Brasil Ameaçado – Peixe anual Austrolebias cyaneus

Peixes anuais como o Austrolebias charrua da foto e o A. cyaneus do texto são afetados pelo tráfico e pela destruição do habitat. (Foto: icmbio.gov.br)

Mais de 120 peixes da família Rivulidae figuram na lista de animais ameaçados do Brasil de 2014, no entanto usarei apenas A. cyaneus a título de exemplo. Os rivulídeos, ou peixes anuais, são alguns dos peixes mais coloridos que se pode encontrar em água doce. Por isso atraem muito o interesse de aquaristas bem intencionados, mas também de traficantes de animais muito mal intencionados. Soma-se a isto a biologia desses animais, que vivem em poças temporárias, possuem alto grau de endemismo (só ocorrem em determinada região) e se reproduzem de maneira explosiva, o que os torna mais sensíveis à destruição do habitat. Estão prontos os fatores chave para a extinção de muitos desses belos animais. Austrolebias cyaneus não passa de 5 cm e são de um azul royal listrado de preto. Quanto à dieta, são micropredadores, alimentando-se de pequenos invertebrados. Na reprodução os machos cortejam a fêmea e a convidam a desovar em seus territórios. Sua distribuição é restrita a algumas poças ao redor da Lagoa dos Patos, no Rio Grande do Sul, no bioma dos Pampas. Na região havia um complexo de poças alagáveis, mas aterros para o cultivo de arroz exterminaram todas exceto uma das poças. O risco de tráfico é tamanho que alguns pesquisadores que estudam o grupo nem divulgam onde coletaram espécies recém-descobertas para evitar que traficantes dizimem a população. Para ajudar os peixes anuais é só nunca comprar peixes sem uma origem comprovadamente legal atestada pelo IBAMA. Para denunciar um estabelecimento que comercialize peixes ilegalmente disque 0800-61-8080.

Brasil ameaçado – Allobates brunneus

Allobates brunneus: poucos filhotes e futuro incerto (Foto: Albertina Lima/ppbio.inpa.gov.br)

O animal ameaçado dessa semana é o anuro Allobates brunneus. Esse animal criticamente ameaçado ocorre no norte e centro-oeste brasileiro, incluindo aqui em Mato Grosso. Apesar das fêmeas serem ligeiramente maiores que os machos (esse animal não passa de 2 cm), eles possuem uma cabeça mais larga, o que permite a produção de um canto grave, mais atraente para as fêmeas. Os machos cantam de dia, mas apenas na estação chuvosa. A reprodução nesses anfíbios é bem peculiar, ao invés de depositar ovos na água, os machos enrolam a desova numa folha no chão da mata ou os coloca numa folha na vegetação. Ali os ovos começarão a se desenvolver, em dado momento o macho recolhe esses ovos e os leva até uma poça para terminar o crescimento. Com toda essa dedicação, fica impossível ao pai produzir muitos filhotes, o que deixa a espécie ainda mais vulnerável. Muitas espécies ameaçadas partilham esse padrão de ter poucos filhotes e cuidar bem deles, o que os ecólogos chamam de estratégia K. As principais ameaças a esses sapinhos são a destruição de habitat para implantação de lavouras e pastos, a construção de hidrelétricas e a extração de madeira. Outro problema afeta essa espécie, a fragmentação das populações. Uma população isolada às Margens do Rio Manso (MT) foi extinta com a construção de sua barragem, outra população encontra-se isolada no norte do Pará, Amapá e nas Guianas. Para escutar seu canto clique aqui. Já para ajudar esse sapinho, recuse móveis e madeiras em geral sem comprovação de origem legal.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM