Resenha: Desenvolvimento sustentável: que bicho é esse?

Assim que vi a disponibilidade desse livro, pensei: preciso resenh√°-lo – os leitores do blog v√£o gostar, ainda mais o p√ļblico mais jovem, que tamb√©m √© o p√ļblico-alvo do livro. Escrevi para a Editora Autores Associados, e devorei o livro em poucas horas.
O prólogo é fantástico! Traz trechos do discurso de uma menina de 12 anos, chamada Severn Suzuki, na Eco-92.

Nesse momento pensei comigo: o livro vai arrasar! Mas, para minha surpresa, ele tomou um caminho bem inesperado, diferente das minhas expectativas. Isso definitivamente não me motivou inicialmente, mas agora, depois de alguns dias pós-leitura, estou percebendo o livro de outra maneira.
desenvolvimentosustentavel.jpgDesenvolvimento sustent√°vel: que bicho √© esse? √©, inconscientemente (ou n√£o) dividido em duas partes. A primeira, informa sobre acidentes nucleares, crescimento populacional, subdesenvolvimento, PIB versus IDH, civiliza√ß√Ķes maia e da Ilha de P√°scoa, sobre danos √† camada de oz√īnio, sobre escassez de √°gua e aquecimento global.
A segunda parte, l√° pela metade do livro, vai finalmente falar sobre desenvolvimento sustent√°vel, sobre a origem do termo, resili√™ncia, protocolo de Kyoto. Escorrega ao dar uma justificativa em com base em entropia e evolu√ß√£o darwiniana (n√£o, a extin√ß√£o da esp√©cie humana n√£o √© prevista pela termodin√Ęmica, nem por Darwin – pelo menos n√£o como diz o livro). Nas dez √ļltimas p√°ginas, indica um caminho do meio, que n√£o √© nem muito otimista, nem muito pessimista em rela√ß√£o ao desenvolvimento econ√īmico, social e ambiental (embora eu tamb√©m discorde um pouquinho sobre ser a educa√ß√£o a √ļnica salva√ß√£o para a pobreza e a exclus√£o social – mas disso eu escrevo quando estiver resenhando o livro do Yunus).
O que para mim desmotivou durante a leitura foi que o livro d√° informa√ß√Ķes e dados sobre diferentes vis√Ķes sobre o assunto, mas ele mesmo n√£o toma partido de nada, n√£o se define, n√£o defende nem ataca. Exp√Ķe a Ci√™ncia, os paradoxos existentes entre diferentes vertentes de pensamento, equilibra as informa√ß√Ķes em uma balan√ßa. E isso me incomodou porque nem sempre d√° para equilibrar as informa√ß√Ķes, porque h√° mais controv√©rsia em um lado e um pouco mais de clareza nas hip√≥teses em outro, porque os paradoxos n√£o s√£o assim t√£o mal resolvidos. H√° mais em cada ponto levantado, outras ideias, outros argumentos, outras hip√≥teses que poderiam ter sido discutidas.
Hoje, alguns dias depois da leitura, o que me fez de fato gostar do livro s√£o exatamente os pontos que me desmotivaram no primeiro momento. Por qu√™? Porque com esse tipo de abordagem fica excelente para o professor problematizar quest√Ķes, buscar o conhecimento pr√©vio dos alunos acerca do tema, motiv√°-los para o debate aberto, sem pr√©-julgamentos ou defini√ß√Ķes.
O livro, ao n√£o expor uma opini√£o, faz com que os alunos PENSEM, DISCUTAM, PROBLEMATIZEM.
Desenvolvimento sustentável: que bicho é esse? é da Editora Autores Associados e foi uma cortesia para este blog.