Gisele Bündchen, Stephen Jay Gould e Fernando Savater: juntos, pela primeira e última vez, somente no título deste post

Leio uma série de comentários de pessoas horrorizadas com a mais nova declaração da linda Gisele Bündchen. A modelo gaúcha não usa protetor solar; “não posso colocar esse veneno na minha pele”, disse a beldade. Gisele, o Brasil é o segundo país do mundo em número de pessoas mortas todos os anos em virtude de melanoma, agressivo câncer de pele que pode ter sua incidência significativamente diminuída com o uso do tal veneno por você aludido. O filtro solar pode ser incluído entre as 10 principais descobertas científicas das últimas décadas. Mas o motivo deste post é discutir o julgamento estético que, aprioristicamente, fazemos das pessoas. Ora, quem é Gisele Bündchen? Uma ex-menina pobre, nascida numa cidade de menos de 20.000 habitantes e que não completou o ensino médio.  Desde  modelo, viveu e ainda vive em meio a um mundo conhecido por sua futilidade e pelo cultivo de valores não intelectuais. Casou-se com um jogador de futebol americano, que, à parte o fato de falar inglês, compartilha da mesma envergadura cultural de Ronaldinho, Kaká e Washington. O problema é que a hipnótica beleza de Gisele faz com que os mais desavisados  esperem dela um discurso de teor beauvoiriano ou arendtiano, ou seja, que tenha a majestade de seus traços e de suas curvas. O meu guru Stephen Jay Gould escreveu um ensaio que, diante de situações como a que descrevo aqui, pode ser muito elucidativo. Em “A natureza humana do monstro” Gould discute que a maldade do monstro criado pelo Dr. Frankenstein não está determinada previamente, mas porque feio e esteticamente repugnante é enxergado como mau. No contraponto, temos Gisele, porque bela é enxergada como boa, inteligente, um modelo de conduta a ser seguido. O filósofo catalão Fernando Savater – outro de meus gurus – chama a atenção para o papel da família na educação dos futuros adultos, que devem aprender a “julgar” as pessoas  por métrica diferente daquela utilizada para a avaliação estética de seres inanimados e obras de arte. Espanto me causa não as declarações de Bündchen, mas o espanto causado por suas declarações.                               

Discussão - 24 comentários

  1. Bem, tem estudo que traz uma correlação entre beleza e inteligência (o que não é de todo surpreendente – seja em termos genéticos ou ambientais).
    http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI203123-17770,00-PESSOAS+BONITAS+TEM+MAIS+CHANCES+DE+SER+INTELIGENTES+DIZ+ESTUDO.html
    ————————–
    Mas, claro, inteligência e cultura não são sinônimos. La Bündchen também levantou críticas por conta de suas opções de parto – teve o filho na banheira de casa, em vez de dirigir-se à maternidade.
    []s,
    Roberto Takata

  2. Érico disse:

    Francamente, me senti incomodado com o teor deste post. Primeiro que acho completamente desnecessário comentários como o “meio cultural” em que vivem as pessoas comentadas no texto, que a priori não significa nada, a não ser de um ponto de vista extremamente preconceituoso.
    Segundo, e mais importante, tenho certeza que em relação à utilização de filtro solar, a Gisele Bundchen é cientificamente tão ignorante quanto você.
    Comentários como “câncer de pele que pode ter sua incidência significativamente diminuída com o uso do tal veneno” são baseados em que tipo de conhecimento teu na área? Vc estuda a literatura sobre o assunto? Consulta os estudos epidemiológicos? Ou simplesmente repete informação que é consistentemente propagada por aí, sabend ode lã onde surgiu?
    A utilização de filtro solar é fortemente questionada na literatura médica. Primeiro porque a maioria dos filtros solares bloqueiam somente os raios UVB, e estudos tem consistentemente demonstrado que o desenvolvimento de melanoma também ocorre por exposição aos raios UVA. Protetores que bloqueiam UVA (por exemplo os que contém dióxio de titânio)podem formar fenol, agente cancerígeno.
    Segundo que filtro solar impede a síntese de Vitamina D (que ocorre através de exposição à UVB), que em diversos estudos é correlacionado à incidência de câncer (inclusive de pele), com muitos autores argumentando que o risco de câncer de pele talvz seja maior por deficiência de Vitamina D do que por exposição solar sem filtro.
    Terceiro, e mais importante, meta-análises indicam que NÃO há redução de melanoma por utilização de filtro solar (http://www.annals.org/content/139/12/966.short), ainda que estudos recentes tenham encontrado resultados conflitantes. O fato é que a efetividade de filtro solar ainda carece de evidências fortes, e ainda tá muito longe do circo midiático e lobby feito em cima. Dizer que é uma das 10 maiores descobertas científicas das últimas décadas me soa até como piada.
    Polêmicas à parte, sendo o filtro solar eficiente ou não (há opiniões divergentes mesmo dentro da comunidade médica) não é a “envergadura cultural” que faz uma afirmação ter ou não validade científica. Validades de assertações científicas não tem relação nenhuma com meios culturais fúteis ou intelectuais e sim de indivíduos preparados para discutir e analisar a literatura científica. Nesse sentido, não há muita diferença na validade da tua opinião ou da Gisele: ambas não são lá muito baseadas na análise da literatura.
    Então, caro amigo, recomendo cautela com alguns julgamentos.

  3. Amigo de Montaigne disse:

    Érico,
    em primeiro lugar, a velha máxima “Nature versus Nurture” corrobora o meu comentário sobre “meio cultural”. Acho que não preciso entrar em detalhes.
    Em segundo lugar, não confunda manifestação cultural com cultura. Sou um defensor das manifestações culturais plurais – dança de rua, oficinas de arte, grafite, teatro popular -, mas não coloco tais manifestações na categoria cultura, pois caso o fizesse deveria equiparar, equivocadamente, dança de rua ao Ballet Bolshoi e Baryshinikov, literatura de cordel a Dante Alighieri, grafiteiros a Caravaggio e Van Gogh, e assim por diante. Preservemos o legado de Shakespeare, por favor. Há, sim, meios culturais distintos. Seja bem-vindo à realidade.
    Em terceiro lugar, os estudos que demonstraram uma incidência (número de casos novos) aumentada de melanoma em regiões de maior uso de filtro solar só concluiram o óbvio ululante: onde há maior exposição solar, usa-se mais filtro solar e mais pessoas estão expostas às radiações UVA e UVB. Viés mais evidente que esse, só de estudo publicado no New England Journal of Medicine que, equivocadamente, disseminou a “verdade científica” de que o consumo de café aumenta o risco de câncer de pâncreas.
    Em quarto lugar, eu sinto muito que boa parte da população leitora de Gisele Bündchen seja influenciada por seus comentários inconsequentes.
    Brasil: mais cultura e menos moda!

  4. Gustavo disse:

    Ok, MESMO que o filtro solar protegesse contra cânceres de pele (não protege! Na verdade até aumenta, pois aumenta o stress oxidativo na pele. Enfim…), diminui a produção de vitamina D ( http://www.springerlink.com/content/l21g37v6202v434p/ ), e, por esse mecanismo, aumenta vários tipos de cânceres internos (lembrando que cânceres internos são muito mais complicados do que cânceres de pele), doenças auto-imunes, infecciosas, hipertensão e problemas cardio-vasculares. Se bobear, você nem sabia que a vitamina D era tão importante né ? Afinal, no Brasil há pouca cultura. E muita gente metida a intelectual, sem ser.

  5. Érico disse:

    Acho que não fui bem compreendido.
    Gostaria de deixar claro que concordo com vc a respeito da repercussão do comentário da Gisele: a declaração dela de fato não tem profundidade, e é espantoso ser considerado como exemplo (vamos, ok, considerar que ela está extremamente errada, como vc supunha). Tudo bem, estamos de acordo.
    A Gisele não representa a comunidade médica. Poderia até ter incentivado a fazer sexo sem camisinha. Há outros inúmeros exemplos de atitudes duvidosas de celebridades, como a promoção da pulseira Power Balance. Entendi que isto per se não te causa espanto, e sim a maneira como essas coisas são levadas à sério pelo público (no caso, “impulsionadas” pela beleza da moça – ou por outros critérios de empatia).
    O que não concordo é o teor preconceituoso de invalidar o comentário por causa do background do indivíduo Gisele (“ex-menina pobre”, “vive em meio a um mundo conhecido por sua futilidade e pelo cultivo de valores não intelectuais”). Oras, o que isto significa? Se tivesse concluído sua educação, vivesse num meio “menos fútil”, então o comentário dela teria, nesse caso específico, maior credibilidade?
    É óbvio que não. O único argumento que vc utiliza pra enfraquecer a validade da opinião dela (e contrapor à sua beleza) é puramente seu histórico intelectual. E isto não necessariamente signifique alguma coisa. Bobagens semelhantes podem muito bem vir de indivíduos atualmente intelectualizados.
    Como tentei contrapor aqui, a validade do comentário dela pode até ser cientificamente justificada (e quem sabe ela não tenha até prestado um favor à sociedade?), enquanto a certeza de outros “intelectualmente superiores”, questionada. O que argumento, é que o status cultural em si não é um fator importante em relação à credibilidade de certas afirmações: nesse caso, em ambos pontos de vista elas se assemelham no que diz respeito ao conhecimento empírico da questão (por exemplo, conhecer os estudos científicos).
    No meu ponto de vista, neste caso específico o meio cultural do interlocutor pouco importa (sendo a opinião “correta” ou não), uma vez que a capacidade de fazer uma análise da questão em voga independe da “envergadura intelectual”, e sim de um fator externo, que é a capacidade de analisar a literatura científica. Nesse aspecto, ponto e contraponto seu e da Gisele (ou de “fúteis vs. intelectuais”) tem exatamente a mesma natureza.

  6. A única falácia desse post é fazer uma comparação entre o comentário da modelo e com o que a autora chama de “envergadura cultural” de outras pessoas que ela não conhece. Listou aleatoriamente três nomes de jogadores de futebol como se todas as modelos e jogadores de futebol compartilhassem das mesmas ‘desvirtudes’. Generalizou demais, típico de texto escrito com pressa e sem reflexão. Sim, acabei de generalizar. Percebeu como é perigoso?
    Ademais, a parte técnica ficou bem resolvida… talvez tivesse sido melhor ficar apenas por ali. Parabéns pelo post.

  7. Amigo de Montaigne disse:

    Obrigado pelos comentários.
    Continuarei a minha conversa com Dante e Shakespeare.
    A quem preferir, o twitter de Ronaldo, Gisele & Cia. está à disposição para o engrandecimento cultural. Boa leitura!

  8. Pedro disse:

    Na verdade, eu não duvido tanto que a Gisele Bündchen tenha dito isto quanto que ela não tenha dito. Às vezes a imprensa distorce tudo. Só um exemplo: uma vez a minha mãe encontrou três crianças abandonadas em um matagal. Fora ter dado os cuidados iniciais (comida, água, abrigo…), a única coisa que a minha mãe fez foi ter chamado a assistência social. Resultado: o maior jornal do estado onde ela estava descobriu e fez uma reportagem de duas páginas sobre “o lindo ato de adoção” que supostamente foi feito pela minha mãe. Só que ela nunca havia tocado no assunto “adoção” com absolutamente ninguém.
    Voltando ao protetor solar: se existem até campanhas pelo não uso da vacina e uso de cremes dentais com flúor, é claro que o protetor solar não poderia ter ficado de fora entre a turma que quer destruir tudo o que nossa civilização vem conquistando. Há uma ONG americana chamada Environmental Working Group que lucra milhões de dólares para fazer uma única coisa: assustar as pessoas sobre a supostas riscos que cosméticos causariam à saúde, inclusive protetores solares. Claro que tudo isso sem nenhuma evidência científica, mas eles realmente estão conseguindo convencer uma parte da população leiga, o que inclui artistas. O mais engraçado é que no site da EWG há links para comprar os produtos supostamente seguros hehehe (conflitos de interesses 1000).
    Quanto ao protetor solar prevenir câncer de pele, bom, câncer de pele é um termo genérico, e existem vários tipos. De acordo com os dermatologistas e outros profissionais da área (escrevo “de acordo com” porque não sou médico e não analisei todos os estudos envolvidos), existe uma boa evidência que o uso de regular de protetor previne alguns tipos de carcinomas, que são não são agressivos quanto o melanoma, mas não deixam de ser câncer. De qualquer modo, recentemente saiu um estudo mostrando que uso regular de protetor solar realmente pode prevenir até o melanoma. O estudo não foi perfeito, mas foi bom: http://www.ecancermedicalscience.com/news-insider-news.asp?itemId=1516
    E tem uma coisa que quase ninguém nota ao comentar sobre protetor solar: os protetores de uns 10 anos para cá são muito diferentes dos protetores que estavam há uns 20 anos no mercado. Antigamente os protetores só protegiam contra os raios UV-B ou muito pouco contra os raios UV-A. Hoje, porém, mesmo os protetores mais populares e com preços acessíveis costumam oferecer uma proteção relativamente boa contra os UV-A. Portanto, os estudos que foram feitos com os protetores antigos não indicam muita coisa em relação aos protetor atuais.
    Só para terminar, esta a Gisele realmente falou, porque EU OUVI hehehe: que ela criou uma marca de cosméticos à base de produtos naturais porque ela estava preocupada porque soube que “já está comprovado cientificamente que tudo o que é aplicado na pele vai para corrente sanguínea em 30 minutos”. Se for assim, então as mulheres não precisariam gastar com produtos para remover maquiagem, porque após 30 minutos toda a maquiagem aplicada já estaria na concorrente sanguínea. eheheh Na verdade, este tipo de marketing que ela está fazendo, que é insinuar que os produtos dos concorrentes não são seguros. A marca de cosméticos que ela lançou faz as alegações mais ridículas que já vi:
    “The result? A revolutionary skincare line that protects and supports your skin’s natural radiance, while also protecting the health and beauty of our environment.”
    Skincare puro como a terra? Que ela quer dizer com isto? E saber que eu achava que a terra era uma mistura de animais e plantas decompostos, fungos, bactérias, diversos minerais etc…
    “Driven by the desire to develop a line of pure (…) ingredients”
    Nossa, e as outras marcas desejam desenvolver cosméticos com ingredientes podres?
    “Using all-natural ingredients (…)”
    O fato de os ingredientes usados nos produtos serem de origem natural em nenhum momento significa que eles sejam mais seguros ou menos nocivos ao meio ambiente do que outros cosméticos. Maconha, por exemplo, é natural, nem por isso seu consumo é saudável. De qualquer forma, a uns 80 km aqui de casa tem uma aldeia de índios Mbyá-Guarani. Se for para usar all-natural ingredients, não é mais fácil eu ir à aldeia deles e pedir umas dicas? Esta história de “cosmético natural” pode funcionar – e funciona – como marketing, mas do ponto científico está mais para piada.

  9. Pedro disse:

    *Environmental Working Group (acho que digitei muito rápido e, se não me engano, acabei digitando errado o nome da ONG).

  10. Sibele disse:

    Amigo,
    não se avexe com as polêmicas – elas são boas, e cá entre nós no mundo não existe apenas Dante e Shakespeare – é por isso mesmo que opiniões divergentes florescem e prosperam – ainda bem, não? 🙂
    E concordo com o Marco Túlio – a parte técnica ficou mesmo bem resolvida, com Gould e Savater. Apenas, ao contrário de Gould, que foi devidamente referenciado ao indicar-se seu “A natureza humana do monstro”, faltou citar a obra do filósofo catalão…
    Sobre Gisele, lembro-me de uma entrevista há tempos, em que ela demonstrou profundo pesar por não ter nível superior, pois se um dia, acaso fosse presa, não poderia gozar de cela especial… Sorte dela que recentemente acabaram com esse privilégio… http://migre.me/3MNZz

  11. Amigo de Montaigne disse:

    Cara Sibele,
    obrigado pela presença!
    A obra de Savater que não citei se chama “El valor de educar”.
    Saudações shakesperianas mas não dantescas,
    Amigo de Montaigne.

  12. Érico disse:

    Recomendação de leitura do Gould: A Falsa Medida do Homem
    Abraço!

  13. Tetas não usam black-tie disse:

    Nasceu teta pendendo de um galho.
    “Serás árvore e assim seja” e sem mais partiu.
    Árvore, eu pensava. Como será ser árvore se já sou teta.?
    E ser perece tanto…
    Ah!
    Mas cresci teta-árvore, teta-morena-jambo, teta-seiva de leite. E mamaram-me homens, curiós, onças, macacos.
    Desfez-se meu bico; framboesa-acidente.
    Na pele-epiderme-artefato, criei, acolhi ninhos e lavanda.
    Nasci, cresci e morri: teta em raiz.
    Não conheço Gisele.
    Não sei o que pode ser um protetor solar.
    Não entendo os homens.
    Não os diferencio.
    Os vejo pássaros, bambus, morangos, caracóis, sorvete.

  14. Sibele disse:

    Meu querido Amigo,
    eu que agradeço a citação! É sempre um prazer visitá-lo, embora ultimamente tais visitas estejam menos frequentes – alguém já disse que é a correria do Ano do Coelho, rs.
    Sobre Dante, lembro-me da descrição algo pobre do diabo nA Divina Comédia, com apenas 3 cores cambiantes. Não se ultrapassa em muito essas meras 3 cores, tornando o dito cujo multicolorido, em nuances degradées muitas vezes indistinguíveis? 😉

  15. Pedro disse:

    Sei que este não é exatamente o tema do post, mas já que foi citado nos comentários…Vou comentar também:
    “(…) Protetores que bloqueiam UVA (por exemplo os que contém dióxio de titânio)podem formar fenol, agente cancerígeno. (…)”.
    Não existe nenhuma evidência de que isso possa ocorrer, Érico. Dióxido de titânio é uma substância inerte, não penetra nas camadas mais profundas da pele e não gera fenol. Aliás, é considerada uma das substâncias mais seguras que existem para ser usadas em protetores solares. Dióxido de titânio é tão seguro, mas tão seguro, que seu uso é permitido até em alimentos (como corante). Dizer que protetores com dióxido de titânio geram fenol é mais ou menos como dizer que a Terra é quadrada – e não há exagero na minha comparação.
    Dois artigos execelentes para quem quer se informar sobre o uso de dióxido de titânio em protetores solares (o segundo, inclusive, foi escreito para o ScienceBlogs):
    1 – http://www.cosmeticsinfo.org/ingredient_details.php?ingredient_id=625
    2 – http://scienceblogs.com/angrytoxicologist/2007/08/friends_of_earth_no_friends_of_science.php

  16. Lean Carlo disse:

    Vamos esperar as opiniões de Dante e Shakespeare sobre o uso do protetor solar… e um novo post do Amigo de Montaigne!

  17. Érico disse:

    “Não existe nenhuma evidência de que isso possa ocorrer, Érico.”
    http://www.febsletters.org/article/S0014-5793%2897%2901356-2/abstract
    Neste paper tb é comentado o mesmo:
    http://www.sciencedirect.com/science?_ob=ArticleURL&_udi=B6TGY-507BHPC-3&_user=10&_coverDate=06%2F25%2F2010&_rdoc=1&_fmt=high&_orig=search&_origin=search&_sort=d&_docanchor=&view=c&_searchStrId=1626911250&_rerunOrigin=google&_acct=C000050221&_version=1&_urlVersion=0&_userid=10&md5=cd9482bd187044167073ed496ef32b55&searchtype=a
    É bom ver tb sobre a toxicidade de outros ingredientes do filtro solar:
    http://www.febsletters.org/article/S0014-5793%2897%2901356-2/abstract
    Há literatura muito extensa sobre dióxido de titânio em filtros solares e a geração de radicais oxidantes e promotores de dano de DNA. Pesquise, antes de concluir que a Terra seja quadrada.
    http://www.sciencedirect.com/science?_ob=ArticleURL&_udi=B6TG5-4J9X35B-3&_user=10&_coverDate=02%2F15%2F2007&_rdoc=1&_fmt=high&_orig=search&_origin=search&_sort=d&_docanchor=&view=c&_searchStrId=1626913718&_rerunOrigin=scholar.google&_acct=C000050221&_version=1&_urlVersion=0&_userid=10&md5=3662de0e776f6971d4dc9783446abebf&searchtype=a
    Bem, há outras várias coisas interessante sobre filtro solar. Foi demonstrado em ratos que uma ÚNICA dose alta de exposição UVA /UVB na infância aumenta consideravelmente o risco de melanoma futuro. Apenas uma. Fico pensando o rigor e efetividade que o filtro solar tem que ser utilizado pra de fato prevenir alguma coisa. É possível proteger TODO o corpo, SEMPRE, de modo que nenhuma parte seja exposta?
    Isso sem considerar a podreza da efetividade do filtro:
    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17047836
    http://www.nordicselfcare.com/pdf/1.10_uk-sunscreenapplication.pdf
    “Caucasian skin is only protected
    to about 55% against free-radical production by high factor
    sunscreens (which provide the maximum available UVA protection
    in the UK) […] this protection is only about
    45% reduction (statistically signi¢cant) in the UV-induced radical
    concentrations and is likely to be less at lower applications.”
    “The results
    suggest that sunscreen users are little protected against UVA
    free-radical production and the damaging e¡ects of UVA”
    Ou seja, mesmo considerando que filtro solar seja protetivo, isto funcionaria apenas se reaplicado continuamente(em questão de horas) e abundantes. Não me surpreende que as meta-análises não encontrem associação entre a utilização do filtro e risco de melanoma.

  18. Érico disse:

    Pra terminar, um comentário que resume muitas das questões que coloquei aqui:
    http://www.nature.com/clpt/journal/v89/n1/full/clpt2010227a.html
    1- A efetividade e segurança de filtros solares é duvidosa, especialmente em relação à prevenção ou aumento de risco de melanoma;
    2- O bloqueio da síntese de Vitamina D pode ser um problema sério;
    3- Substâncias do filtro solar podem, sim, formar agentes danificadores do DNA;
    4- Há lobby e promoção do filtro solar como a 8a maravilha do mundo, e não é.

  19. Érico disse:

    Pedro, o que vc diz em relação ao dióxido de tetânio é inverídico. Escrevi um post com várias referências, mas não sei porque ele não foi autorizado.
    Recomendaria tb que vc tome cuidado antes de dizer coisas como “Dizer que protetores com dióxido de titânio geram fenol é mais ou menos como dizer que a Terra é quadrada – e não há exagero na minha comparação.”, se não vai queimar a língua:
    http://www.febsletters.org/article/S0014-5793%2897%2901356-2/abstract
    Infelizmente o outro post foi perdido e estou francamente sem paciência pra reescrever tudo (já disse que a questão do protetor é menos relevante, e sim a tal “envergadura cultural”), mas vc pode ver que não é bem assim não.

  20. Pedro disse:

    A, mais duas coisas:
    1 – Nos Estados Unidos os protetores solares são considerados medicamentos, o que significa que, antes de serem aprovados, o FDA analisou (e continua analisando) todos os estudos disponíveis. Após ter analisado estes estudos, o FDA chegou a conclusão de que eles são seguros e eficientes ao que se propõe. Se o FDA, que se baseia em todo o conhecimento científico disponível, considera os protetores solares seguros, por que uma pessoa, após ter analisado meia dúzia de estudos (alguns in vitro, o que não indicam quase nada) concluiria o contrário?
    2 – Mesmo na hipótese de que os protetores solares não preveniriam nenhuma doença (o que parece muito provável), não dá para negar que eles podem prevenir queimaduras. E só isso já bastaria para concordar com o que o autor do blog escreveu: que os protetores solares devem ser considerados umas das maiores invenções científicas. No início, os protetores solares foram desenvolvidos para uso militar. E podem estar certos que o “simples” fato de eles prevenirem queimaduras melhorou a qualidade de vida dos soldados em batalha. Não só a dos soldados, claro, mas as dos civis também. Ou alguém acha agradável voltar da praia parecendo um camarão cozido?

  21. Pedro disse:

    Uma correção: onde escrevi (…) Mesmo na hipótese de que os protetores solares não preveniriam nenhuma doença (o que parece muito provável) (…), era para ser: “(…) o que NÃO parece muito provável (…). Desculpem.

  22. Fernanda disse:

    Dia desses saiu uma matéria na principal revista feminina aqui do Reino Unido fazendo um resumão dos absurdos que a Gisele diz. Esculacharam mesmo, deu pena até.

  23. Pedro disse:

    Bom, eu também havia feito outro comentário com várias referência ao Erico.. Meu comentário não foi liberado até o momento, não sei se chegou a ser enviado, mas tudo bem, só estou relatando mesmo.

  24. José Ramalho disse:

    Acho que voces se perderam no post que começou bem. Ficou provado pelo proprio posta nao posta de voces que, nem se tem certeza q o filtro solar é bom, nem que ele é ruim, cada um mostrou links e referencias da internet. O básico, a meu ver, porém acho que perdeu: 1: Gisele pode nao ter estudo mas não é besta, se tem uma linha de produtos, não tem a necessária “ausência de conflito de interesses” para manifestar-se sobre o assunto. 2: Gisele devia ter consciência de que o que faz e fala, faz a cabeça de muita gente, então devia ter cuidado ao se manifestar, muita gente pode ir a praia e se queimar por conta do que ouviu dela. Quanto as demais referencias e citações de voces, estava bonito, pena que verdadeiros debates como estes não são incentivados hoje em dia, todo mundo tem medo de se expor e “perder” o debate, aí fica essa porcaria do politicamente correto onde cada um fica no seu cantinho, nao provoca o outro, essa idiotice moderna. No tempo dos filosofos eles debatiam e quem perdia o debate tinha a oportunidade de crescer revendo seus pontos de vista. Hoje quando eu vejo um debate tenho sempre uma sensação de chopp com agua dentro, nao tem gosto de nada.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM