Como ser menos trouxa? (vídeo)

149_thumb_trouxa

Quer deixar de ser trouxa nos relacionamentos? A gente n√£o promete resolver todos os seus problemas, mas vamos compartilhar alguns conhecimentos que podem ser √ļteis para melhorar a sua situa√ß√£o! Voc√™ pode ver o v√≠deo de hoje abaixo ou clicando aqui!

[youtube_sc url=”https://youtu.be/9h_LYS-stcI”]

Referências recomendadas

Os 3 tópicos principais que abordamos no vídeo para tentar te ajudar a ser menos trouxa foram a influência da atração, do viés da negatividade e do efeito Michelangelo nos relacionamentos. A seguir você vai poder consultar artigos científicos, posts de blogs, matérias e até um podcast sobre cada um desses tópicos: link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link.

#gratidão (vídeo)

127_thumb_#gratid√£o

√Č t√£o bom sentir gratid√£o, n√©? Mas acredite, sentir gratid√£o √© melhor ainda do que voc√™ imagina! Ela pode trazer muitas consequ√™ncias positivas para sua vida e no v√≠deo de hoje falaremos um pouco sobre o que √© a gratid√£o e como podemos cultiv√°-la nas nossas vidas. Voc√™ pode ver o v√≠deo de hoje abaixo ou clicando aqui.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/h2HuMveeXls”]

Referências recomendadas

Os links a seguir trazem men√ß√Ķes a artigos, mat√©rias e livros sobre a gratid√£o. Inclusive, trouxemos aqui alguns dos poucos estudos feitos at√© o momento sobre as bases neurais da gratid√£o, t√≥pico que n√£o abordamos no v√≠deo (exatamente por ser t√£o incipiente ainda). Tamb√©m trouxemos materiais discutindo o altru√≠smo rec√≠proco. Para quem quiser se aprofundar mais na ci√™ncia da gratid√£o, vale a pena dar uma checada nos seguintes links: link, link, link, link, link, link, link, link, link.

Indica√ß√Ķes Ps√≠quicas #1 Felicidade

87_thumb_indicacoes_1

Na nossa nova s√©rie “Indica√ß√Ķes Ps√≠quicas”, iremos sugerir filmes, document√°rios, s√©ries ou livros sobre os assuntos que abordamos nos v√≠deos pra voc√™s se aprofundarem um pouco mais! Veja o v√≠deo de hoje abaixo ou clicando aqui.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/K3CaGt2YUvA”]

O que voc√™ achou dessa nova s√©rie? Dev√≠amos fazer outros “Indica√ß√Ķes Ps√≠quicas”? D√™ a sua opini√£o por favor nos coment√°rios do v√≠deo ou por meio das nossas redes sociais!

Referências recomendadas

As 3 principais refer√™ncias do v√≠deo s√£o o document√°rio Happy (que voc√™ pode assistir no Netflix ou aqui), o livro Os Mitos da Felicidade e o livro Felicidade Constru√≠da. N√≥s recomendamos fortemente que voc√™ veja o document√°rio e leia os livros se o tema da felicidade te interessa. N√£o deixe de participar do sorteio que faremos do livro Felicidade Constru√≠da (maiores instru√ß√Ķes s√£o dadas no v√≠deo).

Felicidade (vídeo)

86_thumb_felicidade

O que é a felicidade? Como podemos alcançá-la? Hoje veremos o que a psicologia tem a dizer sobre a felicidade, como você pode aumentar a sua e como o seu principal obstáculo para alcançá-la pode ser a sua própria mente. Você pode ver o vídeo de hoje abaixo ou clicando aqui.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/q_8iqvFLrvU”]

Referências recomendadas

Aqui vai uma lista respeitável de links para páginas relevantes, trabalhos científicos, matérias jornalísticas e vídeos sobre a felicidade. Se você se interessou pelo tema do vídeo de hoje, vale a pena dar uma fuçada em todos eles: link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link.

Um livro que tamb√©m¬†√©¬†uma √≥tima fonte de informa√ß√Ķes sobre esse assunto √© o Felicidade Constru√≠da.¬†

As páginas de dois grandes pesquisadores da área trazem várias fontes de informação científica: aqui você acessa a página do Ed Diener e aqui, da Sonja (a cientista que citamos no vídeo).

 

Carnaval (vídeo)

carnaval

A√™, a√™, a√™, a√™…. ei, ei ,ei, ei… √Ē√ī√Ē√ī√Ē√ī√Ē√ī√Ē√ī√Ē√ī√Ē√ī… √© carnaval minha gente! Vamos nessa! Mas antes da folia, venha aprender um pouco sobre a psicologia por detr√°s do carnaval! Veja o v√≠deo abaixo ou clicando aqui.

Referências recomendadas

Aqui,¬†aqui e aqui s√£o alguns links com mais informa√ß√Ķes sobre desindividua√ß√£o.

Essa é uma matéria que fala sobre as pesquisas que citamos no vídeo (sobre como gostamos mais das experiências positivas quando compartilhamos ela com outras pessoas).

Clicando aqui você vai poder ver o resumo do artigo que citamos sobre o efeito de passar por uma experiência dolorosa com outras pessoas e aqui é uma matéria falando sobre essa pesquisa.

Pra conhecer mais sobre o carnaval de Salvador, visite o SomosCarnaval, o melhor site de dicas sobre o melhor carnaval do Brasil!

Natal, presentes e felicidade (vídeo)

30_teaser_natal

Êêêê, o Natal ta chegando!!! Nós ficamos tão animados que fizemos um vídeo sobre isso! Na verdade, o vídeo é sobre o que acontece nas nossas mentes quando damos coisas para outras pessoas, algo que muita gente faz nessa época do ano!

Veja o vídeo abaixo ou clique aqui.

[youtube_sc url=”http://youtu.be/ELUEG5oGZa8″]

Referências recomendadas

Dunn, E. W., Aknin, L. B., & Norton, M. I. (2008). Spending money on others promotes happiness. Science, 319, 1687-1688.

Esse é um dos artigos mais importantes sobre o que tratamos no vídeo. Publicado em uma das revistas científicas mais importantes do mundo, a Science, esse artigo mostrou de maneira sistemática como o gasto com outros visando beneficiá-los pode ter efeitos na felicidade.

Dunn, E. W., Aknin, L. B., & Norton, M. I. (2014). Prosocial spending and happiness: Using money to benefit others pays off. Current Directions in Psychological Science, 13(2), 347-355.

Esse artigo é uma revisão de fácil leitura publicada esse ano por alguns dos principais pesquisadores da área. Ele descreve vários dos mais importantes estudos que encontraram uma relação entre o gasto com outros e felicidade.

Aknin, L. B., Barrington-Leigh, C. P., Dunn, E. W., Helliwell, J. F., Burns, J., Biswas-Diener, R., & … Norton, M. I. (2013). Prosocial spending and well-being: Cross-cultural evidence for a psychological universal. Journal Of Personality And Social Psychology, 104(4), 635-652.

Esse foi o estudo recente que encontrou uma relação considerável entre gasto com outros e felicidade em 120 de 136 países ao redor do mundo.

Compreender a sua mente é uma missão crítica

Fonte: Streams of Consciousness / Scientific American*
Autor: Jamil Zaki, autor convidado
Tradutor: André Rabelo

Cortesia da Digital Shotgun via Flickr.

No in√≠cio deste ano, o senador Tom Coburn publicou um relat√≥rio chamado “Sob o Microsc√≥pio“, no qual ele criticou o financiamento de qualquer pesquisa que ele n√£o pudesse imediatamente entender como importante. De valor particularmente duvidoso, na opini√£o de Coburn, s√£o as ci√™ncias comportamentais e sociais‚ÄĒincluindo o meu pr√≥prio campo, a psicologia. Seguindo no seu relat√≥rio, Coburn prop√īs eliminar¬†o financiamento da Funda√ß√£o Nacional de Ci√™ncia para estas ci√™ncias “humanas”, escrevendo: “…alguns destes estudos sociais representam prioridades nacionais √≥bvias que merecem um corte do mesmo bolo que a astronomia, a biologia, a qu√≠mica, a ci√™ncia da terra, a f√≠sica ou a oceanografia?” Mr. Brooks, que ocupa a cadeira de um painel do congresso considerando tais cortes, ecoou esta opini√£o. Brooks explicitamente afirmou que as ci√™ncias humanas ainda t√™m que provar o seu valor.

Considerando que os pensamentos e as escolhas das pessoas, por defini√ß√£o, desempenham o papel mais poderoso na forma√ß√£o da nossa sociedade, porque estudar a mente humana parece um tipo de esfor√ßo dispens√°vel? Uma raz√£o pode ser que frequentemente as pessoas se sentem como se elas j√° compreendessem suas mentes, e que o estudo das pessoas e das culturas¬†n√£o pode revelar nada de novo para elas. T√≥picos como redes sociais, emo√ß√£o, mem√≥ria e rela√ß√Ķes raciais soam menos cient√≠ficos do que o estudo da estrutura celular, forma√ß√£o proteica ou for√ßa eletromagn√©tica. Estes √ļltimos t√≥picos parecem que ir√£o revelar insights inacess√≠veis √†s nossas intui√ß√Ķes, enquanto que as ci√™ncias humanas n√£o poderiam. Isto n√£o poderia estar mais distante da verdade: exames da mente humana frequentemente desenterram grandes surpresas. De fato, uma ampla mensagem emergindo dos √ļltimos 50 anos de pesquisa psicol√≥gica √© que for√ßas al√©m da nossa consci√™ncia guiam muitas das nossas opera√ß√Ķes mentais mais cr√≠ticas‚ÄĒnossos julgamentos morais, prefer√™ncias e opera√ß√Ķes semelhantes. Reconhecendo estas for√ßas e botando elas para trabalhar tem o potencial de mudar‚ÄĒe at√© mesmo salvar‚ÄĒvidas. Aqui est√£o quatro maneiras pelas quais as ci√™ncias humanas podem nos ajudar em uma grande escala, e raz√Ķes porque n√≥s n√£o podemos viver sem a investiga√ß√£o rigorosa das nossas pr√≥prias mentes.

O Poder da Gentileza


Obra de Keith Haring, 1987

Nas grandes cidades, vivemos nossas vidas em meio a uma multidão de desconhecidos. Cruzamos todos os dias com estranhos que não conhecíamos e que, provavelmente, não vamos conhecer também. Nessa atmosfera, não é de se surpreender que a apatia pelo sofrimento alheio e a distribuição de grosserias tenham se tornado tão comuns e aceitáveis. Podemos até nos surpreender se um completo estranho   emergir a partir da multidão nos oferecendo um ato de gentileza, sem pedir nada em troca.

Voc√™ n√£o se surpreenderia se, ao chegar no caixa de um restaurante para pagar a sua conta, fosse informado de que uma pessoa gentilmente pagou a sua conta e n√£o quis se identificar? Uma situa√ß√£o como esta pode parecer muito improv√°vel, mas foi exatamente o que aconteceu em um restaurante na Filad√©lfia, em 2009, nos Estados Unidos¬†[1]. O ato de gentileza inspirou, nas 5 horas seguintes, v√°rias pessoas naquele restaurante a pagar a conta de outras mesas sem se importar com o valor da conta e de maneira an√īnima. Os trabalhadores do restaurante ficaram emocionados, pois nunca tinham visto algo t√£o solid√°rio como aquilo acontecer. Como diz na reportagem da NBC10 Philadelphia:¬†“√Č uma hist√≥ria de feriado verdadeira que prova como um pequeno gesto de gentileza pode criar um pouco de magia.”

A gentileza √© um tipo de a√ß√£o espont√Ęnea e, muitas vezes, sutil, onde uma pessoa beneficia outra, seguindo normas impl√≠citas de conduta. √Č um tipo de comportamento de baixo custo para quem o realiza, mas que pode beneficiar muito quem recebe. O v√≠deo abaixo demonstra v√°rios exemplos de como a gentileza pode se manifestar no cotidiano.

[youtube_sc url=”http://www.youtube.com/watch?v=nwAYpLVyeFU” width=”590″]

Este v√≠deo √© uma bela ilustra√ß√£o do que a gentileza √© capaz de produzir no cotidiano das pessoas. Ela √© contagiante. O v√≠deo (que encontrei no¬†Treta)¬†√© uma produ√ß√£o do projeto Life Vest Inside (“Salva-Vidas Interno”), que busca promover a gentileza como uma maneira simples, mas poderosa e ativa, de melhorar o mundo. Uma parte da descri√ß√£o do projeto merece ser traduzida aqui:

O trabalho de caridade e o servi√ßo comunit√°rio s√£o ferramentas inestim√°veis para melhorar o nosso mundo, mas a gentileza √© mais do que boas a√ß√Ķes ou voluntariado apenas. Gentileza √© empatia, compaix√£o e conex√£o humana; √© um sorriso, um toque ou uma palavra confortante. Mesmo o menor gesto pode clarear um dia escuro ou aliviar um fardo pesado.

Continue lendo…