2013 no 42. em n√ļmeros (em palavras {em imagens})

Em 2013 eu consegui escrever de forma vocabularicamente consistente e diversa (excetuando-se “ser” e “ainda”, dos quais ainda n√£o conseguir ser livre), como mostra a nuvem de palavras abaixo.

Clique para ampliar

Clique para ampliar

N√£o t√£o consistente assim foram as buscas dos leitores que findaram aqui. Me parece que, al√©m dos que procuram formas alternativas para se drogar, consegui um bom p√ļblico desmistificando spams e videntes.

Clique para vasculhar

Clique para vasculhar

E agora, um poeminha pros paraquedistas.
Por favor, não achem que drogas ou catarro são vitamina mas saibam que Tupak é um charlatão que vai drogar seu intelecto e fazer você engolir besteiras. A Avon não vai chapar a ladra Tara, outra charlatã, nem vai fazer você ficar chapado, pois muito mal pode causar o alpiste, mas nada em comparação ao aborto que é o vidente que insiste em cuspir na cara da realidade, como uma diabetes em forma de batom (batons) que não contem nem camarão e nem muito menos chumbo. Essa foi a lição de 2013.

A Wikipédia em português e a panelinha editorial pseudocientífica

Eu j√° contei um pouco da minha hist√≥ria com a Wiki-PT no meu outro blog ent√£o n√£o vou repetir que j√° fui editor logo no come√ßo mas desisti porque minhas edi√ß√Ķes (baseadas em evid√™ncias e com links corrobor√°veis) eram sistematicamente deletadas pelos editores da panelinha ideol√≥gica da qual eu me recusava a fazer parte. Dito isso que eu disse que n√£o repetiria, hoje eu fui ver o que a Wikipedia original (regulada por pessoas menos investidas emocional e monetariamente com seus assuntos favoritos) tinha a dizer da milenar [1] t√©cnica da dedada oriental, conhecida no oeste por shiatsu.

Qual não foi minha surpresa ao constatar que, em inglês, o verbete atual de shiatsu cabe em apenas um screenshot

Clique para a vers√£o completa.

Clique para a vers√£o completa.

…enquanto o verbete na Wiki-PT √© consideravelmente mais extenso! Em todos esses anos nesta ind√ļstria vital, esta √© a primeira vez em que isso me acontece!

O que primeiro me chamou atenção após os cinco pagedowns necessários para ler o texto completo (tá, o que me segundo chamou atenção) foi isso aqui:

wiki-estilo

Para os n√£o-iniciados, isso significa que quem escreveu o artigo o fez sem consultar as regras (ou sem se importar com o conte√ļdo) que regem a enciclop√©dia. Ou seja, algu√©m escreveu o que achava que deveria ser escrito, publicou e… ficou por isso mesmo. H√° mais de um ano e meio.

Uma das genialidades da equipe de Jimmy Wales (comparem aqui o tamanho e a qualidade dos verbetes em inglês e português do fundador da Wikipedia) foi ter embutido no sistema uma ferramenta antifraude na forma de um histórico impossível de ser editado ou manipulado e que registra cada mudança mínima numa página.

Isso nos permite verificar que o maior contribuidor individual do verbete √© Arnie rj, login de Arnaldo V. Carvalho, criador do Portal Verde e que, segundo seu curr√≠culo naquela mesma p√°gina, tem (sic) “Capacita√ß√£o em Medicina Tradicional Chinesa e Naturopatia, em seus segmentos shiatsu (tradicional, ohashiatsu, shiatsu emocional, zen shiatsu e Express), massagem sueca, thai massagem, ramma, sei-tai, lomilomi, drenagem linf√°tica manual, recep√ß√£o ativa, corre√ß√£o postural postural, aromaterapia, fitoterapia, reeduca√ß√£o alimentar, cromoterapia, relaxamento e controle mental“. Ele tamb√©m d√° cursos de shiatsu emocional (√© at√© propriet√°rio de um blog sobre isso). Ou seja, poucas pessoas seriam mais beneficiadas do que o pr√≥prio editor pela inclus√£o da se√ß√£o Valida√ß√£o e Produ√ß√£o Cient√≠fica que diz, muito dissimuladamente e sem qualquer sombra de evid√™ncia (sic): “A Ci√™ncia vem se interessando em conhecer os mecanismos de a√ß√£o do Shiatsu, e avaliar sua efic√°cia em diversos tratamentos. Atualmente h√° milhares de artigos cient√≠ficos sobre o tema. Segundo o Conselho Nacional de Desenvolvimento e Pesquisa Tecnologica, (CNPq), 356 dos pesquisadores cadastrados na Plataforma Lattes, incluindo 49 doutores, possuem algum tipo de forma√ß√£o em Shiatsu.[2]

Esses supostos “milhares de artigos” s√£o frutos de buscas simples no PubMed, SciELO e Google Scholar pelo termo “shiatsu” (evidenciado pelas notas de rodap√© da edi√ß√£o, j√° que as da vers√£o atual est√£o desencontradas e completamente confusas, mostrando o n√≠vel nasc√īxa de qualidade de edi√ß√£o) e n√£o uma an√°lise qualitativa. Ali√°s, at√© quantitativamente √© mentira, porque eu acabei de fazer a mesma busca no PubMed e obtive 758 resultados que, at√© onde eu saiba contar, √© menos de mil. O SciELO me devolveu incr√≠veis dois (02) resultados e o Google Scholar mostra qualquer coisa remotamente relacionada ao nome “shiatsu”, incluindo livros (que n√£o s√£o publica√ß√Ķes acad√™micas), entrevistas (idem anterior), patentes (menos ainda), cita√ß√Ķes (“o mundo √© como o shiatsu: vive de dar dedada nos outros” √© uma cita√ß√£o) e etc. Acho pouco prov√°vel que o editor do verbete tenha lido um por um. Esse “segundo o CNPq” √© igualmente uma busca no site do Conselho. Ent√£o n√£o tenho como saber de onde ele tirou essa cita√ß√£o factual do CNPq.

E finalizar com “49 doutores” √© s√≥ apelo a autoridade. E j√° sabemos que isso n√£o √© exatamente confi√°vel. Especialmente eu tendo achado no Lattes 3236 doutores em “coc√ī” e 47 em “bosta”. S√≥ 3 em urinoterapia, no entanto.

(Já sabemos que argumento de autoridade não é confiável, não é? Vocês sabem disso, né? Bom, ótimo, vamos em frente.)

Agora, qual editor incluiu essa seção pela primeira vez, mais especificamente às 14h53min de 31 de julho de 2012? Isso mesmo, Arnie rj. Aliás, a versão atual tem links tanto na nota de rodapé quanto na bibliografia para a página do editor, o Portal Verde anteriormente aludido e que lhe é fonte parcial de renda.

"Não estou dizendo que é shiatsu, mas..."

“N√£o estou dizendo que √© shiatsu, mas…”

Em abril de 2012 uma edi√ß√£o se desfez do seguinte trecho, nunca mais citado (sic): “O Shiatsu n√£o √© recomendado para infec√ß√Ķes, doen√ßas contagiosas, fraturas, varizes ou como terap√™utica √ļnica do c√Ęncer(…)”. E sabem quem fez essa edi√ß√£o? O financeiramente envolvido Arnie rj.

Ele n√£o √© de todo mau (ali√°s, nem acho que ele seja particularmente maligno, apenas equivocado e desprovido de pensamento cr√≠tico – a culpa maior sendo dos editores seniores da Wiki-PT), j√° que tirou tamb√©m o trecho que recomenda shiatsu como coadjuvante no tratamento do c√Ęncer.

Sempre lembrando que shiatsu é somente uma massagem com os dedos (exclusivamente em gente branca, a julgar pelos resultados do Google Imagens. Credo) e nada mais que uma massagem com os dedos.

Se o verbete come√ßasse com “o shiatsu √© somente uma massagem inventanda num-sei-quando num-sei-onde que relaxa as pessoas e causa forte tendinite nos terapeutas…” eu n√£o teria problema algum com isso. Eu passo a ter no momento em que o site mais acessado do mundo usa linguagem evasiva e informa√ß√Ķes amb√≠guas dissimuladas para tentar dizer que shiatsu √© uma ci√™ncia e que deve ser vista e aceita como tal. O nome disso √© “pseudoci√™ncia”, palavra que parece n√£o fazer parte do vocabul√°rio da Wiki-PT. Ou at√© faz, mas parece merecer um grau mais alto de escrut√≠nio sequer aludido na p√°gina discutida:

pseudociencia-wiki

Enquanto o √ļnico pecado do verbete de shiatsu √© n√£o estar formatado num padr√£o espec√≠fico, o de pseudoci√™ncias n√£o cita fontes suficientes, usa dados duvidosos e n√£o √© considerado neutro.

Não usaram a mesma régua aí.

O Lexus LS 600h tem um banco com bolsas de ar que simula shiatsu. Não dizem, mas acho que ter um carro desses também serve como 'shiatsu emocional'.

O Lexus LS 600h tem um banco com bolsas de ar que simula shiatsu. N√£o dizem, mas acho que ter um carro desses tamb√©m serve como ‘shiatsu emocional’.

Existe um grupo chamado Ceticismo de Guerrilha na Wikipedia que tenta melhorar a qualidade do conte√ļdo de certos verbetes que serviriam como propaganda para profissionais das pseudoci√™ncias. O problema √© que esse grupo n√£o tem boa representa√ß√£o no Brasil ou em Portugal e, ainda por cima, quando tentam melhorar um artigo na Wiki-PT acontece o que acontecia comigo em 2006/07. Porque a c√ļpula ideol√≥gica da Wikipedia lus√≥fona n√£o admite que outros venham corrigir o que eles acreditam ser o correto.

Não sei qual canal devo acionar para tentar corrigir esse problema. Talvez já seja tarde demais para nós, que florescemos tardiamente no Lácio.

———

[1] Mentira, shiatsu tem nem 100 anos.

[2] O que faz dele um especialista em shiatsu, que é exatamente o que a Wikipedia pede e incentiva. Ele só não é especialista em ciência. Ou sequer em procurar resultados num site de busca.

Homeopatia, evangelhoterapia, teoria da harmonia energética e eu.

Ontem eu recebi dois emails. Recebi v√°rios, na verdade (a maioria deles sendo de pessoas que acham que meu endere√ßo √© algum tipo de √Ęncora ou registro oficial para todo e qualquer Igor Santos), mas com algum tipo de import√Ęncia foram s√≥ dois.

E quando qualifico import√Ęncia como “algum tipo”, quero dizer “sem a menor import√Ęncia para qualquer ser vivo”. Porque o primeiro dos aludidos veio com o assunto “Colabora√ß√£o” e com o t√≠tulo (sim, t√≠tulo, pois √© como se fosse uma c√≥pia de um panfleto qualquer) “Teoria da Harmonia Energ√©tica“.

Agora vocês vão ver porque estou perdendo meu tempo com isso. O email começa (sic):

A energia √© essencialmente harm√īnica e as formas organizadas de energia, como √© o caso da mat√©ria, que √© uma organiza√ß√£o de energia percebida por nossos sentidos, tendem a voltar a ser energia.

Em primeiro lugar, o que significa “essencialmente harm√īnica”? Porque s√£o necess√°rias pelo menos duas coisas para existir harmonia entre elas. Da mesma forma como n√£o pode existir nado sincronizado individual n√£o posso afirmar que A energia √© harm√īnica. Falta um outro agente a√≠. Mas vamos ignorar esse erro conceitual b√°sico e passar para outro; “mat√©ria √© uma forma organizada de energia”.

√Č? E a energia √©, ao mesmo tempo, harm√īnica e desorganizada? Mas calma! Olhem o que vem a seguir:

Esta volta √† energia √© estimulada por a√ß√Ķes desarm√īnicas, ou seja, que contrariam a harmonia energ√©tica. Assim sendo, a√ß√Ķes poluidoras, por exemplo, desencadeiam processos destrutivos da mat√©ria.

Eu vou organizar as afirma√ß√Ķes em uma s√≥ linha para facilitar a visualiza√ß√£o. “A energia √© essencialmente harm√īnica, a mat√©ria √© uma organiza√ß√£o de energia e tende a voltar a ser energia estimulada por a√ß√Ķes desarm√īnicas”. Ou seja, o ^j√™nio^ que n√£o consegue escrever duas linhas coerentes entre si acha que a mat√©ria volta a ser harm√īnica por um processo de desarmonia. √Č como dizer que passar com o carro por cima de um viol√£o bem afinado faz com que ele volte a ser afinado pelo fato de ter sido destru√≠do. Ou algo assim, esse email me deixou confuso.

No nosso organismo, a√ß√Ķes perturbadoras da harmonia desencadeiam rea√ß√Ķes, agravadas por novas interven√ß√Ķes perturbadoras da harmonia inicial.

Eu adoro frases como “desencadeiam rea√ß√Ķes”. Me lembra uma picha√ß√£o que vi numa mesa da faculdade onde algu√©m escreveu com corretivo “a mol√©cula do √°tomo”. A frase acima parece dizer muita coisa mas n√£o sobrevive √† mais superficial an√°lise, como outra frase j√° discutida aqui. S√©rio, leia l√° de novo e pense a respeito.

stephen%20fry

Na sociedade humana, decis√Ķes desarm√īnicas como, por exemplo, concentra√ß√£o de recursos financeiros em determinadas pessoas, contrariam a harmonia social, que √© um aspecto da harmonia energ√©tica.

Harmonia social √© um aspecto da harmonia energ√©tica? Ent√£o essas a√ß√Ķes socialmente desarm√īnicas s√£o desej√°veis, j√° que foi estabelecido que a desarmonia traz harmonia. E √© harmonia que queremos, n√£o?

Portanto, sigam o conselho do email e concentrem seus recursos financeiros em mim! Vamos atingir o máximo de harmonia possível!

A Teoria da Harmonia Energ√©tica permite o entendimento da individualidade harm√īnica, mesmo sem substrato f√≠sico…” Opa, pera√≠! Preciso interromper aqui. Qual dos dois √©: energia sendo harm√īnica em si mesma ou indiv√≠duos (necessariamente materiais) s√£o harm√īnicos mesmo n√£o tendo forma f√≠sica? Essa deve ser mesmo uma teoria de lascar porque s√≥ seus preceitos j√° est√£o em outro plano de exist√™ncia.

Continuando:

…pois ela se aplica a um conjunto organizado de princ√≠pios harm√īnicos, orientados para pintura, arquitetura, artesanato, inven√ß√Ķes √ļteis, m√ļsica, magist√©rio, verso, prosa, e tantas outras formas de a√ß√Ķes harm√īnicas que encantam nossos sentidos e melhoram a qualidade de vida. Quem age segundo a harmonia energ√©tica preservar√° a individualidade, n√£o importa sob que forma esteja atuando.

Pintura, arquitetura, artesanato, m√ļsica, magist√©rio, verso e prosa, essas inven√ß√Ķes in√ļteis… Sem falar do magist√©rio, esse grande encantador dos sentidos. N√£o passa um s√≥ dia sem que minha propriocep√ß√£o e minha percep√ß√£o temporal n√£o sejam estimuladas pelo magist√©rio.

E, novamente, por que devemos preservar a individualidade? Ela existe? Como “a energia” pode ser harm√īnica sendo desarmonizada pela mat√©ria descondensada enquanto indiv√≠duos sem substrato f√≠sico poluentes e m√ļsicos? Hein?

No par√°grafo a seguir h√° um destaque por minha conta. Vamos ver quem consegue perceber o motivo.

Corruptos, corruptores, maus administradores, criminosos, assassinos, mistificadores, ladr√Ķes, demagogos, parasitas e tantos outros que agridem a harmonia social, simplesmente desaparecer√£o com a desencarna√ß√£o, pois estavam em desacordo com a harmonia energ√©tica.

Todos desaparecer√£o. Seja por desencarna√ß√£o, inuma√ß√£o, falecimento, vencimento do prazo de validade ou qualquer outro eufemismo rid√≠culo que se queira usar. Mas deixando o galopante e relinchante √≥bvio de lado, volto a perguntar: se estamos procurando harmonia, por que devemos nos preocupar em manter a “harmonia social, que √© um aspecto da harmonia energ√©tica” se a “volta √† energia √© estimulada por a√ß√Ķes desarm√īnicas” e a “energia √© essencialmente harm√īnica“? Eu quero harmonia! E, para isso, segundo as diretrizes da teoria, preciso ser desarm√īnico.

Esta singela, e despretensiosa, teoria permite que se entenda o que somos e o que seremos na eternidade., inexistindo qualquer julgamento, mas sim harmonia ou desarmonia energética.

E sabem por que n√£o existe julgamento? Porque √© imposs√≠vel entender uma coisa que n√£o faz sentido por ser apenas uma s√©rie de contradi√ß√Ķes. E o sujeito ainda quer entender a eternidade? #com√īfas?

Vou suprimir o nome do remetente para preservar… n√£o sei o que. Ia dizer “preservar seu bom nome” mas n√£o fui eu que enviou o email. Email que, ali√°s, veio com o assunto “colabora√ß√£o” apesar de nenhuma outra palavra a esse respeito ter surgido. Talvez ele queira que eu colabore com a desarmonia.

Tamos aí.

———

O segundo email, recebido nos √ļltimos minutos do dia (certamente para algum outro Igor Santos que ainda n√£o aprendeu como emails funcionam) √© de um m√©dico. *suspiro*

Infelizmente, como eu j√° disse aqui, homeopatia √© uma especializa√ß√£o em medicina no nosso querido territ√≥rio pol√≠tico federativo brasileiro. Por mais imoral que isso seja, continua sendo verdade. Falando em imoralidades, eu sempre tremo um pouco quando ou√ßo que o mesmo indiv√≠duo se qualifica como pediatra e homeopata. Como √© o caso desse pr√≥ximo remetente que, apesar de se qualificar tamb√©m como escritor, refere-se a si mesmo na terceira pessoa e acha que campo de assunto de email n√£o precisa de pontua√ß√£o, acentua√ß√£o ou ortografia em geral, j√° que esse veio como “saude homeopatia e evangelho“. Sic, sempre lembrando.

"Eu sei o que estou fazendo, n√£o se preocupe!"

“Eu sei o que estou fazendo, n√£o se preocupe!”

Desta vez eu vou deixar o nome porque, apesar de tudo, nada do que ele escreveu para mim é considerado errado no querido território supracitado e infrapodal (mais sobre pés daqui a pouco).

Gilberto Ribeiro Vieira √© m√©dico pediatra e homeopata e escritor. Al√©m disso, √© professor do curso de medicina da Universidade Federal do Acre ‚Äď UFAC e possui diversos livros publicados que abordam sa√ļde, homeopatia e Evangelho. A concilia√ß√£o desses dois temas rendeu diversas publica√ß√Ķes.

Er, quais dois? Voc√™ citou tr√™s assuntos que, se tentassem, n√£o poderiam ser mais opostos. Mantendo sempre em mente que homeopatia n√£o √© sa√ļde, mas bruxaria e xamanismo, coisa que o evangelho rejeita fortemente (ver 2 Cr√īnicas 33, por exemplo).

O objetivo principal √© mostrar a possibilidade de obter benef√≠cios ao se reunir conhecimento e espiritualidade, mesmo quando se caminha com relativa independ√™ncia entre as religi√Ķes organizadas do cristianismo. Seu trabalho tem m√ļltiplas faces.

Eu juro que li aquela √ļltima palavra como “faeces” mas talvez seja culpa de um vi√©s involunt√°rio meu. Falando em involunt√°rio, viram ali como ele separou claramente “conhecimento” de “espiritualidade”?

E, para um escritor, ele at√© √© meio ruinzinho em evitar ambiguidades. O que significa “relativa independ√™ncia”? Minha interpreta√ß√£o √© que ele √© dependente de algumas religi√Ķes crist√£s mas n√£o tanto quanto algu√©m que pratique somente uma.

Discorrendo sobre as m√ļltiplas f√¶ces do seu trabalho, ele continua:

Na primeira predomina a ci√™ncia e o racioc√≠nio. A jornada come√ßa pela an√°lise detalhada de alguns casos de cura do Cristo no Evangelhoterapia ‚Äď a Ci√™ncia de Amar, juntamente com a descri√ß√£o sucinta das virtudes divinas na cria√ß√£o ‚Äď em Deus Radiografia Simples.

Faltou s√≥ incluir ci√™ncia e racioc√≠nio ali. Especialmente no lugar de “virtudes divinas na cria√ß√£o“.

Em seguida, √© conduzido um estudo rigoroso das palavras e contradi√ß√Ķes de Jesus em O Evangelho Dial√©tico. Por fim, o autor tem o privil√©gio de apresentar a abordagem homeop√°tica num enfoque in√©dito e contempor√Ęneo em Homeopatia e Sa√ļde: do reducionismo ao sist√™mico, publicado por coedi√ß√£o pelo Conselho Regional de Medicina do Acre e a Editora da UFAC.

Novamente, cadê a ciência e o raciocínio? O que o estudo das palavras do Hércules judaico tem a ver com ciência? Porque já sabemos que homeopatia tem exatamente zero ciência e/ou raciocínio atrelados.

E, se o Conselho de Medicina do Acre for igual ao daqui, qualquer m√©dico tem apoio editorial para lan√ßar qualquer livro. Ou gravar um disco, pintar um quadro, expor fotografias, etc. O CRM gosta de incentivar m√©dicos em suas persegui√ß√Ķes art√≠sticas. Ent√£o citar o CRM/AC como parceiro n√£o √© medalha de m√©rito.

Na segunda etapa prevalecem o sentimento e a f√©.” <= Na primeira tamb√©m, amig√£o.

Com esse enfoque, surgem cr√īnicas repletas de ternura e criatividade em Os Filhos de Deus. Ao mesmo tempo, nasce um novo entendimento da rela√ß√£o √≠ntima e profunda entre o Eu e o Pai em DeuS, gra√ßas √† an√°lise meticulosa dos vers√≠culos do Novo Testamento.

√Č sempre interessante quando um escritor se refere a si mesmo como criativo. Especialmente quando isso leva √† frase “gra√ßas √† an√°lise meticulosa dos vers√≠culos do Novo Testamento”. Eu s√≥ queria dizer, j√° que estamos firmemente no mundo das pseudoci√™ncias, que Freud mandou lembran√ßas.

Por fim, o autor descortina o significado original dos chacras desde os p√©s ‚Äď cidadania ‚Äď ao mais elevado do homem ‚Äď intui√ß√£o ‚Äď no instigante Poema das Moradas.

Isso est√° escrito desse jeito. Ele descortinou o significado original dos chacras. E, melhor ainda, o chacra da cidadania reside nos p√©s. Por isso que eu fiz aquele trocadilho l√° em cima, sacaram? N√£o? Nem eu. Especialmente porque o chacra “mais elevado do homem” √© a intui√ß√£o.

E A P¬į—Ź—Ź4 DA CI√äNCIA, CAD√ä!?

"chacras"

Uma terceira vertente √© exposta em um livro que aborda dois temas: Adole*sente, publicado pela Secretaria de Estado de Sa√ļde do Acre, une-se ao Adole*santo e mistura informa√ß√£o cient√≠fica e reflex√Ķes crist√£s, em linguagem direcionada aos adolescentes e √†s pessoas que se relacionam com eles.

Queria muito saber o teor e a qualidade dessa informação científica que o autor cita. Principalmente ajustando a linguagem para adolescentes.

(Vocês viram os títulos? Eu consigo até imaginar o quão estufado ficou o peito do autor ao pensar nesses excelentes jogos de palavras.)

E, encerrando os trabalhos, A Fraternidade em Movimento, obra que cont√©m as experi√™ncias e opini√Ķes do autor sobre um dos amores de sua vida, o Movimento da Fraternidade, iniciativa espiritualista de amor ao pr√≥ximo, gerada em Belo Horizonte em meados do s√©culo XX. Alguns livros est√£o em edi√ß√£o e ser√£o publicados em breve e, portanto, ainda n√£o se encontram dispon√≠veis. O pre√ßo de lan√ßamento √© promocional juntamente com o frete gr√°tis por tempo limitado.

Eu gostaria de reiterar que quem escreveu isso tudo aí em itálico foi o próprio autor, através de seu email pessoal.

Lembram das profundas an√°lises dos evangelho pelo autor? E lembram do 2 Cr√īnicas, cap√≠tulo 33 l√° em cima? A p√°gina p√ļblica do perfil do Facebook do autor mostra que, entre seus favoritos, est√° o Pai Toninho de Xango.

———

Pensamento fant√°stico, del√≠rios m√≠sticos, disson√Ęncia cognitiva, dificuldade de autoan√°lise, nega√ß√£o do √≥bvio, teorias conspirat√≥rias. Pseudoci√™ncias v√™m em v√°rias embalagens diferentes. E boa parte delas custa dinheiro.

Boa noite.

Categorias