Brincando de Montaigne

Selecionei trechos de matérias que li nos jornais de ontem. Acho que vale a pena postá-los aqui.

1) Sobre o caso Isabella (“Pais sem rumo, crianças sofridas”), texto de Maria Rita Kehl, Estadão, Caderno Aliás: “(…) Mas a família moderna, fechada sobre si mesma, toda voltada para a produção de bem-estar, fundada nas formas mais egoístas de amor, é um canteiro propício, no mínimo, à violência psicológica. Os filhos frustram as expectativas dos pais, o amor vira moeda de barganha e chantagem mútua, a esperança de entendimento de parte a parte é freqüentemente obstruída pela culpa que cada um sente por não amar o outro tanto quanto devia(…)”

2) “De afetos e paixões”, coluna de Daniel Piza, Estadão, Caderno Cultura: “(…) ‘A habituação embota a visão de nosso discernimento’ escreveu Montaigne (e eu estou brincando de Montaigne aqui; todos nós que escrevemos não-ficção brincamos de Montaigne)”

3) “Com a língua solta”, uma conversa de titãs entre Ian McEwan e Steven Pinker, Folha de São Paulo, Caderno Mais: “Quando eu estava na universidade, aprendi que Wittgenstein estava certo ao dizer que os limites do meu mundo são os limites da minha língua. Mas Chomsky e depois você – refinando muito Chomsky-, ao considerar como o pensamento realmente evolui – e por experimentação empírica-, sugerem que os modos como pensamos independem da linguagem” (McEwan).

Foi um domingo divertido. Há tempos que os jornais não andavam tão bons.

Discussão - 4 comentários

  1. Paulo Lima disse:

    É…já dizia um amigo meu: “amor em demasia e sem discernimento, buscando o preenchimento do próprio vazio, embota e entorpece o sentir…” Para mim o risco de dar amor demais está na mesma medida de orientar os filhos, de menos. Belo post. Grande abraço. Paulo Lima

  2. A coluna do Piza e a republicação do Mais!(só achei o conteúdo muito mal ilustrado com aquelas alusões um tanto óbvias às citações)também encabeçaram meu clipping pessoal.

  3. Anonymous disse:

    Caro Amigo,Os textos destacados são realmente um “prato cheio” para um domingo.Não se foi impressão minha, mas parece que o Piza, no citado artigo, acabou por transmitir mensagem visivelmente indireta a um fato recente que tem tomado os holofotes e ocupado, em destaque, a coluna diária de quase todos os jornais do País.Embora seu Autor não tenha manifestado opinião (nada de desabafo!), o texto propôs, com erudição, um repensar sobre os sentimentos humanos e suas proximidades, embora aparentemente antagônicos. Só por isso já valeu muito a pena.Os sentimentos têm de ser sentidos; não apenas transformados em jogo de palavras criado pelo ser humano.Grande abraço!

  4. Anonymous disse:

    oi amigo.. também li as 3 matérias referidas o que me fez começar bem o domingão !! e agora estou aqui em NY constatando, além da quantidade inacreditável de estrangeiros e camelôs pelas ruas, que o que é bom… está lotado: mcewan e pinker na morgan library e perelman no met, nem pensar. Lembrei-me de um grande amigo argentino (uma contradição em termos?) que dizia, com o perdão do meu péssimo portuñol “hay un mundo muito melhor, pero mas caro”paciência, só tendo passeado e comido tão bem nessa primavera fria já foi muito bom..

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM