Borderline (vídeo)

70_teaser_borderline

As emoções são essenciais para sobrevivermos e tomarmos nossas decisões, mas elas podem nos atrapalhar quando são constantemente excessivas e instáveis, como ocorre no Transtorno de Personalidade Borderline. Assista o vídeo de hoje abaixo ou clicando aqui.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/GswP0EFF-0w”]

Referências recomendadas

A seguir, você poderá acessar links com informações gerais, estudos científicos, sites especializados e curiosidade sobre o Transtornos de Personalidade Borderline (link, link, link, linklink, link, link, linklink, link, link, linklink, link, link, link).

Será que você é bipolar? (vídeo)

56_teaser_bipolar

Hoje você está de bom ou mau humor? O humor pode mudar a partir das nossas experiências e de variações biológicas no nosso corpo, mas às vezes essas mudanças podem ser frequentemente extremas e muito prejudiciais para algumas pessoas. Falaremos hoje sobre o transtorno afetivo bipolar. Você pode ver o vídeo de hoje abaixo ou clicando aqui.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/GJRUMR__5k4″]

Referências recomendadas

Hoje temos uma lista grande de referências para quem quiser se aprofundar no assunto. Entre os links a seguir, você vai poder ler páginas de associações internacionalmente importantes quanto à saúde mental como a Associação Americana de Psicologia, artigos científicos, entrevistas de especialistas e páginas na internet especializadas no transtorno afetivo bipolar: aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

O que são emoções? (vídeo)

17_teaser emoções

O que são emoções? Para que servem as emoções? Veja hoje no Minutos Psíquicos um pouco sobre a psicologia das emoções! Veja o vídeo abaixo, (ou aqui).

[youtube_sc url=”http://youtu.be/GyFQj64amhY”]

Agradeço especialmente o Hugo Rodrigues, um aluno de doutorado especialista em emoções que escreveu comigo o roteiro do vídeo! Ainda falaremos mais sobre esse assunto, aguardem!

Referências recomendadas

Ekman, P. (2007). Emotions revealed: Recognizing faces and feelings to improve communication and emotional life. Nova York: Holt.

Esse é um livro de divulgação científica escrito por aquele que pode ser considerado um dos maiores, se não o maior, pesquisadores sobre o assunto. O psicólogo Paul Ekman foi pioneiro no estudo da expressão das emoções e hoje é uma referência mundial no assunto.

Lewis, M., Haviland-Jones, J. M., & Barrett, L. F. (2008). Handbook Of emotions. Nova York: Guilford Press.

Esse é um dos trabalhos acadêmicos mais completos sobre emoções. Trata-se de um handbook sobre emoções. Esse é um tipo de publicação no qual alguns dos principais pesquisadores de uma área (normalmente de um a quatro pesquisadores) se juntam para organizar uma compilação densa e volumosa das pesquisas mais relevantes na área, convidando os pesquisadores mais ativos e importantes de cada linha de pesquisa sobre o tema para escrever um capítulo do handbook. É uma obra, portanto, que sintetiza o conhecimento produzido sobre um assunto até aquele momento.

Schachter, S., & Singer, J. E. (1962). Cognitive, social and physiological determinantes of emotional states. Psychological Review, 69, 379-399.

Esse é o trabalho que descrevemos no vídeo sobre como as pessoas percebiam a emoção que estavam sentindo depois de tomar uma dose de adrenalina na presença de outra pessoa.

O que é a meditação?

jordand_patch-meditation

O que é a meditação?

Há poucos anos atrás, o estudo científico da meditação era praticamente inexistente. Foi isso o que afirmou Philippe Goldin, um pesquisador da Universidade de Stanford, em uma palestra que ele deu sobre esse assunto na universidade. Entretanto, nos últimos anos, esse cenário mudou drasticamente. A meditação se tornou um dos assuntos mais “quentes” (e sexy) na psicologia e na neurociência. Ela é comumente associada ao Budismo, embora diversas culturas tenham desenvolvido e praticado ela ao redor do mundo desde tempos muito remotos (segundo a Wikipédia, desde que a humanidade existe praticamente O.O).

Ao contrário do que muitos pensam, a prática meditativa em si não precisa envolver crenças religiosas ou espirituais – apesar de exótica, ela não é necessariamente mística. Também diferente do que muitos acreditam, ela não é uma única coisa, tal como é simbolizado no esteriótipo de uma pessoa sentada no chão em uma posição de lótus (como na imagem acima) que tenta esvaziar a sua mente de pensamentos ou não pensar em nada. Na verdade, existem diversas “meditações” – tipos e variações de técnicas meditativas.

Diversos estudos têm demonstrado que a prática da meditação pode trazer muitos benefícios, tais como: nível maior de emoções positivas, redução de sintomas relacionados à depressão, raiva, ruminação mental, estresse, ansiedade, alteração do padrão de atividade cerebral, de conexões neurais, aumento da empatia, de bem-estar… essa é só uma pequena lista perto dos outros benefícios que essa avalanche de estudos tem encontrado. A melhor parte de pensar na meditação como uma aplicação prática para promover bem estar e saúde mental é a sua acessibilidade – tudo o que você precisa para começar a praticá-la é de uma mente, de um pouco de informação e de vontade de praticá-la!

Continue lendo…

Uma longa experiência em meditação pode mudar suas respostas emocionais

Fonte: NERDWORKING
Autor: Felipe Novaes

O Ocidente tem se interessado pela meditação desde o tempo dos Beatles, um dos primeiros grupos de astros a se interessar pela prática e trazê-la para cá. Desde então, esse interesse vem sofrendo manutenções que aumentam ainda mais nosso fascínio por ele.

Uma renovação nesse interesse foi promovida pelo Dalai Lama, que desde sempre manifesta uma mente curiosa, amigável e aberta às investigações científicas sobre as práticas budistas. Nesse sentido, ele vem contribuindo bastante desde as suas próprias explicações em entrevistas e livros até o envio de monges para laboratórios devários países para serem estudados.

Continue lendo…

Budismo: O Uso Milenar da Neuroplasticidade

Fonte: NERDWORKING
Autor
: Felipe Novaes

Embora ciência e religião pareçam sempre estar vivendo num eterno conflito, existe outro lado dessa história, em que existe o diálogo, a curiosidade e a saudável e frutífera troca de informações. De quebra, esse lado ainda representa um importante diálogo entre Oriente e Ocidente. O Dalai Lama parece ser o catalisador desse tipo de relação, mostrando – juntamente com a ciência ocidental – que a prática budista tem mais a nos ensinar sobre a nossa própria ciência do que nós desconfiaríamos. Mesmo sem saber, o monge budista e líder político e religioso do Tibet colocou o dedo numa questão científica que muito em breve se tornaria uma revolução no nosso conhecimento sobre o cérebro: a relação entre a neuroplasticidade e o suposto poder de a mente influenciar a arquitetura cerebral.

Frequentemente, o Dalai Lama deixa seus aposentos na Índia, em Dharamsala, para ir ao encontro de cientistas políticos ao redor do mundo para conhecê-los melhor, saber mais sobre seus trabalhos. Essa ação tem destaque principalmente em relação ao seu acompanhamento da atividade de cientistas. Porser um monge budista, nós tendemos a imaginar que ele não se interessasse por ciência ou mesmo que fosse em alguma medida contra ela, já que não é raro as descobertas científicas acabarem colocando à prova a fé. Mas ele dialoga prazerosamente com todos os cientistas e tem muita curiosidade.

Continue lendo…

Inato x Aprendido (Parte 1)

Autores: André Rabelo e Felipe Novaes

Texto também publicado no Blog NERDWORKING

Desde a Grécia antiga até os dias de hoje, uma idéia tem tido grande influência na discussão acerca da natureza humana – a dicotomia entre comportamentos inatos e aprendidos ou explicações biológicas e culturais do comportamento, o que ficou conhecido com o debate nature or nurture, natureza ou criação, inato ou aprendido.

Este debate acalorado teve seu auge na metade do século passado e seu período mais crítico durou cerca de 20 anos, apesar de muitos ambientes acadêmicos ainda enfrentarem este fantasma, fruto de uma antiga disputa que misturou posições ideológicas e políticas com científicas.

De um lado, sociobiólogos e etólogos afirmavam que grande parte dos comportamentos eram inatos; do outro, pesquisadores das ciências sociais e psicólogos behavioristas defendiam que a maior parte dos comportamentos (ou todos) eram aprendidos. Continue lendo…

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM