Como surgiu a linguagem humana? (vídeo)

246_thumb_evo_linguagem

Como será que os seres humanos começaram a se comunicar por meio de uma linguagem? Será que antes usávamos gestos ou uma forma mais simples de sons que foram se complexificando? Hoje falaremos um pouco sobre a evolução da linguagem! Você pode ver o vídeo de hoje abaixo ou clicando aqui.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/CqYH-CTfPqU”]

Aqui vai um trecho do come√ßo do v√≠deo:¬†A linguagem humana √© complexa de um jeito √ļnico quando comparada a outros seres vivos, embora muitos seres consigam se comunicar. Certas esp√©cies de papagaios conseguem imitar sons humanos e alguns golfinhos parecem usar sons para ca√ßar ou interagir com outros golfinhos. Alguns primatas j√° foram at√© capazes de aprender gestos de l√≠ngua de sinais com a ajuda de humanos e de us√°-los para se comunicar. Embora essa comunica√ß√£o animal seja simb√≥lica porque usa sons para se referir a objetos, eventos ou a√ß√Ķes, ela √© bem limitada. Animais n√£o-humanos usam esses sons e gestos para avisar os outros sobre coisas pr√°ticas, mas n√£o para fazer trocas complexas de informa√ß√£o como quando voc√™ encontra com um amigo e bota todas as fofocas em dia. Essa comunica√ß√£o n√£o costuma ser t√£o criativa ou propiciar a gera√ß√£o de uma quantidade muito grande de varia√ß√Ķes como √© o nosso caso. Via de regra, essa comunica√ß√£o se restringe a a√ß√Ķes repetitivas com algum objetivo pr√°tico, tal como alertar sobre uma amea√ßa ou atrair um parceiro.

Referências recomendadas

Se voc√™ se interessa pela evolu√ß√£o da linguagem, d√° uma olhada nos links que vou disponibilizar a seguir. Eles v√£o tratar de diferentes aspectos ligados √† linguagem, evolu√ß√£o, biologia e lingu√≠stica, te dando um bom panorama das quest√Ķes mais centrais dentro desse tema mais amplo da evolu√ß√£o da linguagem. √Č claro que tamb√©m recomendamos o livro que vai ser sorteado, leia a descri√ß√£o do v√≠deo no YouTube para entender as regras do sorteio e participar: link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link.

O que determina o sexo biológico de alguém? (vídeo)

220_thumb_sexo

A ciência tem revelado cada vez mais que a determinação sexual de uma pessoa é um processo biológico bem mais complexo do que imaginávamos. Hoje vamos tentar te dar uma noção de como ela pode ser mais incerta e imprevisível do que pode parecer. Você pode ver o vídeo de hoje abaixo ou clicando aqui.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/b19FpTc8f0A”]

Referências recomendadas

Aqui vão algumas referências importantes sobre esse assunto: link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link.

Monogamia (vídeo)

211_thumb_monogamia

O que √© monogamia? Qu√£o comum ela √© entre os seres vivos? O ser humano tende a ser mais monog√Ęmico mesmo? Saiba disso e de mais algumas outras coisas no v√≠deo de hoje! Voc√™ pode ver o v√≠deo abaixo ou clicando aqui.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/UcHNpbGbZfU”]

Referências recomendadas

Aqui vão alguns materiais de referência para quem quiser se aprofundar no assunto do vídeo de hoje: link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link.

 

Organismos geneticamente modificados (OGM) (vídeo)

161_thumb_ogm

Voc√™ provavelmente j√° comeu v√°rios organismos geneticamente modificados e eles provavelmente n√£o te fizeram nenhum mal. Uma grande quantidade dos alimentos que consumimos hoje em dia, como o milho que √© usado pra fazer a sua pipoca,¬†sofreram¬†modifica√ß√Ķes gen√©ticas¬†direcionadas por n√≥s ao longo de milhares de anos. Falaremos hoje sobre o que s√£o organismos geneticamente modificados, se existem riscos associados a eles, como eles t√™m contribuido para a humanidade e como podem nos beneficiar mais ainda no futuro. Voc√™ pode ver o v√≠deo de hoje abaixo ou clicando aqui.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/shJYZDzf4bg”]

Referências recomendadas

A lista de refer√™ncias de hoje vai ser grande, incluindo v√°rios trabalhos cient√≠ficos, p√°ginas de sites relevantes (como o site da Organiza√ß√£o Mundial da Sa√ļde), posts de blogs e v√≠deos do YouTube sobre organismos geneticamente modificados, transg√™nicos e gen√©tica: link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link.

Horm√īnios (v√≠deo)

114_thumb_hormonios

Por detr√°s de quase tudo o que fazemos e sentimos, existe muuuita qu√≠mica! Os horm√īnios s√£o subst√Ęncias qu√≠micas que cuidam de v√°rias coisas importantes no¬†nosso corpo. No v√≠deo de hoje, falaremos sobre o que s√£o os horm√īnios,¬†qual √© a import√Ęncia deles para o funcionamento do corpo e como as coisas podem se complicar quando algu√©m desenvolve doen√ßas como o diabetes.

Spoiler: em breve faremos tamb√©m um v√≠deo falando sobre os efeitos dos horm√īnios na mente e no comportamento humano tamb√©m ūüėČ

Você pode ver o vídeo de hoje abaixo ou clicando aqui.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/OAtZQll0gM4″]

Referências recomendadas

Nos links a seguir, voc√™ vai conseguir encontrar muito material complementar sobre horm√īnios (descri√ß√£o de v√°rios deles, dos horm√īnios que as gl√Ęndulas end√≥crinas produzem, dos efeitos deles no organismo e por ai vai). Como s√£o mais de 70 tipos, claro que no v√≠deo a gente explorou bem pouco do tema pra n√£o ficar massante… mas aos poucos a gente vai falando de v√°rios horm√īnios em diferentes v√≠deos. Pelo menos esse v√≠deo j√° da uma ideia b√°sica do que se trata que a gente n√£o vai precisar ficar explicando de novo daqui pra frente! Vamos ao que interessa, aqui est√£o os links: link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link.

Reflex√Ķes Ps√≠quicas #6 Casa

98_thumb_personalidade_casa

O planeta Terra √© a nossa casa. Sabemos muitas coisas atualmente sobre ela e sobre o seu lugar no universo. Esse conhecimento foi fruto do esfor√ßo de pessoas que acharam que as suas pr√≥prias intui√ß√Ķes e o senso comum n√£o eram o suficiente. Pessoas com uma inquieta√ß√£o na cabe√ßa e uma grande vontade de entender como as coisas realmente funcionam.

“Reflex√Ķes Ps√≠quicas” √© uma s√©rie de v√≠deos que visa instigar a reflex√£o sobre assuntos que abordamos no canal e tamb√©m explorar a sabedoria que podemos extrair da ci√™ncia para nossas vidas. A ideia dessa s√©rie foi inspirada no formato tamb√©m usado na s√©rie Sagan (que n√≥s j√° at√© divulgamos na nossa p√°gina do Facebook). Gostaram do sexto epis√≥dio? D√™ a sua opini√£o nos coment√°rios pra gente saber ūüėČ

Você pode ver o vídeo de hoje abaixo ou clicando aqui.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/ZdaJCNIdFiA”]

Referências recomendadas

Voc√™ vai poder acessar muitas das informa√ß√Ķes que citamos no v√≠deo e v√°rias outras por meio dos links a seguir, que incluem informa√ß√Ķes acerca do comportamento e da hist√≥ria da Terra (entre os links est√° o de um √≥timo document√°rio do Neil Degrasse Tyson, recomendo fortemente!): link, link, link, link, link, link, link.

Reflex√Ķes Ps√≠quicas #5 Vida (v√≠deo)

91_thumb_vida

Ser√° que existe vida fora da Terra? Ser√° que algum dia saberemos o qu√£o realmente abundante ou rara √© a vida no universo? “Reflex√Ķes Ps√≠quicas” √© uma s√©rie de v√≠deos que visa instigar a reflex√£o sobre assuntos que abordamos no canal e tamb√©m explorar a sabedoria que podemos extrair da ci√™ncia para nossas vidas.

A ideia dessa série foi inspirada no formato também usado na série Sagan (que nós já até divulgamos na nossa página do Facebook). Gostaram do quinto episódio? Dê a sua opinião nos comentários pra gente saber! Você pode ver o vídeo de hoje abaixo ou clicando aqui.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/WFWDYoBMaEQ”]

Recomenda√ß√Ķes indicadas

Primeiramente, aqui v√£o alguns links sobre as gal√°xias existentes no universo (link, link, link). Sobre a possibilidade de vida fora da Terra, eis aqui alguns links relevantes (link, link, link). Veja tamb√©m esses links descrevendo melhor a expans√£o do universo e como essa descoberta foi feita, al√©m de tamb√©m descrever como descobrimos¬†que o universo est√° se expandindo em uma acelera√ß√£o mais r√°pida do que imagin√°vamos at√© pouco tempo (link, link, link, link). Esse aqui √© um gr√°fico mostrando visualmente o poder das bombas at√īmicas. Sobre a vida no planeta Terra, veja esses links (link, link). Tem muita coisa na internet sobre todos esses assuntos que abordamos, os links que colocamos aqui s√£o s√≥ algumas indica√ß√Ķes iniciais e resumidas, mas te incentivamos fortemente a sair por ai fu√ßando que voc√™s v√£o encontrar coisas muito legais sobre cada um dos temas!

Superbactérias (vídeo)

76_teaser_superbacterias

Ta saindo da jaula o moooonstro! E aqui √© monstro com resist√™ncia √† medicamentos, n√£o √© √°gua com m√ļsculos! Chamamos esse tipo de monstro de superbact√©rias e elas, cada vez mais, representam um super problema pra gente. Vamos falar no epis√≥dio de hoje sobre o que s√£o superbact√©rias, o que √© sele√ß√£o natural, porque as superbact√©rias¬†surgem e o que podemos fazer pra enfrentar elas! Voc√™ pode ver o v√≠deo de hoje abaixo ou clicando aqui.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/twACdjdqVow”]

Pra quem n√£o entendeu algumas das refer√™ncias que fizemos no v√≠deo, deve ser porque voc√™ n√£o viu o v√≠deo que bombou do Bambam, ex-BBB, no youtube. √Č esse aqui. E outro v√≠deo que vale a pena ver √© o remix que fizeram do original. E voc√™ sabia que o papa l√©guas √© baseado em um animal que existe mesmo? Ele √© mais popularmente conhecido como galo corredor, voc√™ pode ver ele nesse v√≠deo aqui.

Referências recomendadas

Nos links que vou colocar a seguir, voc√™ vai poder conferir v√°rias fontes que detalham todos os problemas e poss√≠veis solu√ß√Ķes envolvidas na quest√£o das superbact√©rias al√©m de um v√≠deo detalhando o que √© a sele√ß√£o natural, assunto no qual nos focamos no in√≠cio do v√≠deo (link, link, link, link, link, link, link, link, link).

Simpósio Internacional de Filosofia da Biologia

Fonte: Evolucionismo

Autor: André Rabelo

 

Recentmente a UnB sediou o Simp√≥sio Internacional de Filosofia da Biologia, organizado pelo professor Paulo Abrantes do departamento de filosofia da UnB. Eu tive o privil√©gio de participar de dois dos tr√™s dias do Simp√≥sio, e trago aqui um breve relato das discuss√Ķes que mais me interessaram.

Anteriormente ao simpósio, houve a publicação no começo desse ano do livro Filosofia da Biologia. Pesquisadores internacionais e nacionais, tanto biólogos como filósofos, integram os colaboradores do livro assim como boa parte deles também foram palestrantes no simpósio, juntamente com outros pesquisadores convidados.

De um modo geral, as comunica√ß√Ķes dos palestrantes estimularam e ilustraram uma vis√£o muito clara e enfatizada pelo professor Abrantes: ci√™ncia e filosofia est√£o intimamente atreladas, uma tendo contribui√ß√Ķes fundamentais para oferecer avan√ßos √† outra. N√£o me refiro aqui √† √≥bvia rela√ß√£o hist√≥rica entre ambas, mas √† atual de depend√™ncia entre elas. A ci√™ncia necessita de uma discuss√£o filos√≥fica que esclare√ßa seus problemas de investiga√ß√£o e que facilite a sua constru√ß√£o te√≥rica atrav√©s de uma √™nfase na clareza e na l√≥gica do uso de seus conceitos e de suas teorias. A filosofia precisa usar o conhecimento produzido pela ci√™ncia se quiser ter avan√ßos em suas investiga√ß√Ķes, do contr√°rio ela perde uma grandiosa contribui√ß√£o. Continue lendo…

Inato x Aprendido (Parte 2)

Autores: André Rabelo e Felipe Novaes

Texto também publicado no Blog NERDWORKING

A rejei√ß√£o contempor√Ęnea da natureza humana tem a ver com o medo da desigualdade, do racismo, da guerra e da viol√™ncia, visto que durante o s√©culo XX algumas explica√ß√Ķes biol√≥gicas foram (mal) forjadas por pessoas para justificar id√©ias eugenistas e racistas.

Portanto, tais receios n√£o s√£o totalmente injustific√°veis, visto que movimentos como o nazismo, por exemplo, ficaram conhecidos por fazer uso de explica√ß√Ķes supostamente biol√≥gicas (como a no√ß√£o de ra√ßa superior que deveria dominar), de uma forma totalmente deturpada para cometer atrocidades.

O problema √© que estas preocupa√ß√Ķes que se pautam exageradamente no passado acabam ignorando a proposta atual da utiliza√ß√£o de explica√ß√Ķes biol√≥gicas, que √© diferente da que foi feita, de forma distorcida e desonesta, no passado por certas figuras pol√≠ticas.

A pr√≥pia biologia se encarregou de demonstrar que somos todos primos, unidos pela mesma √°rvore da vida, sendo que diferen√ßas superficiais como a cor da pele ou o formato dos olhos n√£o podem dizer quais s√£o os nossos potenciais nem as nossas caracter√≠sticas fundamentais, muito menos a nossa fun√ß√£o social. Dois avan√ßos importantes na teoria gen√©tica ajudaram a desmisitifcar o determinismo gen√©tico (Gould, 1991): a id√©ia de heran√ßa polig√™nica e a falta de diferencia√ß√£o gen√©tica entre humanos. Essas duas id√©ias podem ser resumidas, respectivamente, da seguinte forma: as caracter√≠sticas humanas s√£o o resultado da participa√ß√£o de v√°rios genes juntamente com um “ex√©rcito de efeitos interativos e ambientais” (Gould, 1991); as diferen√ßas gen√©ticas entre indiv√≠duos das diversas ra√ßas humanas s√£o extremamente pequenas, ou seja, n√£o existem “genes raciais” que diferenciem uma ra√ßa da outra.

A antipatia √† explica√ß√Ķes biol√≥gicas, ironicamente uma ‚Äúheran√ßa‚ÄĚ do debate entre o que era inato ou aprendido, surgiu principalmente por conta de id√©ias como o darwinismo social, o determinismo gen√©tico e a frenologia. Continue lendo…