Carta a um pesquisador histórico, assalariado do Sr. Miguel Sousa Tavares

(Publicado no jornal O Primeiro de Janeiro a 27/12/2007)

Carta a um pesquisador histórico, assalariado do Sr. Miguel Sousa Tavares,


“Há duas tragédias na vida. Uma é não se ter o que o coração deseja. A outra é ter.”

George Bernard Shaw

Caro Pesquisador histórico, assalariado do Sr. Miguel Sousa Tavares,

Quanto à informação histórica solicitada, é com tristeza que o informo de que não a poderei fornecer.
Tal facto deve-se sobretudo a contenções orçamentais de vária ordem, como as recentemente sugeridas pelo seu empregador, nomeadamente os “desperdícios” orçamentais em actividades de descrição, inventariação, estudo e publicação ou preservação do património histórico-natural.
Assim, esse tipo de informação, gerada por aquelas actividades, passará a ser produzida unicamente por entidades privadas, como aquela que o Sr. representa. Desta forma, não caberá ao Estado tal supérfluo papel.

Passo a explicar: toda e qualquer acção que vise preservar e estudar actividades, marcas e reminiscências, quer humanas quer biológicas, não se enquadra nas funções do Estado português. São antes actividades que representam um desperdício de fundos indispensáveis aos nossos concidadãos.
Como iria compreender e aceitar um contribuinte de Bragança, por exemplo, que eu tivesse gerado e lhe fornecesse informações históricas, ou de outro tipo, resultantes de investimento público, se esse contribuinte não tem sequer um Centro de Saúde disponível?
Bem sei que nem só de pão vive o Homem, mas como sugere o seu chefe, não caberá ao Estado a provisão dessas outras exigências não-acessórias.
Além das necessidades básicas, deverão existir entidades privadas, como aquela que o seu empregador representa, que invistam em investigações e actividades de preservação do Património Histórico e Natural, absolutamente dispensáveis no actual contexto económico.

O povo quer informação histórica?
Que a tenha gerada pelo sector privado, de preferência sob a forma romanceada, na prateleira de um qualquer hiper-mercado suburbano.
O povo quer o seu património natural protegido?
Que o pague e se junte ao seu empregador, em fins-de-semana lúdicos nas reservas de caça privadas do Alentejo natural.
O povo quer conhecer o património histórico-natural?
Que compre livros do Michael Crichton e do seu exército de pesquisadores, que vasculham a investigação patrocinada pelo despesista contribuinte norte-americano.
Ou que visite os centros paleontológicos ou arqueológicos, na pobre vizinha Espanha, tais como o Museu do Jurássico nas Astúrias ou Atapuerca.

Os referidos contribuintes americanos e espanhóis com certeza desconhecerão as visões do seu empregador, ou não seriam tão burlados como são.
Desta forma, e na linha das profecias economicistas do seu empregador, não poderemos satisfazer os seus pedidos de informação histórica para o seu futuro best-seller.
O referido senhor deverá dirigir-se ao Centro de Emprego mais próximo e contratar um qualquer bando de profissionais, como biólogos, geólogos, paleontólogos, arqueólogos, historiadores e outros capacitados para emitir pareceres, que, de cabeça baixa e subservientes, engrossarão a vasta equipa geradora de preciosidades romanceadas de um passado mais brilhante do que este que nos oferecem.

Atenciosamente

Um funcionário

P.S. – comentário ao artigo de opinião de Miguel Sousa Tavares, no jornal Expresso de 22 de Dezembro de 2007.
O Sr. Tavares dever-se-ia preocupar nos motivos e nas causas da falta de rentabilização de algumas das infra-estruturas culturais que refere e não no património subjacente. Por vezes há que investir mais do que 10 para se poderem obter 100.
E não carpir nos 10 que se investiram.
É o que espanhóis, americanos e outros povos “enganados” fazem.
P.P.S.- já em 2001 o douto autor havia desencadeado semelhante ataque ao qual respondi em carta ao director no Público.

IMAGENS – daqui, daqui e daqui

Boas Festas

Só falta o Menino…o mamífero e a ave já lá estão à espera!
“Sejam felizes”

P.S.- ave – pinguim de Magalhães, província de Chubut, Patagónia argentina, 2004.

A Moby-Dick pode esperar…eis o Indohyus!

Whale AncestorA maioria das pessoas desconhece que os cetáceos, grupo a que pertencem as baleias e golfinhos, já foram animais terrestres.
Na sua história evolutiva verificaram-se alterações morfológicas que lhes permitiram um “regresso ao mar”.
Uma das características deste grupo é serem, assim, totalmente aquáticos. Para além deste factor são os maiores animais que já existiram – a baleia-azul, com um máximo na 33 m de comprimento e 190 000 kg de peso, mas podendo ter “apenas” 1,4 m e 45 kg, como a Toninha da Califórnia ou vaquita (Phocoena sinus).
Estes dois extremos do grupo Cetacea colocam várias questões evolutivas importantes, e algumas semelhante às colocadas nos dinossáurios saurópodes: que modificações sofreram estes animais para atingirem tamanhos descomunais? E como se deram esses processos?
Entre as alterações morfológicas verificadas na evolução dos cetáceos contam-se a redução do esqueleto apendicular, a alteração da forma dos dentes e modificações na estrutura do ouvido interno.

INDOHYUS2UM NOVO ELEMENTO NA HISTÓRIA DOS CETACEA
Depois de já anteriormente ter levantado a ponta do véu sobre a história evolutiva dos Cetacea, foi publicado hoje, na revista Nature.
Uma das conclusões deste estudo é o da proximidade de parentesco e semelhanças morfológicas entre o Indohyus (família Raoellidae, pertencente á ordem Artiodactyla) e os cetáceos. Esta descoberta permite inferir que o habitat aquático terá entrado na vida destes animais antes mesmo de surgirem os verdadeiros Cetacea. Este estudo aponta também que a mudança de dieta terá surgido na “transição” dos Artiodactyla para os Cetacea.


INDOHYUS

Outra das questões ainda não totalmente esclarecidas diz respeito à “causa” evolutiva que explique a transição do meio terrestre para o meio aquático destes animais. Alguns autores referem a dieta como sendo o fio condutor dessa “viagem”.
As evidências morfológicas surgem através dos dentes fossilizados deste grupo, que apesar de serem perfeitamente diferenciáveis das espécies actuais não permitem inferir com completo rigor a dieta do animal.

Thewissen 2002

ESMALTE E DIETA
Com o objectivo de averigua o carácter aquático do Indohyus, este novo estudo incorpora a análise da proporção entre os isótopos δ18O e δ13C do esmalte dentário. Estes isótopos são bastante estáveis após a morte do animal e posterior conjunto de fenómenos conducentes à sua fossilização e podem ser, e são, utilizados como um indicador do tipo de dieta do animal em estudo. Por exemplo, o isótopo δ18 do oxigénio revela quer a alimentação quer o tipo de água ingeridas, tendo-se verificado que os valores de δ18 presentes no esmalte do Indohyus eram inferiores aos dos mamíferos quer terrestres quer semi-aquáticos, do Eocénico.
Este facto permite inferir que este animal viveria num ambiente aquático, embora não se podendo afirmar se exclusivamente.
Apesar de passar muito tempo dentro de água, alimentar-se-ia também de vegetação em terra, um pouco à semelhança do que acontece com o hipopótamo.
A análise morfológica dos ossos encontrados e da composição química do esmalte dentário permite aos paleontólogos afirmar que o Indohyus não era um nadador exímio, tendo provavelmente vivido em ambiente aquáticos de pequena profundidade, com os membros assentes ou semi-assentes no fundo. Este animal alimentava-se também em terra, embora este estudo aponte a possibilidade de uma dieta aquática.

INDOHYUS1

TIPOS LOCOMOÇÂO AQUÁTICA DOS “VELHOS”
CETACEA

Se os modernos cetáceos apresentam formas muito semelhantes de locomoção aquática, o mesmo não se pode afirmar dos seus directos antepassados directos. No Eocénico (entre os 55 e os 34 milhões de anos atrás) os cetáceos apresentavam diversas morfologias corporais e consequentes modos distintos de natação que iam do balanço da barbatana caudal (nos Dorudontidae, semelhantes a golfinhos) até ao simples “remar” com os quatro membros (nos Pakicetidae).

GOULD

Stephen Jay Gould descreveu grande parte das “peripécias” paleo-cetáceas no seu ensaio mensal na revista do American Museum of Natural History “Natural History”, em 1994. O artigo “Hooking Leviathan by Its Past”, foi compilado no livro “Dinosaur in a Haystack”, editado em Portugal pela Gradiva, mas não me recordo do título…

 

REFERÊNCIAS

Gingerich PD, Arif M, Bhatti MA, Anwar M, Sanders WJ. 1997. Basilosaurus drazindai and Basiloterus hussaini, new Archaeoceti (Mammalia, Cetacea) from the middle Eocene Drazinda Formation, with revised interpretation of ages of whale-bearing strata in the Kirthar Group of the Sulaiman Range, Punjab (Pakistan). Contrib. Mus. Paleontol. Univ. Mich. 30:55-81
Gingerich PD, Haq M, Zalmout IS, Khan IH, Malkani MS. 2001. Origin of whales from early artiodactyls: hands and feet of Eocene Protocetidae from Pakistan. Science 293:2239-42
Gingerich PD, Raza SM, Arif M, Anwar M, Zhou X. 1994. New whale from the Eocene of Pakistan and the origin of cetacean swimming. Nature 368:844-47
Gingerich PD, Smith BH, Simons AL. 1990. Hind limbs of Eocene Basilosaurus: evidence of feet in whales. Science 249:154-57
Gingerich PD, Wells NA, Russell DE, Shah SMI. 1983. Origin of whales in epicontinental remnant seas: newevidence from the early Eocene of Pakistan. Science 220:403-6
Thewissen, J. G. M. & Williams, E. M. 2002. THE EARLY RADIATIONS OF CETACEA (MAMMALIA): Evolutionary Pattern and Developmental Correlations. Annu. Rev. Ecol. Syst. 2002. 33:73-90
Thewissen, J. G., L. N. Cooper, M. T. Clementz, Sunil Bajpai, and B. N. Tiwari. Whales originated from aquatic artiodactyls in the Eocene epoch of India. Nature 450: 1190-1194.

IMAGENS – Carl Buell; Thewissen, J. G. M. et al. 2007; Thewissen, J. G. M. & Williams, E. M. 2002; Thewissen, J. G. M. et al. 2007.

VIDEO

Acontece…na vida e na ciência

“Jack: What did he say?
Peter: He said the train is lost.

Jack: How can a train be lost? It’s on rails.”

Chamem-me simples.
Mas esta frase atingiu-me qual murro no estômago.
Tal como na vida e na ciência e por mais carris que tenhamos.

Inspiração daqui, daqui
Imagem – Rick O’Reilly

Seca e venenosa

Comentário torpe da minha parte: se o artigo tivesse laivos de português de telemóvel, o nome da nova espécie seria mais que redundante: “Ei malta, ashei mais uma Naja!!”

Uma nova espécie de cobra-cuspideira (a maior) do Quénia, Naja ashei, foi apresentada ao mundo. Até há pouco tempo pensava-se que esta recém-baptizda constituiria apenas coloração diferente da Naja nigricollis mas análises do ADN mitocondrial revelaram ser este réptil uma nova espécie.
Seja bem vinda senhora Naja ashei!
Referência: Wüster, Wolfgang & Broadley, Donald G. (2007): Get an eyeful of this: a new species of giant spitting cobra from eastern and north-eastern Africa (Squamata: Serpentes: Elapidae: Naja). Zootaxa 1532: 51-68. (PDF grátis)

Poema, dinos e abóboras

Em resposta ao elogioso post da Abobrinha, apenas uma imagem e um poema de Ogden Nash.

Fossils

At midnight in the museum hall
The fossils gathered for a ball
There were no drums or saxophones,
But just the clatter of their bones,
A rolling, rattling, carefree circus
Of mammoth polkas and mazurkas.
Pterodactyls and brontosauruses
Sang ghostly prehistoric choruses.
Amid the mastodontic wassail
I caught the eye of one small fossil.
Cheer up, sad world, he said, and winked-
It’s kind of fun to be extinct.

A REVISTA DO ANIMAL MODERNO

(Publicado no jornal O Primeiro de Janeiro a 13/12/2007)
Devido a inúmeras manhãs passadas a folhear e fatigado pelas revistas de fim-de-semana dos jornais portugueses, ocorreu-me lançar o número 0 de uma publicação exclusivamente dedicada ao “Animal Moderno”.
Com secções similares a tantas outras revistas absolutamente para “encher-chouriços”, a “Revista do Animal Moderno” contará no seu número de estreia com os seguintes artigos:

EVASÕES
– Migrar – prós e contras das viagens – o outro lado de viajar em bando.
– Como evitar os engarrafamentos do Serengeti.

COMPORTAMENTO/VIDA AMOROSA
Albatroz – manter viva a chama ao fim de mais de 20 anos a amar o mesmo bico.
Ame o mesmo, viva mais tempo.
Na ordem Procellariiformes a que pertence o albatroz, foi identificada uma relação entre longevidade e fidelidade masculina.
Esta ordem de aves é a que apresenta maior longevidade. Em aves de grande longevidade, a fidelidade masculina aumenta com a idade provavelmente devido ao facto que a aparência se degrada com a idade sendo sendo, assim, mais difícil conseguir uma nova parceira.
Espécies de aves com baixas longevidades apresentam valores de fidelidade masculina mais baixas pois a percentagem de “viúvos” é alta. Esses indivíduos têm grandes possibilidades de voltar a acasalar.

Entrevista a António, Lobo Ibérico (Canis lupus signatus) – como não perder a posição Alfa de liderança na sua matilha.

TENDÊNCIAS DE MODA/VAIDADES
Pelagem para este Inverno – o branco fica sempre bem…
Mudas de pele em répteis – como e quando fazer
Entrevista ao pavão

DECORAÇÃO
Ideias para tocas esconsas ou como optimizar o espaço do seu covil diminuto.
Etapas na escolha do seu primeiro ninho.
Gangues de jovens machos – etapas até ter o seu primeiro harém. Um olhar sobre a difícil etapa da passagem à vida adulta.

SAÚDE
Regeneração de membros – maravilhas de anfíbios, esperança para mamíferos.

GADGETS
Ecolocalização, as últimas versões – testámos o morcego e o golfinho.

GOURMET/RECEITAS
Necrófagos – mais slow-food que isto é impossível.
Carnívoros – adicione vegetais às suas presas e obtenha uma vida mais saudável.

Imagens – links nas mesmas.

Boiar

Toda a vida apenas boiou.
Saiu do grupo iniciático com as ferramentas básicas que permitiriam deslocar-se em ambiente aquático. Ondear ao sabor da corrente seria a mais básica das suas competências. Tinha tantas esperanças. Iria mostrar aos seus pares como se nadava. Melhor. Como ninguém tinha nadado até aí.
Os anos foram passando. Na realidade a sua capacidade de boiar era notável. Excelente mesmo. Desculpava-se afirmando que sem ser capaz de boiar nunca atingiria a excelência na natação. E era para isso que o seu destino estava marcado. As águas foram mudando e sempre foi capaz de se manter à tona. Boiava. As contingências afundavam-na. Mas ela sobrevivia. Boiava. Via à sua volta e até mais distante, outros que não o mereciam mas que, na verdade, nadavam.
Eles vão ver. Tenho perdido tempo porque sem boiar nunca conseguirei os desígnios da natação para que nasci, dizia.
E via-os afastar. Alguns, em momentos de maior ondulação tentavam fugir à intempérie mas eram afundados porque não se afastavam a tempo da excelência da sua flutuação. Em momentos de crise boiar é indispensável, nem que os outros se afundem à minha volta, justificava. E hei-de nadar, após esta tempestade, cogitava.
Apenas boiava.
Avistava nadar de costas. De bruços. Mariposa, até. Hei-de ser melhor do que eles, porque mereço, remoía. Alguns tentavam levá-la no rasto da sua natação mas quais tubarões, incapazes de sobreviverem sem nadar, acabavam por se afundar, impelidos pela excelência do seu boiar. Tinha-se tornado mestre no boiar. Nada a afundaria.
Pouco a pouco o inicial anseio de se movimentar para outras águas abalou. Tenho que me ir mantendo à tona. Boiar. Porque sem boiar nunca conseguirei nadar como quero, mentia-se. E boiava.
Os anos foram passando. Apenas boiava. Dizia que nadar já não era tão importante. Que boiar era indispensável. Que assim nunca se afundaria. Como tinha ocorrido a outros que circularam nas suas águas.
Que ridículos lhe pareciam agora. A nadarem!
O mais afortunados tinham-se afastado, nadando.
Os desastrados que mergulhavam devido à energia da água, não tinham voltado à tona. Porque não eram boiadores como ela. Como se aprazia que aqueles nadadores se afundassem. Era mestre no boiar e vinham agora aqueles nadadores para as suas águas. Tinha perdido tanto para dominar as técnicas que lhe abriam o caminho para a superfície. Queriam nadar? Então que pagassem o preço! Nunca se iria afundar porque apenas boiava e era excelente.
Boiava.
Para quê nadar?
E via-os passar, mais ou menos distantes. A nadar.
O importante é boiar, resmungava.
Boiar, apenas.

Dinossáurios bizarros, explicados e Feira de…Minerais, Gemas e Fósseis

Perdoem-me a promoção a este número fantástico da National Geographic mas, para além de confiar plenamente na revisão científica – auto-promoção -, tem excelentes imagens e textos.

Sábado, dia de 8 Dezembro, pelas 18h, palestra no Museu Nacional de História Natural, com Jeffrey A. Wilson, da Universidade do Michigan, um dos descobridores e autores do Nigersaurus taqueti.
Este investigador é responsável pela actual filogenia dos dinossáurios saurópodes e um dos especialistas mundiais nestes animais.
A palestra está integrada nas actividades da XXI Feira de Minerais, Gemas e Fósseis, organizada pelo MNHN.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=m8lJKXn6MmQ]

Breves – pele de dino e Populi evolução

Duas breves mais uma.
Um ornitópode descoberto no estado norte-americano do Dakota apresenta o que a maioria dos restos de dinossáurios não apresenta – tecido moles preservados, nomeadamente pele.
os tecidos preservados permitirão inferir sobre a massa muscular do animal, uma das questões polémicas em paleontologia de vertebrados, e compreender melhor padrões biomecânicos e respectivos desempenhos.

Um inquérito realizado em 34 países, em 2006, sobre a aceitação pública da Evolução apresentou os seguintes resultados:
Segundo os investigadores os resultados nos EUA devem-se, sobretudo, ao “poor understanding of biology, especially genetics, the politicization of science and the literal interpretation of the Bible by a small but vocal group of American Christians”.
Portugal está no “meio” da tabela mas, curiosamente, muito abaixo no nível da aceitação da Espanha. Não tenho dados sobre a “taxa de religiosidade” nos dois países mas parece-me que deverão ser semelhantes.
Quanto à literacia científica as coisas já serão diferentes concerteza…

O “chief astronomer” do Vaticano considerou que o «”intelligent design” isn’t science and doesn’t belong in science classrooms».

FONTES – aqui; aqui

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM