A culpa dos desmoronamentos é da chuva?

DSC00129_mini.jpgEu ia fazer um post super elaborado, mas resolvi ser sucinta devido ao meu grau de indignação e tristeza. Assim, responda você mesmo. Darei as pistas, apenas.
Está vendo a foto? Foi tirada sexta-feira passada, dia 14, de um morrinho ao lado de uma rua importante para os bairros da região onde moro. Esse desmoronamento aconteceu há um ano – você leu certo, um ano. Desde um ano atrás, foi colocada essa faixa alertando o perigo.
Ah, há poucos meses, saquinhos que pareciam ser de areia foram postos em cima de uns cortes horizontais da terra. Deveria ser, creio eu, para conter possíveis desmoronamentos. Tirei a foto porque iria publicar o post na sexta, mesmo. Porém, não tive tempo.
DSC00148_mini.jpgAí, segundona dia 17, passando pelo mesmo caminho do santo dia… Tirei essa foto mais escura. Juro. Não dá para ver direito porque usei a câmera do meu celular, de dentro do carro, na chuva, durante a noite. Mas desmoronou. Juro. A terra caiu em parte da rua e de uma área de retorno. Parece brincadeira, mas não é.
Agora, dada as pistas, me diga. A culpa dos desmoronamentos é da chuva?
Obs.: Amanhã, vou tentar tirar uma foto durante o dia para comprovar. E os matinhos que aparecem no morro na primeira foto só mostram que, realmente, faz um ano que ocorreu o desmoronamento. Nada foi feito. Deu tempo até deles crescerem.

O quati não late, mas morde

DSC01025.JPGEstava pasmando no Parque Nacional Iguazú, parte argentina das Cataratas do Iguaçú, do lado de fora de uma lanchonete. Enquanto isso, uma gringa desavisada – não deu atenção às placas – comia seu delicioso lanche. Entre uma mordida e outra colocada no prato, num momento de distração, um quati subiu na mesa. Ele agarrou com a boca o sanduíche e correu para debaixo da mesa.
A moça nem tentou brigar por sua comida. Já gritou com medo do bichinho. O pessoal em volta tentou obter a deliciosa refeição de volta, sem sucesso. Aliás, nem os guardas florestais do parque conseguiram espantar o animal para muito longe. Os bichos se acostumaram.
DSC00633.JPGNa parte brasileira das Cataratas, os guardas usam uma varinha para espantar a espécie. Eles batem com força no chão sempre que um quati se aproxima de nós. Aqui, no Brasil, eles fogem. Porém, essa aproximação acontece porque os animais devem ter se acostumado com pessoas, no passado recente, dando comida para eles. Aí, quem quer se alimentar na floresta se ganha na boca gordura trans?
No Parque Estadual de Vila Velha – também no Paraná -, com a reformulação do lugar, os quatis ficam longe das pessoas. Hoje, eles têm medo de nós. De certa maneira, é bom para ambos. Afinal, eles seguem com uma alimentação e costumes adequados. Apesar deles serem bonitinhos, sua mordida passa raiva – uma doença infecciosa.
Recentemente, recebi em uma newsletter da ONG S.O.S. Mata Atlântica com informações interessantes: “O quati (Nasua nasua) é um mamífero comum na Mata Atlântica brasileira. Possui um nariz comprido, que utiliza para farejar suas presas, a maioria pequenos vertebrados e insetos que busca na terra e nos troncos podres. Também se alimenta de frutas e ovos, e gosta de subir em árvores. Os machos adultos vivem sozinhos. As famílias de quatis são formadas pelas fêmeas e seus filhotes, que permanecem junto da mãe até os dois anos de idade. É conhecido pelo fato de, ao se sentir ameaçado, se fingir de morto, se jogando no chão de patas para cima. Outras espécies, como o Gambá, também usam este artifício”.
Obs.: A foto acima foi tirada na Argentina; e, a ao lado, no Brasil. Boa semana!

2011: Ano Internacional das Florestas

anointernaionaldasflorestas.jpgParece que “nomear” datas – como Ano Internacional da Astronomia (2009), Ano Internacional de Darwin (2009), Ano Internacional da Biodiversidade (2010) – tem surtido efeito positivo. São inegáveis as inúmeras discussões que rolaram em torno dos temas e as atenções dadas para eles.
Assim, Organização das Nações Unidas (ONU) declara que este ano, 2011, é o Ano Internacional das Florestas.
Pelo que andei xeretando por aí, desta vez, o objetivo da ONU vai além de chamar a atenção para o meio ambiente em si. A ideia é discutir a relação do homem com as florestas, principalmente, a questão da pobreza. Afinal, boa parte das matas mais preservadas do mundo estão localizadas em regiões com populações miseráveis – olha “nóis” aí, gente.
Segundo o site oficial – clique aqui –, o Brasil participará da discussão – com tudo certo, mas nada resolvido. Nossa terra prevê organizar un congresso internacional sobre as cidades e as florestas adivinhe onde? Em Manaus, claro. Só que não foram divulgadas mais informações sobre.
Ah, e por hoje não é só, pessoal, 2011 também foi declarado o Ano Internacional da Química e a ONU estabeleceu a data como o início da Década da Biodiversidade. E viva meu bioma preferido: a Mata Atlântica! Vamos comemorar.

Como seria o litoral sem as construções?

IMG_0365.jpgGosto de fazer um exercício, principalmente, quando desço para o litoral sul de São Paulo pela rodovia Anchieta ou viajo para o Rio de Janeiro, capital. Observar o litoral do alto da Serra do Mar – ou a cidade de um morro do Rio – é deslumbrante. Sempre, não enjoo. Agora, imagine como era a paisagem antes das modernas construções!
IMG_0367.JPGRios, mangues, córregos, cachoeiras, morros livres do concreto ou de grandes desvios artificiais. Panorâmicas das praias sem uma pedra de concreto no caminho. De tirar o fôlego – apesar que os prédios brancos do Rio as casinhas das favelas têm sua poesia; os pescadores em seus barquinhos e os portos que parecem fantasmas também.
Sei lá de onde surgiu essa ideia. Deve ser culpa das aquarelas, gravuras, pinturas a óleo que observei desde criança nos museus cariocas. Não lembro os autores, com exceção do Debret que adoro, quando não eram anônimos. Se você quer estimular sua imaginação com uma visão da Cidade Maravilhosa mais pelada – ou vestida, dependendo do ponto de vista – indico um charmoso lugar em especial, o Museu Chácara do Céu, na Santa Teresa (Rio).
Se não me engano – isso porque acho que já xeretei todos os museus da capital fluminense – lá é o local que reúne um grande número de quadros panorâmicos. Sem contar que a chácara é uma graça. Faz jus ao nome: “A construção atual, projetada em 1954 pelo arquiteto Wladimir Alves de Souza, destaca-se pela modernidade das soluções arquitetônicas e por sua localização, que integra os jardins e permite magnífica vista de 360 graus sobre a cidade e a baía da Guanabara”. Preciso dizer mais?
Ano passado, em São Paulo, fui visitar uma exposição e aproveitei para ver a “Coleção Brasiliana Itaú” – ela estava “no caminho”. Assim, sem compromisso, fui dar uma olhadela. Qual foi a minha surpresa em encontrar essas panorâmicas – inclusive algumas que nunca tinha visto da capital paulista? Ah, fiquei extasiada. Se tiver a oportunidade, não perca.
E boas férias! Xis-xis também é cultura!
Obs.: Tirei as fotos quando seguia semana passada para o litoral sul de São Paulo.

As plantas do mundo em uma lista

IMG_0271.JPGPesquisadores dos Jardins Botânicos Reais de Kew, na Grã Bretanha, e do Jardim Botânico de Missouri, nos Estados Unidos, elaboraram uma base de dados botânicos dita por aí como a mais completa lista criada até hoje. Ela possui mais de 1,25 milhões de nomes de plantas.
Porém, para que tanto trabalho? O intuito é determinar que nome corresponde a qual espécie para, consequentemente, facilitar a identificação e o catálogo delas. Deveras interessante.
Ficou curioso? Pois saiba é possível acessar os dados pela internet, disponíveis no site com o criativo nome “The Plant List“. Prepare-se para uma grande, mas grande, lista de nomes em latim.
Entre as milhões de plantas ticadas, 300 mil são nomes dados a espécies vegetais, 480 mil são sinônimos e o resto não foi identificado. Divirta-se!
Obs.: A foto tirei em São Sebastião, São Paulo.

Decoração: poupando o meio ambiente

Já contei que estou arrumando minha casa, certo? Também que sinto dificuldade em comprar apenas produtos mais ambientalmente corretos. De modo geral, eles são mais caros. E, em alguns casos, não existem tantas opções assim. Sem contar que é uma luta interna não adquirir móveis lindos feitos com materiais menos indicados.
Pensando em pessoas que esṭo na mesma situa̤̣o que moi, procurando uma luz no come̤o das obras, fiz esta mat̩ria publicada no Yahoo! Рclique aqui. Ṣo dez atitudes para poupar o meio ambiente ao construir ou imobiliar uma resid̻ncia.
Resumão: prefira madeira como acabamento, compre móveis usados, invista em área realmente externa, cultive plantas, reutilize a água, verifique qual o consumo de energia dos eletro-eletrônicos, opte por revestimentos naturais, encaminhe o entulho para o reaproveitamento, dê preferência para lustres e abajures com lâmpadas fluorescentes ou Leds, escolha utensílios domésticos que agridam menos o meio ambiente como potes de vidro no lugar dos de plástico.
Construa um doce lar Рque ṇo de a̤̼car. E seja feliz!