Psicoterapia funciona? (vídeo)

165_thumb_psicoterapia_funciona

A efic√°cia da psicoterapia j√° foi investigada em v√°rias pesquisas cient√≠ficas nas √ļltimas d√©cadas e hoje vamos falar sobre algumas das principais conclus√Ķes √†s quais os cientistas chegaram. Voc√™ pode ver o v√≠deo de hoje abaixo ou clicando aqui.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/1-m8OrQu8R0″]

Referências recomendadas

Um livro que foi uma boa refer√™ncia para o nosso v√≠deo √© o Psicoterapias: Abordagens atuais do Aristides Cordioli.¬†Veja abaixo refer√™ncias relevantes e indica√ß√Ķes de leitura sobre a efic√°cia da psicoterapia: link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link, link, link, link,¬†link.

Distor√ß√Ķes cognitivas (v√≠deo)

162_thumb_distorcoes

Distor√ß√Ķes cognitivas nos atrapalham a interpretar as coisas de maneira equilibrada e racional. Os psic√≥logos j√° conhecem v√°rias das distor√ß√Ķes mais comuns e falaremos aqui um pouco delas e o que voc√™ pode fazer para lidar com elas. Voc√™ pode ver o v√≠deo de hoje abaixo ou clicando aqui.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/FfTyqG3_nrQ”]

Referências recomendadas

Nossa principal refer√™ncia para o v√≠deo de hoje √© o excelente livro de Robert Leahy chamado T√©cnicas de terapia cognitiva: Manual do terapeuta. √Č um livro publicado pela Artmed que cataloga v√°rias das t√©cnicas mais comumente usadas na psicoterapia e nele tamb√©m √© feita uma descri√ß√£o das distor√ß√Ķes cognitivas. Al√©m disso, tamb√©m usamos como base alguns dos seguintes artigos, p√°ginas de sites e posts de blogs: link, link, link, link, link, link, link, link, link, link.

Quais são as abordagens na psicoterapia? (vídeo)

116_thumb_abordagens

Os psic√≥logos usam v√°rias abordagens te√≥ricas na psicoterapia, mas voc√™ sabe quais s√£o as principais? No v√≠deo de hoje, vamos falar sobre as quatro principais abordagens na psicotrerapia: a cognitiva, a comportamental, a psicodin√Ęmica e a humanista. Voc√™ pode ver o v√≠deo de hoje abaixo ou clicando aqui.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/PbdwQMfhALA”]

Referências recomendadas

A gente descreveu as principais abordagens usadas na psicoterapia, ent√£o o material que vou incluir aqui √© geral e traz mais informa√ß√Ķes a respeito de cada abordagem. De especial import√Ęncia s√£o os links que eu vou adicionar aqui falando das diferentes vertentes na abordagem humanista, j√° que ela √© uma que varia consideravelmente mais se comparada com as outras abordagens. Divirtam-se: link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link.

Metas de ano novo (vídeo)

54_teaser_metas

Você consegue se lembrar quais foram as suas metas para 2015 e se conseguiu alcançá-las? E já pensou em quais serão as suas metas a serem alcançadas em 2016? No vídeo de hoje, daremos algumas dicas sobre como você pode ter chances bem maiores de realmente alcançar as suas metas desejadas! Veja o vídeo abaixo ou clicando aqui.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/0KGKlLS6uBA”]

Referências recomendadas

Quem quiser entender um pouco mais sobre o assunto que abordamos e ter maiores orienta√ß√Ķes sobre como atingir metas, eu recomendo o mesmo livro que j√° recomendei v√°rias vezes aqui no blog que se chama A mente vencendo o humor. Ele √© voltado para pessoas que n√£o conhecem muito de psicologia e traz √≥timas explica√ß√Ķes e exerc√≠cios que podem ser muito √ļteis.

Beck, J. S. (2013). Terapia cognitivo-comportamental: Teoria e prática. Porto Alegre: Artmed.

O manual de Judith Beck é uma das principais referências no mundo e no Brasil para psicólogos sobre a terapia cognitivo-comportamental (TCC). Foi principalmente tendo como base esse manual que elaboramos o vídeo de hoje e nós recomendamos aos psicólogos adquirir ele para conhecer mais sobre a TCC.

 

Divulgando o III Congresso Brasileiro de Terapia Cognitiva da Inf√Ęncia e Adolesc√™ncia

Concriad_2

Se preparem para o 3¬ļ Congresso Brasileiro de Terapia Cognitiva da Inf√Ęncia e Adolesc√™ncia, mais conhecido como Concriad! Ele vai acontecer durante os dias 6, 7 e 8 de novembro de 2014 no Hotel Pestana em Curitiba ‚Äď PR. Vale a pena ler o que o presidente do congresso tem a dizer sobre a import√Ęncia do evento:

Surgido de uma constata√ß√£o de que os terapeutas cognitivos que trabalham com crian√ßas e adolescentes n√£o possu√≠am um f√≥rum espec√≠fico para debate, ensino e pesquisa, lan√ßamos este desafio. Segundo nossas consultas √† √©poca da primeira edi√ß√£o, essa condi√ß√£o n√£o era restrita ao nosso pa√≠s. Inf√Ęncia e adolesc√™ncia, embora tivessem aumentadas sua representatividade em congressos nacionais e internacionais, n√£o haviam evolu√≠do ao ponto de ter um f√≥rum exclusivo no mundo das terapias cognitivas. Se levarmos em conta a sens√≠vel fase do desenvolvimento com a qual estamos lidando, o foco de aten√ß√£o deveria ser redobrado – afinal, interven√ß√Ķes bem realizadas na inf√Ęncia, tanto no n√≠vel cl√≠nico quanto no n√≠vel preventivo, evitariam in√ļmeras situa√ß√Ķes patol√≥gicas na vida adulta.

Antes disso, no dia 6, tamb√©m ocorrer√° no mesmo local o 1¬ļ Semin√°rio Brasileiro de Processos Cognitivos nas Escolas que tem como objetivo aproximar a Terapia Cognitiva do √Ęmbito escolar.

Concriad

Tor√ßo para que¬†os interessados pela terapia cognitiva em tais contextos possam comparecer ao congresso e fortalecer a √°rea no Brasil. Acesse tamb√©m a p√°gina do congresso no Facebook para mais informa√ß√Ķes.

Porque fico t√£o ansioso?

Anxiety5Se voc√™ j√° precisou falar em p√ļblico, tomar uma decis√£o muito importante ou tomar rem√©dios para ter coragem de embarcar em um avi√£o, voc√™ j√° sentiu na pele o que √© a ansiedade. Toda vez que nos sentimos angustiados, tensos ou apreensivos por conta de como prevemos que eventos futuros ocorrer√£o ou interpretamos uma experi√™ncia atual como oferecendo riscos eminentes, estamos vivenciando um estado mental e afetivo conhecido na psicologia como ansiedade.

Todos n√≥s vivenciamos a ansiedade diversas vezes ao longo de uma semana e at√© mesmo de um dia. Sentir-se assim √© comum para a maioria das pessoas e necess√°rio para que possamos nos adaptar √†s diferentes circunst√Ęncias que vivemos. A ansiedade nos prepara f√≠sica e psicologicamente para lidar com adversidades e para maximizar a nossa capacidade de sobreviv√™ncia. Entretanto, o n√≠vel de ansiedade que sentimos pode ser t√£o alto √†s vezes que, al√©m de nos causar um grande sofrimento, nos impede de fazer as nossas coisas normalmente, como encontrar com amigos, ir ao trabalho, ter momentos prazerosos de lazer e dormir bem.¬†Esse texto explora o que a terapia cognitiva tem a dizer sobre porque voc√™, muitas vezes, n√£o consegue controlar a sua ansiedade e √© dominado por ela.

Continue lendo…

Psicologia Brazuca: Gerson A. Janczura e a memória

Gerson A. Janczura

O professor Gerson A. Janczura estuda a mem√≥ria humana no Laborat√≥rio de Processos Cognitivos da Universidade de Bras√≠lia (UnB). Sendo um dos pioneiros da √°rea, Gerson teve um papel importante na introdu√ß√£o e expans√£o da psicologia cognitiva no Brasil.¬†Nesta entrevista que ele gentilmente nos cedeu, o professor explorou um pouco do conhecimento que possu√≠mos hoje acerca de como a mem√≥ria humana funciona, de como somos capazes de formar mem√≥rias falsas, das interven√ß√Ķes pr√°ticas que a psicologia cognitiva pode subsidiar e das dificuldades que a psicologia cognitiva enfrenta para ganhar espa√ßo no Brasil.

Continue lendo…

Ins√īnia: Como melhorar o seu sono

Pensamentos que "surgem" na mente podem atrapalhar o sono

Atualmente, muitas pessoas relatam dificuldades para dormir. Casos de ins√īnia tem sido prevalentes entre adultos de muitos pa√≠ses. A baixa qualidade do sono pode ter diversos impactos negativos na qualidade de vida das pessoas, tanto biol√≥gicos (preju√≠zo no funcionamento do sistema imune) quanto psicol√≥gicos (depress√£o, ansiedade).

Comum a muitas destas reclama√ß√Ķes s√£o os relatos de cogni√ß√Ķes que surgem intrusivamente na mente das pessoas enquanto elas tentam dormir e que acabam atrapalhando o sono por muitas vezes induzir a determinados estados afetivos e fisiol√≥gicos que nos impedem de “desligar” a nossa mente. Estas “cogni√ß√Ķes pr√©-sono” agitadoras, normalmente relacionadas a planos futuros ou preocupa√ß√Ķes, podem ter um papel importante na manuten√ß√£o da ins√īnia.

ResearchBlogging.orgMuitos estudiosos tem buscado compreender os fatores que influenciam a qualidade do sono. No come√ßo deste ano, por exemplo, a revista Cognitive Therapy and Research publicou uma edi√ß√£o especial de artigos relacionando o sono com a cogni√ß√£o. Vale a pena conferir¬†tamb√©m a colet√Ęnea de textos falando sobre os benef√≠cios do sono¬†e maneiras de melhor√°-lo que foi recentemente divulgada pela revista de divulga√ß√£o¬†Psychology Today.¬†Dentro das √ļltimas publica√ß√Ķes, um estudo publicado na revista Psychotherapy indica que uma interven√ß√£o simples com terapia cognitiva pode apresentar melhoras r√°pidas na qualidade do sono de pacientes com ins√īnia. Eu me focarei aqui em descrever como essa interven√ß√£o foi feita e como voc√™ poderia aplicar ela em voc√™ mesmo.

Continue lendo…

Budismo: O Uso Milenar da Neuroplasticidade

Fonte: NERDWORKING
Autor
: Felipe Novaes

Embora ci√™ncia e religi√£o pare√ßam sempre estar vivendo num eterno conflito, existe outro lado dessa hist√≥ria, em que existe o di√°logo, a curiosidade e a saud√°vel e frut√≠fera troca de informa√ß√Ķes. De quebra, esse lado ainda representa um importante di√°logo entre Oriente e Ocidente. O Dalai Lama parece ser o catalisador desse tipo de rela√ß√£o, mostrando ‚Äď juntamente com a ci√™ncia ocidental ‚Äď que a pr√°tica budista tem mais a nos ensinar sobre a nossa pr√≥pria ci√™ncia do que n√≥s desconfiar√≠amos. Mesmo sem saber, o monge budista e l√≠der pol√≠tico e religioso do Tibet colocou o dedo numa quest√£o cient√≠fica que muito em breve se tornaria uma revolu√ß√£o no nosso conhecimento sobre o c√©rebro: a rela√ß√£o entre a neuroplasticidade e o suposto poder de a mente influenciar a arquitetura cerebral.

Frequentemente, o Dalai Lama deixa seus aposentos na √ćndia, em Dharamsala, para ir ao encontro de cientistas pol√≠ticos ao redor do mundo para conhec√™-los melhor, saber mais sobre seus trabalhos. Essa a√ß√£o tem destaque principalmente em rela√ß√£o ao seu acompanhamento da atividade de cientistas. Porser um monge budista, n√≥s tendemos a imaginar que ele n√£o se interessasse por ci√™ncia ou mesmo que fosse em alguma medida contra ela, j√° que n√£o √© raro as descobertas cient√≠ficas acabarem colocando √† prova a f√©. Mas ele dialoga prazerosamente com todos os cientistas e tem muita curiosidade.

Continue lendo…

O que é a terapia cognitiva?

Como nossos pensamentos afetam nossas emo√ß√Ķes e a√ß√Ķes?

A terapia cognitiva, tamb√©m conhecida como terapia cognitiva comportamental* (Cognitive-Behavior Therapy, CBT) √© um tipo espec√≠fico de psicoterapia que enfatiza a import√Ęncia dos processos cognitivos na compreens√£o e no tratamento de diversos transtornos mentais.¬†A terapia cognitiva √© estruturada para ter uma dura√ß√£o curta e se baseia na teoria cognitiva, uma teoria composta por 10 axiomas formais que embasam teoricamente diversos modelos e aplica√ß√Ķes na pr√°tica cl√≠nica [2]. Alguns autores defendem que esta abordagem oferece um arcabou√ßo conceitual sobre o qual diversas abordagens psicoterap√™uticas poderiam ser integradas [2].

A teoria cognitiva pode ser entendida como uma “teoria das teorias” que as pessoas possuem sobre a sua realidade [2], ou seja, uma teoria sobre as influ√™ncias que as constru√ß√Ķes particulares de significado da realidade t√™m no comportamento¬†mal-adaptativo¬†de pessoas que apresentam algum transtorno.

Desenvolvida por Aaron Beck no final dos anos 1950, esta especialidade se tornou de l√° para c√° uma das psicoterapias mais investigadas empiricamente e com mais evid√™ncias cient√≠ficas de efic√°cia [1]. ¬†Muitas evid√™ncias indicam a sua efic√°cia para diversos quadros como transtorno depressivo maior, transtorno de ansiedade generalizada, transtorno de p√Ęnico, fobias, abuso de subst√Ęncias, transtornos alimentares, problemas de casais, transtorno obsessivo-compulsivo, dor cr√īnica, transtorno de personalidade, transtornos do sono e outros quadros.

Continue lendo…