Balanço pessoal 2010


Capa do livro

A pedidos, o meu balanço cultural 2010:

Romance estrangeiro: Nemesis, de Philip Roth. 

Romance nacional: (ano sem Milton Hatoum).

Inclassificável estrangeiro: Doutor Pasavento, de Enrique Vila-Matas.

Inclassificável nacional: Retornar com os pássaros, de Pedro Maciel.

Biografia/Memórias: Eu, aos pedaços, de Carlos Heitor Cony.

Livro de poesia: Em alguma parte alguma, de Ferreira Gullar.

Crítica: O poder da arte, de Simon Schama.

Disco: Bach, por Richard Galliano.

Filmes e teatro: sem tempo suficiente.

Espetáculo: Grupo Corpo, ainda que com os repetecos de “Imã” (2008) e “Lecuona” (2004).  

Exposi̤̣o internacional: Henri Cartier-Bresson РThe Modern Century, no MoMA.

Exposição nacional: Max Ernst, no MASP.   
 
Blog de ciência: Ecce Medicus, do ScienceBlogs Brasil (scienceblogs.com.br/eccemedicus).

Blog de cultura internacional: Edge (www.edge.org).

Blog de cultura nacional: Daniel Piza (blogs.estadao.com.br/daniel-piza).

Que 2011 nos traga sabedoria e saúde. Porque, caso isoladas, ainda que com saúde, mancos seremos.    

Nemesis: entre a húbris e a sofrósina

Doce reencontro com escritores (re)conhecidos

Nemesis
. Achei que o mais recente livro de Philip Roth me decepcionaria. Sim, tive essa impressão por 237 páginas, mas reencontrei o genial Roth de sempre nas 43 derradeiras páginas. A trama se desenrola a partir da epidemia de poliomielite que assolou o escaldante e pacato verão de Newark, em 1944. O míope professor de educação física e protagonista, o judeu Bucky Cantor, se vê impotente diante da doença que paralisa e mata alguns de seus mais diletos alunos. Como pode um Deus infinitamente bom e misericordioso permitir que a vida de alegres e inocentes crianças seja ceifada de maneira tão cruel? É justamente esse questionamento que atormenta Bucky durante toda a narrativa, fazendo com que ele oscile entre a blasfêmia contra Deus e o próprio sentimento de culpa produzido pela firme ideia de ser ele mesmo o culpado pela disseminação da poliomielite. O respeitado médico e pai de sua namorada, Dr. Steinberg,  tenta demover Bucky de sua agourenta crença: “You have a conscience, and a conscience is a valuable attribute, but not if it begins to make you think you’re to blame for what is far beyond the scope of your responsability.”  A tragédia que se desenrola, guiada pela marca inconfundível do cético e maduro Roth, culmina na passagem que condensa toda a  essência de Nemesis:”Sometimes you’re lucky and sometimes you’re not. Any biography is chance, and, beginning at conception, chance – the tyranny of contingency – is everything.” Depois de 31 livros, Roth não me decepcionaria.                                        

Categorias

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM