O Caderno Rosa de Madre Teresa

A edição deste mês da revista Piauí traz uma excelente matéria assinada por Rodrigo Naves. Trata-se de uma homenagem ao falecido escritor José Paulo Paes que, na minha opinião, foi quem melhor traduziu Kaváfis para o nosso idioma. Os pontos altos do texto são dois: o título – “Um homem como outro qualquer” – e a relação da figura do escritor com a sua obra, a decepção que muitas vezes é vivida pelo “fã” quando encontra o seu “ídolo”. Diz Naves: “Numa passagem comovente, falando de Cézanne, Merleau-Ponty diz que o melhor de um artista deve ser buscado na sua obra. É nela que as incapacidades pessoais de alguma forma se redimem, em que os nossos limites fazem vislumbrar algo do que se conseguiu ser, e por isso as obras precisam ganhar a luz do dia. Neuróticos renitentes deixaram trabalhos admiráveis. Cézanne, por exemplo. São os pecadores que entendem de salvação. Não os carolas.” Lembrei-me do primeiro e fortuito encontro que tive com Hilda Hilst poucos dias antes de sua morte. Estava serena. Era a expresão da paz, da castidade que nunca existira em sua obra genial. O choque de esperar Lori Lamby mas encontrá-la convertida em Madre Teresa.

Discussão - 2 comentários

  1. A.M.,”É nela que as incapacidades pessoais de alguma forma se redimem, em que os nossos limites fazem vislumbrar algo do que se conseguiu ser, e por isso as obras precisam ganhar a luz do dia”. Brilhante e bela a citação. Acho, contudo, que a grande arte que não vem à luz é como tanto ser que não virá, impossibilidades não alentadas pelo acaso que governa o que tentamos organizar ao fazer histórica e crítica – imperativo da vital que nos ilude.Aproveito a ensancha para convidar seus leitores a perder tempo com uns tonsás (pré-poemas para posta-restante) e certos aforismos d’algibeira, no endereço deste idólatra do deus Acaso.

  2. Chloe disse:

    Caro Amigo de Montaigne,
    bem interessante a matéria, gostei bastante.
    Chamou-me a atenção a idéia de alguém colocar todo seu esforço em ‘viver sem itálicos’.
    Tão raro atualmente.
    E também a frase:
    ‘Não dá para escrever de fraque, mas também não tem cabimento escrever de pijama.’
    Abç. ; )
    C.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM