Baixo

A d√©cada de 70 teve a fase √°urea da¬†Motown nos EUA e alguns desdobramentos no Brasil. Dizem que Hyldon “Na Rua, na Chuva, na Fazenda”, no come√ßo dos anos 70, tinha uma banda com o Cassiano “Estou Ficando Velho e Acabado” chamada Os Diagonais. Depois que Os Diagonais acabaram, Hyldon foi aos EUA e de l√° voltou com um disco do Earth, Wind & Fire e p√īs para Caetano Veloso ouvir. Ele ouviu e gostou. Pegou a banda Black Rio, que j√° fazia um baita som misturando soul e samba, e gravou “Odara”, uma m√ļsica MPB com a levada impressionante do baixo funk de Jamil Joanes. Check it out

Aqui mais um som da Black Rio РMaria Fumaça Рao vivo. Com repinique, guitarra com som de cuíca e Jamil slapeando aos 1:28, atrás. O baixo é groove total e o som, de uma atualidade impressionante.

O baixo elétrico e o contra-baixo são instrumentos grandes, de cordas pesadas. Fazer um solo com um trambolho desses não é uma coisa muito simples: o baixo não foi feito para solar. Por isso, um solo de baixo é inusitado e chique. Diria até, sensual.

Um dos baixistas mais “interessantes” do momento √© uma mo√ßa. Seu nome Tal Wilkenfeld. Rapaz, esse solo com Jeff Beck no Crossroads √© de arrepiar. A m√ļsica chama-se Cause We’ve Ended as Lovers.

Aproveitei pra pegar dois papeis de parede do vídeo, evidenciando a performance maravilhosa que fez até o mito JB curvar-se Рpresentes do grande amigo DRH Рe disponibilizo aos amantes do baixo.

Repare na m√£ozinha em contraste com o baixo!