Ilusão idiótica

Sempre que eu olho a imagem a seguir, passo vários minutos tentando entender o que está acontecendo com a barra e porquê os pesos estão nos lugares errados.

Aí desisto, vou fazer outras coisas e, quando volto, vejo imediatamente.

Por favor, descreva nos comentários o que você está vendo. Pode ser um exercício interessante.

Se você não viu nada demais, comente mesmo assim. Talvez seja só eu que não enxergo que preste.

Douglas Adams: frases aleatórias

“N√≥s n√£o somos uma esp√©cie em extin√ß√£o, ainda. Mas n√£o √© por falta de tentativa.”

D.N.A

Podcast Dispens√°veis

Rapidamente porque eu tenho muita coisa na minha mesa que precisa ser digitada daqui para mais tarde.

Semana passada eu participei da gravação do sexto episódio do podcast Dispensáveis, falando sobre viagem no tempo.

E este j√° est√° no ar.

O que precipitou minha interven√ß√£o foi, muito provavelmente, meu ensaio especulativo sobre viajantes temporais, escrito numa √©poca em que eu era ing√™nuo e n√£o revisava concord√Ęncia e/ou pontua√ß√£o (s√©rio, o texto tem uns dez anos j√°, escrito quando nem blogue existia ainda. Sejam gentis).

Para sua comodidade, aqui está o link direto para a página onde o episódio pode ser ouvido direto em seu navegador ou baixado como mp3 para o seu máximo prazer.

Sempre lembrando, nós do ScienceBlogs Brasil também temos um podcast, o Dispersando.

Lembrando sempre mais uma vez ainda, ele est√° parado por falta de fundos.

Nota mental para mim mesmo: preciso de calças novas.

Homeopatia é feita de nada e NÃO funciona contra dengue

Em Natal, a prefeita Micarla de Sousa (eleita pelo PV) sancionou a Lei n¬ļ 6.252, de 25 de maio de 2011 (link em PDF) que diz:

A PREFEITA DO MUNIC√ćPIO DE NATAL,

Fa√ßo saber que a C√Ęmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1¬ļ – Autoriza o Poder Executivo a realizar estudos e pesquisas no sentido de adotar medica√ß√£o homeop√°tica, no combate e preven√ß√£o de dengue em Natal.

I – A medica√ß√£o a que se refere o artigo 1¬ļ poder√° ser ministrada nos bairros que apresentem os maiores √≠ndices de infesta√ß√£o da doen√ßa ou nas √°reas onde a equipe t√©cnica da Secretaria Municipal de Sa√ļde definir como priorit√°rias ou de risco iminente para prolifera√ß√£o de casos;

II – A aplica√ß√£o do medicamento ser√° executada pelas unidades de sa√ļde, na dosagem prescrita por profissional competente;

III – A Secretaria de Sa√ļde do Munic√≠pio de Natal, atrav√©s de uma equipe multidisciplinar, far√° o acompanhamento e monitoramento, com as notifica√ß√Ķes necess√°rias, dos usu√°rios atendidos pela medica√ß√£o a que se refere o artigo 1¬™ desta Lei.

Art. 2¬ļ – Esta Lei entra em vigor na data de sua publica√ß√£o, revogadas as disposi√ß√Ķes em contr√°rio.

Um grande problema n√£o √© o texto acima, mas a maneira como a coisa foi levada √† frente. Esses “estudos e pesquisas” n√£o ocorreram. Especialista n√£o foram consultados e, especialmente, o Conselho Regional de Medicina n√£o foi ouvido.

Entrando em vigor, essa lei certamente beneficiaria, e muito, algumas pessoas, tendo em vista que homeopatia é feita de nada.

O pior, no entanto, √© o fato de existirem pessoas em cargos altos (como prefeita e vereadores) que n√£o s√≥ acreditam nessa macumba disfar√ßada de medicina que √© a homeopatia como n√£o t√™m o m√≠nimo interesse na sa√ļde da popula√ß√£o (se tivessem, teriam consultado infectologistas ou teriam procurado o CRM, o que n√£o ocorreu).

Jeancarlo Cavalcante, presidente do Conselho, falando ao jornal Tribuna do Norte disse que, tanto a san√ß√£o quanto a aplica√ß√£o dessa lei s√£o “uma temeridade”. Mas ele disse isso porque √© o presidente.

Como eu não devo contas políticas a ninguém, posso dizer com mais letras: dar homeopatia a pessoas doentes ou tentar usar homeopatia para prevenir doenças potencialmente fatais é uma irresponsabilidade e demonstra, mais uma vez, o descaso do poder administrativo da minha cidade para com a população, cujo interesse deveria ser prioridade.

Por mais que esse “passe de m√°gica” (como disse ao mesmo jornal o presidente da Sociedade Riograndense do Norte de Infectologia, H√™nio Lacerda) estivesse sendo aceito por ingenuidade de Micarla de Sousa, seria dever da primeira servidora p√ļblica da cidade procurar pessoas que, ao contr√°rio dela, realmente soubessem do que se trata medicina, doen√ßas, tratamento, etc. Confiar na pr√≥pria suposta intelig√™ncia √©, demonstrativamente, um erro para pessoas assim, em cargos t√£o importantes.

Em entrevista ao Novo Jornal, Munir Massud, Professor da UFRN e especialista em Bio√©tica M√©dica, aponta que homeopatia “n√£o serve para nada. Na Medicina, o que n√£o √© cient√≠fico n√£o √© √©tico”. E, para o Conselho Nacional de Sa√ļde, antes de ser usado em humanos, um medicamento precisa ser fundamentado com experimenta√ß√Ķes pr√©vias, cientificamente. Coisa que a homeopatia falhou em fazer 100% das vezes que tentou.

Em vista disso, a Secretaria Municipal de Sa√ļde informou ao Novo Jornal que: “em raz√£o da pol√™mica levantada pela lei, ir√° solicitar um parecer t√©cnico √† Sociedade Riograndense do Norte de Infectologia”.

Sim, voc√™s j√° devem ter notado. A Secretaria de Sa√ļde s√≥ ir√° se informar a respeito com especialistas no assunto porque o CRM e a pr√≥pria Sociedade de Infectologia foram atr√°s.

Então, ao invés de combater o mosquito (não há uma propaganda de prevenção, um só folheto pregado em poste, nada), a prefeita achou por bem beneficiar financeiramente os feiticeiros medievais que venderiam água a preço de remédio. Porque, já que a população não gosta dela, porque ela haveria de gostar da população, não é?
J√° que ela nem se trata aqui, por que ent√£o cuidar do sistema de sa√ļde do munic√≠pio?

Recapitulando: mat√©rias circularam pela Tribuna, Novo Jornal (j√° citados), Di√°rio de Natal e nominuto.com ap√≥s uma coletiva de imprensa organizada pelo Conselho Regional de Medicina e pela Sociedade Riograndense do Norte de Infectologia, pois nenhum dos dois √≥rg√£os foram consultados antes da prefeita passar uma lei dando √°gua e a√ß√ļcar para a popula√ß√£o como forma de combater a dengue.

Mas eu vou esperar até Micarla divulgar o resultados dos estudos e testes que realizou, segundo prevê a lei que ela promulgou semana passada.

Enquanto isso, pessoas de fora, estejam avisadas: não venham a Natal em hipótese alguma. Gastem seu dinheiro turistando na Paraíba ou no Ceará. Aqui vocês podem morrer de Dengue a qualquer minuto.

Não há mais salvação para nós, natalenses, mas estamos resignados quanto à falta de estrutura da prefeitura para combater um mosquito.

Como consola√ß√£o, fiquem com Amanda Gurgel, uma das poucas coisas boas que aconteceram na minha cidade nos √ļltimos anos.

E que venha a Copa!

Categorias