Dodós modernos?

Num momento de intenso debate sobre o futuro de uma área importante da cidade de Lisboa, da qual fazem parte os Museus da Politécnica – Museu de História Natural e Museu da Ciência – bem como o Jardim Botânico, retomo um artigo que publiquei em Outubro de 2006.

(Publicado no jornal O Primeiro de Janeiro a 12/10/2006)

O drama biológico do Dodó é sobejamente conhecido – ave originária das ilhas Maurícias e parente dos actuais pombos, não voava e não tinha qualquer receio da espécie humana.
Estes dois factos terão estado na origem da sua extinção no séc. XVII.

O Dodó extinguiu-se porque não foi capaz de se adaptar às alterações introduzidas no seu habitat pela pressão de um factor externo – a actividade humana.
Não tenho a certeza da validade da metáfora do Dodó para os Museus de História Natural mas, tal como o primeiro, estes últimos encontram-se, a nível mundial, a atravessar um momento de forte pressão “ambiental”.

Durante a minha escola primária tive duas ou três visitas ao Museu Zoológico da Universidade de Coimbra. Foram momentos de pura felicidade em que nos deslumbrámos com numerosas espécies empalhadas, só o esqueleto ou conservadas dentro de frascos.
Foi o meu primeiro contacto com parte daquilo que se entende por um Museu de História Natural (MHN).
Este conceito emanou do de Gabinete de Curiosidades (séc. XVI) em que os profissionais das ciências biológicas acumulavam exemplares biológicos (esqueletos, conchas, peles, flores, etc.) de “fora” com o objectivo não só de os preservarem mas igualmente de os utilizarem como materiais de estudo para os seus alunos. Isto ocorreu numa época em que os cientistas naturais começavam verdadeiramente a construir o seu campo de investigação.
Posteriormente e com o apogeu dos Exploradores Naturalistas no século XIX – exemplo paradigmático é o de Darwin – as colecções dos MHN são ampliadas com espólio proveniente de diversas partes do mundo, “servindo” não só a ciência como igualmente a curiosidade do habitantes das metrópoles relativamente a tudo aquilo que vinha das colónias.

FUNÇÕES DE UM MHN

INVESTIGAÇÃO/COLECÇÕES

É fundamental que qualquer MHN tenha uma política de estudo das suas colecções bem como profissionais especializados (biólogos, paleontólogos, antropólogos) nos seus quadros capazes da organização, catalogação, inventariação e estudo do espólio natural.
O estudo das colecções por parte de investigadores deve ser uma das principais linhas de orientação de qualquer MHN.
Prova desta importância é o Programa Synthesys, suportado pela União Europeia e que possibilita a mobilidade de investigadores de diversas áreas (genética, zoologia, paleontologia, antropologia, etc.) a diversos MHN europeus. Desta forma se pode estudar o Património Natural europeu, permitindo o conhecimento cada vez mais amplo da História Natural.

Segundo Keith S. Thomson, director do Museu Universitário de Oxford, as colecções de um MHN devem ter três objectivos principais:
Informação – as colecções devem constituir uma enorme biblioteca dos seres vivos que já habitaram e habitam o nosso planeta. Por exemplo um investigador em farmacologia deve poder localizar os “parentes” de determinada planta que tenha um efeito medicinal; um biólogo molecular poderá encontrar o ADN de uma espécie extinta e compreender melhor a evolução do património genético desse ser vivo; um agrónomo poderá estudar determinado insecto ou planta resistente a uma doença para uma possível cura;
Desta forma o Património Natural, passado e presente, que são as colecções de um MHN constitui a base da investigação em áreas científicas fundamentais tais como: evolução, ecologia, alterações climáticas, biogeografia, etologia e, se incluirmos as ciências humanas, aspectos culturais humanos.
Identificação – todo o objecto de uma colecção de um MHN deve estar correctamente identificado e catalogado e, consequentemente, enquadrado quer temporal quer espacialmente – onde, como, quando e por quem foi colhido, são informações absolutamente fundamentais. Sem estas informações bem como a posterior descrição e enquadramento taxonómico, o exemplar fica desenquadrado e praticamente sem valor científico embora possa ser utilizado para fins de divulgação/exibição. Para além do referido é necessário a actualização do enquadramento da classificação.
Comparação – para além de todos os exemplares, alguns colectados há mais de 200 anos, actualmente também se “arquivam” amostras de ADN e tecidos biológicos. Por intermédio do estudo comparativo, os investigadores analisam exemplares de diversos pontos geográficos e de várias idades, não só em busca de padrões de fenómenos naturais como também identificar as suas causas e prever o seu curso futuro.

No meu caso pessoal, permite-me estudar e digitalizar os restos fossilizados dos dinossáurios saurópodes, sejam espécies sul-americanas, asiáticas ou africanas, com vista à compreensão da evolução daquele grupo de animais extintos.
Como se pode compreender os MHN têm um papel fundamental não só na protecção da Biodiversidade como da sua compreensão, quer a passada quer a presente, com vista a um melhor futuro ambiental.

DIVULGAÇÃO/EDUCAÇÃO

Para além das funções de investigação e preservação do Património Natural, um MHN deve constituir um espaço acessível de educação científica em diversos campos e a diversos níveis. Protecção do Património Natural, Educação Ambiental e Educação para a Cidadania são áreas em a intervenção destes espaços museológicos deve ocorrer.
Apesar de todo o potencial atractivo de que gozam e sempre gozaram os MHN, também enfrentam hoje em dia uma série de desafios que passam pelos “inimigos” de muitas áreas: a Televisão, a Internet, entre outros.

Hoje em dia podemos observar quase tudo e de uma variedade enorme de maneiras. Os MHN
têm assim que ter a capacidade de reagir às exigências dos novos públicos, cada vez mais informados e exigentes. Estes públicos procuram saber mais do que o nome e a proveniência quando visitam uma exposição de história natural – procuram saber qual o papel daquele actor natural no seu ambiente natural; qual o papel que essa entidade natural tem ou teve na vida actual do visitante. Este conjunto de informações deve também procurar evitar um dos perigos comuns – o do espírito parque temático como a Disneylândia.
Cada vez mais na base na base de uma exposição de história natural devem estar ideias e temas actuais, mais do que as colecções.
Estas devem servir antes para contar uma história do que serem elas próprias a história.

Os MHN têm, assim, que se adaptar a novas realidades para que não sejam eles próprios novos Dodós.
Tenho trabalhado e feito investigação em diversos Museus de História Natural mundiais – de Nova Iorque a Marraquexe, de Berlim a Trelew na profunda Patagónia, passando por Londres e Pequim.
Encontrei condições de trabalho muito diferentes; profissionais melhor preparados que outros; espaços físicos maiores ou mais pequenos; de estilo clássico ou do mais puro vanguardismo arquitectónico.

Mas em todos eles se procura preservar, compreender e divulgar o Património Natural nas suas diversas vertentes para que um dia saibamos não só o que foi um Dodó mas também porque não podemos observar um hoje em dia.

Imagens daqui e Luís Azevedo Rodrigues

Referências
Keith S. Thomson. Natural History Museum Collections in the 21st Century. – daqui

Corrigimos o avô

O meu amigo Hugo Gante chamou-me a atenção para uma incorrecção no post “Avô salva neto”.
Diz respeito à relação filogenética entre os actuais elefantes e o mamute (Mammuthus primigenius) que eu deixo implícita no título.

O Hugo tem razão quando diz que elefantes e mamutes “serão 2 linhagens evolutivas distintas.”

É verdade.

Análises filogenéticas ao nível mitocondrial (1, 2) estabelecem um relação de parentesco mais próxima do mamute com o elefante asiático (Elephas maximus) do que daquele com o elefante africano (Loxodonta africana). A família Elephantidae terá tido origem em África há cerca de 6 milhões de anos sendo constituída por três linhagens distintas – os actuais elefantes africano e asiático e o mamute. As três espécies iniciaram a sua divergência pela separação do elefante africano sendo seguida, 440 mil anos depois (2), pela separação dos outros dois membros da sub-família Elephantinae.

Ao analisarmos o cladograma gerado a partir de (1), podemos constatar que o elefante asiático e o mamute são mais próximos entre si do que com o elefante africano.

Do que acabei de dizer não posso deixar de concordar com o Hugo Gante e me penitenciar pela metáfora familiar que utilizei não ter sido a mais correcta.

Usei-a no sentido temporal, ou seja, tentei dar a ideia de que um parente próximo, mas extinto, dos actuais elefantes os estava a salvar. Quando utilizei o vocábulo “avô” foi nesse sentido, temporal, mas obviamente pode deixar a ideia incorrecta de que Mammuthus primigenius é o antepassado directo dos actuais elefantes.

É apenas uma linhagem irmã, e como vimos, mais próxima dos asiáticos do que dos africano.

Obrigado Hugo, por me chamares a atenção para as metáforas e a sua correcta utilização em divulgação científica!

REFERÊNCIAS

(1) Rogaev EI, Moliaka YK, Malyarchuk BA, Kondrashov FA, Derenko MV, et al. 2006. Complete Mitochondrial Genome and Phylogeny of Pleistocene Mammoth Mammuthus primigenius. PLoS Biology Vol. 4, No. 3, e73 doi:10.1371/journal.pbio.0040073

(2) Johannes Krause, Paul H. Dear, Joshua L. Pollack, Montgomery Slatkin, Helen Spriggs, Ian Barnes, Adrian M. Lister, Ingo Ebersberger, Svante Pääbo and Michael Hofreiter .2006. Multiplex amplification of the mammoth mitochondrial genome and the evolution of Elephantidae. Nature 439, 724 – 727.

IMAGENS

Cladograma de (1);
Loxodonta africana juvenil – foto de Luís Azevedo Rodrigues, Universidade de Viena, 2006

MUYBRIDGE

Após este relembrar pelo excelente The Loom, retomo a imagem que criei, a partir das de Muybridge e de uma outra inesquecível de Hillary Swank.
Imagem:
Imagem – montagem de Luís Azevedo Rodrigues a partir de “The Horse in Motion” (1878), Edward Muybridge e Hilary Swank (2005), Norman Jean Roy.

AVÔ SALVA NETO?

Duas notícias com uma base comum.

O degelo verificado em vastas áreas da Sibéria tem revelado enormes quantidades de presas de mamute.
As restrições ao comércio de marfim de elefantes, em Outubro passado, levaram ao aumento do preço daquele material contribuindo para que os vestígios paleontológicos sejam vendidos entre os 800 e os 1000 dólares o quilograma.

Uma questão curiosa se coloca – os antepassados dos actuais elefantes estão a contribuir para a preservação dos seus descendentes…

A segunda notícia relata as análise efectuadas a um mamute juvenil, excepcionalmente conservado, designado informalmente de Lyuba.

PDF com alguma informação sobre os mamutes – aqui

Fontes das notícias – daqui , daqui e daqui

Imagens – Chien-Chi Chang/Magnum Photos; Reuters/Daniel Fisher/University of Michigan/Handout

ESCALAS

Por vezes é necessário um terceiro elemento para dar escala aos restantes…

Imagem – Luís Azevedo Rodrigues

Peso dos Geólogos

Tem o mesmo peso a voz dos geólogos em Portugal?

P.S. – O AVE é o o comboio de alta-velocidade espanhol.
Imagem – La Vanguardia (diário catalão) – 3 de Abril de 2008

ESPELEO JORNADAS CIENTÍFICAS

I Jornadas Científicas de Espeleologia – 1-4 Maio, 2008, Leiria

“Este evento visa divulgar as diferentes vertentes científicas e trabalhos de investigação vocacionados para o Maciço Calcário Estremenho, contando com o prestigiado Conselho Científico e Quadro de Colaboradores da Comissão Científica da FPE na condução dos diferentes workshops, saídas de campo e apresentações temáticas devidamente dimensionadas e estruturadas para este fim, cujo público alvo prioritário será a comunidade espeleológica nacional.”

Informações, programa e mais informações sobre as Jornadas – aqui
Concurso de Fotografia Espeleológica – 15 de Março – 20 de Abril de 2008 – submissão de fotografias – regulamento – aqui

P.S. – o cartaz das Jornadas está lindo!

MECENAS PARA BICHOS*

A Petrogal poderia muito bem patrocinar este bicho

* – Petrogale brachyotis

Imagem – daqui

Tabela recorrente

No site (abaixo) a tabela é clicável.

Daqui

SEGREDOS NO ÂMBAR

Para quem perdeu a palestra de Romain Vullo no Museu Nacional de História Natural, organizada pela Doutora Vanda Santos e pelo Dr. Nuno Rodrigues, em Dezembro passado, aqui ficam algumas imagens dos restos de animais encontrados no âmbar das jazidas de Charentes bem como o resumo da notícia:

“Paleontologists from the University of Rennes (France) and the ESRF have found the presence of 356 animal inclusions in completely opaque amber from mid-Cretaceous sites of Charentes (France). The team used the X-rays of the European light source to image two kilogrammes of the fossil tree resin with a technique that allows rapid survey of large amounts of opaque amber. At present this is the only way to discover inclusions in fully opaque amber.
Opaque amber has always been a challenge for paleontologists. Researchers cannot study it because the naked eye cannot visualize the presence of any fossil inclusion inside. In the Cretaceous sites like those in Charentes, there is up to 80% of opaque amber. It is like trying to find, in complete blindness, something that may or may not be there.

However, the paleontologists Malvina Lak, her colleagues from the University of Rennes and the ESRF paleontologist Paul Tafforeau, together with the National Museum of Natural History of Paris, have applied to opaque amber a synchrotron X-ray imaging technique known as propagation phase contrast microradiography. It sheds light on the interior of this dark amber, which resembles a stone to the human eye. “Researchers have tried to study this kind of amber for many years with little or no success. This is the first time that we can actually discover and study the fossils it contains”, says Paul Tafforeau.
The scientists imaged 640 pieces of amber from the Charentes region in southwestern France.

They discovered 356 fossil animals, going from wasps and flies, to ants or even spiders and acarians. The team was able to identify the family of 53% of the inclusions.
Most of the organisms discovered are tiny. For example, one of the discovered acarians measures 0.8 mm and a fossil wasp is only 4 mm. “The small size of the organisms is probably due to the fact that bigger animals would be able to escape from the resin before getting stuck, whereas little ones would be captured more easily”, explains Malvina Lak.

The surface features of amber pieces, like cracks, stand out more in the images than the fossil organisms in the interior when using synchrotron radiation. In order to solve this problem, scientists soaked the amber pieces in water before the experiment. Because water and amber have very similar densities, immersion made the outlines of the amber pieces and the cracks almost invisible. At the same time, it increased overall inclusion visibility, leading to better detection and characterization of the fossils.”

Notícia – daqui e daqui (com vídeo)
Legendas da imagens – na notícia
Imagens – M. Lak, P. Tafforeau, D. Néraudeau (ESRF Grenoble and UMR CNRS 6118 Rennes

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM