Sensacional: a Terra dobrou de tamanho?

Uma pérola pouco conhecida indicada por Beto Santana na lista CA: a Teoria da Terra em Expansão. Diz ela que os continentes não apenas se encaixam perfeitamente no Atlântico, como também o fazem no Pacífico e em todos os outros mares. E, se você juntar a todos, jogando fora os leitos de oceanos, terá uma esfera perfeitamente encaixada em suas peças de continentes, com aproximadamente metade do tamanho do planeta atual. Conclusão: nos últimos milhões de anos, ao invés de um supercontinente ter se separado e as placas tectônicas terem se movido formando os mundo que conhecemos, a Terra anda se expandindo. Teria quase dobrado de tamanho desde a época dos dinossauros.
Com base nesse “fato”, diversas idéias surgiram para explicar como nosso planeta estaria crescendo a taxas tão assustadoras. A mais adorável é a de Neal Adams, principal proponente da Teoria da Terra em Expansão. Ele criou toda uma nova física segundo a qual matéria estaria sendo constantemente gerada no interior os planetas e estrelas, assim como o Universo em expansão. Adams também rejeita a gravidade, propondo que os movimentos celestes se deveriam ao magnetismo e aos núcleos ferrosos de planetas (objetos sem núcleos ferrosos que ainda se mantêm em órbitas são um detalhe à parte). O fabuloso é que Adams, autor do vídeo acima, com qualidade gráfica evidente, é um ilustrador famoso e prestigiado de revistas em quadrinhos. Comparações com Galileu e, mais modestas, com Alfred Wegener não poderiam faltar nas muitas páginas pela rede com a teoria e suas variantes.
Ridícula como possa parecer, essa teoria apresenta uma perspectiva fascinante sobre o desenvolvimento da ciência. Alfred Wegener, como se sabe, é um exemplo muito citado de “Galileu moderno”. E muito moderno: a aceitação da deriva dos continentes propostas pelo meteorologista alemão só se tornou universal entre geólogos há algumas décadas — vejam, por exemplo, este artigo em inglês na revista TIME de 1970 em que se noticia a “revolução na geologia” através da aceitação das idéias básicas de Wegener.
E é interessante notar que embora Wegener tivesse avançado inúmeras evidências de sua teoria, como fósseis de uma mesma espécie distribuídos em continentes hoje afastados, também não tinha um mecanismo convincente para explicá-la. Para ele, os continentes realmente estariam “à deriva” sobre o planeta, movidos talvez pela “força centrífuga” (!) do planeta em rotação e diferenças de densidade. A falta de uma teoria convincente, mesmo plausível, era um dos principais obstáculos para a aceitação de suas idéias, e de fato, elas só foram aceitas amplamente na versão renovada das placas tectônicas, que finalmente forneceram uma explicação razoável. O interior do planeta não é completamente sólido, estando em constante movimento, que acabam explicando não só a deriva dos continentes, como fenômenos como o vulcanismo e terremotos.
Fato é que a despeito de copiosa evidência, por décadas a falta de um mecanismo convincente fez com que a evidência fosse ignorada, sendo forçosamente “explicada” de formas alternativas (como pontes de terra antigas que ligariam a América do Sul à África). Justiça seja feita, ao mesmo tempo Wegener, apesar de ridicularizado, também obteve apoio e aceitação entre alguns acadêmicos e instituições estabelecidas, divulgou suas idéias amplamente e não morreu queimado em uma fogueira (ou em prisão domiciliar). A ciência não é perfeita, mas não é tão imperfeita quanto a Inquisição.
Mas voltemos à Teoria da Terra em Expansão. Mesmo ignorando os mecanismos absurdos propostos, é preciso considerar que há evidências contrárias à proposta central de que a Terra teria aumentado significativamente de tamanho e, conseqüentemente, de massa nos últimos milhões de anos. A deriva dos continentes não afetaria a órbita da Terra e mesmo do resto do sistema solar, mas uma Terra em expansão sim. Mais: embora haja fósseis de uma espécie distribuídos entre a América do Sul e África, evidenciando uma proximidade antiga, não parece ocorrer o mesmo com a Austrália e a América do Norte, que segundo se alega, estariam conectados também.

Também há problemas com evidência de formações geológicas vistas em continentes que apóiam a Pangéia, mas podem contrariar um “planeta continente”, como formações de rochas glaciares na África e de carvão em próximas dos pólos.
Feitas todas estas ressalvas, ainda resta o aparente encaixe dos continentes no outro lado do mundo. Este parece sim curioso, e seria interessante verificar se Adams e outros realmente não andam distorcendo tamanhos e formas arbitrariamente para forçar tal encaixe. Caso não o façam, este elemento isolado seria sim sensacional, e poderia ser uma coincidência fascinante, ou mesmo resultado de algum processo ainda desconhecido.
De tudo isto, o mais curioso talvez seja lembrar que se a idéia de uma Terra em expansão hoje pareça espúria, há pouco mais de cem anos a idéia de uma Terra em Contração não o era para muitos cientistas respeitados. A proposta seria de que a Terra, originalmente formada por material quente e derretido, estaria se esfriando e no processo, se contraindo. Cadeias montanhosas seriam formadas nessa contração um tanto como rugas de balões murchando. Embora nunca tenha sido amplamente aceita, e nenhuma contração tão significativa quanto a metade do tamanho do planeta tenha sido proposta, a idéia do geólogo americano Dana foi relativamente bem recebida, ao contrário das do meteorologista alemão Wegener. Apesar da ausência de ampla evidência, e talvez por causa de um mecanismo proposto mais plausível. Tão plausível que é a explicação aceita hoje para formações geológicas em um outro planeta, Mercúrio.
São imperfeições da ciência, que ainda é sem dúvida o campo que permitiu a maior expansão do conhecimento humano em toda sua história. O próprio Wegener, tão certo, mas também um tanto errado, confiava ultimamente no mesmo processo científico e estava seguro de que um dia suas idéias seriam aceitas. Estava certo nisto.

Discussão - 2 comentários

  1. Quase-Físico disse:

    Caramba!!
    Que coisa mais… nada a ver, mas ao mesmo tempo é tão legal!
    Cada coisa que aparece por ai né? Huhauhauhauhahuahuahuahu!
    Abraços!!!

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM