Darwin Deez – Constellations

Amanhã, 28 de setembro, será o 30 aniversário do primeiro episódio da série “Cosmos”, de Carl Sagan. No aquecimento, um clipe de Darwin Deez repleto de referências bem-humoradas à obra.

Condicionamento Pavloviano

pavlov

Não entendeu? Saiba mais sobre o condicionamento reflexo. [via haha.nu]

Noite estrelada

3495695552_c6eed45aa4_o

Criada por Dominic Kamp, a imagem infelizmente não é uma fotografia. O rastro pode lembrar nossa Via Láctea cortando o céu noturno, mas as estrelas são em verdade da galáxia NGC 346 capturadas pelo telescópio espacial Hubble.

A bela imagem da praia da Moldávia, na Europa Oriental, como moldura por outro lado dá uma beleza maior às imagens da Pequena Nuvem de Magalhães, a 210.000 anos-luz de distância.

Gagasaurus rex

dino2__oPt

Lembro de ter lido quando criança como nunca saberíamos quais seriam as verdadeiras cores dos dinossauros. Como outras declarações sobre os limites da ciência, esta não durou muito: cada tipo das principais formas de pigmentação por melanina é contida em organelas de forma diferente. E elas se fossilizam! Analisando assim estruturas celulares fossilizadas, uma boa indicação das cores de pelo menos alguns dinossauros de até 125 milhões de anos já foram realizadas. Por sua vez, elas também dão maior suporte à tese de que dinossauros possuíam penas. Penas coloridas.

Esta é a ciência, é bem verdade, e os métodos para estimar as cores e mesmo as penas de dinossauros não são ainda universalmente aceitas, embora já sejam hoje amplamente consideradas. É uma revolução paleontológica em pleno andamento. Tão recentemente quanto em Jurassic Park (1994), os velociraptors eram retratados como terríveis répteis, mas descobertas em anos recentes evidenciam como estes répteis estão entre aqueles que também deviam possuir penas.

Ainda deviam ser terríveis, mas com penas. Multicoloridas.

Foi brincando com isso que o artista Gerson Witte criou essa nova ilustração (clique para ampliá-la), onde também explora com humor a ideia de que dinossauros teriam pêlos. Que seriam “proto-penas”.

witte_dinossauros_emos

Cores, penas, pêlos, tudo outra vez segundo novas teorias e evidências paleontológicas, que vêm revisando inclusive a ideia de que seriam criaturas de sangue frio, ou que várias espécies famosas de dinossauros seriam em verdade formas diferentes de uma mesma espécie.

Curiosamente, outras técnicas de microscopia e análise também indicam que esculturas gregas clássicas não eram formas totalmente brancas e sóbrias do mármore puro, como as obras da Renascença as imaginaram. Essa aparência seria em verdade o resultado de mais de um milênio de cores desbotando. Eram originalmente estátuas repletas de cores gritantes, e você confere abaixo, uma reconstrução da estátua de um arqueiro no Templo de Afaia na ilha grega de Aegina, 490 A.C.:

gods_jul08_main

Apesar do que filmes e livros em preto e branco nos fizeram pensar, a antiguidade, mesmo aquela de milhões de anos, era inundada de cores.

– – –

[Gerson Witte também havia ilustrada Manadas de Homo Sapiens. O Gagasaurus rex foi criado por estudantes do Instituto de Arte de Pittsburgh]

O Deus Relojoeiro

Cercados como estamos de tecnologia derivada da física de semicondutores, onde tudo é digital e vem embalado em chips e cápsulas, já nos distanciamos de alguns ícones da sofisticação da tecnologia no passado. Mas nada que câmeras digitais e as maravilhas da rede de computadores não possam compensar:

Charlie Visnic capturou a beleza de um relógio mecânico e seus mecanismos bem de perto, complementada por uma trilha sonora também própria. Aprecie e compreenda melhor como religiosos compararam, e continuam comparando, um “Criador” do Universo a um relojoeiro.

Se tiver mais dez minutos, assista também ao vídeo abaixo, um documentário de 1949 explicando melhor como cada uma das peças funciona.

Nenhum destes mecanismos é divino, sobrenatural, inexplicável. São todas criações humanas, fruto de séculos de desenvolvimento, e em certos aspectos remontando mesmo à Grécia Antiga, espelhando o movimento dos planetas pelo céu.

Um relógio eletrônico digital baseado nas vibrações de um cristal de quartzo pode ser mais preciso, e a ciência e tecnologia envolvida em sua criação é mais sofisticada, mas eu sempre admirei essas maravilhas mecânicas. Lamento o dia em que martelamos com iPhones. [via MAKE]

Black Sabbath: “Iron Man” a meio milhão de Volts

Mais uma performance do grupo ArcAttack. Tudo real: todo o som que você escuta é produzido pelo zumbido modulado de centenas de milhares de volts cruzando o ar.

Entenda a Bobina de Tesla musical (alto-falante iônico), e confira o Tema de Doctor Who com Bobinas de Tesla.

Somos um epifenômeno

plantsvszzombiesapril1

Toda a humanidade foi infectada pelo vírus zumbi, que mata em 24 horas. Não há cura, todos irão morrer. Todos os mortos, depois de mais 24 horas, se tornam zumbis e podem vagar indefinidamente exigindo “cééérebros”. Mas há esperança.

Nem todos foram infectados ao mesmo tempo, e se duas pessoas vivas conseguirem agarrar um zumbi, podem revivê-lo como uma pessoa normal em um dia. Infelizmente, o tratamento é um paliativo que só funciona temporariamente, mais precisamente por 24 horas, após as quais a pessoa morre outra vez. E mais um dia depois, volta a se tornar um zumbi.

Pode soar como um enredo elaborado de um péssimo filme de zumbis, mas são as regras do “Jogo da Morte”, um apelido para uma variante criada por Brian Silverman para o “Jogo da Vida” – não, não o de roletas e tabuleiro –, uma das mais populares aplicações de autômatos celulares (CAs). Você confere mais sobre CAs, o Jogo da Vida de John Conway e a possibilidade de que o Universo seja um programa em um grande computador em “O Universo é Matrix?”.

Por aqui, convido você a apreciar a animação abaixo:

Brian's_brain

Ela ilustra a situação já vários dias após a infecção, onde cada pixel representa uma pessoa. O cenário começa já com uma vasta área de pixels pretos, os zumbis, destino que aguarda a todos. Contudo restam algumas pessoas vivas, os pixels brancos, e algumas mortas que ainda não se converteram em zumbis, em azul. Cada quadro da animação representa a passagem de um dia. Ao todo, são 201 dias.

Note como a mudança de estado das pessoas de vivas, para mortas, para zumbis, e eventualmente de volta à vida se propaga pela área com grande rapidez. As formas que parecem viajar pela animação não são zumbis correndo em busca de “cééérebros”. Nesta representação, os pixels, as pessoas, permanecem imóveis e o que está se propagando é o padrão de pessoas/cadáveres/zumbis. O que se desloca na animação é a infecção, não as pessoas.

zombies_noxious-620x

Se você ainda está lendo este texto, talvez por pura paixão por zumbis, ainda assim já pode estar se perguntando aonde se quer chegar. Bem, a forma como um padrão inicial (a semente) rapidamente se espalha por toda a área e gera uma enorme variedade de padrões em verdade indica como esta representação, este autômato celular, é capaz de representar complexidade. Tanto é assim que seu nome original não era “Jogo da Morte”, envolvendo infecções e mortos-vivos.

O autômato celular foi inicialmente batizado como “Cérebro de Brian”, porque ao invés de zumbis você pode imaginar neurônios prontos para disparar – os pixels pretos. Os neurônios disparando, brancos, estão “vivos”. Os neurônios que acabaram de disparar precisam de um ciclo de descanso, estão “mortos”, são azuis. E, finalmente, um neurônio dispara se dois neurônios adjacentes estão disparando. Exatamente as mesmas regras, exatamente a mesma ilustração, mas se este texto começasse falando de neurônios você talvez não tivesse chegado até aqui. Confesse.

Além da brincadeira e da coincidência entre zumbis e cérebros, este texto fala de epifenômenos. Na animação acima, por exemplo, o fenômeno observado de um padrão de infecção propagar-se de maneira estável, cruzando a tela, é um epifenômeno da infecção zumbi. Isto é, que a humanidade está sendo afligida por esta terrível doença que só um péssimo roteirista ou matemático imaginaria, este é o fenômeno principal, todos podemos concordar. Que um padrão de pessoas vivas, mortas e zumbis se propague entre a população é um fenômeno secundário, paralelo. É um epifenômeno.

Agora, relembremos que a animação também é uma analogia do “Cérebro de Brian”, ou o seu cérebro, ou o meu cérebro. Que neurônios andam disparando para lá e para cá segundo alguma regra, esse é o fenômeno. Que padrões de neurônios disparando se propaguem por este modelo de cérebro, que aumentem em complexidade aparente e gerem uma pletora de imagens, esse será um fenômeno secundário, paralelo. Será um epifenômeno.

2XC317OGs

Seríamos um epifenômeno? Consciência e inteligência em si mesmas são epifenômenos de outras adaptações evolutivas. Se fossem o fenômeno principal da vida, da evolução, esperaria-se que tudo fosse consciente e inteligente, quando em verdade poucas espécies dedicam muitos recursos à inteligência, e nós permanecemos largamente isolados em nossa consciência, inclusive, da solidão. Sentimentos e pensamentos que partilhamos apenas parcialmente com alguns de nossos parentes símios e mamíferos mais próximos.

A verdadeira inspiração para este texto, contudo, é notar como o próprio Universo pode ser um epifenômeno. Em “O Universo é Matrix?”, abordamos a questão de que, se o Universo é um programa em um computador, não é necessário presumir que este programa tenha sido projetado para processar nossa existência. Retorne à animação da infecção zumbi ou de um cérebro. Note como a complexidade que se vê é um epifenômeno, algo secundário que ocorre casual e paralelamente a um fenômeno primário.

Pois bem, autômatos celulares como o “Jogo da Morte”, ou o “Cérebro de Brian”, já foram demonstrados como computadores universais. Pode-se criar um padrão inicial de pessoas vivas/mortas/zumbis em um grande cenário que seja capaz de processar informação – representada por mais padrões de pessoas – exatamente como qualquer computador. Se o Universo é um programa computável, ele poderia ser computado pelo “Jogo da Morte”. Ele poderia ser computado como padrões de infecção zumbi.

Jürgen Schmidhuber, do Instituto Dalle Molle de Estudos em Inteligência Artificial na Suíça, nota que uma xícara de chá, simplesmente ao existir, estaria efetuando cálculos. Epifenômenos ocorrem na interação entre o chá e a xícara, o ar e tanto mais. O que computam? Provavelmente nada muito interessante, mas se ela pode ser vista como um computador efetuando cálculos quaisquer, nosso próprio Universo poderia estar tendo lugar em Outro como algo tão desinteressante quanto uma xícara de chá é para nós.

O padrão de infecção zumbi é algo bem mais interessante que uma xícara de chá, por outro lado, e ilustra talvez de forma ainda mais poderosa como epifenômenos complexos podem emergir. Nosso Universo pode não só ser Matrix, pode ser um padrão de infecção zumbi em outro Universo. Alheio a todo o o drama, o pr

Baleias, ovelhas e cavalos no espaço

whale

“Também não se falou mais no fato de que, contra todas as probabilidades, uma cachalote havia de repente se materializado muitos quilômetros acima da superfície de um planeta estranho. E como não é este o ambiente natural das baleias em geral, a pobre e inocente criatura teve pouco tempo para se dar conta de sua identidade ‘enquanto’ cachalote, pois logo em seguida teve de se dar conta de sua identidade ‘enquanto’ cachalote morto”. – Douglas Adams, O Guia do Mochileiro das Galáxias

Se uma baleia cachalote em pleno espaço é um dos eventos mais improváveis que se pode imaginar, o que você diria da seguinte história: o óleo de baleia, especificamente o espermacete de cachalotes, seria prezado por suas propriedades únicas como o baixíssimo ponto de congelamento, e assim estaria sendo usado para lubrificar desde o telescópio espacial Hubble até a sonda interestelar Voyager? Algumas variantes chegam até a especular que estas sondas espaciais usariam óleo de baleia como combustível!

Adorável e absurda como possa parecer, infelizmente a anedota deve ter pouco tempo para se dar conta de sua identidade enquanto anedota para logo em seguida se dar conta de sua identidade enquanto mito desmentido. Com mais rumores circulando a respeito nos últimos meses, o perfil oficial da NASA para o Hubble no Twitter esclareceu que a história simplesmente:

“Não é verdade. Falei com o Gerente de Sistemas Astrofísicos da NASA que trabalhou no Hubble. Ele diz que não há óleo de baleia na nave”.

A importação de óleo de baleias foi proibida nos EUA a partir de 1976, e fornecedores de lubrificantes vinham se adaptando à regulação bem antes disso. Segundo a última fornecedora de óleo de baleia lubrificante nos EUA, a Nye Lubricants, “foi fácil encontrar um substituto para óleo de espermacete”. Óleo de jojoba, uma planta americana, “de onde pode ser expresso um óleo virtualmente idêntico em estrutura molecular”.

O óleo de baleia sim era apreciado por suas propriedades, mas quaisquer que fossem pelo visto jojoba o substituiu. E óleos sintéticos podem ter substituído a jojoba. Afinal, as propriedades do óleo de baleia também não eram tão únicas assim. Ao contrário da lenda, o espermacete sim se congela, de fato muito facilmente, a ponto de que parte pode se solidificar e formar velas.

1frascodeespermaceti

Mas afinal, não sabe ainda o que é o espermacete de que falamos? Em espanhol, Felix Ares explica “De velas y ballenas” tudo sobre o óleo e algo de sua história, incluindo como a unidade de medida do padrão SI para a intensidade luminosa, a candela (cd), foi estabelecida derivada da intensidade de luz de uma vela de espermacete inglesa.

Enquanto os alemães definiam sua unidade de luminosidade a partir de uma lamparina queimando acetato de amila e os franceses queimavam azeite de colza, quando um comitê internacional decidiu em 1948 padronizar a unidade através de meios mais confiáveis, foi a vela de espermacete inglesa a referência escolhida.

Mesmo hoje, a intensidade luminosa do monitor que você deve estar observando neste exato momento é definida em candelas, e assim se o espermacete de cachalotes não viaja entre as estrelas, ele ao menos encontra seu caminho como padrão de medida que deve se estender ainda por um bom tempo.

Unidades de medida nos levam às ovelhas. Em outra anedota curiosa, Carl Pyrdum lembra que o tamanho dos sofisticados e-readers, do Kindle ao tablet iPad, deriva do tamanho padrão de livros, por sua vez derivados… do tamanho de ovelhas medievais!

Na Europa, livros eram feitos de pergaminhos, e os pergaminhos feitos de pele de ovelha dependiam do tamanho das criaturas. “Despele, corte as partes curvas das pernas, e você fica com um gigantesco pergaminho, muito grande para a maior parte dos usos em livro”, conta Pyrdum.

cutedges

“Mas está tudo bem, porque você pode dobrá-lo no meio, e terá um par de folhas (quatro páginas contando a frente e verso) que você pode juntar com várias outras folhas de mesmo tamanho para fazer um livro de tamanho ‘folio’. Dobre de novo e você obtém um livro de oito páginas chamado ‘quarto’, que é o livro do tamanho de um dicionário ou enciclopédia”. E assim por diante.

O tamanho da tela do iPad deve algo ao tamanho da pele de ovelhas medievais dobradas duas vezes. Talvez três. A história, que ainda não pude confirmar ou refutar, lembra uma das já clássicas sobre a origem da bitola dos trilhos americanos. Diz a lenda que a medida foi herdada dos ingleses, que a herdaram de suas carroças, por sua vez herdadas da largura das estradas do império romano, finalmente determinadas pela largura ocupada por dois traseiros de cavalos. Como a bitola ferroviária determinou a largura máxima de foguetes transportados por trens, os traseiros de cavalos romanos teriam determinado a largura de foguetes lançadores.

Fabulosa como seja a lenda, aqui está mais uma oportunidade para que ela se dê conta de sua identidade enquanto mito parcialmente desmentido. Como Cecil Adams, um dos mais famosos destruidores de mitos, “lutando contra a ignorância desde 1973”, já abordou o tema há dez anos, a linhagem de traseiros de cavalos romanos até foguetes lançadores da NASA não é contínua como quer dizer a lenda. Ao final, por outro lado, traseiros de cavalos sim foram o padrão mais ou menos constante e informal que fez com que estradas romanas, inglesas, e então ferrovias no Velho e Novo Mundo tivessem a mesma bitola aproximada que têm. Dois traseiros de cavalos são uma medida conveniente para a largura de uma estrada.

832943357_4e358bdd65

Ao pesquisar os diversos nexos para este texto que já ficou mais longo do que esperava, encontrei ainda outra hist
ória de como óleo de baleia teria desempenhado um papel crucial na conquista espacial. E uma um tanto inacreditável.

Bem, na década de 1980, a NASA perdeu muitos de seus dados, incluindo as gravações originais em alta qualidade do pouso na Lua. Por quê?

“Suas primeiras estações registravam dados de satélite em fitas mestre de alta resolução que usavam óleo de baleia para aglutinar partículas de ferro no acetato. O óleo de baleia tornava as fitas muito mais duráveis, mas quando a pesca comercial de baleias foi proibida em meados dos anos 1980, a NASA não pôde mais adquirir essas fitas de longa durabilidade. Então ela reutilizou as antigas. Engenheiros da NASA gravaram em cima de 200.000 fitas mestre, incluindo registros em alta resolução de espaçonaves diversas como os primeiros satélites Landsat e a Apollo 11, preservados apenas em cópias de baixa resolução. ‘Enorme quantidade de dados foi perdida’”.

Poderia ser apenas mais uma lenda sobre óleo de baleia e a NASA, não fosse o fato de que o parágrafo vem diretamente da Science. Será mesmo esta a explicação para a perda do que pode ter sido um dos mais importantes registros na história da humanidade? Falta de fitas de gravação com óleo de baleia?

“Chamem-me Ishmael”.

Um grão, muitas galáxias

areia-universo

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM