Bicho bizarro: mussurana


Mussurana, uma aliada duvidosa
Fonte: http://animaldiversity.ummz.umich.edu/

Imagine como seria um bicho de botar medo em cascavéis e jararacas. Nosso bicho bizarro da semana é uma serpente que come serpentes, mesmo as mais venenosas. A mussurana é um colubrídeo dos mais inofensivos a nós humanos, possui presas apenas no fundo da boca e é pouco inclinada a usar seu veneno para nos atacar, mas seu organismo resiste aos venenos de outras serpentes, excetuando-se apenas o neurotóxico das corais verdadeiras. Não surpreende que seja exatamente essa serpente o símbolo do Instituto Butantan. A mussurana começa seu ataque constringindo a presa que em geral é engolida pela cabeça, outros itens que a mussurana come incluem pequenos mamíferos e aves e alguns lagartos. A imensa habilidade que o ser humano tem de generalisar e agir com preconceito faz, frequentemente, com que pessoas matem mussuranas por temerem sepentes venenosas, sem saber que seria justo ela sua aliada nesse combate.

Briga de cobra com cobra
Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=lnmqAUP0M6g

Powered by ScribeFire.

Pensamento de segunda Zoological Series

Powered by ScribeFire.

Bicho bizarro: peixe lua

Se deus existe o peixe lua prova que o cara tem senso de humor
Fonte: www.eol.org

Imagine um peixe de duas toneladas que não tem uma nadadeira caudal que lhe ajude a nadar, de fato ele mal consegue nadar eficientemente, sendo classificado como o maior organismo planctônico que existe. Sua boca é reduzida e possui dentes semelhantes ao bico de um papagaio, ele se alimenta de plâncton, incluindo águas vivas e larvas de outros peixes. O peixe lua, que para completar o circo de esquisitices em inglês se chama sun fish, habita oceanos ao redor do mundo inteiro e frequentemente visita nosso litoral. A espécie, aparentada aos baiacus, tem valor comercial e demora anos até que esteja apta a se reproduzir, seu status de conservação nunca foi analisado, mas há grandes chances de que esteja perecendo de alguma maneira.

ARKive video - Sunfish being cleaned by gull at surface
Peixe lua tendo seus parasitas retirados por uma gaivota

Powered by ScribeFire.

Pensamento de segunda zoological series

Powered by ScribeFire.

Bicho Bizarro: Ave do paraíso


Esse semi-círculo preto e azul é um macho de asas abertas cortejando a fêmea de cores apagadas
Fonte: worldbirdwatching.wordpress.com

Ah, o amor. O amor nos leva a loucuras! A todos nós animais. Veja a ave do paraíso, por exemplo. O que levaria a aparecer na natureza uma plumagem como a da foto acima se não o amor, ou, sejamos objetivos, o sexo. A seleção sexual ajudou a surgir nessas cerca de quarenta espécies de aves da Papua Nova Guiné um espetáculo de plumagem e cor. As aves do paraíso fasem o sistema de acasalamento conhecido como lek, ou arena, onde um grupo de machos se exibe para uma fêmea visitante que copula com o escolhido e parte para cuidar sozinha dos filhotes. Em geral um único macho é responsável pela maioria absoluta das cópulas, o que deixa a pergunta: Se eles não vão pegar ninguém, para que os outros caras ficam lá dançando à toa? As aves do paraíso foram muito caçadas por traficantes de animais ou para a obtenção de penas ornamentais, outro problema comum para a manutenção populacional é a hibridação espontânea que essas aves realizam. Graças à proteção legal hoje essas aves estão fora da lista vermelha de espécies ameaçadas, sua caça só é permitida para fins cerimoniais de tribos papuas.

ARKive video - Raggiana bird of paradise reproduction

Bicho Bizarro: Feiticeira


Feiticeiras, desde 500.000.000 antes de Cristo
Fonte: zoology.ubc.ca

Falar da feiticeira é como falar de uma prima distante, para os biólogos ela representa o mais primitivo membro do grupo dos vertebrados. Esse animal marinho cuja forma se assemelha à de uma enguia, na verdade ainda não possui uma coluna vertebral (apenas um crânio), não apresenta mandíbulas e muito menos nadadeiras pares. Elas habitam os oceanos ao redor do mundo vivendo em águas profundas. Alimentam-se de organismos em decomposição, como a carcaça de uma baleia morta. Para arrancar pedaços dela as feiticeiras dão nós no corpo através dos quais elas puxam suas bocas em ventosa. Sua maior bizarrice talvz seja a produção abundante de um muco que a protege de predadores (vide o vídeo).

Powered by ScribeFire.

Pensamento de segunda zoological series


Falta um mês para o fim da votação do Topblog Brasil
Vote Ciência à Bessa!!

Powered by ScribeFire.

Fernanda Poletto – O futuro do doutorado

Nossa personagem de hoje: Fernanda Poletto
Apesar da foto já ter alguns anos ela permanece com a mesma cara

Fernanda Poletto é formada em Farmácia Industrial pela UFRGS, com mestrado em Ciências Farmacêuticas pela mesma universidade, onde desenvolveu partículas poliméricas capazes de liberar fármacos com velocidade controlada. Depois do mestrado, participou de um projeto FINEP na área de nanobiotecnologia, em parceria com a iniciativa privada, por 2 anos. Após o fim desse projeto, iniciou seu dotourado em química, também na UFRGS, e desde então vem estudando tanto aspectos da organização supramolecular de nanopartículas poliméricas quanto seu potencial de aplicação biológica como carreadores de fármacos para doenças negligenciadas. Atualmente, está no último ano de doutorado com financiamentos da CAPES (1º ano) e CNPq (daí em diante).

1)O que levou você a procurar a carreira científica? Como isto resultou no ingresso num programa de doutorado?

As pessoas que seguem a carreira acadêmica costumam responder a esse tipo de pergunta com o argumento de que sempre foram muito curiosas sobre como as coisas funcionam e que sempre se interessaram por assuntos científicos; muitas sonhavam em ser cientistas desde a infância. Comigo foi um pouco diferente. No colégio, sempre tive predileção pela área de humanas. História, literatura e línguas me fascinavam. Sempre tinha opinião para tudo e meu jeito preferido de expressá-la era escrevendo (talvez o blog de divulgação de ciência que mantenho seja em parte impulsionado por essa predileção de juventude). Esse interesse pela condição humana e seu contexto social, somado a um senso mais prático, acabou influenciando na minha escolha por um curso universitário na área de saúde. Durante o curso de farmácia, fiz um longo estágio em hospital, onde aprendi muito. Nesse mesmo período, cursei as disciplinas que compõem o ciclo básico do curso, e foram essas disciplinas que lentamente despertaram meu interesse pela construção de novos conhecimentos científicos. Foi apenas na graduação que entendi o quanto a química, a bioquímica, a fisiologia, etc podem ser absurdamente fascinantes. Quando ingressei no ciclo profissionalizante do curso, já tinha claro que meu caminho era a ciência, pois queria muito fazer parte daquilo, contribuir com meu “tijolinho”. Troquei o estágio no hospital pela iniciação científica. Fiz a iniciação científica e o mestrado na área de tecnologia farmacêutica, que é bem aplicada. Minha fome de conhecimento mais fundamental, que atingiu seu ápice no mestrado, acabou me levando ao doutorado em química. Foi uma escolha muito feliz, pois encontrei o que estava procurando. Foi também (e continua sendo) uma grande lição de humildade, porque precisei aprender muitas coisas praticamente do zero. Mas é essa saída da zona de conforto que nos faz crescer, não é?

2)Quais os seus planos para sua carreira depois da titulação? Até o momento essa expectativa tem se cumprido?

Meus planos envolvem um pós-doutorado onde eu possa continuar investigando sistemas nanoestruturados poliméricos aplicados à terapêutica, meu foco principal de estudo. E, subsequentemente, uma carreira de docência e pesquisa em universidade na mesma linha. Embora esteja no meu último ano de doutorado, ainda é cedo para fazer uma avaliação completa de todo o caminho percorrido, mas posso dizer que até agora o saldo é positivo: trabalho num assunto que me encanta e que me desafia, tenho acesso a recursos compatíveis com os melhores grupos de pesquisa do mundo, tenho feito excelentes contatos, participado de congressos importantes na área de ciência de materiais e vejo um país em franco crescimento científico. É melhor ser cientista hoje no Brasil que há dez, quinze, vinte anos. E será melhor ainda para a geração posterior à minha. Há quem diga que sou excessivamente otimista. Não acho. É uma questão de conhecer nosso passado, perceber as mudanças, reconhecer o quanto evoluímos e ter olhos para as oportunidades.

3)Em linhas gerais, como é sua rotina de trabalho no doutorado?

Vou confessar que não tenho muita rotina. Às vezes, passo dias inteiros na frente do computador tratando dados e escrevendo. Em outros momentos, posso ficar até 14h, 16h no laboratório envolvida com experimentos. Nesse último ano, tem sido freqüente trabalhar inclusive à noite e nos finais de semana. Costumo brincar que pensar dói. Tentar entender algo que nem você nem ninguém tenham entendido antes não é trivial. E no fundo, esse é meu trabalho. Demanda tempo, esforço, dedicação. Minha força motriz é meu interesse, minha curiosidade. Escrevi sobre isso, há quase 1 ano, no Bala mágica.

4)Quais os problemas que a pós-graduação no Brasil tem encarado?

Temos um problema em comum com muitos outros países, que é o famoso “publish or perish”. Há uma pressão muito forte para que se publique em quantidade, o que não necessariamente está correlacionado à boa ciência. No que se refere a problemas nacionais, especificamente, é preciso apontar a excessiva burocracia que rege o gerenciamento das universidades brasileiras, em especial as públicas. Além disso, ainda há certo conservadorismo de alguns grupos quanto às fontes de captação de recursos para pesquisa. Acredito que esse aspecto esteja mudando, com a valorização da inovação pela iniciativa privada. O acesso a recursos financeiros, em especial no caso das ciências duras, impacta no tipo de pesquisa realizado e certamente se refletirá no perfil do aluno formado. Outro ponto importante é o inglês praticamente ausente na rotina dos alunos de pós-graduação no Brasil. A língua da ciência inegavelmente é o inglês. Uma mudança nesse sentido seria fundamental, como aulas ministradas em inglês, por exemplo. Isso não tem nada a ver com desvalorizar o português. Tem a ver com valorizar a comunicação acadêmica. Certamente, teríamos
mais colegas de outros países fazendo pós-graduação aqui, o que geraria uma troca de conhecimento e cultura muito enriquecedora e aumentaria a visibilidade da pós-graduação brasileira no mundo.    

5)Que conselhos você daria a alguém considerando agora ingressar na carreira acadêmica?

Diria para esse alguém pensar num assunto que é capaz de interessa-lo por horas e horas num dia, e que seja capaz de se imaginar mantendo esse interesse ao longo de muitos anos. Esse é o primeiro passo, e talvez um dos mais importantes. A rotina acadêmica é árdua, e a frustração é um sentimento muito presente. Saber lidar com essa frustração e ser resiliente é pré-requisito para não desistir. Como comentei acima, entender algo novo não é trivial. Ainda não terminei minha tese, mas já tenho uma frase que é forte candidata a epígrafe: “I’ve failed over and over and over again in my life and that is why I succeed.” (Michael Jordan – sim, o jogador de basquete). Para que se possa falhar e aprender, para então acertar, é preciso estar em ambiente propício, que crie oportunidades e permita liberdade de pensamento. Informar-se sobre o grupo de pesquisa de interesse é fundamental antes de tentar uma vaga, e grupos bem-estabelecidos em suas áreas sempre devem ter preferência. Se for possível, acho altamente recomendável fazer alguns meses de “estágio” no lugar antes de ocupar a vaga definitivamente. Nesse período é possível perceber se há afinidade com o orientador, se a rotina do laboratório é compatível com as expectativas criadas e se o assunto escolhido realmente é de interesse a ponto de merecer anos de dedicação.

Bicho bizarro: Tartaruga mordedora


A voraz predadora de aparência pré histórica num raro momentos fora d’água
Fonte: nationalgeographic.com

A tartaruga mordedora é uma predadora voraz dos pântanos ao sul dos EUA. Sua tática de captura de alimento é bastante interessante, a ponta de sua língua tem a aparência de uma minhoca vermelha e ululante, um atrativo irresistível para um peixe incauto, como bem sabem os pescadores. A tartaruga posiciona-se no fundo dos rios ou lagos onde vive, escancara sua boca e começa a remexer sua isca. Assim que um peixe se aproxima certo de que terá uma refeição, ele é que se torna o prato do dia. Esse animal consegue segurar a respiração debaixo d’água por até 50 minutos, muito provavelmente graças à respiração acessória que fazem através da mucosa do ânus. Apesar de ser um predador de topo de cadeia, a tartaruga mordedora encontra-se na lista de animais ameaçados de extinção devido à perda de habitat e à caça para obtenção de carne.

Powered by ScribeFire.

Bicho Bizarro: Panda vermelho


Me dá um abraço?
Fonte: www.eol.org

Essa semana mudarei da abordagem horripilante de semana passada para uma mais cuti-cuticarismática, nosso bicho, talvez nem tão bizarro assim, é o panda vermelho. Esse animal de cerca de meio metro e cauda comprida é um verdadeiro enigma taxonômico. Seu crânio, dentes e o rabo listradinho não deixavam dúvida de que se tratava de um parente do guaxinim, um procionídio. O problema é que não existe nenhum outro procionídio num raio de 5000 km desses pandas, para completar uma análise de DNA apontou para um parentesco com os pandas gigantes e outros ursos. Por via das dúvidas a solução foi propor uma família só para eles, os ailurídios. Eles vivem em florestas de bambu no Himalaia, se alimentam de ramos jovens dessa gramínea (sim, o bambu é uma baita grama alta), frutas silvestres e ovos de aves. Sua pele atraiu muitos caçadores e traficantes de animais, mas somada ao desmatamento o pandinha entrou na lista das ameaçadas da IUCN.

ARKive video - Red panda - overview
Um osso da mão do panda é modificado como um dedo opositor.
Fonte: www.arkive.org

Powered by ScribeFire.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM