Mais Cartier-Bresson

Um pouco mais de fotografia. Um pouco mais de Cartier-Bresson. O escritor Pedro Maciel , autor de “A Hora dos Náufragos” (Bertrand Brasil), enviou-me o belo ensaio que aqui compartilho com vocês. Fica claro, após a leitura, quem é Bresson. Boa leitura!

P.S.: Abro, aqui, uma merecida exceção aos meus enxutos posts.
ELOGIO DO OLHAR

Arte de Cartier-Bresson é um tributo ao ser humano

Qual a importância da fotografia na cultura contemporânea? A fotografia é um meio artístico capaz de revelar o inexprimível? Qual o mundo imagético é digno de duração? Hoje vemos a proliferação de imagens sem sentido. Imagens repetitivas que nascem com os mecanismos de simulação. A realidade se tornou hiperrealidade.
Será que estas imagens conseguem mostrar o interior das pessoas, das coisas, das paisagens? A fotografia contemporânea se propõe a ser testemunha do inexprimível. Mas como dizer o indizível? Talvez seja impossível para uma arte de representação que nasceu da vontade de revelar as aparências. A arte é um sistema de signos e sua função consiste em buscar o significado das coisas; materializar o mundo. A arte não comporta as aparências.
A fotografia (imagem) é um elogio do olhar. Narra a arte da ilusão. Cartier-Bresson, artesão da imagem, fundador de um estilo geométrico e humanista, ao capturar a imagem, repara o momento exato em que as pessoas ou coisas se mostram por inteiro, e nos faz ver algo que até então era desconhecido, ou que havíamos entrevisto com os olhos embaçados pela pura e simples realidade.
Bresson, último mito vivo da fotografia, diz que “o aparelho fotográfico é um caderno de croquis, instrumento da intuição e espontaneidade, o mestre do instante que, em termos visuais, questiona e decide ao mesmo tempo. Para revelar o mundo, é preciso sentir-se implicado no que se enquadra através do visor”. Para ele somente duas coisas o interessam: o instante e a eternidade. Talvez o maior segredo da obra de Bresson seja a idéia de colocar no mesmo ponto de mira, a cabeça, o olho e o coração. Para Bresson a emoção é fundadora da razão.
O fotógrafo fez de sua câmera Leica uma extensão do seu olho. Um olho que captou composições no breve intervalo do tempo e “apanhou a vida no laço”, expressando a emoção e não a visualidade banal do sentimentalismo ou do sensacionalismo. Bresson vivia “tocaiando seres humanos como um caçador tocaia animais”, escreveu John Berger. Nos seus instantâneos nota-se as regras básicas do fotógrafo: concentração, disciplina de espírito, sensibilidade e senso de geometria.
Bresson tem a noção exata do “momento decisivo” para capturar a imagem. No prefácio de seu ensaio sobre o momento decisivo, publicado em 1952, ele anota que “alguém entra repentinamente no seu campo de visão. Você começa a seguir essa pessoa através do visor da máquina. Você espera, espera, e finalmente aperta o disparador _ e sai com a sensação (embora não saiba exatamente por quê) de que realmente pegou alguma coisa”.
O momento decisivo é uma fração de segundos em que os personagens em movimento adquirem um equilíbrio geométrico. Ele considera “a atenção e a antecipação do momento decisivo”, o instante único quando a imagem pode ser roubada do tempo, como uma ocupação que o fotógrafo deve adquirir naturalmente, como a arte do arco-e-flecha de um mestre zen, que se transforma no alvo para poder atingi-lo.
Em “Tête à Tête; Retratos de Henri Cartier-Bresson; Ed. Companhia das Letras), o fotógrafo apresenta uma coletânea de retratos e desenhos a lápis que exploram a paisagem variada do rosto humano. Ele não recorre a artifícios de composição, mas busca nos retratados os traços expressivos. Revela o silêncio dos retratados; amplia o humor desconcertante de Saul Steinberg com o gatinho, a face existencial de Giacometti e Beckett, a alegria contagiante de Che, a sombra infinita de Erza Pound, a solidão de Sartre em Paris.
Bresson retrata a época em que viveu e, por isso, nos oferece uma profunda investigação da nossa permanência no mundo. Suas imagens, em estado de graça, dotadas de densidade e história, revelam as coisas vividas. Para ele, fotografar é olhar de verdade para o mundo. Sua arte é um tributo ao ser humano.
____________

O fotógrafo aventureiro

Henri Cartier-Bresson, francês, nascido em 1908 se autodenomina foto-jornalista. Mas poucas fotos de sua autoria tratam de fatos jornalísticos, num sentido convencional. Fotografou mais entre a década de 30 e os anos 70. Estudou pintura com o cubista André Lhote. Em seguida estuda cinema nos EUA com Paul Strand e depois trabalha como assistente de Jean Renoir, no filme “A Regra do Jogo”.
Bresson começa a fotografar em 1932, com fascínio tanto pelo Surrealismo _ “sua ética mais que sua estética” _ como pela ebulição política na França que acabou na Frente Popular contra o fascismo. “O aventureiro em mim sentiu-se obrigado a registrar com um instrumento mais rápido que um pincel as feridas do mundo”.
O fotógrafo foi preso em 1940 pelo exército alemão em Paris. Fugiu e continuou a fotografar a “resistência” para revistas como “Life”. No final da Segunda Guerra, fundou com Robert Capa, David Seymour-Chim e George Rodger a agência de fotografias Magnum e passou duas décadas seguintes em missão, testemunhando as revoluções que assolaram a China e a Índia. Suas fotos, tiradas com a lendária Leica 35mm, comentam os eventos e personagens mais singulares deste século.
Em 1954 tornou-se o primeiro fotógrafo ocidental a entrar na União Soviética após a distensão promovida por Nikita Kruschev. Em 1966 desliga-se da agência Magnum e passa a dedicar-se exclusivamente ao desenho e à pintura.
Bresson anotou em 1992 que “a fotografia é, para mim, um impulso espontâneo de uma atenção visual perpétua, que captura o instante e sua eternidade. Já o desenho elabora por sua grafologia o que nossa consciência captura desse instante. A foto é uma ação imediata; o desenho uma contemplação”. (Pedro Maciel)

Discussão - 1 comentário

  1. J.R. disse:

    Amigo,um belo ensaio! Você podia aumentar seus textos, não?

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM