Alguém me explica que Merd, ops, Nerdologia foi esse?

Como venho me dedicando aos livros em detrimento aos podcasts, venho marcando a passagem das semanas pelas quintas-feiras. Mais especificamente pelo excelente Nerdologia, escrito e apresentado por Atila Iamarino (sim, aquele do Rainha Vermelha).

O videocast √© patrocinado, via de regra, pela Nerdstore (autoexplicativo) e, vez por outra, por alguma outra empresa fora do conglomerado Jovem Nerd (do qual o Nerdologia faz parte), mas nunca deixando de ser algo relacionado ao mundo neo-nerd, como videogames, computadores, esportes de a√ß√£o (hein?). Exceto este √ļltimo.

O episódio mais recente me pegou de surpresa. E me pegou num lugar inesperado. E privado.

Logo no comecinho, na primeira aparição do patrocinador, surge a imagem abaixo:

Desconhecida por mim mas totalmente cromulente e inocente.

Desconhecida por mim mas totalmente cromulente e inocente.

Como a imagem aparece por menos de dois segundos na tela, li “hearing guardian” e achei que fosse algum tipo de protetor auricular. Sabe? Daquele que guard sua hearing? Pois. N√£o √©.

No final, meio distra√≠do (porque quando estou prestando aten√ß√£o eu fecho o v√≠deo antes da propaganda come√ßar), escuto uma voz diferente exclamando(sic): “Agora que voc√™ j√° sabe para que servem as suas c√©lulas ciliadas, voc√™ pode exercitar as suas com o Hearing Guardian V1 da Biosom.”

Depois de recolher meu diploma do ch√£o e recoloc√°-lo na parede, voltei para ouvir o resto. A propaganda alega que o produto Hearing Guardian V1 da empresa Biosom (sic) “√© um software que ativa e movimenta as suas c√©lulas ciliadas uma a uma, como se fosse um afinador de piano, deixando elas mais resistentes ao longo de sua vida”.

Eu at√© poderia discorrer sobre as propriedades fisiol√≥gicas dos estereoc√≠lios (o nome pr√≥prio das c√©lulas que o software promete re-energizar reativar ressuscitar rejuvenescer exercitar) e fazer compara√ß√Ķes do tipo “alegar que um programa pode exercitar as c√©lulas do seu ouvido com est√≠mulos sonoros √© como tentar vender um massageador de per√≠neo que promete deixar seus espermatoz√≥ides mais bronzeados, j√° que ambos prometem dar novas propriedades √†s celulas” ou ainda que dizer que isso vai deixar os estereoc√≠lios “mais resistentes ao longo da sua vida” √© semelhante a propor que a pedra s√≥ √© dura porque precisou aguentar, por anos a fio, as pancadas da √°gua (que √© mole pelo mesmo motivo, s√≥ que ao contr√°rio).

Todavia, como sou formado apenas em engenharia de √°udio, vou me ater aqui ao que vem escrito na fonte.

E sabe o que mais movimenta suas células ciliadas uma a uma? Barulho. Qualquer barulho. E isso para não falar nada sobre o fato de que elas não ficam isoladas, mas sim em feixes de várias ao mesmo tempo.

Um a um? Acho que Senhor Miyagi discordaria...

Um a um? Acho que Senhor Miyagi discordaria…

O locutor da propaganda diz, em seguida, que o software foi desenvolvido na Cor√©ia do Sul e teve sua efic√°cia comprovada pelo Instituto Earlogic de Pesquisa da Cor√©ia. Bom, a partir dessa informa√ß√£o impressionante de comprova√ß√£o de efic√°cia, j√° posso passar para o site da empresa Biosom. L√°, me deparo com a temida se√ß√£o “depoimentos” que todo pseudocientista adora, j√° que experi√™ncia pessoal √© sempre mais importante que qualquer estudo bem feito com milhares de pessoas (agora, adivinha o que nunca tem nessas p√°ginas? Um formul√°rio de “escreva aqui o seu depoimento” ou algo semelhante). S√£o oitenta depoimentos dos quais cinquenta e um (63,75%) agradecem √† marca por uma melhora significativa do zumbido ou tinnitus. Mas isso s√≥ fica importante mais para a frente.

Em seguida, encontro a subse√ß√£o “estudo“, onde se l√™:

V√°rios estudos t√™m relatado que o condicionamento de som (ou seja, exposi√ß√£o pr√©via a sons de baixo n√≠vel) poderia proteger contra danos na capacidade auditiva causados por ru√≠do traum√°tico em um n√ļmero de esp√©cies de mam√≠feros, incluindo humanos.

Palavra-chave ali √© “proteger”, correto? Como em portugu√™s essa frase s√≥ existe nessa p√°gina e noutras apontando para ela (e n√£o sei do que se trata coreano), catei em ingl√™s at√© achar isto aqui:

“In addition to delaying progressive hearing loss, acoustic stimuli could also protect hearing ability against damage by traumatic noise. In particular, a method called forward sound conditioning (i.e., prior exposure to moderate levels of sound) has been shown to reduce noise-induced hearing impairment in a number of mammalian species, including humans.”

Isso eu achei no ClinicalTrials.gov, uma base de dados de estudos cl√≠nicos em humanos do Instituto Nacional de Sa√ļde americano. Esse estudo deveria comparar a diferen√ßa de percep√ß√£o entre tons puros, antes e depois da estimula√ß√£o sonora. Pena que, mesmo tendo sido completado dois anos atr√°s, ele nunca apresentou os resultados.

Um dos links na se√ß√£o “Outros estudos sobre a tecnologia” √© este, igualmente sem resultados publicados.

Ambos, prepare-se para a surpresa, patrocinados pela Earlogic Korea, Inc., tendo como investigadores principais Eunyee Kwak, Ph.D. e Earlogic Auditory Research Institute, empresa que o locutor diz ter comprovado a efic√°cia do software. Volto j√° para a Earlogic, calma.

Procurando mais especificamente pelo resultado do ^estudo^ (aspas ir√īnicas) na p√°gina da Biosom vejo que na Internet inteira (ou na parte alcan√ßada pelo Google, pelo menos), n√£o h√° uma s√≥ men√ß√£o (fora, claro, o site da marca) que relacionasse “13,51 dB” com “P= 0.00049” a um estudo sobre audi√ß√£o. Ou sequer a qualquer outra coisa sen√£o o pr√≥prio texto.

Me interessando bastante o “v√°rios” em “v√°rios estudos t√™m relatado que o condicionamento de som poderia proteger contra danos na capacidade auditiva causados por ru√≠do traum√°tico”, fui atr√°s. Achei um bem interessante, este sim publicado (no Journal of Neurophysiology da American Physiological Society).

O teste mostrou que o condicionamento sonoro (em ratos, seis horas di√°rias) realmente melhora a resposta coclear. Exceto na faixa testada acima de 12kHz. Que √© o que acontece com a idade, quando os agudos come√ßam a morrer. Como se ela tivesse sido exposta a sons, como quem passou anos ouvindo (como os ratos que passaram seis horas di√°rias e consecutivas durante dez dias ouvindo o equivalente ao som de um liquidificador de 600W triturando cem gramas de gelo a uma dist√Ęncia de noventa e cinco cent√≠metros, mais ou menos [1]).

O estudo acima diz que √© poss√≠vel melhorar (simplificando, porque a explica√ß√£o toda envolve termos como “permanent threshold shift” e “high pass filter” que eu aprendi quando fui alfabetizado em ingl√™s e estou com s√©ria indisposi√ß√£o agora) a efici√™ncia coclear. Sabe o que o estudo n√£o diz? Ali√°s, sequer cita? Que essa macumba sonora cura tinnitus ou zumbido ou perda de audi√ß√£o. Que √© no que os depoimentos do site se concentram.

Se eles dizem ter sido curados de seus zumbidos e a propaganda diz que a eficácia foi comprovada pela Earlogic, vamos agora para a Coréia do Sul (a boazinha da duas) conhecer de perto a empresa.

Procurando primeiro por Eunyee Kwak, Ph.D., vejo que ela é a diretora de pesquisa da Earlogic Corporation.

Investigadora principal da Earlogic Corporation.

Investigadora principal da Earlogic Corporation.

Na página da Biosom ela é constantemente associada a outro Kwak, Sangyeop. Este, descobri, é o fundador e presidente/CEO da Earlogic Corporation (link em PDF). Segundo seu currículo, Sangyeop não publica desde 2010.

Fu√ßando na publica√ß√Ķes curriculares, tem o promissor “Hearing Improvement with Customized Sound Stimulation“, supostamente publicado na American Academy of Audiology. O problema √© que a academia nunca ouviu falar desse trabalho.

Aliás, somente a Eartronic e sua irmã Earlogic (digo irmã porque o currículo Kwak está no fileadmin da primeira, mostrando que ele é dono da segunda) parecem saber dessa publicação.

Do tamb√©m excitante Ameliorative Effect of Customized Sound Stimulation on Sensorinerual Hearing Loss, s√≥ achei o abstract na Association for Research in Otolaryngology. As demais supostas publica√ß√Ķes do curr√≠culo s√£o mais espec√≠ficas da pr√°tica de otologia do que da de magia negr, ops, “condicionamento sonoro antecipado”.

Aprofundando-me mais ainda naquele(a) obscuro(a) fosso(a) de desinforma√ß√£o que √© o site da Biosom, encontro a se√ß√£o “curiosidades“, onde acho o trecho a seguir:

“O software foi baseado no nosso equipamento que se chama REVE 134 (…)”

O que é esse REVE 134? O produto vendido pela Earlogic, criado por Kwak.

Ali√°s, as passagens ‚ÄúUm aparelho auditivo auxilia os deficientes auditivos amplificando os sons externos. Ele n√£o tem a fun√ß√£o de uma terapia fundamental para perda auditiva‚ÄĚ da Biosom e ‚ÄúAccording to the current hearing loss management, hearing aids is used to help hearing-impaired people hear better by amplifying external sounds.It is not a fundamental therapy for hearing loss and does not cure the damaged auditory hair cell.‚ÄĚ da Earlogic s√£o bem, digamos assim, traduzidas.

Na parte de “Perguntas frequentes -> D√ļvidas sobre os efeitos do Hearing Guardian V1 -> H√° provas da efic√°cia do software?”, podemos ler e confirmar o que o locutor da propaganda diz, que:

“(…) estudos do Instituto Earlogic de Pesquisas da Cor√©ia do Sul e do Grupo de Pesquisa Tecnol√≥gica Adaptive Neuromodulation GmbH (ANM) da Alemanha comprovaram que a utiliza√ß√£o da tecnologia adequadamente pode recuperar em at√© 10dB a audi√ß√£o perdida no prazo de duas semanas, podendo assim diminuir sintomas decorrentes da perda auditiva, como zumbido e dores de cabe√ßa.”

O produto Hearing Guardian V1, que tamb√©m responde por REVE 134, foi desenvolvido pela Earlogic, aquela l√° do Doutor Quack – ops, Kwak (hoje estou especialmente disl√©xico, que diabos!), mesma empresa (ou “Instituto”, como eles anunciam) que ^provou a efic√°cia^ do pr√≥prio produto em ^v√°rios estudos^ nunca publicados.

O m√©todo descrito no ^estudo^ do site da Biosom usa um certo tom “a um n√≠vel m√≠nimo aud√≠vel” (o que n√≥s, detentores de um diploma basicamente in√ļtil, chamamos de “limiar de audi√ß√£o”). Bem diferente do som de liquidificador do estudo realmente publicado! O ^estudo^ com 17 volunt√°rios (!) publicado no site √© uma tradu√ß√£o do “The Effect of Sound Stimulation on Pure-tone Hearing Threshold” que o ClinicalTrials.gov diz n√£o ter sido completado (√ļltima atualiza√ß√£o em 7 de setembro de 2011) enquanto a Eartronic (irm√£ da Earlogic) publica uma vers√£o atualizada dia 7 de janeiro de 2011 (PDF). Huuum…

E todos, todos os estudos, reais ou n√£o, sempre dizem que o treinamento sonoro melhora a percep√ß√£o de alguns tons ou ajuda a proteger contra les√Ķes traum√°ticas. Nenhum deles cita zumbido/tinnitus ou restaura√ß√£o de audi√ß√£o perdida. Essas alega√ß√Ķes s√≥ aparecem nas propagandas, subrepticiamente sempre conectada a “v√°rios estudos” ou “teve sua efic√°cia comprovada” usando testes que nunca disseram coisas do tipo. E isso √© propaganda enganosa, desonestidade intelectual e fal√™ncia moral.

N√£o posso dizer que me decepcionei com o Nerdologia, visto que seu conte√ļdo continua sendo muito bom, al√©m do programa ser bem produzido. O que posso afirmar √© que o locutor do an√ļncio n√£o pode dizer que o software teve sua efic√°cia comprovada. Especialmente tendo o p√ļblico-alvo que tem. Mais ainda quando um deslize desses pode sujar a reputa√ß√£o de um cientista de verdade. Mais especificamente quando se trata de um amigo meu.

Agora durma com esse barulho.

———

[1] Segundo meu decibelímetro e minha fita métrica.

Categorias