Arquivo da tag: Torres del Paine

Como as Torres del Paine foram esculpidas

TORRESdelpaine
Fonte: Google Maps

Nem todas as montanhas gigantes que est√£o no Chile fazem parte da¬†Cordilheira dos Andes, por mais incr√≠vel que pare√ßa. Ou‚Ķ por mais perto que elas estejam da Cordilheira, como √© o caso das bel√≠ssimas montanhas do Parque Nacional Torres del Paine (Chile). Se n√£o me perdi na navega√ß√£o, o considerado¬†mais belo parque da Am√©rica do Sul¬†(n√£o duvido) est√° a cerca de 20 quil√īmetros pr√≥ximo √† Cordilheira dos Andes. E, apesar dos¬†maci√ßos de Torres del Paine alcan√ßarem quase tr√™s quil√īmetros de altitude¬†(!), eles n√£o foram formados como a gigante Cordilheira – o avi√£o parece que vai bater no¬†Aconc√°gua, maior montanha dos Andes com quase sete quil√īmetros de altitude. Torres del Paine foi criada gra√ßas √† for√ßa de ‚Äúvulc√£o interno‚ÄĚ (eu que inventei este nome, rs, o correto √© vulcanismo intrusivo, que acontece dentro da terra)!

√Č, querido leitor, nossa¬†Am√©rica do Sul foi um ninho de lavas¬†(O Brasil que o diga). A cordilheira Paine das famosas torres √© um sistema montanhoso formado, principalmente, por rocha sediment√°ria (depositada, como pelo vento) na parte mais alta e por granito – curiosidade, a maioria daquelas montanhas lindas do¬†Rio de Janeiro,¬†como o P√£o-de-A√ß√ļcar, tamb√©m tem origem no granito. A rocha que sempre est√° vis√≠vel no maci√ßo Paine √© o granito, que tem origem no magma. A mais escura em cima do¬†Los Cuernos¬†(aquela que parece ter dois chifres) √© argilito – como o pr√≥prio nome aponta, ela cont√©m argila. Na parte oeste das montanhas, h√° outras rochas plut√īnicas al√©m do granito (como este, elas tamb√©m se formam do¬†magma que resfria dentro da terra) e sediment√°rias como o arenito (derivado da areia).

Assim, as tr√™s torres do parque, marca registrada do lugar, s√£o feitas de granito!¬†Elas foram esculpidas pelo avan√ßo e retirada dos glaciares h√° mais de 12 milh√Ķes de anos. Afinal, o clima da Terra √© inconstante. O planeta j√° esquentou e esfriou in√ļmeras vezes – lembra-se do filme ‚ÄúA Era do Gelo‚ÄĚ? -, aumentando e diminuindo a quantidade e o tamanho dos¬†glaciares. A cada resfriada, as¬†“pedronas” de gelo¬†se arrastavam entre as montanhas desgastando o granito. Desenhando, dessa maneira, as tr√™s famosas torres.

Ah,¬†e a¬†Cordilheira dos Andes?¬†Segundo o ge√≥logo H√©lio Shimada, ela foi formada pelo encontro de duas¬†placas tect√īnicas, a¬†de Nazca e a Sul Americana. Na “colis√£o”, a Placa de Nazca come√ßou a descer sobre a Placa Sul Americana (subduc√ß√£o √© o nome cient√≠fico desse fen√īmeno)¬†causando um “amarrotamento” das rochas sedimentares acumuladas sobre a Placa de Nazca, l√° no fundo do Oceano Pac√≠fico, contra a borda da Placa Sul Americana. Esse “amarrotamento” das rochas sedimentares gerou a Cordilheira dos Andes. √Č por isso que encontramos f√≥sseis marinhos l√° em cima dos Andes. O mesmo acontece no Himalaia, com a √ćndia entrando sob a Placa Eurasiana.

Mais curiosidades ditas pelo geólogo Shimada:

  • A parte da Placa de Nazca que desce sob a Placa Sul Americana acaba se fundindo devido √†s enormes press√Ķes e temperatura na astenosfera (camada que se situa logo abaixo da litosfera, ou seja, da camada s√≥lida mais externa do planeta, constitu√≠da por rochas e solo),¬†produzindo o magma. Este pode esfriar l√° em baixo e dar origem a rochas plut√īnicas¬†como o granito ou sair √† superf√≠cie na forma de vulc√Ķes (rochas extrusivas);
  • Do lado leste, no Oceano Atl√Ęntico, a Placa Sul Americana se afasta da Placa Africana em uma expans√£o que come√ßa na cordilheira meso-oce√Ęnica (no meio do oceano!), por onde sai continuamente magma que vai empurrando as bordas para leste e para oeste.

Sobre o parque

O Parque Nacional Torres del Paine foi criado em 13 de maio de 1959 e declarado Reserva da Biosfera em 1978 pela Organiza√ß√£o das Na√ß√Ķes Unidas para a Educa√ß√£o, a Ci√™ncia e a Cultura (UNESCO). Ele protege 227.000 hectares – o que corresponde √†¬†227 mil campos de futebol. Ele tem¬†17¬†ecossistemas¬†diferentes¬†– e alguns muito vis√≠veis devido √†s distintas vegeta√ß√Ķes mais secas ou √ļmidas. Animais selvagens e flora subant√°rtica √ļnica habitam o local.

Fonte: Dados disponibilizados pelo próprio parque. As fotos abaixo são de minha autoria e do @gustamn.

aconcagua
Aconcágua, montanha mais alta à esquerda
lagogrey
Maciço Paine visto do Lago Grey
granito
Granito refletindo o Sol
loscuernos
Los Cuernos
torresdelpaineperto
Torres del Paine: repare o “raspado” causado por glaciares

Você sabe o que é uma lagoa de sistema fechado?

sarmiento1Alguns lagos ou lagoas s√£o chamados de “sistema fechado”. Ou seja, recebem √°gua, mas sua √°gua n√£o corre para outro lugar (apenas evapora ou infiltra no solo). No maravilhoso Parque Nacional Torres del Paine (Chile), existem dois exemplos divinos de sistema fechado: o Lago Sarmiento (acima) e a¬†Laguna Amarga (abaixo).

Nestes casos (de sistema fechado), os rios levam √°gua – e minerais – para eles que n√£o t√™m aonde correr (devido a sua posi√ß√£o). Quando isso acontece, os minerais ficam dentro deles. No caso da Laguna Amarga, conforme o tempo foi passando, essa acumula√ß√£o aumentou. E, consequentemente, a √°gua dela foi ficando mais salina‚Ķ Assim, micro-organismos encontraram o ambiente ideal para crescer e se proliferar, j√° que muitos deles n√£o conseguiriam sobreviver em locais com drenagem ou pH mais neutro – leia aqui sobre o pH da Laguna Amarga. ūüėČ

lagunaamarga

Fonte: próprio Parque Nacional Torres del Paine. Ambos os ambientes das fotos podem ser vistos nas entradas dos parques. Fique atento!

Em tempo: lago tem √°gua doce e lagoa, salgada!

O que é o gosto amargo

IMG_3173Essa, da foto, √© a Laguna Amarga. Ela fica no considerado parque mais lindo da Am√©rica do Sul: o Parque Nacional Torres del Paine (Chile). Como uma boa curiosa, advinha qual foi a minha ideia quando vi esse lugar divino? N√£o, n√£o foi me jogar na √°gua – que deveria ter menos de 5 ¬ļC. Foi prov√°-la! Isso, mesmo prov√°-la! Sabe do que ela tem gosto? De bicarbonato de s√≥dio!

IMG_2982

Como voc√™ deve ter percebido, viajar para mim¬†√© muito mais do que apenas ‚Äúchecar‚ÄĚ o lugar bonito e tirar uma foto nele dizendo que estive l√°. Eu gosto de entend√™-lo e aproveit√°-lo em tudo o que o for poss√≠vel. O marid√£o e eu est√°vamos nos despedindo do parque quando paramos para tirar a foto acima em frente ao maci√ßo Paine que d√° nome ao parque, aquelas tr√™s bel√≠ssimas torres l√° tr√°s – depois, farei um post sobre essa geologia. O mapa do parque apontava esta como sendo a Laguna Amarga. AMARGA. Eu sabia que todas as √°guas do parque s√£o pot√°veis, mas, como alguns lagos t√™m peixes, recomendo beber as √°guas das fontes ou dos rios para evitar um piriri.

Perguntei para o marid√£o: ‚ÄúVamos provar a √°gua da Laguna?‚ÄĚ ‚ÄúS√©rio, mesmo?‚ÄĚ, ele retrucou. Claro! Depois de muito sorrir para ele, se disponibilizou a colocar a m√£o na √°gua friiiia para encher a garrafinha. Acho que bebi primeiro. Pouquinho. Ele bebeu: ‚ÄúNossa, que √°gua salgada!‚ÄĚ Eu, de novo: ‚ÄúHumm, gosto de bicabornato de s√≥dio‚ÄĚ. Por que ser√°?

Ah, r√°! Gra√ßas ao pH da √°gua! O pH varia de √°cido, neutro e b√°sico. Ele varia de 0 at√© 14, quanto maior o n√ļmero mais b√°sico (ou amargo) ele ser√°. Por exemplo, o suco de lim√£o tem pH 2 (√°cido de baterias, 0). O cloro que usamos para limpar a casa tem 14. O bicabornato de s√≥dio, 9. E a Laguna Amarga‚Ķ 9.1! N√£o √© divertido? Seu pH deu o nome √† lagoa! Ah, por curiosidade, o pH da √°gua ‚Äúnormal‚ÄĚ √© 7.

Viu como podemos aprender ci√™ncia em uma bela viagem? A sigla pH significa Potencial Hidrogeni√īnico, diretamente relacionado com a quantidade de √≠ons de hidrog√™nio de uma solu√ß√£o. Quanto menor o pH de uma subst√Ęncia, maior a concentra√ß√£o de √≠ons H+ e menor a concentra√ß√£o de √≠ons OH-. Ou seja, o pH √© um indicador.

Quer saber se tivemos dor de barriga? N√£o!

IMG_3138

Dica de viagem: Da Laguna Amarga e da Laguna Azul (andando mais para frente na estrada de terra, foto logo acima), d√° para ver direitinho as tr√™s famosas torres que d√£o nome ao parque. Ambas ficam distantes das principais atra√ß√Ķes, acho que cerca de 20 quil√īmetros para frente, ent√£o, se estiver de carro, certifique-se de que tem combust√≠vel. Ali√°s, se for √† Torres del Paine de carro, leve tanque extra e planeje as trilhas de maneira que n√£o tenha que circular √† toa.

Patag√īnia austral: posts sobre o Fim do Mundo

IMG_3201Acabei de voltar de uma viagem pelo tempo. Uma viagem sobretudo geol√≥gica, glaciol√≥gica, paleontol√≥gica e antropol√≥gica. Fui para a Patag√īnia austral chilena e argentina! Um sonho realizado! L√° √© o √ļltimo lugar da Terra, exceto pela Ant√°rtida, onde o homem chegou. Isso h√° 15 mil anos. Uma data recente se voc√™ pensar que o planeta tem mais de quatro bilh√Ķes de anos. Engra√ßado que, ano passado, fui para a √Āfrica do Sul, lugar onde o homo sapiens ‚Äúapareceu‚ÄĚ cerca de 200 mil anos atr√°s. Um ciclo fechado! Como deu para perceber, tenho muuuuita hist√≥ria para contar.

 

Nem acabei de publicar todos os posts que queria sobre a √Āfrica (ao menos alguns v√≠deos vou colocar no ar) e j√° quero partir para a Patag√īnia. Achei que fosse ‚Äúapenas‚ÄĚ contemplar paisagens deslumbrantes, caminhar muito, comer e beber bem, mas, no Fim do Mundo, consegui ca√ßar muita informa√ß√£o sobre os primeiros habitantes daquela in√≥spita regi√£o. Sem contar a paleontologia do nosso continente que consegui entender melhor – mas eu j√° imaginava que veria dados sobre os extintos animais como dinossauros e grandes mam√≠feros gra√ßas ao livro ‚ÄúA Viagem do Beagle‚ÄĚ, do mestre Darwin. Recomendo!

 

Enfim, estando no Fim do Mundo deu para perceber porque Darwin conseguiu coletar tanta informa√ß√£o sobre geologia e como aquelas terras incr√≠veis o ajudaram a formular a famosa Teoria da Evolu√ß√£o. Se voc√™ pode, n√£o deixe de ir √† Patag√īnia (me mande e-mail se precisar de dicas e informa√ß√Ķes). Ela me ajudou a entender mais sobre o nosso planeta, sobre o nosso continente, sobre os nossos vizinhos e sobre eu mesma. Uma viagem ao passado e ao nosso futuro.

 

IMG_3070Apesar desse não ser um blog de turismo, vou compartilhar algumas dicas ao fim de cada post (seria um dever meu, porque há pouca informação em português sobre como conhecer a região). Dica de museu para quem curte antropologia: Museo Yámana, em Ushuaia. Para quem gosta de palentologia, Centro de Interpretación Histórica Calafate; e para quem quer entender sobre glaciologia, Glaciarium, ambos em El Calafate.

 

Outras dicas b√°sicas. A Aerolineas Argentinas pode cancelar voos de √ļltima hora ou adiantar o voo sem avisar. Portanto, chegue com folga ao aeroporto. Apesar de a Argentina e o Chile serem vizinhos, o transporte entre eles √© complicado fora de temporada (depois quero fazer um post sobre o ran√ßo entre ambos). A maioria dos passeios duram o dia todo, v√° com tempo e reserve com anteced√™ncia. Leve roupas sint√©ticas para o frio, eu (sou muito friorenta) peguei -15 ¬ļC sem reclamar. Roupas ideais: segunda pele de tecido polar, blusa de tecido polar, corta vento e imperme√°vel. A cal√ßa deve ser segunda pele de tecido polar e cal√ßa corta vento. T√™nis imperme√°vel de caminhada. E aproveite o frio do mundo!