Feliz Bicenten√°rio de Alfred R. Wallace

Come√ßamos este ano novo de 2023 aqui no MARCO EVOLUTIVO j√° celebrando neste 8 de janeiro o bicenten√°rio do nascimento de Alfred Russel Wallace (1823-1913). Acad√™micos do mundo todo est√£o relembrando as aventuras e descobertas de Wallace, o explorador naturalista, ge√≥grafo e antrop√≥logo ingl√™s que co-descobriu a evolu√ß√£o por sele√ß√£o natural junto ao Darwin. Seu legado e originalidade est√£o sendo finalmente amplamente discutidos e divulgados de modo que n√£o se trata mais de caracteriz√°-lo como um mero pesquisador √† sombra de Darwin. Wallace merece ser reconhecido como um evolucionista de peso, pai da biogeografia, especialista em especia√ß√£o, colora√ß√£o animal, cartografia, descobridor de v√°rias esp√©cies (da palmeira pia√ßava at√© o sapo voador da Indon√©sia passando pela ave do para√≠so), e grande aprendiz e pensador interdisciplinar que contribuiu em diversos temas como glaciologia, epidemiologia, astrobiologia e pol√≠ticas p√ļblicas.

Desde 2013 quando das comemora√ß√Ķes do centen√°rio de seu falecimento, j√° ocorre um esfor√ßo internacional para lan√ßar luz sobre as contribui√ß√Ķes e legado acad√™mico da Wallace. ¬†Tanto que na √©poca foi inaugurado um grande quadro de Alfred Wallace na escadaria do Museu de Hist√≥ria Natural de Londres, reparando assim uma injusti√ßa hist√≥rica, visto que at√© ent√£o apenas a est√°tua de Darwin figurava por l√°. E j√° em 2010 foi criado o ‚ÄúWallace Correpondence Project‚ÄĚ reunindo num reposit√≥rio e disponibilizando online um enorme n√ļmero de correspond√™ncias de Wallace. E em 2012 foi criado o Wallace Online com todos as publica√ß√Ķes a manuscritos do autor. Aos poucos, sua relev√Ęncia cient√≠fica vai sendo disseminada e reconhecida.

De fam√≠lia humilde, Wallace teve que trabalhar desde cedo para ajudar a sustentar a fam√≠lia. Atuou como construtor e agrimensor passando bastante tempo ao ar livre, e acabou desenvolvendo, como autodidata, seu interesse por cartografia, hist√≥ria natural, bot√Ęnica, geologia e astronomia na livraria da fam√≠lia. Mesmo sem ter educa√ß√£o formal, chegou a dar aulas de topologia, cartografia e desenho, mas acabou virando explorador profissional se mantendo da coleta e venda de esp√©cimes para museus e colecionadores particulares. Ao longo de sua vida Wallace explorou diversos pa√≠ses como o Reuni Unido, Fran√ßa, Su√≠√ßa, Col√īmbia, Venezuela, Malta, Egito, √ćndia, Sri Lanka, Mal√°sia, Singapura, Indon√©sia, Timor Leste, EUA, Canad√°, e tamb√©m o Brasil.

Sua primeira grande expedi√ß√£o foi no Brasil (Belem-PA) aos 25 anos de idade. Ficou 4 anos no Par√° (1848-1852) e, por um tempo, esteve junto com outro naturalista de renome, Henry Walter Bates, o descobridor do mimetismo batesiano. No Brasil, Wallace se encantou com a imensid√£o sublime da floresta tropical e com a beleza rara dos p√°ssaros e borboletas locais. Ele observou como os rios Amazonas, Negro e Madeira funcionavam como barreiras geogr√°ficas recortando a fauna local como limites naturais. Esse isolamento geogr√°fico poderia contribuir para a forma√ß√£o de diferentes esp√©cies. Descobriu e descreveu v√°rias esp√©cies novas, incluindo a palmeira pia√ßava, e aprendeu com os ribeirinhos e ind√≠genas locais seus v√°rios usos. Ele tamb√©m fez anota√ß√Ķes etnogr√°ficas sobre os costumes e rituais de tribos amaz√īnicas, e descreveu pinturas rupestres de Monte Alegre (PA).

Wallace deu muito azar ao retornar para a Europa, pois seu navio pegou fogo e naufragou perdendo a maioria do que havia anotado e coletado nos dois √ļltimos anos. Felizmente, ap√≥s 10 dias √† deriva em botes, ele e a tripula√ß√£o foram resgatados por um cargueiro rumo √† Inglaterra. Ficou inicialmente arrasado mas mesmo assim n√£o desanimou das explora√ß√Ķes futuras. Apesar do ocorrido e de ter perdido muita coisa no naufr√°gio, Wallace ainda conseguiu publicar artigos e livros sobre macacos e palmeiras da Amaz√īnia, por exemplo.

    

Foi no Arquip√©lago Malaio em que passou mais tempo (1854-1862) explorando os detalhes da natureza e das tribos locais, o que impulsionou suas maiores contribui√ß√Ķes. L√° coletou cerca de 125 mil esp√©cimes, uns 5 mil novos, incluindo o sapo voador e a ave do para√≠so. Em Born√©u, ele fez umas das primeiras observa√ß√Ķes natural√≠sticas de orangotangos em seu habitat natural contribuindo novamente para a primatogia.

Suas observa√ß√Ķes biogeogr√°ficas no arquip√©lago o levaram a descobrir uma divis√£o natural que separa a fauna asi√°tica da fauna australiana, hoje conhecida como a Linha de Wallace. Em homenagem √†s suas descobertas, as ilhas pr√≥ximas a essa regi√£o do arquip√©lago Malaio s√£o chamadas coletivamente por ‚ÄúWallacea‚ÄĚ. L√° Wallace escreveu os artigos evolutivos de maior relev√Ęncia, descrevendo descend√™ncia comum, especia√ß√£o e a sele√ß√£o natural. Ap√≥s anos de observa√ß√£o natural√≠stica e leitura de Malthus e de Lyell, entre outros, ele teve o insight da sele√ß√£o natural num momento febril com mal√°ria. E depois mandou uma carta a Darwin comunicando suas descobertas evolutivas, o que fez com que Darwin finalmente tornasse p√ļblico seus longos estudos evolutivos numa publica√ß√£o conjunta em 1858.

Wallace era contra a escravidão, anti-eugenia, anti-vivissecção, anti-militarização e anti-imperialismo e anti-terraplanismo. Ele chegou até a ganhar uma aposta de terraplanista provando a curvatura da água de um canal usando um telescópio e duas estacas na mesma altura da água, mas separadas em 10 km. Wallace era a favor dos direitos das mulheres ao voto, era também um conservacionista contrário à introdução de espécies exóticas, ao desmatamento das florestas tropicais e da erosão do solo, e ainda era um socialista a favor da reforma agrária. Wallace foi o primeiro presidente da Sociedade pela Nacionalização de Terras e permaneceu no cargo por 30 anos.

Entretanto, ao final da vida ele se tornou mais antropoc√™ntrico e religioso se envolvendo com hipnose e espiritismo. Apesar de acertadamente n√£o considerar as popula√ß√Ķes tribais como intermedi√°rias entre os grandes s√≠mios e os humanos civilizados, Wallace chegou a erroneamente achar que na evolu√ß√£o humana, ao contr√°rio do que ocorrera com as outras esp√©cies, houve interven√ß√£o divina para aumento da capacidade cerebral. Al√©m disso, ele acreditava em frenologia e, por suspeitar das autoridades e dos interesses dos m√©dicos, ele chegou a se juntar ao movimento anti-vacina da var√≠ola da √©poca. Ele achava que a vacina iria interferir no balan√ßo natural dos organismos e que a vacina n√£o era segura. Mesmo estando no lado errado da hist√≥ria nestes √ļltimos assuntos, ele conseguiu que, no caso das vacinas, novos procedimentos de seguran√ßa fossem recomendados; e por conta do seu antropocentrismo, conseguiu mostrar em seus livros sobre Astrobiologia que n√£o havia vida inteligente criando canais de irriga√ß√£o em Marte.

Por n√£o ser parte da aristocracia inglesa, Wallace teve que batalhar muito mais para conseguir sua bagagem acad√™mica autodidata e para fazer com que suas descobertas fossem valorizadas. Desde ent√£o seu legado naturalista explorador e te√≥rico interdisciplinar est√° cada vez mais divulgado e apreciado, chegando a ganhar diversas medalhas de m√©rito acad√™mico. Desejo que os pontos fortes de sua biografia e seu legado cient√≠fico nos sirvam de inspira√ß√£o nesta celebra√ß√£o internacional dos 200 anos de Alfred Russel Wallace. Assista document√°rios sobre as expedi√ß√Ķes de Wallace aqui e aqui.¬†