SWU 2010: um post para considerações futuras

No ano passado fui insider do Festival SWU e não gostei nada, nada do que vi. Este ano já estou vendo o quanto as pessoas estão se precipitando com relação a este evento, mesmo não tendo participado no ano passado, mesmo sem pagar para ver o que vai acontecer este ano.

Portanto, não vou tomar partido nenhum antes de conferir o que irá acontecer, prefiro acreditar que as coisas podem melhorar (mesmo que pouco), sem deixar de considerar a hipótese de que pode piorar ou mesmo não mudar em nada. Quero ser justa, apenas.
Por isso, quero deixar registrado aqui no Rastro de Carbono, meu post sobre o festival que presenciei no ano passado, mais alguns posts de colegas insiders e do nosso condomínio Science Blogs para minhas considerações futuras e minha então posição sobre o que será o Festival SWU.
Um festival

O Festival SWU se foi e muitas pessoas esperam as considerações daqueles que foram os divulgadores oficiais do movimento e do festival em si.

Existe muita informação passando pela minha cabeça neste pós-festival e eu tentarei ser o mais organizada possível para passar minhas sensações sem que este post vire um cabaré de cegos.

Acho que devo começar dizendo porque aceitei ser insider do movimento, colocando meu nome no tatame e o nome do Blog Radar Verde, que não é uma propriedade minha, mas é de minha responsabilidade e competência.

Enfim, aceitei ser insider do movimento SWU, por que eu estou de acordo com o Compromisso Público de Sustentabilidade e com o Plano de Ações de Sustentabilidade (que já tratarei neste post) divulgado pela organização. Não existem super-heróis que nos levarão a sustentabilidade, tudo isso realmente começa com nossas atitudes individuais.

Ninguém aqui é obrigado a conhecer meu íntimo, mas quem já o faz sabe que não sou uma pessoa que sai de casa apenas para ir a um festival, a não ser que este tenha alguma coisa relacionada à minha vida e/ou ao meu trabalho. Eu realmente levo estes assuntos como trabalho sério, afinal a vida de universitária não me permite determinadas regalias que muitos jovens tem hoje. Um festival qualquer, dispende dinheiro, todos nós sabemos que os custos dentro destes locais são altíssimos. E não adianta apedrejar o Festival por cobrar caro por bebidas e alimentação por que à qualquer show que você vá vão arrancar seu couro, relaxa.

Ficar ao lado dos meus amigos, reencontrar pessoas que não via há algum tempo e conhecer pessoas novas seriam consequências do meu trabalho e este post conta também porque fiquei apenas com as consequências do festival.

Não quero de maneira alguma culpar a agência de comunicação idealizadora do projeto #insiders #SWU, uma vez que já conhecia o trabalho deles de ante-mão, e não tive nenhum problema neste aspecto. Aliás, fiquei contente por me levarem à sério apesar da minha pouca idade e da pouca experiência que tenho com a blogagem e me tratarem com carinho, o que não acontece comigo todos os dias, exceto com pessoas deste meio que me consideram como se eu fosse alguém da sua própria família e me adotam com a maior paciência do universo.

Logo, acompanhando o evento com o olhar de quem não estava lá apenas para ver as bandas percebi que o caos estava em outros fundamentos.

Vamos lá, vejamos se eu consigo me organizar e colocar todas as questões que me incomodaram no Festival, utilizando como base os trechos a que dizem respeito. Estes trechos constam no Compromisso Público de Sustentabilidade do movimento SWU e seu Plano de Ações de Sustentabilidade, retirados destes links, respectivamente:

http://www.swu.com.br/pt/movimento-swu/swu-compromisso-publico-de-sustentabilidade/

http://www.swu.com.br/pt/swu/noticias-swu/swu-plano-de-acoes-de-sustentabilidade/

Os tópicos em negrito, são originais dos links acima e os trechos em itálico são as observações feitas por mim no festival:

Direitos Humanos Em todas as nossas atividades, atuamos conforme os princípios da Declaração Universal dos Direitos Humanos e outros padrões e tratados internacionais e não toleramos condições de trabalho degradantes, trabalho infantil, forçado ou análogo ao escravo.

    Ok, vamos começar por este trecho. Se você foi ao festival e ficou mais de 2 horas debaixo de um sol escaldante para ver sua banda predileta, fique tranquilo porque as pessoas que trabalharam nos estacionamentos e nas revistas passaram muito mais tempo torrando seus miolos naquele mormaço do fim de semana.

Não-discriminação Não aceitamos nenhuma forma de discriminação em função de cor, sexo, opção sexual, religião, origem, classe social, idade ou condições físicas nas relações com todos os nossos públicos.

No dia 10/10, eu estava dormindo sentada em uma cadeira na sala de imprensa do Festival, esperando meus amigos terminarem de assistir os shows, quando uma senhora desesperada veio implorar para que divulgássemos o descaso com seu irmão cadeirante, que foi impedido pela organização de assistir os shows que estavam rolando naquele dia.

Espaço “privilegiado” para deficientes físicos? Havia. Mas estavam abarrotados de pessoas em cima de suas próprias pernas, como se ali fosse a área VIP.

Educação em sustentabilidade Queremos conscientizar, mobilizar e transmitir os valores da sustentabilidade a todos que estiverem de alguma forma no movimento, seja como participante, seja na organização.

Educação ambiental não é horta e lixeiras coloridas não querem dizer que os valores da sustentabilidade estão sendo transmitidos. O fórum estava cheio de pessoas interessadas no assunto, mas as pessoas que realmente precisavam ser atingidas estavam lá fora, consumindo e jogando lixo para cima, como se fossem confetes.

Sem contar a proibição da entrada de alimentos e garrafas d’água no evento, gerando um enorme desperdício de comida já na portaria. Consumo consciente? Não se viu.

Sem contar as pessoas que foram proibidas de tomar suas cervejas nas latas e foram obrigadas a passar o conteúdo para um simpático copo descartável do patrocinador. Isso vale para os refrigerantes também.

Inclusão Social Em nossas contratações de serviços, daremos preferência, sempre que possível, à mão de obra local, cooperativas e micro e pequenos fornecedores, contribuindo assim para a geração de renda e inclusão social.

Não presenciei mão de obra local, mas vi várias famosas empresas de fast-food vendendo seus lanches pelo dobro do preço e pela metade do cozimento do alimento. Aliás, passei mal comendo um destes pequenos notáveis.

Ingressos caros, lanches caros, bebidas caras e o desperdício de comida. Inclusão social?

Saúde e Segurança Empenhamos-nos para propiciar um ambiente saudável e seguro a todos os envolvidos em nossas atividades e eventos, por meio do estabelecimento de padrões rígidos de saúde e segurança, da avaliação de possíveis riscos e definição de procedimentos para evitá-los.

Sou uma pessoa que antes de saber onde está o palco, deve saber onde está o posto médico. E como não podia ser diferente, depois de passar mal com o participante do item anterior, fui ao posto médico. Chegando lá me deparei com um cara gorfando sua cervejinha, enquanto as enfermeiras sugeriam para ele tomar coca-cola e comer espetinho de carne.

Não sei se ia servir para muita coisa, mas eu disse a elas quais remédios sou alérgica.

Transparência, ética e combate à corrupção O relacionamento com todos os parceiros deve ser baseado em ética e transparência. Além disso, repudiamos e combatemos a corrupção em todas as suas formas e não aceitamos parcerias com instituições de idoneidade duvidosa.

Agora, vocês podem me dizer: Ah, mas isso
que você citou acima acontece em qualquer festival! Eu sei. E se eu tivesse me tocado que o negócio estava tombando para um festival qualquer, eu teria pulado fora. Como eu já disse anteriormente, me falta experiência, mas isso tudo me serve como aprendizado.

Faltou transparência, todo o compromisso divulgado no site era de um festival e um movimento baseado nas políticas sustentáveis, mas percebam que tudo o que ocorreu foram políticas de um festival qualquer. A Paula Signorini, em um post do Blog Rastro de Carbono me chamou a atenção para este aspecto, que até então eu não tinha levado em consideração. Um evento verde não precisa ser sustentável, desde que isso seja colocado de maneira clara para os divulgadores e para seus participantes.

Teoricamente, todos estes tópicos disponibilizados pelo site do movimento SWU, deveriam ser utilizados em todas as ações, inclusive no festival.

Legislação Ambiental Todas as nossas atividades e de nossos parceiros devem estar em conformidade com leis e regulamentos ambientais.

Bom, com a legislação ambiental até a Vale diz que está de acordo. Até Aldo Rebelo diz estar de acordo. Essa parte é fácil.

Baixo Impacto Ambiental Buscaremos sempre reduzir, compensar ou eliminar nossos impactos ambientais. Dessa forma, em todos os nossos eventos e ações, buscaremos cumprir com os seguintes aspectos e metas: a) realização de eventos de baixo carbono e desenvolvimento de processos para redução e mitigação das emissões de gases poluentes; b) preferência pelo uso de materiais reciclados ou recicláveis e que tenham origem certificadas de acordo com padrões sócio-ambientais; c) destinação correta dos resíduos; d) desenvolvimento de processos para baixo consumo de água e energia; e) revitalização da área do festival.

Para este item, ler todos as minhas observações anteriores.
Enfim. Vocês podem deixar suas opiniões no espacinho ali em baixo. :)

Sugiro que vocês leiam alguns textos de convidados para o fórum e de outros insiders do festival.

http://www.isabellices.com/o-que-foi-o-swu/

http://www.rockinpress.com.br/2010/10/12/a-imprensa-contra-a-imprensa-o-porque-o-rockinpress-foi-expulso-do-swu/

http://scienceblogs.com.br/rainha/2010/10/o_swu_foi_otimo_e_coerente.php

http://scienceblogs.com.br/rastrodecarbono/2010/10/evento_verde_tem_de_ser_susten.php

http://uoleo.wordpress.com/2010/10/13/o-mais-longo-e-insustentavel-dos-dias/

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM