Manchetes comentadas 14 – Onça capturada em condomínio no interior de SP

Às minhas amigas Grazi e Paula, das cidades visitadas pelas onças

sussuarana.jpg

Obtido em www.fiocruz.br

Na manhã de hoje, noticiou o Estadão, uma onça parda foi capturada dentro de um condomínio próximo a Sorocaba, interior paulista. A suçuarana escalou uma árvore e só foi retirada pelos funcionários do Zoológico com a ajuda de dardos tranquilizantes. É a segunda onça dessa espécie encontrada em áreas urbanas do interior de São Paulo essa semana, a outra foi capturada próximo a Jundiaí.
Onças são predadores de topo de cadeia. As duas espécies existentes no Brasil, onça pintada e onça parda ou suçuarana, estão criticamente ameaçadas de extinção segundo a red list da IUCN, ONG responsável pela avaliação do risco de extinção de diversas espécies no mundo todo. O principal motivo do risco que esses animais correm é a destruição de seus habitats. De fato, destruição de habitats é a maior causa de extinções para todas as espécies do mundo, seguido de invasões biológicas, crescimento populacional humano, poluição dos recursos naturais e extrativismo.
Predadores como as onças têm um problema a mais ao terem seus habitats deteriorados, por estarem no topo das cadeias tróficas os predadores precisam de uma quantidade maior de alimento. Na maioria dos ecossistemas a energia vem diretamente do sol, mas é fixada pelos vegetais através da fotossíntese. Esta energia é distribuída para os outros organismos da teia alimentar à medida que herbívoros comem os vegetais, depois servem de alimento para predadores. Contudo, a cada passo dessa cadeia alimentar, um pouco da energia presente no alimento é desperdiçada por pura entropia. Deriva disso o fato das cadeias alimentares nunca serem muito longas. Também deriva disso a necessidade que as onças têm de mais alimento. Se o habitat das onças é degradado junto vai boa parte do alimento de que ela tanto necessita, o que pode levar à morte ou emigração. No caso dessa notícia levou à emigração da onça para o condomínio. Quando o controle de uma população acontece por falta de alimentos dizemos que há um controle bottom-up, ou de baixo para cima da cadeia alimentar.
Após a captura a onça foi levada para o zoológico de Sorocaba, recebeu um chip para rastreamento e fez um exame de DNA. Na tarde do mesmo dia foi solta em uma reserva. O risco dessa introdução não é nulo, a onça introduzida poderia ter levado consigo uma doença que afetará a população local de onças, todo o processo de manuseio pode ter debilitado a onça, favorecendo sua morte ou ainda a onça introduzida poderia impactar a população local de presas. A população de cotias dessa reserva, por exemplo, poderia estar em um fino equilíbrio com a de seus predadores. Com a introdução de um novo predador haveria um efeito top-down, ou de cima para baixo na cadeia alimentar, sobre a população de cotias. A introdução perfeita só seria feita após saber o estado de saúde do animal a ser introduzido e as condições ecológicas do ambiente que o receberá, algo bem improvável em nossas matas megadiversas. A reintrodução foi, certamente, a melhor opção para esses dois animais, mesmo que não fosse em condições ideais.

Pensamento de segunda

“Compreendamos o que nossos genes egoístas estão tramando, porque assim nós teremos ao menos a chance de frustrar suas intenções. Algo que nenhuma espécie jamais aspirou.” (Richard Dawkins)

Ciência à Bessa na Rádio Tangará

Pessoas, este que vos digita vos falará amanhã, sábado das 8:30 às 10:30 horário local (ou seja, 9:30 às 11:30 do horário de Brasília). Participarei de um debate pela rádio Tangará sobre o dia mundial da água. Para ouvir o programa sintonize seu radinho em 640 AM ou clique aqui no horário marcado.

Homem primata

ingresso.jpg
Semana passada, em meio aos posts sobre seleção sexual, fui a um show conjunto dos Paralamas do Sucesso e Titãs, duas de minhas bandas nacionais favoritas desde a adolescência. O show foi excelente, uma meninada numerosa muito mais nova do que eu e as bandas, Hebert Vianna cantando Polícia e Paulo Miklos cantando Óculos, duelo de cordas entre o Bellotto e o Bi Ribeiro, músicas das antigas que eu nem achei que eles fossem tocar. MARAVILHOSO!!! Como não podia deixar de ser, no meio do show minha cabeça insana foi invadida por pensamentos etológicos.
No meio do solo de Uma Brasileira, reparei que a platéia toda levantou os braços e começou a acenar no ritmo da música. Até vi mais ou menos a hora que a idéia surgiu de um grupo que estava bem perto do palco, mas logo se disseminou por toda a pista. Naquele exato momento saquei meu celular para filmar o comportamento e ilustrar esse post, que àquela altura já estava prontinho na minha cabeça, mas a imagem ficou tão ruim que desisti de usá-lo.
A socialidade traz uma série de vantagens aos organismos que optam pela vida em grupo, proteção contra predadores, melhores resultados na caça, acesso fácil a parceiros sexuais, por exemplo. Mas também há custos como a competição por alimento e a disseminação veloz de doenças contagiosas. Nossa espécie, como bom primata, é uma das mais sociáveis que existe, por isso temos muitos comportamentos que favorecem nossa socialidade. Coexistir num grupo depende muito de aceitação, cada integrante tem que viver na tênue linha que separa o prazer dos interesses pessoais e o dever dos interesses grupais sem que nenhum dos dois prevaleça. Assim, toda oportunidade de demonstrar que integramos um grupo é aceita muitas vezes sem nem passar pela nossa consciência.
zebras.jpg

Quantas zebras você vê na foto?

Outras espécies sociais, como as zebrinhas listradas, vivem em bandos que são uma boa forma de evitar virar comida de leão. Aquele monte de barras pretas e brancas correndo causam uma grande confusão no predador, desde que o grupo ande sempre coeso e em sintonia. As zebras que fogem a este padrão são presas mais fáceis e são negativamente selecionadas segundo a teoria de Charles Marvin Darwin. Portanto, teimar em não copiar um comportamento que uma parte do bando realiza pode ser uma boa forma de morrer.
Pode ser que tenha sido por causa desse comportamento de manada que todo o mundo ergueu os braços junto e começou a acenar no ritmo da música. Reagir de forma homogênea e comportar-se igual aos que nos cercam traz segurança e aceitação. Deve ser lindo ver do alto do palco a platéia toda reagindo à sua música em sintonia, ritmo e harmonia. Valeu pelo show Titãs e Paralamas!
oglobocombr.jpg

Obtido em: www.oglobo.com.br

Pensamento de segunda

“Aprendizado por vivência é quando dizem: ‘Sabe isso que você acabou de fazer? Então, não faça.'” (Douglas N. Adams)

Ops! O pensamento de segunda hoje caiu na terça. Coisas da migração

5- Love me, love me, pretend that you love me. Fool me, fool me, go on and fool me…

This is the english version of this text

vespa.jpg

Male wasp with pollinia on its back pseudocopulating with the orchi labellum.
Obtained from: anu.edu.au

For our Grand Finale I reserved what should be the greatest humiliation to the endless quest for pleasure that we males do. Plants also need to transfer their male gametes from one individual to another, aiming this Angiospermae started counting on animals like hummingbirds, bees and butterflies, the pollinators. In most of the cases there is na exchenge between pollinators and plants. Bees take some of the pollen for food, hummingbirds feed on the flower’s nectar, but in the case I am to tell today the pollinator is fooled by the plant. The orchid Chiloglottis trapeziformis has its labellum fisically modified and chemically similar to the female of its pollinator wasp Neozeleboria cryptoides. As it blooms the flower starts spreading the sweet scent of the fertile female wasp, what attracts the males from all over. Males grab the labellum of the orchid, a modified petal, and cover themselves with pollen while they think they have a pure moment of bliss with the fake-female. After that they fly away and find another flower that they imediately stick to taking it for another generous female and, while it is sexually dedicated to this new “lover”, transfers the pollen from one orchid to another.

5- Ou você me engana ou não está madura. Onde está você agora?

vespa.jpg

Vespa macho com a polínia nas costas pseudocopulando com o labelo da orquídea
Obtido em: anu.edu.au

Para nosso Grand Finale reservei o que talvez seja a maior humilhação à incessante busca por prazer que nós machos fazemos. Plantas também precisam transferir seus gametas masculinos de um indivíduo para outro, para isto as angiospermas passaram a contar com a ajuda de animais como beija-flores, abelhas e borboletas, os polinizadores. Na maioria das vezes há uma troca entre o polinizador e a planta polinizada. As abelhas aproveitam parte do pólen para sua alimentação, beija-flores nutrem-se do néctar, mas no caso que narrarei hoje o polinizador é enganado pela planta. A orquídea Chiloglottis trapeziformis tem seu labelo fisicamente e olfativamente semelhante à fêmea de sua vespa polinizadora Neozeleboria cryptoides. Ao desabrochar a flor começa a dispersar o doce perfume da vespa fêmea fértil, o que atrai machos apaixonados de todos os cantos. Os machos atracam-se ao labelo da orquídea, uma pétala modificada, e se cobrem com o pólen enquanto pensam ter um momento de puro prazer sexual com a falsa fêmea. Em seguida encontram outra flor que abordam pensando tratar-se de mais uma fêmea generosa e, à medida que dedica-se sexualmente a esta nova “amante”, transfere o pólen de uma orquídea à outra.

4- I die for you, you know it’s true. Everything I do, I do it for you…

This is the english version of this text
In many cases females of some species are not as interested in sex as their candidates. To calm them down the males often offer nuptial gifts such as packages of food. There hasn’t got to be some fancy cherry chocolates, a dead fly will do just fine. There are many hypothesis that explain the evolution of this behaviour: the gift may serve to lure females into mating, may be an investment of the male on the offspring or just a way to escape from the female post-sex hunger. There is also evidence on either directions. Some species of Empidae flies give their females a pack, the males wham, bam and thank you maam’ while the female unwrap the pack just to find out it was empty! Other studies on crickets and Beetles showed that larger nuptial gifts resulted in larger or faster growing eggs. Finally, among the Pisaura mirabilis spiders, not giving the females, much larger then the males, something to eat during the sex nearly always means that the male will become the main dish.
nationalgeographic dot com.jpg

Obtained from: www.nationalgeographic.com

In fact, our extreme example of male dedication today comes from these guys who consider sex the perfect way to die. The black widow, for example, eats her husband while they mate. There is evidence that males that don’t allow to be eaten do not have enough time to fertilize the eggs and the ones that escape before being killed do not have as many descendents during their whole lives as the ones that accept the tragic fate of dying in her beloved’s chelicerae.

4- Teus sinais me confundem da cabeça aos pés, mas por dentro eu te devoro…

Na maioria das vezes as fêmeas de algumas espécies não são lá muito receptivas a seus candidatos. Para acalmar sua ira os machos oferecem a elas presentes como pacotes de alimento. Não são necessariamente caixas de bombom, uma mosca é suficiente. Há diversas hipóteses para explicar a evolução deste comportamento: o presente pode servir para convencer a fêmea de copular, pode ser uma forma de investir na nutrição dos filhotes que serão gerados ou pode ser uma forma do macho evitar virar ele o lanchinho pós-sexo da fêmea. Também há evidências nos três sentidos. Algumas espécies de moscas da família Empidae dão a suas parceiras um embrulho, enquanto a fêmea desembrulha o pacote o macho aproveita para copular rapidamente e foge antes que ela descubra que o pacote estava vazio. Já outros estudos com grilos e besouros mostraram que presentes nupciais maiores levam à produção de ovos maiores ou desenvolvimento mais rápido dos filhotes. Por fim, entre as aranhas Pisaura mirabilis, não dar à fêmea, muito maior do que o macho, algo de comer na hora da cópula quase sempre significava tornar-se o macho o prato principal.
nationalgeographic dot com.jpg

Obtida em: nationalgeographic.com

De fato, nosso exemplo extremo de dedicação à fêmea de hoje vem de machos que consideram o sexo a melhor forma de morrer. Machos da aranha viúva negra, por exemplo, oferecem-se como alimento para sua parceira enquanto a fecundam. Há inclusive evidências indicando que os machos que não se deixam comer não têm tempo suficiente para fecundar a fêmea, e os que fogem antes de serem totalmente devorados não geram ao longo de toda a vida tantos descendentes quanto os que aceitam o terrível destino de morrer nas quelíceras de suas amadas.

3- ‘Cause we’re living in a material world and I am a material girl…

This is the english version of this text

malawi dot cichlids dot ru.jpg

Obtained from: www.malawi.cichlids.ru

A good way for the female to choose Mr. Right Guy is to know what sacrifices is he determined to do. This sacrifice can be something useful to her, like a good nest to live or lay eggs in. Males of the fish Gasterosteus aculeatus build nests with parts of aquatic plants and coloured debris for the female to choose. The more coloured the nest, the more females will be pleased. Another interesting behaviour is to prove the value of their genes by herculean deeds, despite of its utility to the female. Na example of it comes from another fish, Mchenga conophoros from Lake Malawi in África, in this species the male build sand-castles on the lake bed, the taller the castle the more interested females get. The curious part is that these castles are useless for females or their offspring, it only proves that a 10 cm animal can build it.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM