Façam fila! (ou não…)

Via EurekAlert:
American Friends of Tel Aviv University

To queue or not to queue? (o trocadilho é tão bom que eu resolvi não traduzir)



Professor Refael Hassin
Crédito: AFTAU


Se há alguma coisa que diferencia a humanidade dos animais, é que os humanos esperam em filas. Para fazer um depósito no banco, para pagar as mercadorias no armazém, até para votar — todos nós aprendemos a fazer fila, um atrás do outro. E aprendemos, mesmo que não gostemos disso, que é melhor sorrir e suportar.
No entanto, tempo é dinheiro, e tanto as pessoas como os negócios podem sofrer na medida em que as filas se tornam cada vez maiores, diz o matemático Prof. Refael Hassin, da Universidade de Tel Aviv. Ele empregou a Teoria dos Jogos para estudar o tempo de espera nas filas e compreender as conseqüências econômicas. Suas descobertas — muitas das quais contrariam totalmente o “senso comum” — podem também virar a indústria dos serviços de cabeça para baixo, porque ajudam os negócios a ficarem mais rentáveis e tornar o mundo um lugar mais agradável para todos viverem.
Os resultados da sua pesquisa foram recentemente publicados em Management Science.
Um “Espresso” enquanto você espera

Os negócios podem implementar sistemas para diminuir os tempos de espera e diminuir o número de consumidores frustrados que vão embora sem fazer uma compra. O Prof. Hassin nota que existem muitas soluções que as companhias poderiam adotar para melhorar o serviço ao consumidor. Uma taxa de entrada para uma fila mais rápida é uma das opções.
“Eu não sugiro que as companhias saiam contratando mais caixas, assim que virem as filas crescendo”, diz ele. “Mas com alguma análise básica os picos de tempo de espera nas filas podem ser estabelecidos e os negociantes podem se assegurar que os fregueses continuem felizes durante a espera, oferecendo serviços e distrações, tais como TV ou, quem sabe, cappuccinos”.
Mas algumas vezes as próprias filas são o problema, acredita o Prof. Hassin. Seu estudo sugere que os tempos de espera são afetados por um grande número de variáveis aleatórias e que as pessoas que se amontoam em um balcão podem ser servidas com mais eficiência do que pessoas que esperam na fila. Algumas vezes a desordem cria sua própria ordem.
Em uma sorveteria, por exemplo, um consumidor que se esprema no balcão, vai esperar por menos tempo do que se o mesmo número de fregueses esperassem pacientemente em uma fila. Isso significa que mais sorvetes serão servidos e mais dinheiro entrará no caixa. “Se houver 10 pessoas em uma sorveteria, na média você vai ser atendido depois da quinta, se não esperar em uma fila organizada”, diz o Prof. Hassin.
Prof. Hassin prossegue explicando: “É claro que eu poderia ser atendido primeiro, segundo ou mesmo em último lugar. Mas, na média, as estatísticas se baseiam nas estratégias de tomada de decisões humanas: se uma pessoa está decidindo se vai ou não entrar em uma loja e vê muitas pessoas já lá dentro, a maioria preferirá um atendimento desorganizado — porque existe a oportunidade de ser atendido antes do que se estivesse esperando pacientemente em uma fila”.
Para a Democracia, é necessário “esperar a sua vez”?

Tanto os fregueses como os comerciantes podem aprender com a pesquisa do Prof. Hassin. Embora pareça, intuitivamente, que a eqüidade seja observada quando as pessoas esperam pacientemente em filas, até que chegue sua vez, o Prof. Hassin diz que, quando se trata de fazer fila, a democracia é mais respeitada quando se fura a fila.
“As pessoas nas filas tendem a pensar somente em si próprias e ignorar o impacto que podem causar sobre as demais”, diz o Prof. Hassin. “Se eu cheguei na fila primeiro e você chegou depois, você vai esperar mais por minha causa. Os fregueses freqüentemente são egoístas e ignoram os efeitos que seu comportamento tem sobre os demais”. Por isso, em alguns casos, é melhor gerenciar uma fila de uma maneira desorganizada e não-democrática, atender na ordem inversa da chegada, ou esconder informações sobre o tamanho da fila a fregueses em potencial, explica ele.

###

A pesquisa do Prof. Hassin’s foi inspirada na ausência de um sistema de filas organizadas na sociedade Israelita. Suas descobertas estão disponíveis em “To Queue or Not to Queue” de autoria dos Professores Hassin e Moshe Haviv, no website do Prof. Hassin’s em http://www.math.tau.ac.il/~hassin/.

******************

Observações do tradutor:

Eu não poderia concordar mais com o Prof. Hassim! Basta se lembrar dos “profissionais de fila” nos postos de atendimento médico no Brasil… E lembrar quando foi a última vez (eu garanto que não foi há muito tempo…) em que você se viu em uma situação como a minha:

Eu precisava fazer um depósito mixuruca de R$ 50,00, diretamente na conta de meu filho (tinha que ser na boca do caixa, porque a agência bancária dele é de Macaé). Entrei no banco, apenas um caixa funcionando, mas apenas duas pessoas na fila, também. Uma hora de espera! As duas pessoas que estavam na minha frente eram dois “enrolados” que queriam porque queriam ser atendidos, mas não sabiam onde tinham guardado os documentos, se a conta que desejavam mexer era corrente ou de poupança, etc. Depois de esperar por uma hora, eu fui atendido em exatos 25 segundos! (Eu estava com o dinheiro e o número da conta na mão…) Que diferença faria para as tais duas pessoas me deixarem passar sua frente? Nenhuma!… Apenas “elas chegaram antes”…

Aliás, quem não “mofou” em uma fila, atrás de um contínuo de repartição pública ou office-boy com trocentos depósitos, cheques, pedidos de talão de cheques, extratos e outras mumunhas que eles levam naquelas malditas pastinhas?… Que se dane se “eles estão trabalhando”!… Os outros também têm mais o que fazer!

Outra coisa que não é novidade: quando o Prof. Hassim fala em “Uma taxa de entrada para uma fila mais rápida ”, ele só está falando da velha conhecida dos brasileiros: a “taxa de urgência”… Funciona em qualquer cartório, repartição pública e concessionária de serviços públicos. “Criar dificuldades para vender facilidades” sempre foi o lema de qualquer burocracia…

Mas você prefere um país “organizado” e “civilizado”?… Sem problemas!… Entre aí na fila…

Discussão - 6 comentários

  1. Isis disse:

    Antes dele fazer essa pesquisa devia ter vindo para São Paulo. Ter freqüentado baladas, restaurantes e estacionamentos de shoppings em domingos chuvosos e frios. Enfim, o fato de não ter fila pode até ser mais rápido, porém mais injusto. Veja na balada. As meninas mais bonitas, os caras mais fortes, as pessoas que mais gritam e com o braço mais comprido são as que conseguem pegar uma bebida primeiro no balcão – claro que as variáveis dependem se o barman “vai com sua cara”. Os outros que fiquem no empurra-empurra. Aliás, onde muitos se irritam ou se machucam. Agora, imagine o mesmo no banco… Os vovôs estariam fritos. Ele mora num país civilizado… Peguei fila lá fora, é bem diferente daqui.

  2. João Carlos disse:

    É lógico que existe um meio termo entre o empurra-empurra de um balcão de bar (também já me aborreci muito com essa coisa, na minha época – e olha que eu não sou pequeno…) e aquelas idiotíssimas “filas únicas” de bancos, lotéricas e afins.
    Houve tempo em que os McDonalds tinham pessoas que iam percorrendo as filas em frente aos caixas, registrando os pedidos das pessoas que ainda não tinham chegado ao caixa. Era um sistema bastante eficiente (e, como tudo que funciona, no Brasil, “cortaram por economia”…)
    Você argumenta que “pegou fila lá fora” e que “é diferente”. Eu também, e não vi tanta diferença. Uma diferença (pegando a França como exemplo) é que se aparece um desses “empaca-filas”, quem está na fila reclama alto e em baixo calão. Logo arrumam um jeito de fazer a fila andar…
    Mas continuo dizendo que é detestável encontrar pela frente essas pessoas que esperam chegar ao caixa ou guichê para ir procurar as moedinhas no fundo da bolsa…
    E a análise do Prof. Hassim se fundamenta na Teoria dos Jogos e certamente trata de um “Jogo não-cooperativo”. Os vovôs estão devidamente protegidos por Lei aqui… O problema com eles é que, primeiro, o numero de vovôs cresceu muito; segundo, que, infelizmente, idade avançada não é sinônimo de “boa-educação” (ao contrário: muitos velhos estão se achando com direito a fazer a cretinice que quiserem, em detrimento de todos, como se idade fosse justificativa para egoísmo e burrice).

  3. Igor Santos disse:

    Genial!
    Como sou grande e imponente, concordo com o caos da Lei do Mais Forte.
    Fora com as filas!

  4. É João, eu também não gosto de fila mas confesso que respeito. Mas como nunca pensei a respeito, não tenho uma opnião formada. Imaginei o mundo com todos se degladiando em balcões…rs…
    Achei meio selvagem…arcaico…
    Sou baixinha, mas mesmo assim, minha lingua é comprida…rs…seria antendida rapidinho…hehehe
    Mas prefiro pensar em outras formar alternativas e modernas se tirar extinguir o atendimento físico como internet segura e eficiente, encaminhamento correto e setorizado, telefonia, formulários simples e acertivos, papa-filas bem treinados, essas coisas. Há meios de se acabar com a burocracia e consequentemente com as filas sem precisarmos ficar rangendo dentes em balcões…rs…

  5. João Carlos disse:

    Vai acreditando nisso, Igor!… 😀 Os chineses são outro povo para quem as filas não fazem o menor sentido… Mas lá são os “Romários” (baixinhos e rápidos) que se dão bem…
    Como me diziam em meu tempo de Caserna: “Para todo problema existem três soluções: a certa, a errada e a militar”. A errada é o empurra-empurra. A fila é a solução “militar” (não resolve, mas “dá um ar de organização”). Falta equacionar individualmente cada caso e chegar à solução certa…

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM