Eyjafjallajökull, relaxe. (5, eu acho)

Já sabem né?

Continue lendo…

Ainda tenso, Eyjafjallajökull? Episódio 4

Bl√° bl√° bl√° bl√° bl√° bl√° bl√°.

Bl√° bl√° read on bl√° demora bl√°.

Continue lendo…

Por que tão tenso, Eyjafjallajökull? Episódio 3

Comecei segunda-feira, continuei ontem e j√° tem um novo hoje!

Uau, mais regular que bastidores de propaganda de iogurte.

Cliquem em “read on” para ver a foto.

Continue lendo…

Por que tão tenso, Eyjafjallajökull? Episódio 2

Como eu disse ontem, estou explicando “pareidolia” usando o M√©todo Tenso.

Cliquem em “read on” para acompanhar a saga.

Novamente, a imagem pode demorar um pouco, mas acaba abrindo eventualmente.

Continue lendo…

Por que tão tenso, Eyjafjallajökull?

Vou comemorar a explos√£o do vulc√£o com o nome mais dif√≠cil de pronunciar de todos os tempos com uma s√©rie di√°ria que explica, sem palavras, o significa de “pareidolia

Farei isso usando um processo conhecido pelos jovens de hoje em dia como “tenso”.

Clique neste link para tentar entender do que se trata, porque é muito constrangedor tentar explicar.

Vou usar sempre a mesma foto (retirada da p√°gina do Telegraph):
vulc√£o isl√Ęndia Eyjafjallajokull.jpg

E, para n√£o destruir a navegabilidade da p√°gina inicial, as fotos estar√£o sempre depois do pulo, onde voc√™s chegam clicando aqui embaixo onde est√° escrito “read on” (se n√£o aparecer √© porque voc√™ n√£o est√° vendo a p√°gina inicial e a imagem j√° est√° carregada).

Continue lendo…

Ouça o nosso podcast direto da página (gambiarra em fase de testes)

O que se segue é um teste.

Um tocador incrustado direto na p√°gina para aqueles que querem realmente passar quarenta e tantos minutos perto do computador.

√Č uma gambiarra.

Me digam se funciona.

Dispersando Рo primeiro podcast do mundo sobre Ciência produzido pelo ScienceBlogs Brasil e editado por mim

Vou tentar ser sucinto porque tem muito trabalho acumulado na minha mesa, mas, sinceramente, acho difícil.

Seguinte, duas semanas atrás eu, Fafá e Fernanda gravamos um podcast que, por vários motivos alheio à minha vontade, só está sendo publicado hoje.

Os assuntos tratados são atemporais (como o deserto do Atacama), portanto uma semana a mais não faz tanta diferença, mas a nossa ideia é lançar um quinzenalmente ou até semanalmente, dependendo dos nosso compromissos.

Pois bem, aqui está o link para vocês, caros leitores, tornarem-se também caros ouvintes: Podcast Dispersando vol. 1

Sugiro clicar com o bot√£o secund√°rio (geralmente o direito, para aproximadamente 75% da pessoas) e escolher a varia√ß√£o adequada de “salvar arquivo”, pois seu navegador pode querer tocar a MP3 direto.

O que pode ser a escolha de alguns, mas s√£o quarenta e oito minutos que voc√™s precisariam ficar perto do computador sem us√°-lo, para poder prestar a devida aten√ß√£o √†s fabulosas discuss√Ķes que seguem.

D√ļvidas, coment√°rios, sugest√Ķes, reclama√ß√Ķes e cr√≠ticas devem ser encaminhadas para o email divulgado no final do programa.

Obrigado.

Mais dicas!

Eu sei que muitos de vocês estão em vias de morar só e sei por experiência minha que isso é um negócio que pode se tornar difícil, por isso criei, da bondade do meu coração (e do fosso sem fundo do meu ego), um blogue para aliviar a transição de alguns e melhorar a condição de outros.

Muitos já sabem, mas muitos outros ainda talvez estejam por fora da novidade, portanto apresento aqui alguns textos publicados recentemente no Dicas caseiras para quem mora só:

Algumas dicas de materiais especialmente √ļteis em economizar dinheiro – Ferramentas

Um truque excelente para manter sua cama mais limpa por mais tempo (funciona também com travesseiros!) РMantenha sua cama sempre limpa

Lembra aquela vez em que você perdeu a chave? O que fazer para evitar que isso aconteça novamente РCópia da chave

Visitem. √Č de gra√ßa!

E praticamente semanal!

Rapidinha РFundação Cacique Cobra Coral: assassinos ou mentirosos?

Segundo o notici√°rio da Globo News, o n√ļmero de mortes causadas diretamente pela a√ß√£o da chuva dos √ļltimos dias (afogamentos, soterramentos, etc) j√° chegou em cento e cinquenta e quatro e pode chegar a duzentos.

Se os benzedores e pais-de-santo da Fundação Cacique Cobra Coral tinham o poder de impedir essa chuva e não o fizeram, eles são culpados dessas mortes por omissão.

Se eles não têm esse poder, são mentirosos.

E aí, qual dos dois vai ser?

E dizer “mas impedimos um n√ļmero maior de mortos” √©, al√©m de desonestidade intelectual, zero ajuda para as centenas de pessoas afetadas n√£o s√≥ pelas mortes como tamb√©m pelas perdas materiais.

FCCC, vocês são uma vergonha para qualquer um que se denomine Espírita ou similar.

Trolololo, o enigma

Felipe acertou em cheio na mosca.

Acho que minha “obsess√£o” com o n√ļmero 42 est√° deixando os enigmas t√£o f√°ceis que poucas pessoas est√£o se dando ao trabalho de comentar.

Que tal então um enigma não-numérico?

Deve ser interessante. Vamos l√°:
(Eu escrevi uma est√≥ria t√£o comprida envolvendo super-her√≥is e supervil√Ķes como introdu√ß√£o para o enigma que acho que vou public√°-la separadamente, sen√£o voc√™s cansariam de ler e n√£o teriam mais for√ßas para pensar na solu√ß√£o. Vou tentar uma introdu√ß√£o mais simples.)

Devido a circunst√Ęncias que pareciam l√≥gicas na hora mas nem tanto depois que a ressaca passou, um sujeito resolveu trancafiar oito pessoas em oito celas separadas e sem comunica√ß√£o inter-, extra- ou intracelas.

Bastante arrependido mas sem querer parecer um idiota por ter feito isso sem motivo aparente, o captor re√ļne os oito capturados em uma sala comum (absolutamente vazia a n√£o ser por duas caixas de sapato, uma azul e outra amarela) e lhes diz, por meio de um interfone (por medo de n√£o conseguir impedir o octeto de surr√°-lo ali mesmo), que os libertar√° (transportado-os desacordados depois de devidamente drogados at√© uma √°rea remota e sem liga√ß√£o com o cativeiro) caso eles achem a resposta correta para o problema que segue os seguintes crit√©rios:

1 – O pseudossequestrador vai deixar cada pessoa entrar sozinha na sala comum e, enquanto l√° dentro, ela deve necessariamente tampar ou destampar uma, e apenas uma, das caixas;

2 – Nenhum dos raptados poder√° retirar ou adicionar objetos √† sala comum. Tamb√©m n√£o ser√° permitido escrever (a la Marqu√™s de Sade, pois n√£o h√° l√°pis por perto) nem deixar “pistas olfativas” (n√£o sei como ele vai controlar esse aspecto, mas ele deve ter um ventilador por perto). Apenas seguir as orienta√ß√Ķes da condi√ß√£o 1;

3 – Ele vai liberar o acesso a uma pessoa por vez que, depois das condi√ß√Ķes 1 e 2 satisfeitas, deve voltar √† sua cela espec√≠fica que ser√° trancada, bloqueando qualquer possibilidade de comunica√ß√£o com os outros “participantes”;

4 – N√£o h√° regularidade no tempo de entrada nem ordem na escolha do participante (ou seja, o prisioneiro 8 poder√° ser chamado √† sala comum vinte vezes seguidas em quatro minutos ou ser chamado apenas uma vez, depois de cinco horas), mas em um instante indeterminado, todos ter√£o participado do “joguinho”, de acordo com as condi√ß√Ķes 1, 2 e 3, pelo menos uma vez.

Em algum momento após a observação do critério 4, um deles deve anunciar que todos os oito já estiveram na sala comum (sem contar a reunião, seus espertinhos).

Caso acerte, ser√£o todos libertados. Caso erre, o pr√≥ximo enigma envolver√° apenas as sete pessoas restantes…

Os aprisionados, enquanto ainda reunidos, t√™m dez minutos para bolar um plano antes de serem mandados de volta √†s suas celas para que o “jogo” comece.

Qual estratégia eles devem adotar?

Categorias