O Banquete


A FLIP 2007 foi um banquete. E eu pequei pela gula!

A ironia de Will Self, o carisma de Ishmael Beah, a carioquice de Paulo Lins, a profundidade de J.M. Coetzee, a graça de Ana Maria Gonçalves, Ahdaf Soueif e Mia couto, a angustia de Alan Pauls, as leituras de Nelson rodrigues…

Era tudo imperdível e ao mesmo tempo, impossível assistir tudo (lamentei ter perdido o mexicano Guillermo Arriaga e o israelense Amós Oz). E me deparei com um velho dilema cada vez mais atual: Como acompanhar a incrível produção de conhecimentos do mundo contemporâneo?

Leopoldo de Meis escreveu sobre isso 10 anos atrás: “No século XVIII a biblioteca da universidade de Oxford era uma das maiores do mundo e dispunha de aproximadamente 200 volumes. Se um professor dessa universidade desejasse, nessa época, atualizar seus conhecimentos e se dedicasse à leitura oito horas diárias, lendo se a vinte páginas por hora e descansando aos sábados e domingos, em um ano poderia ler toda biblioteca da universidade”.

O texto segue mostrando que este professor teria então absorvido todo o conhecimento produzido no mundo sem precisar se preocupar com atualizações, pois o ritmo de produção de novos conhecimentos era muito lento. Ele continua mostrando que atualmente são publicados mais de 1 milhão de trabalhos científicos por ano. Apenas na área de bioquímica são 151 revistas que publicam 60.000 artigos por ano, send que só o Journal of Biological Chemistry publica em torno de 500 artigos por mês.

“Se um professor-pesquisador universitário de bioquímica desejar atualizar seus conhecimentos e for capaz de ler um artigo por hora, ler dez horas por dia, todos os dias do ano, incluindo sábados e domingos, então ao fim o ano terá lido somente 6% do que se publicou em bioquímica no período”.

E no ano seguinte terá de se esforçar para acompanhar a nova quantidade de material produzido, além de recuperar os 94% da produção do ano anterior que ele perdeu.

O resultado é uma inevitável especialização em uma área com a generalização dos conhecimentos nas outras. Isso parece que nos deixa com uma raiva do ‘banquete’ pra justificar o problema que na realidade é nosso: A gula!

O problema é que essa gula está desvirtuando a especialização, que é um fato inevitável dentro do sistema (no sentindo de sistema ecológico) e criando um fenômeno descrito por Andrew Oitke como ‘Obesidade Mental’.

Citando o autor: “Qualquer pai responsável sabe que os seus filhos ficarão doentes se comerem apenas doces e chocolate. Não se entende, então, como é que tantos educadores aceitam que a dieta mental das crianças seja composta por desenhos animados, videojogos e telenovelas”.

Ele continua: “O conhecimento das pessoas aumentou, mas é feito de banalidades: Todos sabem que Kennedy foi assassinado, mas não sabem quem foi Kennedy. Todos dizem que a Capela Sistina tem teto, mas ninguém suspeita para que é que ela serve. Todos acham que Saddam é mau e Mandella é bom, mas nem desconfiam porquê. Todos conhecem que Pitágoras tem um teorema, mas ignoram o que é um cateto.”

Fico pensando que não li nem metade das coisas que acho que deveria ter lido. Não li a Ilíada, a Odisséia. e nem a Divina Comédia. E a cada ano que passa mais coisas vão ficando para trás. Ao mesmo tempo, sinto-me lar de tantas banalidades que inevitavelmente encontram seu caminho para dentro do meu cérebro. Eu também tenho meus ‘pneuzinhos mentais‘.

Um biscoito da sorte uma vez me disse: “Você pode ter muitas opiniões, mas isso não quer dizer que você saiba muita coisa”.

Numa das conversas de bar da FLIP, chegamos a conclusão que os sabichões acabam se isolando das relações humanas. Um contato importante com as outras pessoas é o “Isso eu não sei. Você pode me explicar?” Quem entende de tudo deve ser realmente um chato. Um chato solitário.

A gula, a gula é o problema. Acumular conhecimento nem sempre é acumular saber. Não enfiar o patê literário goela abaixo do cérebro ganso é se manter esbelto para permitir que nosso conteúdo vire foie gras de saber.

Assim podemos nos encontrar depois todos no bar pra saber das novidades!

Discussão - 8 comentários

  1. aliki disse:

    Comme d’hab, gostei tanto to seu post… Assisti a uma entrevista da FrançOise Giroud aos 83 anos (morreu aos 86), autodidata que foi uma grande mulher- e à tradicional pergunta sobre qual o segredo da sua beleza e vivacidade até depois dos 80, respondeu sem hesitaçâo: “Je n’y peux rien: TOUT m’intéresse!” Sera que é isso que está escrito na sua bandeira, professor?

  2. Mauro Rebelo disse:

    Aliki,você não poderia ter pego mais no ponto! Enquanto estava assistindo uma das palestras, escrevi um texto que não acho que chegarei a publicar porque é carregado de uma arrogância que assustou até a mim mesmo! :-)Mas é isso: Quero aprender tudo! A questão é: de quem? (e ai que reside a arrogância). Um beijo,

  3. aliki disse:

    Güenta que vou catar um koan zen ou até mesmo uma estória do Nasreddin Hodja que é o que vc merece. “Aprender de quem” é pq vc está concentrado nas respostas. Nossa cultura cientifica classifica respostas. E se o mais importante fosse as perguntas?

  4. Mauro Rebelo disse:

    Aliki, certamente eu tenho a aprender com você. Certa novamente. Obrigado!

  5. Mauro Rebelo disse:

    aliki,Ontem ouvi uma história ótima e lembrei do seu comentário. No livro “Ei! Tem Alguém Aí? de JOSTEIN GAARDER” um menino faz uma pergunta para um ET e esse faz um sinal de reverência, como dando a passagem. O menino sem entender, pergunta “o que ele está fazendo?” O ET responde, “abrindo caminho para sua pergunta. Uma boa pergunta vai longe!”Beijo

  6. Cris disse:

    “E se o importante fossem as perguntas?”. Pô, eu ia justamente contar aqui a história do livro do Jostein Gaarder! Passou na minha frente, você! Mas o mais fantástico é ver que a gente, com freqüência, pensa parecido! E que você ficou ligado na história da mesa do bar!Beijo

  7. João Carlos disse:

    Esse tema de “ser soterrado em informação” foi humoristicamente tratado por Stanislav Lem no seu livro “Ciberyad”.Pergunta para o Osame.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM