SWU 2010: um post para considera√ß√Ķes futuras

No ano passado fui insider do Festival SWU e não gostei nada, nada do que vi. Este ano já estou vendo o quanto as pessoas estão se precipitando com relação a este evento, mesmo não tendo participado no ano passado, mesmo sem pagar para ver o que vai acontecer este ano.

Portanto, não vou tomar partido nenhum antes de conferir o que irá acontecer, prefiro acreditar que as coisas podem melhorar (mesmo que pouco), sem deixar de considerar a hipótese de que pode piorar ou mesmo não mudar em nada. Quero ser justa, apenas.
Por isso, quero deixar registrado aqui no Rastro de Carbono, meu post sobre o festival que presenciei no ano passado, mais alguns posts de colegas insiders e do nosso condom√≠nio Science Blogs para minhas considera√ß√Ķes futuras e minha ent√£o posi√ß√£o sobre o que ser√° o Festival SWU.
Um festival

O Festival SWU se foi e muitas pessoas esperam as considera√ß√Ķes daqueles que foram os divulgadores oficiais do movimento e do festival em si.

Existe muita informa√ß√£o passando pela minha cabe√ßa neste p√≥s-festival e eu tentarei ser o mais organizada poss√≠vel para passar minhas sensa√ß√Ķes sem que este post vire um cabar√© de cegos.

Acho que devo começar dizendo porque aceitei ser insider do movimento, colocando meu nome no tatame e o nome do Blog Radar Verde, que não é uma propriedade minha, mas é de minha responsabilidade e competência.

Enfim, aceitei ser insider do movimento SWU, por que eu estou de acordo com o Compromisso P√ļblico de Sustentabilidade e com o Plano de A√ß√Ķes de Sustentabilidade (que j√° tratarei neste post) divulgado pela organiza√ß√£o. N√£o existem super-her√≥is que nos levar√£o a sustentabilidade, tudo isso realmente come√ßa com nossas atitudes individuais.

Ninguém aqui é obrigado a conhecer meu íntimo, mas quem já o faz sabe que não sou uma pessoa que sai de casa apenas para ir a um festival, a não ser que este tenha alguma coisa relacionada à minha vida e/ou ao meu trabalho. Eu realmente levo estes assuntos como trabalho sério, afinal a vida de universitária não me permite determinadas regalias que muitos jovens tem hoje. Um festival qualquer, dispende dinheiro, todos nós sabemos que os custos dentro destes locais são altíssimos. E não adianta apedrejar o Festival por cobrar caro por bebidas e alimentação por que à qualquer show que você vá vão arrancar seu couro, relaxa.

Ficar ao lado dos meus amigos, reencontrar pessoas que não via há algum tempo e conhecer pessoas novas seriam consequências do meu trabalho e este post conta também porque fiquei apenas com as consequências do festival.

Não quero de maneira alguma culpar a agência de comunicação idealizadora do projeto #insiders #SWU, uma vez que já conhecia o trabalho deles de ante-mão, e não tive nenhum problema neste aspecto. Aliás, fiquei contente por me levarem à sério apesar da minha pouca idade e da pouca experiência que tenho com a blogagem e me tratarem com carinho, o que não acontece comigo todos os dias, exceto com pessoas deste meio que me consideram como se eu fosse alguém da sua própria família e me adotam com a maior paciência do universo.

Logo, acompanhando o evento com o olhar de quem n√£o estava l√° apenas para ver as bandas percebi que o caos estava em outros fundamentos.

Vamos l√°, vejamos se eu consigo me organizar e colocar todas as quest√Ķes que me incomodaram no Festival, utilizando como base os trechos a que dizem respeito. Estes trechos constam no Compromisso P√ļblico de Sustentabilidade do movimento SWU e seu Plano de A√ß√Ķes de Sustentabilidade, retirados destes links, respectivamente:

http://www.swu.com.br/pt/movimento-swu/swu-compromisso-publico-de-sustentabilidade/

http://www.swu.com.br/pt/swu/noticias-swu/swu-plano-de-acoes-de-sustentabilidade/

Os t√≥picos em negrito, s√£o originais dos links acima e os trechos em it√°lico s√£o as observa√ß√Ķes feitas por mim no festival:

Direitos Humanos Em todas as nossas atividades, atuamos conforme os princ√≠pios da Declara√ß√£o Universal dos Direitos Humanos e outros padr√Ķes e tratados internacionais e n√£o toleramos condi√ß√Ķes de trabalho degradantes, trabalho infantil, for√ßado ou an√°logo ao escravo.

    Ok, vamos começar por este trecho. Se você foi ao festival e ficou mais de 2 horas debaixo de um sol escaldante para ver sua banda predileta, fique tranquilo porque as pessoas que trabalharam nos estacionamentos e nas revistas passaram muito mais tempo torrando seus miolos naquele mormaço do fim de semana.

N√£o-discrimina√ß√£o N√£o aceitamos nenhuma forma de discrimina√ß√£o em fun√ß√£o de cor, sexo, op√ß√£o sexual, religi√£o, origem, classe social, idade ou condi√ß√Ķes f√≠sicas nas rela√ß√Ķes com todos os nossos p√ļblicos.

No dia 10/10, eu estava dormindo sentada em uma cadeira na sala de imprensa do Festival, esperando meus amigos terminarem de assistir os shows, quando uma senhora desesperada veio implorar para que divulgássemos o descaso com seu irmão cadeirante, que foi impedido pela organização de assistir os shows que estavam rolando naquele dia.

Espa√ßo “privilegiado” para deficientes f√≠sicos? Havia. Mas estavam abarrotados de pessoas em cima de suas pr√≥prias pernas, como se ali fosse a √°rea VIP.

Educa√ß√£o em sustentabilidade Queremos conscientizar, mobilizar e transmitir os valores da sustentabilidade a todos que estiverem de alguma forma no movimento, seja como participante, seja na organiza√ß√£o.

Educação ambiental não é horta e lixeiras coloridas não querem dizer que os valores da sustentabilidade estão sendo transmitidos. O fórum estava cheio de pessoas interessadas no assunto, mas as pessoas que realmente precisavam ser atingidas estavam lá fora, consumindo e jogando lixo para cima, como se fossem confetes.

Sem contar a proibi√ß√£o da entrada de alimentos e garrafas d’√°gua no evento, gerando um enorme desperd√≠cio de comida j√° na portaria. Consumo consciente? N√£o se viu.

Sem contar as pessoas que foram proibidas de tomar suas cervejas nas latas e foram obrigadas a passar o conte√ļdo para um simp√°tico copo descart√°vel do patrocinador. Isso vale para os refrigerantes tamb√©m.

Inclus√£o Social Em nossas contrata√ß√Ķes de servi√ßos, daremos prefer√™ncia, sempre que poss√≠vel, √† m√£o de obra local, cooperativas e micro e pequenos fornecedores, contribuindo assim para a gera√ß√£o de renda e inclus√£o social.

Não presenciei mão de obra local, mas vi várias famosas empresas de fast-food vendendo seus lanches pelo dobro do preço e pela metade do cozimento do alimento. Aliás, passei mal comendo um destes pequenos notáveis.

Ingressos caros, lanches caros, bebidas caras e o desperdício de comida. Inclusão social?

Sa√ļde e Seguran√ßa Empenhamos-nos para propiciar um ambiente saud√°vel e seguro a todos os envolvidos em nossas atividades e eventos, por meio do estabelecimento de padr√Ķes r√≠gidos de sa√ļde e seguran√ßa, da avalia√ß√£o de poss√≠veis riscos e defini√ß√£o de procedimentos para evit√°-los.

Sou uma pessoa que antes de saber onde está o palco, deve saber onde está o posto médico. E como não podia ser diferente, depois de passar mal com o participante do item anterior, fui ao posto médico. Chegando lá me deparei com um cara gorfando sua cervejinha, enquanto as enfermeiras sugeriam para ele tomar coca-cola e comer espetinho de carne.

Não sei se ia servir para muita coisa, mas eu disse a elas quais remédios sou alérgica.

Transpar√™ncia, √©tica e combate √† corrup√ß√£o O relacionamento com todos os parceiros deve ser baseado em √©tica e transpar√™ncia. Al√©m disso, repudiamos e combatemos a corrup√ß√£o em todas as suas formas e n√£o aceitamos parcerias com institui√ß√Ķes de idoneidade duvidosa.

Agora, vocês podem me dizer: Ah, mas isso
que você citou acima acontece em qualquer festival! Eu sei. E se eu tivesse me tocado que o negócio estava tombando para um festival qualquer, eu teria pulado fora. Como eu já disse anteriormente, me falta experiência, mas isso tudo me serve como aprendizado.

Faltou transpar√™ncia, todo o compromisso divulgado no site era de um festival e um movimento baseado nas pol√≠ticas sustent√°veis, mas percebam que tudo o que ocorreu foram pol√≠ticas de um festival qualquer. A Paula Signorini, em um post do Blog Rastro de Carbono me chamou a aten√ß√£o para este aspecto, que at√© ent√£o eu n√£o tinha levado em considera√ß√£o. Um evento verde n√£o precisa ser sustent√°vel, desde que isso seja colocado de maneira clara para os divulgadores e para seus participantes.

Teoricamente, todos estes t√≥picos disponibilizados pelo site do movimento SWU, deveriam ser utilizados em todas as a√ß√Ķes, inclusive no festival.

Legisla√ß√£o Ambiental Todas as nossas atividades e de nossos parceiros devem estar em conformidade com leis e regulamentos ambientais.

Bom, com a legislação ambiental até a Vale diz que está de acordo. Até Aldo Rebelo diz estar de acordo. Essa parte é fácil.

Baixo Impacto Ambiental Buscaremos sempre reduzir, compensar ou eliminar nossos impactos ambientais. Dessa forma, em todos os nossos eventos e a√ß√Ķes, buscaremos cumprir com os seguintes aspectos e metas: a) realiza√ß√£o de eventos de baixo carbono e desenvolvimento de processos para redu√ß√£o e mitiga√ß√£o das emiss√Ķes de gases poluentes; b) prefer√™ncia pelo uso de materiais reciclados ou recicl√°veis e que tenham origem certificadas de acordo com padr√Ķes s√≥cio-ambientais; c) destina√ß√£o correta dos res√≠duos; d) desenvolvimento de processos para baixo consumo de √°gua e energia; e) revitaliza√ß√£o da √°rea do festival.

Para este item, ler todos as minhas observa√ß√Ķes anteriores.
Enfim. Voc√™s podem deixar suas opini√Ķes no espacinho ali em baixo. :)

Sugiro que vocês leiam alguns textos de convidados para o fórum e de outros insiders do festival.

http://www.isabellices.com/o-que-foi-o-swu/

http://www.rockinpress.com.br/2010/10/12/a-imprensa-contra-a-imprensa-o-porque-o-rockinpress-foi-expulso-do-swu/

http://scienceblogs.com.br/rainha/2010/10/o_swu_foi_otimo_e_coerente.php

http://scienceblogs.com.br/rastrodecarbono/2010/10/evento_verde_tem_de_ser_susten.php

http://uoleo.wordpress.com/2010/10/13/o-mais-longo-e-insustentavel-dos-dias/