Brasil Ameaçado – Peixe anual Austrolebias cyaneus

Peixes anuais como o Austrolebias charrua da foto e o A. cyaneus do texto são afetados pelo tráfico e pela destruição do habitat. (Foto: icmbio.gov.br)

Mais de 120 peixes da família Rivulidae figuram na lista de animais ameaçados do Brasil de 2014, no entanto usarei apenas A. cyaneus a título de exemplo. Os rivulídeos, ou peixes anuais, são alguns dos peixes mais coloridos que se pode encontrar em água doce. Por isso atraem muito o interesse de aquaristas bem intencionados, mas também de traficantes de animais muito mal intencionados. Soma-se a isto a biologia desses animais, que vivem em poças temporárias, possuem alto grau de endemismo (só ocorrem em determinada região) e se reproduzem de maneira explosiva, o que os torna mais sensíveis à destruição do habitat. Estão prontos os fatores chave para a extinção de muitos desses belos animais. Austrolebias cyaneus não passa de 5 cm e são de um azul royal listrado de preto. Quanto à dieta, são micropredadores, alimentando-se de pequenos invertebrados. Na reprodução os machos cortejam a fêmea e a convidam a desovar em seus territórios. Sua distribuição é restrita a algumas poças ao redor da Lagoa dos Patos, no Rio Grande do Sul, no bioma dos Pampas. Na região havia um complexo de poças alagáveis, mas aterros para o cultivo de arroz exterminaram todas exceto uma das poças. O risco de tráfico é tamanho que alguns pesquisadores que estudam o grupo nem divulgam onde coletaram espécies recém-descobertas para evitar que traficantes dizimem a população. Para ajudar os peixes anuais é só nunca comprar peixes sem uma origem comprovadamente legal atestada pelo IBAMA. Para denunciar um estabelecimento que comercialize peixes ilegalmente disque 0800-61-8080.

Bicho Bizarro: Peixes anuais

Rivulus scalaris. Foto de Wilson Costa em Costa, W.E. 2005. Seven new species of the killifish genus Rivulus (Cyprinodontiformes: Rivulidae) from the Paraná, Paraguay and upperAraguaia river basins, central Brazil. Neotr. Ichthyol. 3(1)

É início da estação chuvosa no sertão e grandes poças começam a se formar onde antes havia um solo rachado pela secura e pelo calor. O homem simples do semiárido nordestino se agacha para encher de água uma moringa e dentro da poça recém-formada percebe um monte de peixinhos coloridos, a conclusão é óbvia: caíram das nuvens com a chuva. Na realidade os ovos dos peixes anuais, ou killifishes como dizem os aquaristas, ficam em meio ao solo e resistem ao período seco. Com a chegada da chuva os peixinhos nascem, crescem rapidamente, os machos disputam ferozmente por parceiras, daí sua coloração vistosa, acasalam e depositam um novo lote de ovos antes que a poça volte a secar.  Os peixes anuais são animais belíssimos, têm um colorido tão chamativo que passam muitas vezes por espécies marinhas. Por isso aquaristas do mundo inteiro cobiçam esses peixes que, muitas vezes, são objeto de tráfico de animais ou biopirataria. A pressão é tamanha que Wilson Costa, maior especialista do grupo no Brasil, ocasionalmente evita dar detalhes da distribuição desses animais nos artigos que descrevem espécie novas para não atrair traficantes.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM