“Indignation”

Uma equipe de atiradores de elite do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos em serviço na Guerra da Coréia

Philip Roth já não é mais o mesmo. Durante o vôo (ainda se acentua, caro Presidente) de retorno ao Brasil, li Indignation, seu livro mais recente e ainda sem tradução por aqui. O narrador-protagonista é o jovem judeu ateu (é curioso como já ouvi indivíudos de ascendência judaica se declararem judeus ateus; os mais famosos que me ocorrem agora são Oliver Sacks e Woody Allen) Marcus Messner, filho único e de conduta exemplar de um açogueiro kosher do subúrbio de Newark. O cenário, para quem conhece Roth, não é novo. O vigor, sim. Menor. Parece que o talentoso criador de Zuckerman deixou de lado as sutilezas habituais e fez questão de deixar explícita a “mensagem” de Indignation, até mesmo nas últimas palavras do livro: “of the terrible, the incomprehensible way one’s most banal, incidental, even comical choices achieve the most disproportionate result”. A retidão de caráter e a incorruptibilidade intelectual de Marcus Messner, que produzem os melhores momentos do livro e a memorável cena em que ele “declama” passagens de cor do Bertrand Russel de Why I Am Not a Christian para o diretor “chatólico” da Universidade de Winesburg – aqui uma clara alusão a Winesburg, Ohio de Sherwood Anderson – custam a vida do jovem narrador-defunto. O sentimento de culpa que é introjetado no brilhante Marcus Messner por sua idishe mama remete o leitor não mais a um cômico mas agora trágico Alexander Portnoy. O problema é que isso é feito, novamente, de maneira crua, escancarada, sem dar chance ao leitor de apreender nas entrelinhas, gradativamente, a atmosfera asfixiante de ser uma vítima e refém da opressora relação familiar judaica. Ainda que sem a mesma força de seus outros 28 romances, o Roth de Indignation deve ser lido, pois o óbvio muitas vezes tem de ser dito. E nós, após a morte de Zuckerman e de Marcus Messner, aprendemos que a vida é feita muito mais de imponderabilidades do que de certezas.

Discussão - 7 comentários

  1. Jonas Lopes disse:

    Belo post, Amigo! Mas uma pena ler que o Roth caiu de produção, depois da seqüência fantástica que ele vinha soltando.

  2. Caro Jonas, obrigado. Confesso que minhas expectativas eram maiores. Mas um Roth “mediano” é melhor que muito escritor em sua “melhor forma”.Parabéns pelo ensaio sobre o último livro do Manguel! Fiquei tentado a não escrever nada neste blog e apenas colocar o link.

  3. JS disse:

    Belíssimo post!

  4. Jonas Lopes disse:

    Obrigado pelas palavras gentis, Amigo. E aproveito para dizer que, se você continua no “espírito canadense”, trata-se da hora exata para ir atrás da maior pérola do país: Alice Munro.Um abraço

  5. Jonas, e que venha Alice Munro!

  6. Anonymous disse:

    amigo de Montaigne, indignada estou eu que não consigo publicar um comentário no seu blog. Ele é restrito à algumas pessoas? não entendo.Bom em todo caso, eu gostei do critica ao “Indignation” e aguardo a chegada do livro e assim poder lê-lo também.abraçosHELENA

  7. Helena, não há nenhuma censura. Em virtude das inúmeras tentativas de “comentários” que nada mais eram que “links” para vírus, a moderação de comentários foi ativada. POrtanto, faça o seu comentário da forma habitual.Saudações, Amigo de Montaigne.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM