Participe da campanha “Seja um M√©dico Limpinho”

Andando por S√£o Paulo semana passada me deparei com a incr√≠vel necessidade de alguns m√©dicos e estudantes de medicina de precisar afirmar que s√£o profissionais de sa√ļde. E como eles tentam mostrar ao mundo o que s√£o? Atrav√©s de um desfile de moda monocrom√°tica na forma de jalecos brancos.

Se essa toga moderna fosse apenas para mostrar como certas pessoas têm uma auto-estima tão baixa que precisam criar uma ilusão de grandeza com uma farda que lhes garante o pseudostatus de supercidadãos, tudo bem; cada Bob com seu Mundo Fantástico.

O problema que eu tenho com isso é que essa mesma autopropaganda em página dupla que é usada na rua é também usada dentro dos hospitais.

Jaleco não é só o nome vulgar de um pequeno tamanduá do Maranhão. Não. Jaleco deveria ser também uma proteção, uma luva para as roupas, uma camisinha para o corpo.

Se seu padeiro contar o dinheiro com a mesma luva que usa para colocar seu pão no saco você teria nojo.

(A analogia da camisinha e a dicotomia “cabar√©/sua mulher em casa” fica para outro dia.)

Por causa dessa prática irresponsável, eu resolvi criar (no meu outro blogue) duas camisetas grátis, tanto para os aprendizes de boçal estudantes de medicina quanto para os caroneiros de infecção médicos (clique nas imagens para vê-las maior):
Jaleco para a campanha médico limpinhoJaleco para a campanha médico limpinho

A repercussão foi boa e estudos mostram que alguns já estão usando a peça na rua! Fantárdigo!
No entanto, outros ainda assim preferem o guarda-pó mesmo, pois camiseta qualquer um pode ter. Um sobretudo branco, por sua vez, só é vendido mediante apresentação do CRM.

Então, usando a ideia de uma comentarista do artigo original (já linkado), achei por bem criar, mais uma vez sem qualquer custo para os pobres profissionais, um modelo de jaleco para evitar confusão entre o de sair e o de trabalhar (porque, para alguns médicos, jaleco é como bolsa de mulher; um para cada ocasião):

Jaleco para a campanha médico limpinho

E, o mais importante, a mensagem:

jaleco para uso externo costas

Ainda, feita por Atila, tamb√©m participando da Campanha, uma camiseta para aqueles momentos de descontra√ß√£o fora dos hor√°rios de trabalho (pois sair de jaleco nas madrugadas pode atrair aten√ß√Ķes indesejadas e fazer os outros pensarem que voc√™ √© o Cadeirudo):
camiseta para medicos

Ent√£o vamos l√°, todo mundo! Participem da Campanha “Seja um M√©dico Limpinho”!

Envie esse artigo do médico Karl para todos os médicos que você conhece.

Presenteie pelo menos um deles com algum dos modelos gr√°tis acima.

Bata palmas quando vir algum estudante de jaleco no metr√ī! Vamos compensar a falta de auto-estima deles fazendo-os se sentir especiais.

No texto de Atila, um reclamou da reclama√ß√£o dizendo que a correria √© muita e at√© roupa √≠ntima carregam bact√©rias. Meu recado para ele √©: Super Homem, a cueca n√£o vai por cima das cal√ßas. Quanto tempo voc√™ precisa para abrir oito bot√Ķes? E n√£o consegue fazer isso e andar ao mesmo tempo? Voc√™ deveria passar menos tempo aperfei√ßoando sua bo√ßalidade e mais tempo aprendendo a fazer duas a√ß√Ķes simples simultaneamente. Ah, e aprenda tamb√©m o significado de “profiss√£o mais antiga” porque voc√™ est√° usando errado sem saber.

Outro ainda disse que esse tipo de cr√≠tica √© inveja. Quem diz que cr√≠tica √© inveja √© porque n√£o tem autoconfian√ßa suficiente para receber uma e critica de volta da forma mais infantil poss√≠vel. Seu feio, una! ūüėõ

Todavia, eu preciso concordar com outro comentarista: “Novamente, ridiculo, vontade de aparecer e se sentir superior, quando na verdade est√° so expondo desnecessariamente os cidadaos e seus pacientes.

Em toda casa, aí entrarei para o bem dos doentes,

mantendo-me longe de todo o dano volunt√°rio…”

(Juramento de Hipócrates, trecho)

Douglas Adams: frases aleatórias

“Aprender por experi√™ncia √© uma daquelas coisas, do tipo que diz: ‘Sabe isso que voc√™ acabou de fazer? N√£o fa√ßa mais isso’.”

D.N.A

Categorias