Mais Pascal

Meu amigo Pedro Maciel

A TRANSCENDÊNCIA DA CONDIÇÃO HUMANA, por Pedro Maciel

Ó minha alma, não aspira à vida imortal,
mas esgota o campo do possível.
Píndaro, Píticas, III.

Blaise Pascal (1623-1662) está inserido na história da ciência como um dos mais notáveis estudiosos de matemática e física. Precoce, aos 12 anos, Pascal escreve um tratado sobre “Acústica” e descobre a geometria até trigésima segunda proposição de Euclides. Aos 17, escreve o “Tratado dos Cones” e, aos 19 anos, descobre a prensa hidráulica. No ano seguinte, inventa a primeira calculadora, a “máquina de aritmética”, para ajudar o seu pai no trabalho. Em 1646 reproduz, com Pierre Petit, a experiência de Torriceli e faz experiências sobre o vácuo. É também conhecido como o precursor do cálculo infinitesimal.
Mas “Pensamentos” (Ed. Martins Fontes) é o seu trabalho mais genial, uma das obras-primas da literatura francesa. Pascal, admirador de Galileu e idealizador do primeiro sistema de ônibus parisiense, tenta justificar a fé pela razão. Deste livro é a célebre frase: “O coração tem razões que a razão desconhece”. O autor de “As Provinciais”, obra condenada por Roma em 1657, era militante do jansenismo, doutrina que pregava o rigor moral, e, por isso, manteve uma acirrada polêmica com os jesuítas.
“Pensamentos” é um conjunto de notas e rascunhos que deveria servir para a redação da “Apologia do Cristianismo”. Os escritos inacabados foram iniciados por volta de 1657 e só foram recuperados oito anos após sua morte em Port Royal. Ao escrever “Pensamentos”, Pascal não renega os seus interesses científicos, ao contrário, lança mão de um método lógico para explicar a fé e as exigências transcendentes da condição humana.
Segundo Gérard Lebrun, a originalidade do método adotado por Pascal surpreende, porque é um “método formado e testado ao nível das ciências exatas”. Lébrun, no livro “Blaise Pascal, Voltas, desvios e Reviravoltas”, Ed. Brasiliense (1983), relê o pensamento de Pascal e aponta os erros dos interpretadores em relação à obra do autor francês do século 17, interpretadores dos “falsos sentidos”, que não viram o “Pascal Moderno, no coração da idade clássica”, com seu “deus morto”. “E daí se seguiram todos os falsos sentidos. E nesse pensamento, que não é mais do que um circuito na beira dos abismos, só viram piedoso fervor”, diz Lébrun.
“Ao ler esses pensamentos fragmentados, temos de entender que estamos diante do grandioso e do provisório. Temos de ser capazes de ver, nos textos incompletos, nas frases interrompidas, na miscelânea dos assuntos, na brevidade das fórmulas, na desordem das citações, a mais profunda meditação que já se fez sobre as tensões que definem as relações entre o homem e a transcendência que o supera pelo terror, pelo temor e pela piedade. Se é inegável que o centro das preocupações de Pascal é a religião, afinal o objeto do livro que pretendia escrever, também é certo que a amplitude de sua reflexão atinge a dimensão da existência humana nos seus mais recônditos e difíceis aspectos, razão pela qual esses fragmentos falam a todos os seres humanos, que partilhem ou não a crença que inspirou Pascal”, anota Franklin Leopoldo e Silva no esclarecedor prefácio.
Pascal, ao fazer a apologia cristã, revela muito mais o saber universal e o conhecimento do que os fundamentos da religião. A verdade na língua do pensador é relativa: “Todos erram tanto e mais perigosamente quando seguem cada um uma verdade; o seu erro não está em seguirem uma falsidade, mas em não seguirem outra verdade”. Pascal defende que “quando não se sabe a verdade de uma coisa, é bom que haja um erro comum que fixe o espírito do homem…”
“Pensamentos” é um exercício extraordinário sobre a razão humana. Discurso fundamental para compreender o homem e a sua relação com Deus. Filosofia do espírito. Conversa dos deuses cartesianos? “Cada um forja um deus para si”. Experimentação do pensamento moderno: “Ao escrever o meu pensamento, ele me escapa às vezes, mas isso me faz lembrar da minha fraqueza de que me esqueço a toda hora, o que me instrui tanto quanto o meu pensamento esquecido, pois só busco conhecer o meu nada”. Um pensamento que deixa perplexo qualquer pensador.

* Publicado no caderno “Prosa & Verso”, Jornal O Globo

Pedro Maciel é autor do romance “A Hora dos Náufragos”, Ed. Bertrand Brasil. Segundo o poeta e tradutor Ivo Barroso, “Pedro Maciel nos faz acreditar na possibilidade de que a literatura brasileira possa ainda nos apresentar alguma coisa de novo que, curiosamente, remonta à própria arte de escrever: o estilo. Seu livro “A Hora dos Náufragos” nos perturba pela força de sua linguagem. O que há de mais próximo desse livro seriam os famosos “fusées” de Baudelaire”. Maciel é um dos autores da antologia de contistas brasileiros “Il Brasile per le strada”, lançada na Itália em 2009 pela Editora Azimut.

Discussão - 2 comentários

  1. Paulo Lima disse:

    Reflexões para uma vida inteira. abraços. Paulo

  2. Karl disse:

    Mais um livro pra ler, caraca…Vida curta!!!ObrigadoKarl

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM