Arquivo da tag: serra

Como as Torres del Paine foram esculpidas

TORRESdelpaine
Fonte: Google Maps

Nem todas as montanhas gigantes que est√£o no Chile fazem parte da¬†Cordilheira dos Andes, por mais incr√≠vel que pare√ßa. Ou‚Ķ por mais perto que elas estejam da Cordilheira, como √© o caso das bel√≠ssimas montanhas do Parque Nacional Torres del Paine (Chile). Se n√£o me perdi na navega√ß√£o, o considerado¬†mais belo parque da Am√©rica do Sul¬†(n√£o duvido) est√° a cerca de 20 quil√īmetros pr√≥ximo √† Cordilheira dos Andes. E, apesar dos¬†maci√ßos de Torres del Paine alcan√ßarem quase tr√™s quil√īmetros de altitude¬†(!), eles n√£o foram formados como a gigante Cordilheira – o avi√£o parece que vai bater no¬†Aconc√°gua, maior montanha dos Andes com quase sete quil√īmetros de altitude. Torres del Paine foi criada gra√ßas √† for√ßa de ‚Äúvulc√£o interno‚ÄĚ (eu que inventei este nome, rs, o correto √© vulcanismo intrusivo, que acontece dentro da terra)!

√Č, querido leitor, nossa¬†Am√©rica do Sul foi um ninho de lavas¬†(O Brasil que o diga). A cordilheira Paine das famosas torres √© um sistema montanhoso formado, principalmente, por rocha sediment√°ria (depositada, como pelo vento) na parte mais alta e por granito – curiosidade, a maioria daquelas montanhas lindas do¬†Rio de Janeiro,¬†como o P√£o-de-A√ß√ļcar, tamb√©m tem origem no granito. A rocha que sempre est√° vis√≠vel no maci√ßo Paine √© o granito, que tem origem no magma. A mais escura em cima do¬†Los Cuernos¬†(aquela que parece ter dois chifres) √© argilito – como o pr√≥prio nome aponta, ela cont√©m argila. Na parte oeste das montanhas, h√° outras rochas plut√īnicas al√©m do granito (como este, elas tamb√©m se formam do¬†magma que resfria dentro da terra) e sediment√°rias como o arenito (derivado da areia).

Assim, as tr√™s torres do parque, marca registrada do lugar, s√£o feitas de granito!¬†Elas foram esculpidas pelo avan√ßo e retirada dos glaciares h√° mais de 12 milh√Ķes de anos. Afinal, o clima da Terra √© inconstante. O planeta j√° esquentou e esfriou in√ļmeras vezes – lembra-se do filme ‚ÄúA Era do Gelo‚ÄĚ? -, aumentando e diminuindo a quantidade e o tamanho dos¬†glaciares. A cada resfriada, as¬†“pedronas” de gelo¬†se arrastavam entre as montanhas desgastando o granito. Desenhando, dessa maneira, as tr√™s famosas torres.

Ah,¬†e a¬†Cordilheira dos Andes?¬†Segundo o ge√≥logo H√©lio Shimada, ela foi formada pelo encontro de duas¬†placas tect√īnicas, a¬†de Nazca e a Sul Americana. Na “colis√£o”, a Placa de Nazca come√ßou a descer sobre a Placa Sul Americana (subduc√ß√£o √© o nome cient√≠fico desse fen√īmeno)¬†causando um “amarrotamento” das rochas sedimentares acumuladas sobre a Placa de Nazca, l√° no fundo do Oceano Pac√≠fico, contra a borda da Placa Sul Americana. Esse “amarrotamento” das rochas sedimentares gerou a Cordilheira dos Andes. √Č por isso que encontramos f√≥sseis marinhos l√° em cima dos Andes. O mesmo acontece no Himalaia, com a √ćndia entrando sob a Placa Eurasiana.

Mais curiosidades ditas pelo geólogo Shimada:

  • A parte da Placa de Nazca que desce sob a Placa Sul Americana acaba se fundindo devido √†s enormes press√Ķes e temperatura na astenosfera (camada que se situa logo abaixo da litosfera, ou seja, da camada s√≥lida mais externa do planeta, constitu√≠da por rochas e solo),¬†produzindo o magma. Este pode esfriar l√° em baixo e dar origem a rochas plut√īnicas¬†como o granito ou sair √† superf√≠cie na forma de vulc√Ķes (rochas extrusivas);
  • Do lado leste, no Oceano Atl√Ęntico, a Placa Sul Americana se afasta da Placa Africana em uma expans√£o que come√ßa na cordilheira meso-oce√Ęnica (no meio do oceano!), por onde sai continuamente magma que vai empurrando as bordas para leste e para oeste.

Sobre o parque

O Parque Nacional Torres del Paine foi criado em 13 de maio de 1959 e declarado Reserva da Biosfera em 1978 pela Organiza√ß√£o das Na√ß√Ķes Unidas para a Educa√ß√£o, a Ci√™ncia e a Cultura (UNESCO). Ele protege 227.000 hectares – o que corresponde √†¬†227 mil campos de futebol. Ele tem¬†17¬†ecossistemas¬†diferentes¬†– e alguns muito vis√≠veis devido √†s distintas vegeta√ß√Ķes mais secas ou √ļmidas. Animais selvagens e flora subant√°rtica √ļnica habitam o local.

Fonte: Dados disponibilizados pelo próprio parque. As fotos abaixo são de minha autoria e do @gustamn.

aconcagua
Aconcágua, montanha mais alta à esquerda
lagogrey
Maciço Paine visto do Lago Grey
granito
Granito refletindo o Sol
loscuernos
Los Cuernos
torresdelpaineperto
Torres del Paine: repare o “raspado” causado por glaciares

Onde nascem as √°guas

 

Em tempos de √°guas de mar√ßo, saiba que o l√≠quido que sai transparente da torneira da sua resid√™ncia desceu muita serra. Haja corredeira! A dica √© de uma exposi√ß√£o permanente do Parque Estadual de Campos do Jord√£o, vulgo Horto Florestal, localizado na linda Serra da Mantiqueira. Segundo o parque, “mantiqueira” significa “lugar onde nascem as √°guas” em tupi – as mina pira na semi√≥tica. A √°gua que passarinho bebe em algumas cidades dos estados de S√£o Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais √© proveniente da Serra da Mantiqueira, da Cantareira e do Mar.

No caso da Serra da Mantiqueira, seus riachos, ribeir√Ķes e rios t√™m leitos pedregosos quase sempre com corredeiras. Geralmente, essas √°guas s√£o frias, l√≠mpidas, oxigenadas e rasas. E s√£o diversas, mais belas que o rio que corre pela minha aldeia. Em apenas quatro horas dentro do Horto Florestal, encontrei muita √°gua al√©m daquela que veio do c√©u: visitei a cachoeira do Galharada e fiz uma breve caminhada ao lado do rio Sapuca√≠-Gua√ßu, que corta o parque. Recomendo a visita.

J√° o nome Serra da Cantareira n√£o tem origem ind√≠gena, mas tamb√©m remete ao precioso l√≠quido. De acordo com o Parque Estadual Serra da Cantareira – outra dica de passeio incr√≠vel e, o melhor, n√£o √© preciso nem sair da cidade de S√£o Paulo para conhec√™-lo – “o nome ‘Cantareira’ foi adotado por conta da grande presen√ßa de tropeiros entre os s√©culos XVI e XVII que guardavam seus c√Ęntaros [vasos] de √°gua em m√≥veis chamados ‘cantareiras‘”. Essa √°gua, como √© de se imaginar, era retirada da respectiva serra.

Sempre gosto de saber a proveni√™ncia dos produtos e alimentos consumidos por mim. √Č uma maneira de entrar em contato com a terra – e com a Terra. De voltar √†s origens. De estabelecer uma liga√ß√£o com aquilo aparentemente t√£o distante. Ai, ai. Neste momento, sorrio observando a linda Serra da Cantareira da janela da minha sala. Ainda bem que est√° a√≠ emoldurando a paisagem.

Obs.: A foto tirei do Pico do Itapeva com cerca de 2 mil metros de altitude. De lá de cima, é possível ver várias cidades no planalto como Tremembé, Aparecida, Taubaté, Pindamonhangaba e São José dos Campos e, mais ao fundo, a Serra do Mar. <3

Passeie pela ‚Äúmata das nuvens‚ÄĚ

‚ÄúMata das nuvens‚ÄĚ… Po√©tica essa composi√ß√£o de palavras, n√£o? Confesso que emprestei daquela exposi√ß√£o permanente sobre a Serra da Mantiqueira no Horto Florestal de Campos do Jord√£o, interior de S√£o Paulo. Quem j√° andou no meio do mato em ambientes serranos do Sul e Sudeste deve ter reparado que alguns locais t√™m uma n√©voa quase permanente entre e sobre a vegeta√ß√£o. Para mim, essa paisagem remete aos sonhos ou, se existissem, aos lugares onde viveriam as ninfas. Outros j√° a relacionam aos filmes de terror.

Essa n√©voa ‚Äúm√°gica‚ÄĚ √© resultado da umidade levada para as serras do Mar e da Mantiqueira por meio dos ventos que sopram do mar em dire√ß√£o ao continente. O nome ‚Äúverdadeiro‚ÄĚ desse misto de nevoeiro e chuva √© mata nebular. Segundo a exposi√ß√£o no Horto Florestal, a mata nebular ‚Äú√© densa, formada por √°rvores de tronco retorcido, quase sempre cobertos de musgos, brom√©lias e orqu√≠deas‚ÄĚ. Mais detalhes: ‚ÄúNela s√£o encontradas √°rvores como o cambu√≠, o guamirim e o pinho-bravo‚ÄĚ.

Os ambientes de mata nebular est√£o, geralmente, acima de mil metros de altitude. A foto deste post tirei em um local com ‚Äúmata das nuvens‚ÄĚ, dentro do Parque Estadual de Campos do Jord√£o ‚Äď o vulgo Horto Florestal. Enquanto eu pasmava sentada sobre uma pedra ao som distante da maior queda da Cachoeira da Galharada, aproveitava para capturar o frescor da mata. Respirava fundo. Ai, ar puro e √ļmido.