Cadaverina, ou a beleza da ciência pura

Ontem estava no departamento onde trabalho quando as secretárias, ao mover um móvel, descobriram um fortíssimo cheiro de animal morto que empesteou o ar. Era a cadaverina, uma amina derivada da putrefação de proteínas animais, especialmente do aminoácido lisina.

Cadaverina, o fedor não reside no desenho da estrutura molecular, Fonte: Ben Mills, Wikipedia.

Cadaverina, o fedor não reside no desenho da estrutura molecular, Fonte: Ben Mills, Wikipedia.

Não cheguei a arrotar em voz alta minha erudição sobre o fedor, mas ela poderia ter até impressionado. Ou não. Poderia simplesmente soar arrogante e besta, o que provavelmente me fez manter a boca calada. Fato é que o fedor continuou ali, e nós, fora da sala.

A ciência básica é assim, às vezes te oferece uma série de informações que não resolvem em nada seu problema prático. Mas, como dizia Richard Feymann, ‘é como o sexo”, não é pelo resultado prático que a fazemos.

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM