Ilus√£o espetacular

Bem bolada aplicação de uma ilusão ótica antiga para vender um produto, em uma combinação perfeita. Conferi, e não é um truque: a ilusão que você experimentar será mesmo mais um bug de seu cérebro. [via Adfreak]

A reação Briggs-Rauscher

Cores mudando “espontaneamente” e “sem fim”: é a reação Briggs-Rauscher, que poderia ser melhor que Jesus e seus truques com água.
Na verdade, nesta reação química (real), diversos processos ocorrem simultaneamente (que não são nem mesmo plenamente compreendidos), e formam um ciclo que depois de variar claramente entre laranja, azul e transparente, retorna ao estado “inicial”. Infelizmente, não é um ciclo perfeito, e a psicodelia de cores cambiantes se repete apenas em torno de dez vezes. E gera produtos muito mais tóxicos do que vinho. A vantagem é que pode ser visto no Youtube. [via Wired]

“N√£o entre”, por 10.000 anos


Al√©m do petr√≥leo, e todos os seus problemas, a √ļnica fonte de energia efetiva de que dispomos √© a nuclear. Com todos os seus problemas, que s√£o realmente gigantescos. Se a queima de combust√≠veis f√≥sseis libera carbono que pode afetar o clima global, a energia nuclear gerada hoje produz inevitavelmente o lixo nuclear, que permanecer√° radioativo e letal por milhares e milhares de anos. A √ļnica “solu√ß√£o” pr√°tica encontrada e aplicada hoje √© enterrar tal lixo para debaixo do tapete em dep√≥sitos a centenas de metros de profundidade, na esperan√ßa de que n√£o haja vazamentos pelas pr√≥ximas centenas de gera√ß√Ķes. Mas al√©m dos vazamentos por causas naturais, sempre h√° a quest√£o de como evitar que gera√ß√Ķes futuras, talvez t√£o ou mais est√ļpidas que n√≥s, tentem liberar todo o lixo radioativo.
√Č com isto em mente que em 1993 o governo americano encomendou um relat√≥rio recomendando medidas para evitar que gera√ß√Ķes futuras tentem adentrar tais dep√≥sitos de lixo radioativo. Nada de armadilhas mirabolantes como bolas de pedra gigantes de Indiana Jones — a pr√≥pria radia√ß√£o j√° aniquilaria os intrusos, de fato –, as solu√ß√Ķes propostas se resumiram a sinais e s√≠mbolos universais e claros capazes de ser compreendidos no ano de 12.006, para que nossos eventuais descendentes compreendam que n√£o devem sequer tentar adentrar o dep√≥sito. As propostas acabaram quase t√£o interessantes quanto bolas de pedra gigantes.
Confira excertos do relat√≥rio, com ilustra√ß√Ķes, em ingl√™s: Expert Judgement on Markers to Deter Inadvertent Human Intrusion into the Waste Isolation Pilot Plant. Uma das sugest√Ķes foi a que pode ser vista na ilustra√ß√£o no in√≠cio deste post; uma paisagem de pontas enormes, sugerindo algo amea√ßador e pouco hospitaleiro. Outras id√©ias inclu√≠ram blocos negros gigantes e irregulares, que ficariam escaldantes durante o dia. Todas as id√©ias sugeridas t√™m em comum suas dimens√Ķes, “gigantescas” segundo os autores do relat√≥rio, para que o s√≠mbolo e a mensagem perdurem pelos mil√™nios. De fato, eles sugerem que “a constru√ß√£o de tal s√≠mbolo deve ser um dos maiores empreendimentos p√ļblicos da hist√≥ria“.
Tudo muito impressionante e lembrando ficção científica, mas em 2004 um novo relatório (PDF) foi menos fantasioso e sugeriu formas pouco grandiosas de transmitir mensagens, como placas gravadas com vários idiomas, desenhos e tradutores automatizados. Ainda assim, o depósito de lixo nuclear continua um empreendimento caro e arriscado, e é questionável que nossa mensagem duradoura para o futuro sejam avisos sobre o presente altamente radioativo que enterramos em diversos pontos do planeta.
Uma ant√≠tese desse “presente” poderia ser visto nas mensagens douradas das sondas Voyager e Pioneer enviadas ao espa√ßo exterior. Belas mensagens, sem d√ļvida… at√© que lembremos que essas sondas tamb√©m cont√™m material radioativo, e que s√≥ puderam funcionar t√£o bem gra√ßas a tal fonte de energia. Nada √© t√£o simples.

USS Nemo Nox


Não sou um grande Trekkie, mas como nerd aficcionado por seriados, essa escalação para uma nova Enterprise pelo Nemo Nox, é quase perfeita:

Resolvi fazer um joguinho: escalar personagens de outras séries recentes, que seriam interpretados pelos mesmos atores e teriam os mesmos traços de personalidade mas se comportariam como pessoas daquela época, com o conhecimento e o treinamento necessários para ocupar um posto de oficial da federação. Foi uma brincadeira divertida, e fiquei satisfeito com a minha seleção final para a U.S.S. Nemo Nox.
Commanding Officer: Captain Gregory House (Hugh Laurie), da série House. First Officer: Sydney Bristow (Jennifer Garner), da série Alias. Science Officer: Adrian Monk (Tony Shalhoub), da série Monk. Chief of Security: Vic Mackey (Michael Chiklis), da série The Shield. Chief Engineer: John Locke (Terry O’Quinn), da série Lost. Chief Medical Officer: Charlie Crews (Damian Lewis), da série Life. Communications Officer: Susan Mayer (Teri Hatcher), da série Desperate Housewives. Ship’s Counselor: Preston Burke (Isaiah Washington), da série Grey’s Anatomy. Emperor of the United Klingon and Cardassian Nations: Tony Soprano (James Gandolfini), da série The Sopranos. Leader of the Maquis Rebels: Jack Bauer (Kiefer Sutherland), da série 24.
Alguém se anima a escrever um roteiro?

O mais difícil problema de geometria fácil do mundo


É possível encontrar o valor do ângulo x em cada um dos triângulos acima usando apenas geometria elementar — nada de trigonometria, com senos, cossenos e afins. Geometria fácil, como lembrar que a soma dos ângulos internos de um triângulo é 180 graus. Mas encontrar a solução é MUITO difícil. Depois de pelo menos duas horas tentando resolver o problema, confira as dicas em inglês. Com elas, talvez demore apenas mais algumas horas para resolver os problemas. [via haha.nu]

Fractais premiados


Confira os ganhadores do “Benoit Mandelbrot Fractal Art Contest 2007” clicando no imagem acima. Porém, fractais são tão fascinantes que todos os concorrentes valem uma olhada.

Todos os cientistas est√£o errados


“Quando pensar o faz mudar de idéia, é filosofia.
Quando Deus o faz mudar de idéia, é fé.
Quando os fatos o fazem mudar de idéia, isso é ciência”.

A pergunta anual da Fundação Edge deste ano aos seus ilustres colaboradores, é: “Como descobertas ou argumentos científicos o fizeram mudar de idéia?“. As respostas são imperdíveis, embora estejam todas em inglês. Algumas delas incluem:
Richard Dawkins conta como passou a aceitar uma teoria que inicialmente descartou na primeira edição de seu primeiro livro, O Gene Egoísta, convencido por um novo modelo matemático. Susan Blackmore descreve sua crença em fenômenos paranormais, área de pesquisa com a qual conseguiu seu PhD, e como depois de muito esforço:

“Eu me lembro do exato momento em que algo clicou (ou talvez eu deva dizer ‘eu acho que me lembro…’, caso esta seja uma falsa memória). Estava deitada na banheira tentando encaixar meus últimos resultados negativos na teoria paranormal, quando me ocorreu pela primeira vez que eu poderia ter estado completamente enganada, e meus tutores certos. Talvez não existisse nenhum fenômeno paranormal“.

Talvez mais interessante àqueles não tão comprometidos com o ativismo cético seja a mudança de opinião de Steven Pinker, que cita suas próprias palavras há dez anos atrás:

Ainda estamos evoluindo? Biologicamente, provavelmente não muito. … Se a espécie está evoluindo de fato, está acontecendo muito lentamente e de forma impredizível para que saibamos a direção”.

Mas como noticiado recentemente, novos estudos genéticos “têm sugerido que milhares de genes, talvez tanto quanto dez por cento do genoma humano, estiveram sob forte seleção recente, e a seleção pode ter mesmo se acelerado durantes os últimos milhares de anos“. Como Pinker escreve, “tive que questionar minha suposição geral de que a evolução humana havia basicamente parado na era da revolução da agricultura“.
Sagan e Dawkins já comentavam sobre como a ciência é uma das únicas áreas do conhecimento humano em que você vê pessoas freqüentemente mudando de idéia, e a única em que tal é feito de maneira sistemática baseada em fatos. Todos os cientistas estão errados, assim como todos os religiosos, filósofos e poetas. A beleza da ciência é que todos os cientistas estão cada vez menos errados.

Na União Soviética, os discos voadores fazem VOCÊ!!


Clique na imagem acima para assistir ao documentário “Weird Weapons: The Axis” (2006), que apresenta diversas armas conceituais e algumas experimentais no mínimo bizarras. As mais conhecidas são as nazistas: além das armas de vingança, havia idéias e protótipos indo de geradores de tornados a armas acústicas, passando por espelhos espaciais em uma versão moderna da lendária arma de Arquimedes.
Muito menos conhecidas são as japonesas, que incluíram um “raio da morte“: um emissor de microondas. Nazistas ou japonesas, nenhuma delas provou ser prática, a despeito de (ou devido a) toda sua excentricidade. Seu desenvolvimento de fato consumiu preciosos recursos — ao invés de desenvolver o radar, por exemplo, o Império Japonês investiu em vão tentando criar seu “raio da morte”, sem jamais criar algo realmente útil.
Contudo, que os japoneses também tenham perdido tempo com idéias revolucionárias é relevante porque há todo um mito sobre a genialidade bélica nazista que deu margem mesmo a mitos ainda mais descabidos como o dos discos voadores de Hitler. Afinal, quando se vêem tantas novas tecnologias, a única explicação razoável é saudar os seres extraterrestres de Aldebaran.
Poderíamos mencionar as muitas novas tecnologias revolucionárias desenvolvidas também pelos Aliados (também influenciados por ETs?), mas talvez nada seja melhor do que este outro documentário: Secret Russian Aircraft of WWII (History Channel).
Os soviéticos teriam sido os primeiros a criar monoplanos modernos, usados na Guerra Civil Espanhola; em 1933 já haviam projetado aviões com asa em delta movidos a foguetes; desenvolveram o motor a jato de forma independente; e em 1937 chocaram o mundo com o primeiro vôo transpolar voando non-stop de Moscou a Washington. Os americanos não ficaram nada felizes. Mas os soviéticos conseguiram todos estes feitos a despeito de Stálin, que literalmente dizimou boa parte de seus cientistas e técnicos, enviando os que restaram vivos a prisões onde eram obrigados a projetar aviões sob vigilância constante. Não foi mera coincidência que poucos anos depois da morte do ditador, os soviéticos dariam pulos ainda mais gigantes em sua tecnologia aeroespacial, de Sputnik a Gagarin. Na União Soviética, os discos voadores fazem VOCÊ!!
A inventividade humana sempre esteve presente em todas as épocas e lugares, e a história revela que os limites raramente estão na mente de cientistas, e sim na de políticos e ditadores. O que nem sempre é ruim, afinal, estamos falando de armas que nos anos seguintes à Segunda Guerra acabariam por poder aniquilar a vida no planeta milhares de vezes.

Cachorro? Gato? Yoda?


É uma raposa Fennec. Clique na imagem para outras fotos. [via DRB]

Rob√ī modular

Vídeo sensacional do robô transformista modular japonês M-TRAN. Ele vem sendo desenvolvido já há alguns anos, e vídeos de sua primeira versão já haviam circulado em 2005. Acima você confere um vídeo que talvez ainda não tenha visto, e nesta página poderá saciar sua sede por vídeos de robôs transformistas. Robôs. [via AnomalyTV]

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Pol√≠tica de Privacidade | Termos e Condi√ß√Ķes | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


P√°ginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM