacionado. Vou aproveitar para circular a p√©. Observar o cheiro, os sons e o gosto da cidade. Pasmar no cotidiano. De quando estive na Europa, uma das coisas que mais senti falta ao voltar ao Brasil foi caminhar pela cidade. Durante o dia, durante a noite… Sem medo e com transporte p√ļblico para me levar para onde precisasse.
Bom, n√£o √© uma boa ideia numa ter√ßa-feira “comemorar” o Dia Mundial Sem Carro. Mas 22 de setembro foi eleito o dia em quest√£o em 1998 1997. Cerca de 35 cidades da Fran√ßa participaram com passeios cicl√≠sticos e outras atividades. A ideia foi espalhando, espalhando, at√© chegar no Brasil em 2001.
De acordo com o Instituto Akatu, uma pessoa que circula 10 km por dia de carro emite, por ano, 75 toneladas de CO2. Para ter uma ideia do montante, de acordo com o Pr√™mio √Čpoca de Mudan√ßas Clim√°ticas de 2008, a farmac√™utica Roche no Brasil – uma empresa, n√£o uma pessoa – emitiu 5.593 toneladas de CO2 em um ano.
Sei que, em cidades como S√£o Paulo, as op√ß√Ķes de transporte p√ļblico s√£o p√©ssimas e escassas. Ent√£o, vamos usar este dia para protestar. Por um ar, um tr√Ęnsito, uma qualidade de vida melhor. Para entrar na rede social sobre assunto, clique aqui. Para saber o que vai rolar de especial em S√£o Paulo, veja aqui.

√Ālcool em gel resseca as m√£os

√Č verdade.
Um belo dia, antes da gripe suína fazer parte do nosso repertório, fui à dermatologista. Para mim, tinha feito uma belíssima compra. Toda vez que ia a shows ou locais com aquele banheiro químico instalado, reparava na solução para limpar as mãos. Era álcool em gel. Achava prática a ideia. Adorava.
At√© que comprei um potinho do √°lcool na farm√°cia. E mostrei toda orgulhosa da boa limpeza para a dermatologista. Ela respondeu: “Se voc√™ reclama de m√£os ressecadas, usar o √°lcool vai piorar a situa√ß√£o”. Meu objetivo era ter o m√≠nimo de higiene quando os banheiros n√£o disponibilizavam sabonetes l√≠quidos ou antes de comer nos restaurantes.
Continuei usando o álcool, sem a paranóia atual. Mas a solução é sempre, toda vez que passar o álcool, esperar secar. Depois, claro, passar um creme para as mãos. Simples assim. Melhor prevenir duas vezes, do que remediar.

Eu acredito em √īnibus h√≠brido

Dia desses, voltando de uma consulta ao m√©dico, observei um √īnibus circular mais barulhento que os outros. E tamb√©m, diferente. “Que fechada a parte de tr√°s do √īnibus. Cad√™ o escapamento?”, pensei. A-h√°, era um √īnibus h√≠brido. Ele funciona com hidrog√™nio, um g√°s que emite √°gua no lugar do g√°s carb√īnico, e tamb√©m com diesel.
Pena que n√£o estava com minha m√°quina para tirar foto… Ele tem um design bem bacana. Bonito. Contempor√Ęneo. Em uma descida, reparei que o escapamento fica no teto. Estranho, mas ao menos a fuma√ßa n√£o √© jogada diretamente em cima dos pedestres e dos carros.
Eu voto nos √īnibus el√©tricos e movidos a hidrog√™nio. Por mim, todos os “chamadores” de chuva deveriam ser substitu√≠dos – percebe quanta fuma√ßa t√≥xica os √īnibus emanam? O √ļnico detalhe √© o barulho. Daria para melhorar? Ningu√©m merece uma cidade mais polu√≠da sonoramente do que j√° √©.
No dia seguinte, leio em dois caminh√Ķes, um de uma rede de roupas e outra de salgadinhos, “movido a biodiesel”. O biodiesel √© um combust√≠vel que, no lugar do petr√≥leo, utiliza como mat√©ria-prima vegetais. Exemplo, a soja. Que feliz. S√≥ espero que isso n√£o estimule mais o desmatamento, que √© o que est√° ocorrendo com o Cerrado…

Primeira universidade online do estado de Sampa

O Estado de S√£o Paulo criou a Universidade Virtual do Estado de S√£o Paulo (Univesp). √Č uma esp√©cie de cooperativa online de ensino da qual participam a Universidade de S√£o Paulo (USP), a Universidade Estadual Paulista (Unesp) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
Hoje, elas fornecem cinco cursos: graduação em Pedagogia, Tecnologia em Processos Gerenciais, especialização em Filosofia, extracurricular de inglês básico e extracurricular de espanhol básico.
As inscri√ß√Ķes s√£o online, claro. E os cursos s√£o dados parte virtualmente e parte presencialmente. Vale a pena xeretar! De repente, voc√™ que mora em outra cidade… Tem uma oportunidade bacana. Saiba mais aqui, no site oficial. Bacana!

Quanto o Brasil emite de g√°s carb√īnico?

Esses dias, precisava descobrir quanto o Brasil, o pa√≠s inteiro, emana de g√°s carb√īnico equivalente (CO2e)* para fazer uma mat√©ria sobre aquecimento global. Foi um sufoco. O Minist√©rio da Ci√™ncia e Tecnologia (MCT) disponibiliza para quem quiser consultar esse e outros dados sobre o tema na internet. Mas a p√°gina estava fora do ar!
Sorte que conversei com um assessor de imprensa do MCT competente. Ele me passou o dado. Anote a√≠. O valor √©… 1,3 bilh√Ķes de toneladas de CO2e por ano! Parece muito? Saiba que essa conta foi feita entre os anos de 1990 e 1994. O valor ainda n√£o foi atualizado.
Atualmente, o Brasil √© o quarto maior emissor de gases poluentes. Ele perde, na ordem, para a China, Estados Unidos e Indon√©sia. Mas jamais devemos esquecer que, antigamente, os pa√≠ses desenvolvidos eram os maiores poluidores devido √† Revolu√ß√£o Industrial e outras a√ß√Ķes. Uma boa parte das nossas emiss√Ķes se deve √†s queimadas e ao desmatamento de florestas.
*Al√©m do CO2, outros gases tamb√©m colaboram para o aquecimento global como o metano. S√≥ que, o metano ret√©m 21 vezes mais calor na atmosfera do que o g√°s carb√īnico. Mas o g√°s carb√īnico √© mais abundante. Da√≠, √© feita uma conta que considera tudo isso e, enfim, chega-se a um valor chamado g√°s carb√īnico ou di√≥xido de carbono equivalente (CO2e). Minha colega do Rastro de Carbono escreveu um post completinho sobre CO2e, leia aqui.
Obs.: A foto tirei na trilha que leva à praia do Bonete, em Ubatuba.