De onde vem a energia que você consumiu na Campus Party?

√Č campuseiro… a energia que voc√™ usou n√£o √© limpa. N√£o veio do sistema de hidrel√©tricas que alimenta a cidade de S√£o Paulo. Tampouco veio da tem√≠vel termel√©trica de Piratininga, ao menos. A energia que supre as demandas da bienal vem de geradores, movidos a Diesel. Para a Campus Party foram 24. Fora todo o sistema de ar-condionado. N√£o consegui obter dados da quantidade de litros de diesel usado. Mas se eu tivesse que “chutar”, diria, que pra alimentar tudo MENOS o ar condicionado, deve ter dado pelo menos uns 100 litros por dia por gerador, pelo menos. Segundo dados oficiais, consumimos por aqui 750.000 Watts de energia.
Triste? Sim. Ainda mais sabendo do teto plano que o prédio da Bienal tem potencial para abrigar muitos painéis solares. Mais triste ainda é que esta condição deve se repetir para outros eventos, como o SP Fashion Week e todos os mega-eventos que acontecem aqui.
Onde estão os administradores do parque? Será que não é hora de um projeto que garanta a energia para o prédio da Bienal de maneira limpa? Isso não é tarefa da prefeitura de São Paulo?
Vereadores, Prefeito! O Campus Party acabou, outros eventos vir√£o. Seria uma √≥tima maneira de embelezar mais a cidade, diminuir as emiss√Ķes de gases do efeito estufa e valorizar o Parque do Ibirapuera! Espero que pol√≠ticas p√ļblicas de qualidade venham ter vez aqui no pr√©dio da Bienal!

Rastro de Carbono na Folha Online

Rastro de Carbono na Folha Online, link aqui

Paula Signorini (S√£o Paulo/SP) – Blog: Rastrodecarbono
O melhor
O melhor da Campus Party é a oportunidade de conhecer pessoas novas em diversas áreas, estabelecer contatos, fazer parcerias, colaborar, mostrar seu trabalho. A Campus Party é um evento um pouco independente da organização e por isso fatos como o caos durante o cadastramento, na segunda-feira, já foram esquecidos e nem são mais comentados.
O pior
Sem d√ļvida, o pior da Campus Party √© o fracasso nas quest√Ķes ligadas ao meio ambiente. Um evento deste porte deve servir de exemplo para outros eventos menores em rela√ß√£o √† gest√£o do lixo, ao consumo consciente de energia el√©trica e √°gua. Nota zero para a sustentabilidade do evento.

Cuide de sua sa√ļde no Campus Party

O pessoal que está de plantão no posto médico do Campus Party avisa: as maiores ocorrências de entrada registradas são hipotensão e cefaléia
Estes sintomas aparecem principalmente devido a desidratação e hipoglicemia
Portanto, campuseiros queridos, a maratona foi grande, a festa est√° acabando, os √ļltimos contatos est√£o sendo feitos mas N√ÉO DEIXE DE BEBER √ĀGUA, IR AO BANHEIRO E COMER. Nossa cabe√ßa est√° t√£o concentrada no computador e no networking que deixamos de fazer estas coisas que parecem t√£o √≥bvias. Cuide-se!

Nana faz sucesso no Campus Party

Nana Hayne faz um trabalho belíssimo que quero divulgar aqui no blog. Ela faz peças de bijuterias com materias dispensados pela maioria dos técnicos de informática. Lixo tecnológico! Lixo nada. Veja as lindas peças produzidas pela Nana no blog da própria designer e entre em contato para as compras!
Assim vale a pena estar na moda!
Blog Vem do Lixo Рdivulgue esta idéia. Assim que eu recuperar a minha máquina, posto os updates com as fotos que tirei das peças da Nana produzidas especialmente para o Campus Party!
UPDATE: Agora com fotos!

Um post incoveniente

Aqui quem escreve é o Carlos, marido da Paula, ela me pediu para adicionar a ferramenta que permite vocês receberem os posts do Rastro de Carbono por email (está aí na barra lateral).
Vou aproveitar e colar uma parte de um post que rolou no Radar Cultura:

A bi√≥loga e dona do blog Rastro de Carbono (um dos melhores sobre a quest√£o), Paula Signorini, ressalta que √© importante lembrar que h√° dois blocos do Campus Verde, o de conte√ļdo e a o de infra-estrutura. Para ela, o primeiro est√° muito bem representado e estruturado, com boas palestras acontecendo. ‚ÄúA √ļnica ressalva √© que as palestras est√£o espalhadas nas diversas √°reas, o que acaba diluindo um pouco a quest√£o. Seria importante ter uma √°rea f√≠sica espec√≠fica para os debates do tema.‚ÄĚ Na quarta-feira, os campuseiros verdes ‚Äútomaram‚ÄĚ uma √°rea ao lado do estande de massagens no primeiro andar.¬†

Não precisa falar que estou todo orgulhosos, não é?

Sustentabilidade como se deve na Campus Party

Pena, leitores, que não foi uma melhoria na estrutura da Campus Party. Mas foi uma palestra pra lá de sensacional, da Maluh Barciotte, que fez até um blog pra vir pra cá. (espero que ela continue com as postagens pós-CP).
O trip√© da sustentabilidade √© Ambiental, Social e Financeiro. E qualquer projeto sustent√°vel deve levar em considera√ß√£o as tr√™s coisas. Como disse a Maluh, √© rid√≠culo colocar lixeiras para recicl√°veis quando n√£o se d√° infra-estrutura pra uma cooperativa vir trabalhar e ganhar seu dinheiro com o projeto. √Č mais est√ļpido ainda n√£o informar os usu√°rios do espa√ßo sobre o processo de coleta. √Č necess√°rio conscientiza√ß√£o em todos os n√≠veis, e o CP n√£o poderia ser diferente. “O foco deve ser na pessoa. N√£o adianta s√≥ colocar lixeira”, completa.
Um dos pontos levantados pela Maluh √© que o enfoque da produ√ß√£o do lixo deve ser modificado. O lixo, segundo ela, √© um problema de produ√ß√£o industrial. Antes de reciclar √© necess√°rio reduzir, fazer com que o produto tenha mais valor que a embalagem. “Fazemos mais lixo do que poesia”, finaliza Maluh.

Dados embasbacantes:
Em 2004, a cidade de S√£o Paulo destinou 500 milh√Ķes de reais para coleta de lixo e manuten√ß√£o dos lix√Ķes. Isso √© 2/3 do valor empreendido nas escolas, 6 vezes mais do que recebeu a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente e 3 vezes mais o recebido pela Secretaria, o que demonstra a import√Ęncia de uma gest√£o consciente do lixo.

Opini√£o do leitor

Por Felipe Barbirato
Vi no seu blog agora ha pouco que o assunto esteve em discussao em seus ultimos posts.
Alias, excelente cobertura do Campus Party.
Só gostaria de fazer um comentário: a questão da neutralização hj em dia é muito mais marketing do qualquer outra coisa.
A SOS Mata Atlantica, que √© “referencia” no mercado (para os desinformados) , s√≥ nao foi pro buraco ainda por conta dos recursos do banco Bradesco por tras da fundacao.
O plano deles para plantio e monitoramento é altamente questionável também ,até porque inexistem.
Se você receber alguma prova (fotos, referencia,etc) de areas que foram plantadas com os recursos obtidos me avise, pois estou pra ver isso até hoje. Eles começam a ser fortemente criticados por quem trabalha no meio, por essa falta de organização e comprometimento.
Fechar contratos e vender √°rvores √© f√°cil, quero ver cumprir e plantar as √°rvores. Monitorar, etc…
Enfim, vc é super engajada no tema, achei por bem te falar isso, a titulo de informação. Nem sempre as coisas são o que parecem. Na maioria das vezes, eu diria.
Gostei da reutilização do lixo eletronico! hehehe, massa!
___________________________________________________________________
Todas as opini√Ķes, coment√°rios, cr√≠ticas e questionamento dos leitores, publicados neste blog n√£o necessariamente condizem com as minhas opini√Ķes. O Rastro de Carbono n√£o se responsabiliza pelo conte√ļdo produzido por seus leitores.

Oficina de MetaReciclagem do Acessa SP no Campus Party

O Acessa SP est√° oferecendo uma oficina muito bacana na √°rea Campus Futuro, na Campus Party. Trata-se da MetaReciclagem, processo que usa materiais de computadores obsoletos ou quebrados para montagem de novos computadores ou de rob√īs, como no caso da oficina que est√° sendo oferecida por aqui.
A oficina faz sucesso entre todas as idades e g√™neros. √Č bem bacana saber que com chave de fim de curso, pilha, CD e um motorzinho de 1,5V, usados em toca fitas √© poss√≠vel fazer um rob√ī-inseto, como √© chamado entre os oficineiros.
Com isso o Acessa S√£o Paulo divulga o MetaProjeto, que oferece um espa√ßo para o p√ļblico aprender sobre manuten√ß√£o e montagem de computadores, num ambiente de muita experimenta√ß√£o. A oficina √© permanente e um modo interesssant√≠ssimo de inclus√£o digital a partir de computadores doados e m√°quidas recicladas. Mais uma dica para quem n√£o sabe o que fazer com o lixo tecnol√≥gico que tem em casa.
Leia mais sobre o projeto social envolvido nas oficinas de MetaReciclagem:

Ganhei um texto só pra mim!!!!

Mando o link do texto que ganhei do meu marido “invejoso”.
Confiss√Ķes de um marido trocado pelo Campus Party 2008

Como fazer um trabalho sério com lixo reciclável

Para n√£o parecer que fazer coleta seletiva √© s√≥ distribuir um monte de lixeiras coloridas por a√≠ e tamb√©m para mostrar que √© poss√≠vel fazer um trabalho legal, “linko” o excelente texto e v√≠deo do Viajante Consciente em “Onde est√° o Campus Verde da Campus Party?