Filmes da p√°scoa: Super 8

Seguinte: eu passei a p√°scoa (o feriado, na verdade) vendo filmes c’a mulher. Alguns eu j√° conhecia por j√° t√™-los visto, outros s√≥ de fama e uns aleat√≥rios (muito, muito aleat√≥rios). Como eles variam muito em estilo e tema, resolvi espalhar tr√™s resenhas em tr√™s dos meus muitos blogs; este, um de generalidades e outro, er, digamos, para adultos. Respectivamente, os filmes resenhados s√£o o aleat√≥rio Schizopolis e a pornochanchada Giselle (para adultos ou adolescentes cuidadosos).

Pois bem, vamos lá. Falando pela segunda vez de J.J. Abrams em menos de dois meses, preciso dizer que gosto da até-agora-incompleta trilogia-não-declarada de filmes de monstro do sujeito.

Em Super 8, que é claramente uma prequência de Cloverfield (que deveria ter sido chamado Camcorder), nós seguimos as aventuras dos protagonistas pré-adolescentes durante a produção de um filme de zumbi em 1979 (inspirados pelo excelente Dawn of the Dead, de 1978) que é interrompido bruscamente quando um monstro chega à cidade. Nenhum spoiler até aqui porque a premissa do filme é essa: um monstro aparece.

Abund√Ęncia de lens flares √† parte, o filme √© realmente muito envolvente (por motivos que ficam √≥bvios na meta-an√°lise de um dos personagens) e extremamente bem feito, mamando nas tetas de Tubar√£o e Alien, o 8¬ļ Passageiro na forma como o monstro √© apresentado.

Cientificamente (que é mais ou menos do que deveria tratar este blog) a trama é, digamos assim, facilmente desconstruível. O material alienígena mostrado é meio mágico demais para ser analisado criticamente e a telepatia entre estruturas de reinos distintos não é muito confortável para um chato catador de pelo em ovo, mas quando eu vejo um filme eu dou todos os descontos que o filme precise, desde que a estória me atraia. E Super 8 me atraiu deveras.

O fim, no entanto, poderia não ter sido tão açucarado (mas, aparentemente, as plateias humanas não gostam de ver crianças morrendo).

Destaque aqui para a irmã de Dakota Fanning, Elle. Excelente e galeguíssima atriz infantil que desejo fortemente que não caia na espiral lohanica de autodestruição anorética e venha a se tornar uma adulta igualmente bela e talentosa.

E, apesar da quantidade inaceitável de crianças, a obra é realmente boa. Especialmente considerando que o contraste dos efeitos especiais foi corrigido para TV, não deixando aquele preto-casaco-de-Matrix esquisito que só fica bonito projetado numa tela cinza e não se dá bem num RGB domiciliar. Nota dez pelo cuidado.

Eu assisti tamb√©m a uns cinco filmes de Hitchcock durante o fim de semana estendido e recomendo que voc√™s vejam Festim Diab√≥lico, que revolucionou o cinema (em 1948!) com o conceito de uma s√≥ cena durante a integralidade da pel√≠cula (s√©rio!) e que resolve o problema do “quem ter√° cometido o crime?” mostrando o assassinato logo na primeira cena.

Agora, voltem lá em cima e cliquem nas outras duas resenhas e tentem adivinhar qual é mais interessante que o filme e vice versa. Dica: mandem carne.

Categorias