Pensamento de Segunda

Se as pessoas não acham a matemática simples é porque ainda não perceberam como a vida é complicada.

John von Neumann

O nudibrânquio emasculado

Naquela manhã, no consultório psicanalítico…

Não devia ter chamado o cliente de lesma. A secretária olhava o rastejando para dentro do consultório com o lábio inferior evertido e as narinas contraídas numa clara expressão de nojo. A doutora não conseguia entender como a secretária podia ver com asco aquilo que ela mesma considerava lind@. Uma lesma marinha com duas protuberâncias alaranjadas na parte da frente e um tufinho de brânquias atrás, tod@ vermelho vinho com pintas brancas. É isso, não devia ter chamado de lesma.

-Entre, senhor@ Chromodoris. – Convidou a analista tentando evitar uma declinação de gênero a esse animal hermafrodita. – O que @ traz aqui hoje?

O amor nos faz perder coisas que nem imaginamos. O nudibrânquio emasculado. (Fonte: eol.org)

O amor nos faz perder coisas que nem imaginamos. O nudibrânquio emasculado. (Fonte: eol.org)

Por um tempo @ nudibrânqui@ tergiversou sobre seu trabalho de arquivista numa repartição burocrática, sobre o conforto que a rotina dava e sobre sua falta de criatividade, que el@ não via como problema, porque era melhor não ousar que ver as coisas dando errado. A psicóloga, que já tinha alguns anos de experiência, sabia quando tentavam evitar problemas reais.

-Como era sua relação com sua pãe e seu mai? – Pãe, como se sabe, é o indivíduo hermafrodita que recebeu os espermatozoides do mai na hora do sexo. Um mesmo animal pode ser pãe de um filho e mai de outro se o sexo for recíproco.

-Nossa, doutora, que mudança radical de assunto. Bom, meu mai foi pouco presente em nossa família, nunca nos deu muito apoio. Em compensação minha pãe tinha um pulso firme. Pulso é maneira de dizer, né. Nós nudibrânquios não temos pulso. Papãe era muito sever@, fazia questão de que tudo andasse nos eixos. Papãe era mai e pãe ao mesmo tempo, e não era só porque era hermafrodita. Acho que é normal ser oprimido, né?

-Não é não. @ senhor@ precisa se impor também. Isso é complexo de castração! – Pronunciada a última frase, ficou instantaneamente lívid@ , os rinóforos murchos completavam o quadro de desolação.

-Co-como a senhora sabe? – Gaguejou baixinho em pânico.  – Como sabe que eu fui castrado? Todos podem perceber?

– Eu quis dizer em sentido figurado. Mas por que você diz isso? Quer me contar algo mais?

Chromodoris passou os minutos seguintes contando sobre seu primeiro e último relacionamento apenas algumas horas antes, mas que pareciam uma eternidade. Como @ namorad@ era charmos@, mas ao mesmo tempo dominador@. Como haviam se amado mutuamente, mas também como a culpa havia surgido avassaladora. Num momento de confusão entre ser macho, fêmea ou hermafrodita, arrancara violentamente o próprio membro. Agora era toda mulher, mas a culpa e a confusão não passavam. Já perdera a concha quando ainda era uma larvinha, agora a perda auto-infringida do pênis era demais para suportar. Por isso marcara a sessão urgente com a analista.

Enquanto narrava @ cliente percebeu aquela sensação intoxicante no osfrádio e lágrimas começaram a escorrer aos borbotões. A psicanalista esperou alguns instantes e preparou um lenço de papel e sua voz mais acolhedora.

-Acalme-se. Você é o que você é. Sua castração é meramente temporária, de fato, se você olhar agora mesmo perceberá que um novo pênis está se formando. Quando encontrar outr@ parceir@ já estará pront@ para copular outra vez.

Despediram-se na porta do consultório. @ nudibrânqui@ rastejando para o elevador do prédio enxugando as lágrimas. Mais conformad@ e menos assustad@, el@ até ensaiou um sorriso amarelo que mal descobria a rádula enquanto a porta do elevador se fechava. A doutora ficou para trás, pensando em como somos todos hermafroditas e temos dificuldade de lidar com isso.

ResearchBlogging.org
Sekizawa, A., Seki, S., Tokuzato, M., Shiga, S., & Nakashima, Y. (2013). Disposable penis and its replenishment in a simultaneous hermaphrodite Biology Letters, 9 (2), 20121150-20121150 DOI: 10.1098/rsbl.2012.1150

 

Pensamento de Segunda

O tabuleiro de xadrez é o mundo, as peças são os fenômenos do universo, as regras do jogo são o que chamamos de leis da natureza. O jogador, por outro lado, está escondido de nós.

Thomas Huxley

O dia em que conheci a Maria Gorda

Maria Gorda
Maria Gorda

Maria Gorda é um baobá enorme que cresce em Paquetá, bucólica ilhota da Baía de Guanabara. Essa árvore centenária, personagem até do Pequeno Príncipe, cresça numa curva da praia dos Tamoios. Ela foi colocada na ilha pelo Dr. José Caetano de Almeida Gomes, médico e naturalista apaixonado pela botânica. A cinturinha da Maria Gorda já tem três metros (diâmetro de caule à altura do peito, uma medida comum em fitossociologia), outros baobás mais velhos chegam a até 8 m. Uma gordinha simpática e bonita de se admirar.

O baobá da Ilha de Paquetá

O baobá da Ilha de Paquetá

Pensamento de Segunda

No coração de um modelo matemático bem sucedido existe uma lei da natureza, uma expressão da verdade capaz de causar êxtase da mesma maneira que uma escultura de Michelangelo.

Martin Nowak

Sereias existem? O documentário

Meu padrasto é um homem muito inteligente e uma conversa sempre agradável. Parte dessas conversas, pelo menos comigo, tem por enredo documentários que ele adora assistir na TV a cabo. Esses tempos estávamos conversando e ele me contou de um documentário sobre sereias que o deixou muito intrigado.

No filme “Sereias, o corpo encontrado” o biólogo marinho Brian McCormick, funcionário da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA), descobre um som diferente, que eles denominam bloop, através de microfones submarinos. Sua equipe sai então em busca de mais evidências quando começa a ter contratempos com a marinha americana em casos de encalhes de baleias. Na África do sul um animal não identificado é encontrado no conteúdo estomacal de um tubarão branco. McCormick não só relaciona esse corpo aos bloops que seu microfone gravou, mas também o identifica como uma sereia, um hominídio semi-aquático produtor de ferramentas e que se comunica usando sons, um canto, inclusive compreensíveis por outros mamíferos aquáticos.

Sereias existem? Ao que se sabe, não. Fonte: Animal Planet

Sereias existem? Ao que se sabe, não. Fonte: Animal Planet

Nunca fui muito fã de documentários de história natural, mas acho que o Discovery Channel exagerou dessa vez. O estilo tem até um nome: Mockumentary, uma fusão das palavras mock (imitar) e documentary (documentário); e não é o primeiro exibido pelo canal que já levou ao ar “Dragões, uma fantasia real”. O próprio canal deveria usar um disclaimer mais enfático avisando ser uma brincadeira (parece que no início do vídeo aparece algo avisando tratar-se de ficção científica). Fiz uma pesquisa mais aprofundada para apresentar a vocês. Vamos às minhas evidências:

1)      Não há nenhum artigo científico sobre biologia marinha publicado por Brian McCormick.

2)      Também não há nenhum artigo apresentando o Bloop produzido por qualquer mamífero marinho. Mas, como o Willy me alertou, o som existe e pode ser escutado aqui. Obrigado pelo comentário!

3)      O IMDb traz a lista de atores que integram o elenco do filme, entre eles Sean Michael no papel de Brian McCormick. O ator também estrelou papéis importantes como o do policial em “Esqueceram de mim 4”!

4)      A própria emissora emitiu uma nota de imprensa afirmando que o programa é de ficção científica baseada em alguns eventos reais e hipóteses científicas. A própria NOAA veio a público afirmar que sereias, até o momento, existem apenas no imaginário humano.

Desbancada a farsa, fica meu sentimento de que, com tanta realidade encantadora para descrever nesses canais, para que enganar a audiência? Ainda conhecemos muito pouco dos nossos oceanos e até hoje espécies novas de baleia são descobertas, então não me surpreenderia se um dia descobríssemos sim algo como uma sereia. Que fique claro, no entanto, que até o momento não existe evidência nenhuma da existência desses seres.

 

Pensamento de Segunda

A matemática, vista corretamente, possui não só verdade, mas uma suprema beleza.

Bertrand Russell

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM